O acto ou efeito de coar compensa?

Keller: You want the paper?

Chris: That’s all right, just the book section.

He bends down and pulls out part of the paper on porch floor.

Keller: You’re always reading the book section and you never

buy a book.

Chris: {coming down to settee} I like to keep abreast of my

ignorance.

— Arthur Miller, “All My Sons

***

Segundo alguns, parece que sim: a coação compensa. Não sei de que forma compensarão quer o acto ou efeito de coar, por um lado, quer a acção de coar, exactamente pelo mesmo lado, em vez de efectivamente por outro. Contudo, alguém explicará tudo, certamente. Poderão também explicar se a quação também compensa.

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

***

Mais uns fatinhos

Eu escrevi aqui umas coisinhas.

— Rodolfo Reis, 5/7/2015

Parris — now he’s out with it: There is a party in this church. l am not blind; there is a faction and a party.

[…]

Danforth: But witchcraft is ipso facto, on its face and by its nature, an invisible crime, is it not?

— Arthur Miller, “The Crucible

Is The Crucible the ultimate post-truth play?

Douglas Rintoul

A vitória acaba por ser justa. […] É um golo estrambólico.

— Rodolfo Reis, 19/2/2017

***

dre202017

***

A retenção do título, a repercussão e a comunicação do fato

Is there no standard anymore?

— Darrell, Paul, Anselmo & Brown, “Walk

Les résonances se dispersent sur les différents plans de notre vie dans le monde, le retentissement nous appelle à un approfondissement de notre propre existence.

— Gaston Bachelard, “La poétique de l’espace

***

2015-02-24-viewbridge4-thumb

Fonte: Huffington Post UK (http://huff.to/2cxBstp)

Ao contrário daquilo que acontece na Psicanálise, com a imagem a ser estudada em função das suas origens, a imagem fenomenológica é analisada em função dos efeitos produzidos. Lembrei-me disto, a propósito do Diário da República de hoje, no qual encontrei «reter o título», pouco depois de o «le retentissement nous appelle à un approfondissement de notre propre existence», de Bachelard, ter reaparecido nuns papéis que ando a arrumar. Sendo verdade que esta retenção nada tem a ver com a repercussão (retentissement → retentir = re- + tentir) de Bachelard, também é verdade que na ressonância ouvimos um poema, mas na repercussão esse poema é nosso. Diz Bachelard.

Quanto ao sítio do costume, como podemos verificar, não há novidades.

dre1992016

***

Do alto da ponte: a Secretaria-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros

view-br

Fonte: postcardsgods (http://bit.ly/2cRVajV)

Marco Can you lift this chair?

Eddie What do you mean?

Marco From here.

— Arthur Miller, “A View from the Bridge

TheaterMania

Fonte: TheaterMania (http://bit.ly/2cucfFo)

***

Enquanto o ministro dos Negócios Estrangeiros assobia para o lado, aguardando serenamente, a Secretaria-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros escreve “contato telefónico”.

Efectivamente: “contato telefónico”. “Contato“? Exactamente. Quando? Hoje. Onde? No sítio do costume.

dre1692016

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

***

Dispensados de apresentar os documentos comprovativos dos fatos?

Proctor: Aye, that’s the truth of it, Rebecca.

Mrs. Putnam: This is no silly season, Rebecca.

— Arthur Miller, “The Crucible

***

Dispensados de apresentar os documentos comprovativos dos fatos? Exactamente: «dispensados de apresentar os documentos comprovativos dos fatos». Quantos fatos? Muitos fatos. Quando? Hoje. Onde? No sítio do costume.

dre-792016a

***

Meteram a viola no saco

red hook

© Red Hook Terminals (http://bit.ly/25qLQw7)

There have always been benevolent aristocrats. That doesn’t make me fall in love with the feudal system.

Noam Chomsky

Alfieri: But this is Red Hook, not Sicily. This is the slum that faces the bay on the seaward side of Brooklyn Bridge. This is the gullet of New York swallowing the tonnage of the world.

— Arthur Miller, A View from the Bridge

***

«Perceberam que não tinham razão e meteram a viola no saco», disse hoje António Costa, acerca da forma como Assembleia da República e Governo têm gerido a matéria Acordo Ortográfico de 1990. Efectivamente, depois de terem lido os pareceres (ver nota 13), os deputados e os ministros acabaram por meter a viola … Ah! Não foi sobre o Acordo Ortográfico de…? Foi sobre os colégios. Segundo o primeiro-ministro, os deputados da oposição terão percebido que não tinham razão e meteram a viola no saco. Sobre os colégios. Ah! Não foi sobre o Acordo… OK. Que grande confusão a minha. Peço imensa desculpa. Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.