Aristóteles, muito Chomsky, algum infinitivo e o Benfica-FC Porto

Global Imagens/DN (https://bit.ly/2GOVCht)

When I’m driving, I sometimes turn on the radio and I find very often that what I’m listening to is a discussion of sports. These are telephone conversations. People call in and have long and intricate discussions, and it’s plain that quite a high degree of thought and analysis is going into that. People know a tremendous amount. They know all sorts of complicated details and enter into far-reaching discussion about whether the coach made the right decision yesterday and so on. These are ordinary people, not professionals, who are applying their intelligence and analytic skills in these areas and accumulating quite a lot of knowledge and, for all I know, understanding.

Noam Chomsky

Professional sports are a way of building up jingoist fanaticism. You’re supposed to cheer for your home team. […] This idea of cheering for your home team, which you mentioned before, that’s a way of building into people irrational submissiveness to power. And it’s a very dangerous thing.

Noam Chomsky

Why do you care who wins? Why do you care who wins? Why do you have to associate yourself with a particular group of professionals, who you are told are your representatives, and they better win or else you’re going to commit suicide, when they’re perfectly interchangeable with the other group of professionals.

— Noam Chomsky

„Unter dem Entgegengesetzten aber hat der Widerspruch kein Mittleres; denn der Widerspruch ist ja eben eine Entgegensetzung, von deren beiden Gliedern eines jedem beliebigen Ding zukommt, ohne dass es zwischen ihnen ein Mittleres gibt.“

Aristóteles

Porque o árbitro se encontrava bem colocado e perto, cerca de 3/4 metros, e foi peremptório a assinalar a grande penalidade, aliado ao facto de não terem existido protestos de jogadores da equipa penalizada, que aceitaram pacificamente a decisão, com excepção do faltoso, único a esboçar contrariedade, damos-lhe o benefício da dúvida.

José Gonçalves

***

Efectivamente, porque hoje é sábado.

Reparar (opção minha, i.e., intencional, para o caso em apreço, não vá andar por aí o Ciberdúvidas, de gramática normativa em riste e corrector em punho) nos infinitivos de Duarte Gomes, árbitro que tinha dificuldade na detecção de inofensivos saltos do Jardel (o Mário) na área do Benfica, confundindo-os com lances para grande penalidade.

Isso foi há muitos anos, mas o sempiterno tema da arbitragem no futebol voltou à ordem do dia cá de casa, aqui, aqui e aqui (toma e embrulha, JJC). 

Comecemos pelo mais importante, pelos infinitivos — os tempos indicados (m:s) dizem respeito ao vídeo que aparece lá em baixo, em (*):

recordar isso em casa’ (20:49); ‘dizer também’ (20:50); ‘e dizer-vos antes’ (21:58), ‘e convidar‘ (21:59), ‘e recordar‘ (22:44), ‘e dizer‘ (23:04), ‘fazer alguma pedagogia lá em casa’ (25:33); ‘recordar que estamos no âmbito das opiniões’ (26:02); ‘ver a imagem com o dinamismo’ (26:14) ou ‘Paulo, focar, focar no braço direito’ (26:30-2), ‘Paulo, perceber que isto está em dinâmica, OK?’ (26:43-5).

De facto, esta tendência sintáctica de infinitivo isolado em início de oração aparece aqui de forma abundante, através de um falante de português europeu. Pense-se neste caso em que escrevo pense-se neste caso, em vez de pensar neste caso. Convém de facto pensar neste caso, em que não dispenso o ‘convém’ (e o ‘de facto’), para não começar a frase com pensar neste caso. Pegando num dos exemplos de Duarte Gomes, em vez de recordar isso em casa, pense-se em recorde-se isso em casa e é importante também pensar em soluções como é importante recordar isso em casa. Mas este fenómeno é assunto que vou deixar para entretenimento e discussão em aulas e em clubes de sintaxe, isto é, fica para outra altura, depois do Benfica-FC Porto de amanhã. Para um benfiquista portuense como eu, dias de Benfica-FC Porto e de FC Porto-Benfica são dias mágicos: mais do que dias de Benfica-Sporting ou de Sporting-Benfica.

Por isso, vou meter a minha colherada na celeuma futebolística da semana, aqui no Aventar — quem não gostar nem de futebol, nem de discussões sobre futebol ou sobre o árbitro, o ovo e a galinha pode ficar por aqui, em vez de ler mais.

[Read more…]

O Acordo Ortográfico de 1990 explicado por um jogador do Benfica

On dit souvent que, depuis Copernic, l’homme souffre de savoir qu’il n’est plus au centre du monde : grande déception cosmologique. La déception biologique et cellulaire est d’un autre ordre : elle nous apprend que le discontinu non seulement nous délimite, mais nous traverse : elle nous apprend que les dés nous gouvernent.

– Michel Foucault “Croître et Multiplier

***

Jonas, jogador brasileiro ao serviço do Benfica e actual melhor marcador do campeonato português de futebol, acaba de dar uma ajuda preciosa, embora involuntária, ao explicar de forma concreta o busílis do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990.

Em entrevista concedida ao jornalista brasileiro Tébaro Schmidt, da globoesporte.com (e não globoesportes.com, como se lê na notícia da versão europeia – já lá vamos), o futebolista menciona a maior decepção no Benfica. Efectivamente, a maior decepção.

 

Os serviços de tradução do jornal A Bola decidiram verter para português europeu esta parte da entrevista e o resultado é o seguinte:

Sem AO90, não é necessário traduzir decepção. Sem AO90, há decepção em Portugal e no Brasil. Com AO90, só há decepção no Brasil. Como o jornal A Bola decidiu aderir ao AO90, dando o seu contributo para a bem conhecida – aqui e alhures – «defesa da unidade essencial da língua portuguesa», eis a necessidade de explicar aos leitores portugueses o significado de decepção, através de uma das muitas aberrações ortográficas (deceção) criadas pelos autores do AO90 (há mais, sim, há mais).

Obrigado, Jonas.

***

O acto ou efeito de coar compensa?

Keller: You want the paper?

Chris: That’s all right, just the book section.

He bends down and pulls out part of the paper on porch floor.

Keller: You’re always reading the book section and you never

buy a book.

Chris: {coming down to settee} I like to keep abreast of my

ignorance.

— Arthur Miller, “All My Sons

***

Segundo alguns, parece que sim: a coação compensa. Não sei de que forma compensarão quer o acto ou efeito de coar, por um lado, quer a acção de coar, exactamente pelo mesmo lado, em vez de efectivamente por outro. Contudo, alguém explicará tudo, certamente. Poderão também explicar se a quação também compensa.

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

***

Em Portugal, só jogo no Benfica

«Contrariando rumores de que irei jogar no Sporting, e apesar do respeito que tenho pelos clubes portugueses, em Portugal só jogo no Benfica».

— Fábio Coentrão

***

«A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD informa que chegou a acordo com o Real Madrid CF para a transferência do jogador Fábio Coentrão por empréstimo na época desportiva de 2017/18.».

Benfica´s midfielder Fabio Coentrao (C) runs after scoring against Porto during a Portuguese Cup football match at Dragao Stadium in Porto, northern Portugal, on February 2, 2011. FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images (http://bit.ly/2tKf2kv)

Porque hoje é sábado

E, porque hoje é sábado, eu vou dizer para vocês o poema [do] Dia da Criação: um dia terrível, não é?

— Vinicius de Moraes

… and it feels like home.

— Madonna

***

Efectivamente, porque hoje é sábado.

via Instagram

***

A vergonha habitual, no sítio do costume

Beat. he that hath a beard, is more then a youth: and he that hath no beard, is lesse then a man.

— Shakespeare, “Much Ado About Nothing” (Folio 1, 1623)

George: Good, better, best, bested. [Back to Nick] How do you like that for a declension, young man? Eh?

— Edward Albee, ‘Who’s Afraid of Virginia Woolf?’

Uma autêntica vergonha.

— Rodolfo Reis, 10/6/2015

***

Por razões habituais, óptimas, espectaculares, excelentes, formidáveis e estupendas (a lista de atributos algo aleatórios encontra-se activa),

não consegui ver em directo o Glorioso e não actualizei o ponto da situação no sítio do costume.

Efectivamente, [Read more…]

Ah! A indignação (porque hoje é sábado)

A vida é mesmo assim: o Benfica está à espera que os jogadores do [F.C.] Porto falhem.

— Rodolfo Reis, 12/2/2017

O meu erro marcou, eventualmente, o título nacional

— Proença, o peremptório

***

Fernando e João, espero que o lance decisivo do campeonato 2016/17 seja este excepcional cruzamento do André Horta, com espectacular golo do Lisandro.

Efectivamente:

Horta vai levantar, segundo poste… golooooooooooo! Benfica! Grita que é golo! Liiiiiiiiiiisandro! Goooooooooooooooooooooolo! Benfica! Lisandro López, nas alturas, a golpear da direita do ataque do Benfica, para o lado contrário. Casillas voou, mas a bola está no fundo das redes.

tenor
Siga. Abraços e um óptimo fim-de-semana.

Ganhar o jogo sem espinhas

Benfica ist ein großer Name im internationalen Fußball und die stärkste Mannschaft in Portugal.

– Hans-Joachim Watzke

Eu queria unir as pedras desavindas
escoras do meu mundo movediço

[…]

E ainda que nada à volta bata certo
eu juro ganhar o jogo sem espinhas

Carlos Tê / Rui Veloso

É o mais importante para mim: é que vocês brilhem, brilhem como as estrelas todas que há.

– Rodolfo Reis, 11/12/2016

***

jimen2016b

©Patrícia de Melo Moreira/AFP (http://bit.ly/2gPNRem)

Exactamente. Tudo como dantes. Hoje, no sítio do costume.

dre12122016a

***

Ensaio sobre os centrais

rodolfo-reis

O Luisão escorrega, não é? No golo. Toda a gente pode escorregar. Escorregou. Escorregou. Quer-se dizer, estes centrais já estão um bocado ó tio, ó tio!

— Rodolfo Reis, 4/12/2016

Le fait que l’acte de porter une lettre à la poste est un comportement différent de celui de se promener dans la rue est dû à l’objet-but de l’acte.

Joseph Nuttin

 

***

Efectivamente, Fevereiro, mas direto. Sim, estamos em Dezembro de 2016 e já terá havido tempo para a consolidação dos conhecimentos obtidos durante as acções de formação anunciadas, onde provavelmente até terão sido proferidas barbaridades como «se disser Egito escreve sem ‘p’, mas se disser Egipto escreve com ‘p’». Aliás, recordemos que a grande divisão da doutrina era entre «não mais que 15 minutos» e «basta uma meia hora».

dre9122016a

O desastre prossegue, imparável. Imparável? Nem por isso. Temos sempre [Read more…]

Diz que é uma espécie de ortografia

Hoje, quarta-feira, dia 23 de Novembro de 2016, durante este invervalo do confronto entre o Glorioso e o colosso turco Beşiktaş [beˈʃiktaʃ], façamos um balanço sobre o que tem acontecido durante esta semana.

Por exemplo, na segunda-feira, aconteceu isto:
dre21112016a

Contudo, na terça-feira, foi isto que aconteceu:

dre22112016a

Já agora, o que estará a acontecer hoje? Hoje,  [Read more…]

Contatos? Pára! Pára!

There’s a lover in the story
But the story’s still the same

—Leonard Cohen, “You Want It Darker

***

Hoje, no sítio do costume, há contatos.

dre15112016

Também hoje, no Record (os meus agradecimentos ao nosso excelente leitor), voltamos a mergulhar na grafia Schweinstnegger: por um lado, quer a inadmissível grafia diretor, quer a incompreensível referência gráfica à selecção do Brasil, por outro, a triste notícia acerca da paragem do glorioso André Horta.
record-15112016

Continuação de uma óptima semana.

***

O jornal A Bola faz história

a-bola-5112016

Sometimes laws are intolerable, and need to be changed by organized legal protest if possible—but otherwise by actual resistance and civil disobedience.

Geoffrey K. Pullum, “The Great Eskimo Vocabulary Hoax and Other Irreverent Essays on the Study of Language” (foreword by James D. MacCawley)

***

Ontem, dia em que a Irlanda derrotou os All Blacks, o jornal da resistência silenciosa em tempos de liberdade (efectivamente, A Bola) deu-nos mais um exemplo quer da diferença entre crer e perceber, quer do espectáculo extremamente triste dado pelos desistentes que têm o distinto descaramento de optar pela resistência silenciosa, em tempos e lugares de liberdade de expressão. Cuidado. Muito cuidado.

Desejo-vos um óptimo domingo e votos de glorioso espectáculo, daqui a pouco, no Estádio do Dragão. Viva o Benfica. Viva!

«We have some bad hombres here»

jn20102016

We have some bad hombres here

Donald J. Trump

Light the match to ignite the wrath

Eminem

***

Depois de O Jogo e o Expresso terem abandonado o Acordo Ortográfico de 1990 (no que diz respeito a esta prática, o Expresso é useiro e vezeiro), chegou a vez do Jornal de Notícias.

Agradeço a um excelente leitor do Aventar o envio desta primeira página do JN. Efectivamente, mais uma prova de que o AO90 apenas está a ser aplicado em certas cabeças — aliás, como acontece com a guerra, naquela canção do grupo do Muir (do Mike e não do Nathan).

A contratação, a contração e a contracção

DSC_0334

© F.M. Valada, 25/8/2016

There was a picture of Florence in Behavioral Science at Quantico, shown him as a curiosity. It was the same view he was seeing now, old Florence from the Belvedere, the best view there is.

— Thomas Harris, “Hannibal

***

Para legenda de fotografia com os excelentes Rui Vitória e José Mourinho, Hugo Gil e Benfica escreveu

Contração para adjunto

em vez de

Contratação para adjunto

hugo gil e benfica

Durante muitos minutos, os polegares esticados, os corações e os sorrisos feicebuquianos foram aparecendo — passados dezasseis comentários, alguém deu pela gralha:

Contração??? Estavam apertados???

Entretanto, Hugo Gil e Benfica [Read more…]

Efectivamente: «declarar serem verdadeiros os fatos»

dre 1752016

Sim, «declarar serem verdadeiros os fatos». Os fatos? Exactamente. Os fatos. Trata-se de fenómeno antigo. Há solução? . Qualquer dia, o Benfica conquista o tetra e este assunto ainda não foi resolvido. Um pouco mais de rapidez, sff. Obrigado.

tri

© Patrícia de Melo Moreira (http://bit.ly/1smVduC)

Glorioso!

Gloriosos!

Gloriosos

©AFP/Getty Images (http://uefa.to/1TMmp1G)

Uma segunda-feira igual a tantas outras

mitroglou2

© AFP / FRANCISCO LEONG (http://gtty.im/1paB8a5 e http://bit.ly/1QBwnjQ)

Benfica vai à frente e há fato no sítio do costume.

dre732016

GOOOOOOOOOOOLO!

Em suma, é isto.

JONAS

Armando Franca/AP (http://bit.ly/1QHcZOh)

«Piada com Sporting obriga Marisa Matias a retratar-se»

MM retrata-se

Fonte: Jornal de Notícias (http://bit.ly/1RSJMFT)

 

At this point Hume really takes off. He says that we should examine the underlying principles of cause and effect, and he discovers two principles: the principle of causation and the principle of causality. The principle of causation says every event has a cause. The principle of causality says like causes have like effects. These, as he correctly sees, are not equivalent. For it might be the case that every event had a cause though there was no consistency in what sort of effects any particular cause might have, and no consistency in what sort of causes any effect might have.

— John Searle, Mind: A Brief Introduction, p. 196

though it makes the vnskilfull laugh, cannot but make the iudicious greeue
— Shakespeare, “Hamlet” (Quarto 2, 1604)

***

Segundo alguma comunicação social, Marisa Matias ter-se-á retratado, depois de uma piada sobre o Sporting:

«Uma piada de Marisa Matias que envolveu o Sporting incendiou as redes sociais, obrigando a candidata às presidenciais com apoio do Bloco de Esquerda a retratar-se». (Sol)

A frase de Marisa Matias, em entrevista ao ‘Observador’, gerou alguma polémica nas redes sociais e levou a candidata presidencial a retratar-se no ‘Facebook’. (A Bola)

Efectivamente, Marisa Matias retratou-se depois da piada sobre o Sporting: a entrevista em que a piada foi registada ocorreu no dia 7 de Janeiro e o retrato foi tirado em 14 de Janeiro. Contudo, verifique-se, a causa da retratação não é a piada.

Embora por razões grafémicas, também não encarei «o pedido de desculpas de João Pedrosa […] como uma retratação». Em português europeu, um pedido de desculpas não corresponde a uma retratação. Uma selfie, sim.

Post scriptum: [Read more…]

A Quadratura do Círculo reuniu-se no Dragão Caixa

Ah! Afinal foi na Alfândega da minha cidade. Seja como for, tenho óptimas recordações do Dragão Caixa.

“Trânsito para em Lisboa esta sexta-feira à tarde para deixar passar Eusébio”?

Não. “Trânsito pára em Lisboa esta sexta-feira à tarde para deixar passar Eusébio”. Felizmente, o Público não se mete nessas coisas.

Obter ‘reações’

JJ águia

@Lusa (http://bit.ly/1Gltq3J)

Aparentemente, o Observador tentou “obter reações“.

Reações?

Claro: «mas não foi possível chegar à fala com qualquer deles».

Experimentem “obter reacções”. Efectivamente, reacções.

Sim, reacções: r-e-a-c-ç-õ-e-s.

Mais um esforço.

O manto protector

Exactamente: protector. Porque protector [pɾutɛˈtoɾ] ≠ protetor [pɾutɨˈtoɾ]. Aliás, a própria RTP percebe esta diferença. Efectivamente, se Luís Filipe Vieira pronuncia [ˌmɐ̃tu pɾutɛˈtoɾ], logo, “manto protector”. De facto, “manto protetor” [ˌmɐ̃tu pɾutɨˈtoɾ] não funciona em português europeu.

Are you following this, America?

manto protector

«Se quiserem, posso falar em latim…»

diz Lopetegui. Por mim, tudo bem. Lopetegui merece outra oportunidade.

Os espetadores, os espectadores, o fato e os “contristas”

Segunda-feira, 16 de Março de 2015.

A Bola

espetadores

Diário da República

dre 1632015

A semana promete.

Post scriptum: A pergunta do fim-de-semana: “os contristas ainda mexem“?

Exactamente: Eusébio

eusebio-benfica-ac-milan

«Benfica inside-left Eusebio da Silva Ferreira takes a flying kick to score the first goal of the match 18 minutes into the European Cup final against AC Milan at Wembley, 22nd May 1963. Milan won the match 2-1» (Foto via contra.gr)

Crianças e mulheres ficaram com aftas

A carga policial afetou crianças e mulheres“. Efectivamente, afetou.

“Talisca: sensação na Europa e esperança para a seleção”

Efectivamente. Seleção.

Afinal, Gaitán é brasileiro

Gaitán chamado à seleção. Sim, “à seleção“.

António Costa: um acto de coragem

benfica-06fe

© Luís Barra (bit.ly/RTvDek)

Através do Expresso, ficámos a saber que José Sócrates considera um acto (exactamente: um acto) de coragem a disponibilidade manifestada por António Costa. Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990? Não, nem pensar. Há esperança? Claro que há. Enquanto houver acto, há esperança.