É muito fácil

Every word I said is what I mean

Chris Cornell & Hunter Shepherd

May I continue?

— Noam Chomsky

“Somos Porto”. É fácil dizer [ˌsomuʃˈpoɾtu].

— Rodolfo Reis, 14/5/2017

***

De facto, também é fácil dizer “Portugal vinculou-se ao Acordo Ortográfico“.

Repare-se: [puɾtuˌɡaɫ vĩkuˌɫosɨˌau̯ ɐˌkoɾdu ɔɾtuˈɡɾafiku].

Muito fácil.

Efectivamente.

***

Chris Cornell (1964-2017)

[Read more…]

Mundivisão

O Ministro dos Negócios Estrangeiros – o mais aristotélico membro deste governo – escreve hoje no jornal PÚBLICO um interessante texto sobre a importância dos pormenores e das coisas “aparentemente laterais” na prossecução da política externa.

Esta intervenção pública foi, aparentemente, suscitada pela recente vitória de um artista português no festival da Eurovisão, mas o seu propósito parece ser o de chamar a nossa atenção para os diferentes planos em que se desenvolve a política externa de um país, sendo alguns deles, necessariamente, de visibilidade reduzida, outros de importância improvável na estratégia político-diplomática portuguesa. Nos tempos recentes têm sido vários os exemplos de sucesso dessa estratégia, mas é de sublinhar – e elogiar – que a Cultura, seja ela “de massas” ou de elites, se afirme como instrumento de diplomacia e, mais ainda, que o faça através de uma disrupção rigorosamente calculada, cujo propósito foi afirmar – e impor –  um paradigma novo. Houve força para isso, o que é de assinalar.

É muito interessante verificar também que, tendo sido meticulosamente preparada a campanha na Eurovisão, com toda a racionalidade positiva e cartesiana que caracteriza um projecto político desta magnitude, o objectivo final tenha sido alcançado por um “agente” improvável, muito mais próximo de Diógenes do que de Aristóteles. Ter ganho foi importante, mas muito mais importante foi ter ganho um novo paradigma, nascido da vontade de influenciar o rumo da civilização, desafio de que Portugal não pode eximir-se.

Augusto Santos Silva «escreve segundo as normas do novo Acordo Ortográfico»

Escreve?

A sério?

«Segundo as normas do [Read more…]

Estranheza e estupefacção

Hoje, através de uns amigos, soube que Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, reagiu com “estranheza e estupefação [!!!!!!]” a assunto que não me interessa discutir.

Todavia, não é verdade que o deputado tenha reagido com “estranheza e estupefação“. O deputado reagiu com “estranheza e estupefacção“. Efectivamente: com estupefacção. Isto é, com cê.

Depois de termos ficado a saber que «se quisesse, o Governo podia denunciar o acordo ortográfico – mas não quer», nada como uma pitada de “estranheza e estupefacção” de um deputado (do PS), para se perceber que tudo isto é muito hipócrita, tudo isto é muito fado.

Exactamente, haja pachorra e estupefacção.

Efectivamente, tudo isto é estranho.

Agir com base na solução e não na prevenção – a actuação diplomática portuguesa no caso de Almaraz

nuclear

O Ministério dos Negócios Estrangeiros Português retirou a queixa que mantinha desde dia 16 de Janeiro contra o governo espanhol na questão de Almaraz. Em troca da retirada da queixa, o governo espanhol concordou em tomar algumas medidas provisórias (não avançar com o processo de construção enquanto nos próximos 2 meses não ceder toda a informação sobre o assunto ao governo português; técnicos portugueses e da Comissão Europeia irão realizar uma vistoria técnica à central), o que levou o Ministro Artur Santos Silva a declarar-se disponível para realizar uma nova queixa se o governo português entender daqui a 2 meses que continua a ter motivos:

“Ao fim dos dois meses, faremos o balanço. Se Portugal entender que continua a ter motivos para que a queixa prossiga o seu curso, a mesma mão que assina a carta a retirar a queixa, assina a carta a repô-la” – retirado aqui.

[Read more…]

Jornalismo precário e dependente

O Primeiro-Ministro António Costa, na comunicação de Natal destacou duas dimensões da nossa vida comum: a precariedade laboral e a educação. Ontem a Comunicação Social fez o favor de mostrar a importância de ambas – o não-caso de Vila Nova de Gaia e a escuta a Santos Silva mostram como o jornalismo português está demasiado dependente de interesses, eventualmente diversos e onde a boa-educação está, há muito, à margem da profissão.

Em Gaia, à falta de melhor, uma jornalista resolveu escrever um conjunto de falsidades e, sabendo eu, que a jornalista teve acesso documental à informação verdadeira, pergunto:

-em que momento a senhora se esqueceu da sua carteira profissional? No momento em que talvez se fosse vingar de algum acontecimento passado? Ou no momento em que talvez estivesse a ajudar alguém?

Aliás, também Os truques da imprensa questiona a jornalista:

“1. Ou Margarida Gomes não sabia do arquivamento, o que é pouco verosímil, tendo em conta que a jornalista terá contactado o DIAP para confirmar a existência da queixa e, se sabia da queixa, sabia necessariamente também do seu arquivamento.

2. Ou Margarida Gomes preferiu nunca mencionar de forma explícita o arquivamento da queixa, optando por deixar no ar uma eventual investigação em curso, favorecendo a sua narrativa e o enviesamento do caso e utilizando para isso uma redacção ardilosa ou mesmo manhosa (o que significa uma queixa “estar” no DIAP? Pode incluir “estar” (arquivada) no DIAP? Num caixote do lixo? Numa gaveta? Ou em fase de inquérito?”

Uma coisa dou como certa, Jornalismo, não é de certeza e a ética não se faz assim.

Percebo a banhada autárquica que se aproxima do PSD e até imagino como gostariam de recuperar Gaia, mas não creio que seja a sul do Porto que a cavalgada de Rui Rio para a liderança laranja vai ser questionada. A derrota do PSD e de Passos Coelho vai mesmo acontecer e Rui Rio vai chegar lá, mas não creio que esse seja um problema de Gaia. Logo, não creio que este tipo de notícias tenha uma génese partidária. Nacional, claro. [Read more…]

Do alto da ponte: a Secretaria-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros

view-br

Fonte: postcardsgods (http://bit.ly/2cRVajV)

Marco Can you lift this chair?

Eddie What do you mean?

Marco From here.

— Arthur Miller, “A View from the Bridge

TheaterMania

Fonte: TheaterMania (http://bit.ly/2cucfFo)

***

Enquanto o ministro dos Negócios Estrangeiros assobia para o lado, aguardando serenamente, a Secretaria-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros escreve “contato telefónico”.

Efectivamente: “contato telefónico”. “Contato“? Exactamente. Quando? Hoje. Onde? No sítio do costume.

dre1692016

Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

***

Santos em casa

santos silva
Santos Silva está nas suas sete quintas. Conspirar, aconselhar, encenar, trafulhar, são algumas das suas especialidades. Mal não é sabida a “disponibilidade para tudo”(?) de António Costa, ei-lo, excitado, a teorizar, naquele seu tom de maoista (mal) reciclado, sobre os cenários que se apresentam à candidatura do autarca à liderança do PS.

Esteve ao nível.

Depois de despachar a hipótese – que António Costa ainda considera a título cosmético – de conversar com o PCP (isso nunca, eles não se querem comprometer, eles querem sair do euro, da UE, da própria Europa – até parece que o homem leu a Jangada de Pedra – e outras aldrabices habituais no catálogo destas ocasiões), SS – ops! – Santos Silva discorreu demoradamente sobre como se ganhavam as gentes do PSD e CDS – órfãos, segundo ele, de liderança – e pessoas dispersas por “esses partidos sem importância, como o partido dos animais (?) e outros”. [Read more…]

Chega de Relvas!

Os acontecimentos no ISCTE, escola onde me licenciei, geraram alargada polémica; nomeadamente quanto ao conceito de ‘liberdade de expressão’.

Tudo gravitou à volta de um ministro, Miguel Relvas, cujo falseado curriculum estudantil e o comportamento de governante e cidadão justificariam, há muito, o afastamento do governo – Passos Coelho, por força da mobilização do PSD de Norte a Sul (Seguro segue idêntica via), como diz o povo “tem o rabo preso” e consequentemente falta de coragem de o demitir.

A “democracia portuguesa”, no PS e PSD em especial, é prisioneira das ‘jotas’; tendo como complemento a ortodoxia do PCP e os sinuosos percursos de Portas. É o regime político que nos coube em sorte, não muito distinto de outros a vigorar na Velha Europa, onde coesão e solidariedade são referências rejeitadas. Reflicta-se no que é exposto neste site’ do Reino Unido, de que reproduzimos a tradução do 1.º parágrafo:

“Desde a década de 1980 os dramáticos diferenciais pagamentos salariais têm-se desenvolvido no Reino Unido. Até recentemente, sociedade tornou-se bastante confortável com isso como um resultado inevitável de nosso sistema económico. A introdução do salário mínimo reconheceu que o mercado nem sempre foi o melhor árbitro de salários. Apesar disso, as desigualdades continuam a levantar-se, com 1% do ‘top’ tendo um cada vez maior quota na partilha dos lucros do crescimento económico.”

[Read more…]

Isto anda tudo ligado

Conduzido pela memória da Ana Matos Pires, então isto é assim: o Relvas, coitadinho que não o deixaram falar, é o mesmo Relvas que afirmou em 2008 sobre Augusto Santos Silva:

O senhor ministro tem que perceber que a barricada da liberdade, desta vez, não está do lado do PS, mas do lado dos professores e não tem que ficar indignado que estes se manifestem e reclamem os seus direitos.

Isto porque o então ministro despejou uma enormidade de insultos sobre os professores que o vaiavam em Chaves:

o mesmo Augusto Santos Silva, agora ex-ministro, que ocorre em defesa da liberdade porque o ora ministro foi vaiado. Sobre a defesa da liberdade de expressão em Augusto Santos Silva, basta ouvi-lo, é uma espécie de sindicalista dos pobres ministros do rotativismo, ofendidos pelos ultrajes da populaça; dessa parte e da sua defesa acérrima da pré-privatização da escola pública pelo governo anterior não me tinha esquecido. O Relvas e o seu governo umas vezes são, outras nem pensar nisso.

Coerentes ou incoerentes, sobre ministros de Portugal, estamos conversados.

ASS e Câncio, Mofo na TVI24

Umas das coisas mais prodigiosas da sub-democracia portuguesa é a flexibilidade funcional dos seus actores políticos: depois de exercerem funções ministeriais ou de deputação, funções aliás guardadas caninamente como se fossem absolutos e propriedade privada [no caso de ASS, são o supremo altar a si mesmo] dão em comentadores nas TV. Que cansaço! Uma pouca vergonha.

Isenção? Zero. Distanciamento crítico? Nulo. Que é que se pode esperar de novo, autónomo, pessoal, de cromos sistémicos, repetidos, melífluos, como ASS ou a matrafona Câncio vagamente jornalista?! E depois há isto: são sempre os mesmos. Sempre. Sobretudo socialistas; os socialistas abancaram-se nos media para evacuar inanidades, encher de verbo e pastéis-pentelho todos os interstícios de antena, mal refeitos da grande festa rapace. Uma pouca vergonha.

Ver Vieira da Silva em grandes perorações morais de dedo indicador, no Parlamento, revolve as tripas, tal como saber que há um ASS na TVI24, por exemplo a ‘analisar’ o Affaire Relvas, esse nó górdio de aselhice na legislatura em decurso. ASS e Câncio, com as suas cábulas manhosas, são faces de uma mesma moeda jurássica: extintos, corridos, e ainda estrebucham qualquer coisa repleta de mofo para dizer e que de todo não vale a pena ouvir. Uma pouca vergonha!

A filha da PuTice digital terrestre

O caso TDT é muito fácil de explicar: em Portugal mandam as empresas e as empresas, como agora os seus criadinhos assumem, vivem para o lucro passando por cima do que for preciso.

O espectro radioelectrico faz parte do nosso património natural, digamos assim. Ao libertar o que estava ocupado pela tv analógica (que fica para os telemóveis de 4ª geração) e ao distribuir o digital (que tem capacidade para dezenas de canais) o governo onde ainda pontificava Augusto Santos Silva só tinha que garantir para os cofres do estado a renda das concessões e como contrapartida impor às empresas que ganhassem os concursos que todos os portugueses no mínimo continuassem com acesso à televisão de sinal aberto sem qualquer custo. Assim se fez noutros lados.

Aqui não. Aqui a PT ficou com a rede da TDT, e como é óbvio começou por impor que esta não lhe faria concorrência ao seu, ou seja ao Meo: nada de canais em sinal aberto, que ainda deixo de vender o cabo. Foi aprovado um a repartir entre RTP, SIC e TVI, que como é óbvio não se entenderam. E nas próximas semanas os que não têm dinheiro deixarão de ter vícios, como se sabe ver televisão é um vício, e pobre à noite que faça filhos, mesmo que já não tenha idade para isso. [Read more…]

Os submarinos só param no Alfeite

Ainda faltava uma evidência atestando que a compra dos dois submarinos à Alemanha é um caso típico do poder da tropa, de corrupção, poderio da indústria de armamento neste caso alemã, incompetência e provável financiamento partidário? Já a temos.

A marinhagem acaba de confirmar que os submarinos só podem parar no Alfeite. Não podem atracar nos Açores e na Madeira (e a defesa do nosso espaço marítimo era um dos argumentos para a sua compra). Não sei qual é a sua autonomia, nem me interessa: é o caso típico do pacóvio que compra um móvel que não cabe lá em casa.

Satisfeito o capricho dos almirantes de águas profundas, e doces quando se trata do dinheiro dos outros, fiquemos pois com os submarinos fazendo viagens de ida e volta para o Alfeite, ou iniciemos uma campanha para adaptar outros portos a essa função. Qual crise, não é Paulo Portas, que os comprou, e Augusto Santos Silva que não teve coragem de os mandar à Merkel?

De Civismo Anémico a Civismo Vitaminado! Não nos dêem é o xarope da demagogia envenenada, muito receitada pelo jornalismo afecto à Direita.

http://www.rtp.pt/noticias/player.swf

Audio: Declarações de Augusto Santos Silva Sobre a Manifestação de 12 de Março – ou o Protesto da geração à Rasca.

F-Se! No Meu Post Pré-Manifestação, eu dava o meu Contributo “Falem com o Augusto Santos Silva”. Reforço: tendo sido ele o “Porta-Voz” do Governo, assim o parece, é! Falem mesmo com o Augusto Santos Silva. Um Político que já deu Provas de ser capaz de mudança de realidades Amargas, cujo resultado – sem o ser ideal – pelo menos, foi o mais ajustado às circunstâncias. Y tinha sido tão fácil apresentar algo um pouco melhor. Aconteceu que Oposição Y Sindicatos apresentaram alternativas que tornariam a realidade ainda mais injusta y grosseira: por ignorância, desleixo, incompetência Y, acima de tudo, com isso só deixaram patente um enorme desrespeito pela vida alheia. A vida dia-a-dia, não a vida teórica do “se cá neva-se fazia-se cá sky”.  O Augusto Santos Silva tem Vantagem: é um técnico pragmático.

F-Se2! Aqui a Sugestão ao Augusto Santos Silva não é Demagogia Envenenada, a lá Jornalista de Direita a apregoar o Salvar da Pátria pela mudança de Governo – essa Derrocada Nacional. Em que, tal qual Arca de Noé, só se Salvariam um par de poucas coisas: o Apogeu da Indústria emergente da Caridade Y Privatização do Direito à Saúde. É, a sugestão do Mal-Amado Augusto Santos Silva é mesmo fruto de Saber Empírico. [Read more…]

No Centenário (5): direitinho ao dr. A. Santos Silva

 

Aqui está o tipo de "democracia" que os do Centenário querem fazer-nos comemorar!

 

 "Hontem, por volta das 9 horas menos um quarto da noite, o sr. José Pereira de Sampaio (1) descia, só, tranquilo e socegadamente a rua Sá da Bandeira, desta cidade.  Atravessou a rua, vindo da tabacaria Gonçalves, o dr. Affonso Costa, acompanhado de vinte indivíduos, aproximadamente. Subito, o dr. Affonso Costa, dirigindo-se ao sr. José Sampaio, berrou-lhe: – Ah, seu canalha! E, levantando a mão armada de um "box de ferro", assentou-lhe uma forte pancada na cabeça. Logo, os indivíduos que acompanhavam o dr, mettendo-se na contenda, agarraram os dois, mas permittindo que o dr. Costa continuasse aggredindo violentamente o sr. José Sampaio. (…)"

 

Jornal Voz Pública, 12 de Janeiro de 1902

 

(1) (Sampaio Bruno, que entretanto se desfiliara do Partido Republicano) 

No Centenário (4): Faces Ocultas de ontem e de hoje

 

 "Ill.mº Ex,mº Srº

 

Ahi vão as informações que me deu sobre o celebre Affonso Costa o official da contabilidade de secretaria da universidade.

 

O Affonso Costa, antes de ser deputado, e depois de sahir de Coimbra, abonava as faltas com certidões de medicos que attestavam a doença d’elle, e contava-se-lhe e recebia todos os mezes o ordenado. Como o abuso se prolongava, baixou da reitoria uma ordem para não aceitar certidão de abonação de faltas. Desde que foi elleito deputado, sempre se lhe tem contado ordenado, e elle tem-no recebido, sendo o bedel da faculdade que o recebe e lh’o remete para Lisboa. O ordenado conta-se-lhe sempre, porque quando a camara está fechada, pertence elle a uma comissão extra-parlamentar, não sei de quê, mas que obteve da camara para poder receber o ordenado sem trabalho. Este é um dos catões que se propoem salvar a pátria!

 

Sou de

V.ª Ex.ª

Manuel d’Oliveira Chaves Castro

 

Coimbra, 22 deJunho de 1910"

 

 

Apenas uma nota: torna-se bastante difícil continuar a ignomínia do alçamento das "excelsas virtudes" de apregoados grandes vultos. Se este aspecto comezinho – no dizer ou possível opinião do dr. M. Soares – não chega, acrescentem-se então ao palmarés do Costa de outrora, a cacetagem, o incentivo ao crime físico com a eliminação de adversários, a censura a priori à imprensa, a fraude eleitoral, o radical cerceamento dos cadernos de eleitores, o nepotismo descarado, o ataque cerrado ao Partido Socialista de Azedo Gneco – acusado de conspiração com o rei -, a promoção dos antecessores da PIDE – a famosa Formiga Branca – e um sem fim de iniquidades. Na Comissão do Centenário, o dr. Augusto Santos Silva parece querer patrocinar isto. Lendo as notícias deste nosso "habitual quotidiano", anotamos a coerência. Vê-se!

O Palácio de S. Lourenço

TEXTO DE FRANCISCO LEITE MONTEIRO

 

Em apontamento da correspondente na Madeira, o DN de 28 refere a reivindicação, pelo Presidente do Governo Regional, da entrega da velha Fortaleza, hoje Palácio de São Lourenço, à região, um diferendo que, inexplicavelmente, se arrasta há largos anos, tema sobre o qual – desde pelo menos 2001 – tenho abordado, em particular na imprensa regional madeirense. O atraso do governo central em reconhecer que à Madeira cabe decidir sobre o património regional que, obviamente, continuará parte do património nacional, é uma abstrusidade, como é também, fazer depender a decisão dos militares, espécie de bode expiatório, na velha perspectiva de que com a tropa ninguém se mete, passando como tal o novo ministro da Defesa, Augusto Santos Silva, a ser o “mau da fita”.

 

Efectivamente aos militares quase desde sempre se deve muito do que se não conseguiu fazer através dos tempos. Evocando o livro “Palácio de São Lourenço na Cidade do Funchal” (José Leite Monteiro, 1950) cabe recordar dificuldades dos velhos tempos coloniais, envolvendo a ocupação da ala nascente do palácio pelos militares que, pelo menos, por duas vezes impediu a concretização de obras de valorização. A primeira foi no final do terceiro quartel do século XIX, “porque o Comandante Militar – Coronel Macedo e Couto – a isso se opôs”. Estava em causa a unificação da fachada sul, que sessenta anos mais tarde, viria a ser de novo contemplada mas só parcialmente foi conseguida, obviamente pela incompreensão dos militares.

Os tempos hoje são outros e, como já escrevi, não pode tolerar-se que em pleno século XXI, se continue a impedir a criação de um espaço histórico-cultural, incluindo os Museus da História e das Actividades Económicas da Madeira, bem como um “Centro Cultural” e também a sala de visitas e de convívio das gentes da Madeira e de quantos a visitam e revisitam, nesse padrão memorável que é São Lourenço onde, “dentro das suas muralhas se conserva, material e espiritualmente, a continuidade da sua História”. Publicado também no «Diário de Notícias»