Monita

santoinacio-2

“Acredito que o branco que eu vejo é preto, se a hierarquia da Igreja assim o tiver determinado”.
Inácio de Loyola

 

Inácio de Loyola (1491-1556) fundou a Companhia de Jesus, juntamente com outros seis companheiros, em Montmartre, a 15 de Outubro de 1534. Desse grupo fundador fez parte um português, de nome Simão Rodrigues de Azevedo, que veio a ser, em 1546, o primeiro Provincial da Província portuguesa da Companhia de Jesus.

[Read more…]

“Abaixo os concertos dos Eagles of Death Metal, não é seguro ir a um concerto desses porque Deus odeia a sua música”

O refugiado Albert Einstein dizia uma vez que “duas coisas são infinitas, o universo e a estupidez humana, e não estou completamente certo acerca do universo“. E a prová-lo estão os tempos que correm e que a televisão tão bem documenta.
Nuno Markl fez uma síntese pequenina mas sintomática do que sobre uma banda de música as televisões têm dito por estes dias.
fanatismo_religioso
Os Eagles of Heavy Metal são”uma banda de heavy metal que pode ter sido escolhida pelos terroristas como vingança pelas torturas feitas por soldados americanos (…), fazem “versões dos Eagles em heavy metal”, são os próprios Eagles, “autora de clássicos como Hotel California e o nome da banda “significa Anjos da Morte” e são “uma banda de soul”.
Ora, se a televisão tem a virtude de estupidificar parecendo ser coisa séria, porque não pode um pastor baptista americano tentar fazer o mesmo, mas com piada? Fala assim pastor Steve Anderson a propósito de França e do atentado de há dias…

“Querem falar de uma nação pecaminosa? – isso é perverso” (da dita  aprovação estatística do adultério em França).

“Sabiam que a França é frequentemente descrita como um dos paises mais gay friendly do mundo? (…) e que a maioria dos franceses apoio o casamento gay? (…) e que Paris é uma das cidades mais queer friendly? (…) e que “fazer comentários homofóbicos é ilegal em França? Este sermão seria ilegal em França!” (…)
“eles não têm a liberdade de expressão para pregar a palavra de Deus, como nós estamos a fazer hoje aqui”.
“O presidente da Câmara de Paris entre 2001 e 2014, era um sodomita declarado, Bernard Delanoë, (…) saiu do armário e daí a três anos foi eleito Mayor de Paris”, “há dúvidas de que França é uma nação pecaminosa?”, (Paris) “é uma capital sodomita, é um antro sodomita, é um holocausto de abortos todos os dias, é um sítio perverso onde o adultério é a norma, é aceitável, é maravilhoso (…), “é por isso que a França sofreu este ataque, porque eles são perversos aos olhos de Deus”, “e estão a sofrer hoje por causa dos seus pecados. Essa é a verdade!” (…) (as pessoas inocentes) “foram a um concerto perverso”, “Abaixo os concertos do Eagles of Death Metal, não é seguro ir a um concerto desses porque Deus odeia a sua música, porque a alcunha do vocalista é “o diabo”!” (…), “God bless America”.

Amen…

Será que o Bataclan foi escolhido por acaso?


osama-bin-laden-1998jpg-0d53e0ea14cb1e4d

Será que o DAESH escolheu, por mero acaso, a sala de espectáculos francesa do Bataclan para perpetrar um dos mais bárbaros ataques terroristas da história?

Se tivermos em linha de conta que o A=1, B=2, C=3, e por ai fora, B+A+T+A+C+L+A+N corresponde a 2+1+20+1+3+12+1+14 que corresponde a 54 que, por sua vez, corresponde à idade com que morreu Osama Bin Laden.

Esta será a fórmula ( B+A+T+A+C+L+A+N = 2+1+20+1+3+12+1+14 = 54 ) que pode ter estado subjacente à escolha do local do atentado pelo DAESH para ” homenagear ” o antigo líder da Al-Qaeda.

Nota: Este post foi apagado por lapso. Verificado o erro foi republicado a partir da cache não tendo sido possível recuperar os comentários contudo estes poderão ser consultados aqui.

Ser e fazer tudo aquilo que eles detestam

an die freude

Quando eu soube a notícia dos atentados estava a ir buscar o meu irmão a um concerto no Campo Pequeno. A primeira coisa que, naturalmente, me atravessou o espirito foi “e se fosse ele? E se fosse eu?”

Depois achei que seria uma boa ideia tentar ver e ouvir testemunhos dos ataques, das pessoas que sobreviveram. Pensei eu, numa vã e absurda tentativa, que ao ver aquilo eu poderia estar preparada caso me acontecesse. Podia pensar, ora se algum dia estiver num concerto e um sacana qualquer abrir fogo eu posso fazer isto ou aquilo. Esconder-me, baixar-me, fingir que estou morta. Rapidamente percebi que estava só a tentar enganar-me e acalmar-me. Não valia a pena estar a ver aquelas imagens que me deixaram ainda pior do que estava. Não há forma absolutamente nenhuma de controlar. Há sorte. A sorte a que uns podem chamar Deus, a sorte que eu chamo o acaso. O acaso de alguém se sentar dentro ou fora de um restaurante, de estar mais perto da porta numa sala de espectáculos ou mais longe, a sorte de ter decidido não ir a um determinado sitio numa determinada noite, a sorte de ter apanhado trânsito ou perdido o autocarro. A sorte que é lei neste mundo feito de probabilidades.

Durante todo o Sábado não consegui rir-me. Eu rio-me muito e choro muito pouco. Às tantas dei por mim, estupidamente e incompreensivelmente, a chorar. Não com imagens de pessoas mortas mas com uma descrição de pessoas a ajudarem-se umas às outras: os taxistas que não cobraram para levar as pessoas para casa, as pessoas que gritavam os números das portas dos prédios para os que fugiam se puderem refugiar. Porque no meio de toda a desumanidade e crueldade o que é revolucionário é a bondade das pessoas. E só me ri no Domingo, de repente, quando um rapaz diz que a razão pela qual ele e a namorada se salvaram é porque tinham discutido e abandonado a esplanada mais cedo.

[Read more…]

A ver se nos entendemos

Obrigado.

Culpem o Heavy Metal


A TVI 24 faz-nos saber que os prisioneiros de Guantanamo foram expostos a música em altos berros, música… H-e-a-v-y M-e-t-a-l. E como no Bataclan tocava ontem uma banda de heavy metal (o que nem é verdade), será que há relação entre a música e o banditagem a que assistimos ontem em directo?
“É só uma coincidência? É só um pormenor que nos ajudar a compreender o que se passou em Paris?”
E como sobreviveremos a este “novo tipo de terrorismo que, por acaso, repara, até já tem comunicações por satélite?”

A música que importa

“Imagina que não há países,
Não é difícil se tentares,
Nada por que matar ou morrer
E nada de religiões
Imagina todas as pessoas
A viver a sua vida em paz

Podes dizer que sou um sonhador
Mas não sou o único a sonhar
Espero que um dia te juntes a nós
E o mundo seja uno e apenas um”

John Lennon, Imagine, 1971
[adapt.]

O que responder?

voltaire statue

Voltaire, Dicionário Filosófico, excertos do artigo “Fanatismo”:

Resumindo, todos os horrores de quinze séculos podem ser renovados num só, desde as pessoas sem defesa chacinadas aos pés dos altares, dos reis esfaqueados ou envenenados, um vasto Estado reduzido a metade pelos seus próprios cidadãos, desde a nação mais belicosa até à mais pacífica dividida pela espada desembainhada entre o pai e o filho, os usurpadores, os tiranos, os executores, os parricidas e os sacrilégios violando todas as convenções divinas e humanas pelo espírito da religião: cá está a história do fanatismo e dos feitos.

Não há outro remédio a esta maldita epidemia que o espírito filosófico, que espalha, passo a passo, os costumes dos homens e que impede os acessos do mal. As leis e a religião não chegam para lutar contra a peste das almas. A religião, longe de ser um alimento salutar, torna-se um veneno nos cérebros infectados. Os miseráveis inspiram-se sem cessar no exemplo de Aod que assassinou o rei Églon; de Judith que cortou a cabeça de Holopherne enquanto dormia com ele; de Samuel que desfez o Rei Agag; do padre Joad que assassinou a sua rainha etc. etc. Eles não percebem que estes exemplos, que são respeitáveis na Antiguidade, são abomináveis no tempo presente: eles põem a sua loucura na própria religião que os condena.

O que podemos responder a um homem que te diz que prefere obedecer a Deus que aos homens e que em consequência disso ele está certo de merecer o céu por te matar?

Os líderes dos fanáticos, que colocam os punhais nas suas mãos, são uns velhacos maliciosos. Eles assemelham-se ao Velho da montanha que, diz-se, deu às pessoas fracas uma pequena amostra do paraíso, prometendo-lhes uma eternidade de tais prazeres, desde que eles matassem todos aqueles que ele lhes ordenasse. Em todo o mundo só uma religião não foi conspurcada pelo fanatismo, a dos literatos chineses. Quanto aos filósofos, em vez de serem infectados por essa pestilência, eles foram um remédio contra ela pois o efeito da filosofia é compor a alma e o fanatismo é incompatível com a tranquilidade. Relativamente à nossa santa religião ter sido tão corrompida por estes infernais impulsos, é a loucura dos homens que se deve culpar.