A ver se nos entendemos

Obrigado.

Comments

  1. JgMenos says:

    És tão estúpido quanto ignorante!


    • Tens, razão: uma árvore não faz a floresta e nunca aqueles foram nem cristãos nem muçulmanos. Apenas doentes mentais.


  2. As fotos são suficientes para entender as semelhanças e as diferenças. Basta somar a quantidade de vítimas.


  3. A ver se nos entendemos!
    Os cristãos nunca conseguem justificar o seu ódio e a sua violência com o Evangelho e o exemplo de Cristo, ou o Novo Testamento. Apesar disso alguns foram e são violentos, fanáticos e semeiam o ódio, mas fazem-no à custa dos seus próprios argumentos, ou quando muito socorrendo-se do Velho Testamento. Quanto aos outros… a dimensão do problema está nessa “pequena” diferença. Já Voltaire e Dante o sabiam!
    É por isso que apoio sem reservas a ajuda e a guarida aos refugiados, mas julgo que o multiculturalismo tem de ser repensado.


    • Exatamente. O cristão quando mata fere a “cartilha” matricial da sua fé e afasta-se dos ensinamentos e práticas do seu “role-model” Jesus… O jihadista sanguinário não se desvia do seu livro nem do seu profeta. Faz o que o livro manda e repete o que o líder fez pelas próprias mãos ou mandou fazer. Não é muito difícil entender esta diferença fundamental. De qualquer das formas a religião (seja ela qual for) é uma coisa potencialmente perigosa, sendo certo que algumas são mais perigosas que outras…

    • ferpin says:

      Aí anda confusão. A Bíblia está cheia de textos validando a violência. Validou as cruzadas, a Inquisição, etc. A questão é que a humanidade evoluiu. A inquisição acabou. Os Papas bórgias também.

      Li há algum tempo um artigo citando textos do corão apelando à morte dos infieis, e depois da bíblia apelando ao mesmo. Lamento não ter aqui o link para lhe dar. A questão é que a humanidade aprendeu a pensar, e já não toma à letra tal violência verbal.

      Os terroristas muçulmanos não passam duns indivíduos destrutivos e violentos que usam umas frases do corão para justificar o que andam a fazer.

      E 99% dos cristãos e boa parte dos muçulmanos têm uma leitura benigna dos seus livros sagrados,que contém muitos conteúdos apelando à paz entre os homens.
      Ficam de fora não só estes radicais loucos mas também aqueles loucos do teaparty (vão ler o que eles defendem em nome ed Deus)


      • Falava dos evangelhos e do novo testamento, não do Antigo Testamento. A Bíblia nunca validou a inquisição. As cruzadas validam-se por si. Foram uma reacção a uma acção invasora. Foram e estão perfeitamente justificadas. Foi mais uma guerra por território do que propriamente religiosa. Afonso conquistou Lisboa com os Cruzados e o Islão permaneceu protegido em Lisboa e em todo o território português até ao reinado de D. Manuel. Talvez não saiba que o Islão atravessou os Pirinéus ainda antes das Cruzadas. Eu li a Bíblia (e leio) e li o Corão (tenho-o em casa e consulto-o). Estude num mapa a expansão do império islâmico logo após a morte do profeta Maomé e o tempo em que ocorreu (menos de um século), O cristianismo ainda não estava implantado em todo o território europeu, já o Islão chegava ao cabo da Roca. Cristo e Maomé têm uma diferença de 6 séculos. Como europeu e da cultura ocidental não sinto qualquer culpabilidade pelo movimento das cruzadas, para além dos disparates e crimes que são comuns em qualquer guerra.
        Quanto à evolução da Humanidade tenho sérias dúvidas sobre a sua evolução. Basta ler a conquista de Lisboa escrita por quem dela participou, para perceber que não evoluímos coisa nenhum, muito pelo contrário.

  4. Carvalho says:

    O que faz mal é ser religioso: em nome das diferentes religiões, têm-se cometido inúmeros crimes contra a Humanidade.
    A religião bestifica as pessoas, torna-as acéfalas.


    • Em nome de que religião se fez a 1ª e 2ª guerras? A maior parte das guerras da Europa? Em nome de que religião são os crimes de Pol Pot, Estaline ou Hitler? Em nome de que religião são os crimes da Coreia do Norte?

      • Nightwish says:

        A maior parte das guerras na Europa foram claramente influenciadas pela religião… Principalmente sempre que algum país tinha uma versão ligeiramente diferente.

      • Carvalho says:

        Religião é causa de guerras.
        Outras razões são causa de guerras, além das religiões.
        Obviamente.
        O que não invalida a primeira premissa
        (Xico, você precisa mesmo de um desenho, para entender algo simples, não precisa? Porque será?)


      • Pelo que sabemos, efetivamente as guerras têm-se feito em nome de território, poder e dinheiro.

        A religião aglutina as pontas soltas.

  5. martinhopm says:

    Deixando de lado a discussão sobre religião(ões) , violência e guerra, digo: o que os une, os do KKK e os do Daesh é o ódio. Tanto uns como outros são desprezíveis, praticam actos abomináveis e, verdadeiramente, não são humanos.