Deixem as fardas em paz

Foto: Miguel A. Lopes/Lusa@DN

Ainda o bem-sucedido processo de vacinação não estava concluído, já os portugueses se tinham rendido à eficiência e ao low profile abnegado do vice-almirante Gouveia e Melo. E foi, de facto, um trabalho notável e exemplar. Merece, a meu ver, todos os elogios. E a recusa categórica do messianismo foi a cereja no cimo do bolo:

Eu não sou político. Qualquer ser que apareça como o salvador da pátria é mau para a democracia, porque a democracia salva-se em conjunto com todos os atores do sistema democrático.

Não foram poucos, aqueles que, num ápice, se converteram à religião das fardas. Alguns por admiração, outros por desencanto de longa-duração com o funcionamento da democracia, outros ainda com os olhos postos numa solução autoritária, olhando para Gouveia e Melo como um meio para atingir um fim. Felizmente para nós, os militares portugueses têm tido um papel central nos combates pela democracia e pela liberdade, e, parece-me, são poucos dados a cantos de sereias fascistas. Basta ver o que fizeram aos antepassados desta nova vaga de extremistas de direita, naquela madrugada inicial, inteira e limpa.

[Read more…]

Crime organizado no bloco central?

mafia

Arregimentação de votantes, falsificação de cadernos de recenseamento, intimidação física dos adversários, votações com cartões falsos, troca de votos por cargos, roubos de urnas e outras vigarices, truques e manipulações. As eleições internas nos dois grandes partidos que se têm alternado no poder não são para gente séria. Joga-se feio e só os mais duros resistem. Reina o caciquismo e a oligarquia. No final, não há democracia que resista, conclui Vítor Matos, autor de “Os Predadores”, que é apresentado esta quinta-feira em Lisboa. [via Expresso]

Não se esqueça de votar neles no dia 4. Já consigo ouvir o hino de vitória.