S.L.Benfica – Futaventar #1

“Aí está a retoma!”

Enorme exibição de Fábio Coentrão

Enorme exibição de Fábio Coentrão

(Foto do Jornal “A Bola”)

Sócrates e Antero Henriques (AH) estão na mesma onda!
Para um 153 000 desempregados corresponde ao alcançar de um objectivo e um excelente sinal da economia lusa, para outro as não vitórias do Maior Clube do Mundo correspondem a um facto – não sabe ganhar em Democracia. Nem mais!
E ontem 54113 tiveram oportunidade de ver a retoma on tour, mais conhecida por Dias, A.S..
A retoma entrou cedo em campo com uma bola a bater na mão do David, visão categórica de A.H. como sinal da ditadura que se vive no clube da luz. Logo, sem margem para qualquer certeza, ASD aponta para a marca de penalty. Talvez por ter sido com a mão direita valeu penalty, mais tarde, por ter sido na esquerda não valeu – na área do marítimo uma mão não deu penalty: verdade que um não chegou porque o Cardozo resolveu dar uma de Sportinguista e falhou uma penalidade.
Quanto ao resto foi uma batalha dura entre o povo que luta diariamente para vencer um crise real e uma governação que apresenta a retoma há anos – fechadinhos lá trás, vestidos com as cores da Madeira, encostaram o paquete em frente à baliza. Depois, devagar e devagarinho lá foram indo… Nunca sairam do Porto, por isso nunca chegaram a bom porto ainda que a retoma azul e branca. Ups… Desculpem. A retoma rosa tenha tentado.
Nesta campeonato muito particular da retoma sim ou não, está visto que do lado do glorioso, só podemos confirmar: a retoma está aí. Já nos levaram dois pontos.
Até Guimarães.

Nota:meu caro Miguel, não sou de pressas – e, sim, concordo contigo – esse jovem da foto foi o melhor do Benfica ontem.

O poder Ditatorial do FC Porto e a noite

Alguém se surpreende com este tipo de acontecimentos?

Há muitos anos que todos sabem a enorme influência- em tempos total – que os Homens fortes do Porto tinham sobre a noite e o poder que isso lhes conferia perante os jogadores, jovens habituados às coisas boas da noite. Sou do tempo, em miúdo de ver craques do Porto – Oliveira, Gomes – até altas horas num café de Rio Tinto no dia anterior aos jogos. Está publicado em livro e é voz corrente na invicta que a entrada do Pinto da Costa mudou isto tudo e o braço armado criado foi crucial para esta estratégia de dominar tudo e todos – de jogadores a árbitros, a dirigentes de outros clubes. O Braço Armado são os Super que controlam e atemorizam “tudo o que mexe” – estão para quem se mete com o FCP como o cotovelo do Bruno Alves para os seus adversários.

Madureira1

A forma como a Direcção do Porto tolera a “autonomia” dos Super é algo questionável e permitiu a criação de um grupo dirigente com muito dinheiro que vive da venda de bilhetes, de roupa e de outros negócios…

E depois, tudo isto tem acontecimentos muito curiosos, onde quase sempre, alguém que se atreve a mexer no lodo, leva! Simples… A ideia vai passando, vai fazendo escola e depois qual é a solução – comer e calar!

O Porto tem os melhores jogadores, melhores treinadores, melhores dirigentes, ganha mais, etc… e tal. Mas, uma e outra coisa não são por acaso nem mera coincidência. Até aposto que o Adriano vai aparecer que gosta muito do Porto, que o Pinto da Costa e a Direcção do Porto sempre o apoiaram muito e que afinal a agressão não aconteceu – ele caiu na casa-de-banho.

Leitor do Aventar, Nuno Miguel Silva

F.C. Porto – Futaventar #2

Estou chocado.

Depois de ter visto o Nacional marcar dois golos e não ter ganho quando o sporting não marcou nenhum, demonstrando a forma como a direcção da liga se prepara para levar ao colo os clubes da 2º circular, eis que o clube dos carpinteiros jogou de mãos dados com a equipa de arbitragem, prejudicando gravemente a minha equipa, o Futebol Clube do Porto.

Foram foras-de-jogo inventados pelo Xistra, o Hulk expulso por não ter ido para a luz e o café junto a minha casa cheio como um ovo. Um somatório de contrariedades. Mas vamos ao que interessa: o Xistra. O Sr. Carlos Xistra de Castelo Branco é funcionário público e é o responsável por esta injustiça, este enorme roubo de igreja. O facto de ser funcionário público comprova que já aprendeu com o seu chefe, o Ministro das Finanças – é fartar vilanagem!

Não fora estas incidências e os carpinteiros teriam perdido!

FUTAventar – F.C.Porto #1

Nisto de futebol não há grande discussão: são onze contra onze e no fim ganha o Futebol Clube do Porto. O resto são tretas.

Ao longo das várias jornadas vou procurar “representar” o F.C.Porto com a máxima isenção. Contudo, convém não esquecer que o Porto é, de longe, o melhor clube português de todos os tempos.

Saudações Portistas!

FutAventar – O fora-de-jogo explica-se como?

A mãe do meu filho nunca tinha entrado num campo de futebol. No outro dia, um amigo meu, benfiquista dos sete costados, arranjou uns bilhetes e fomos todos ver o Benfica/Braga.

Dois penalties a favor do Braga não marcados e o golo da vitória benfiquista em fora de jogo.

Estavamos mesmo “no enfiamento” da área bracarense quando aconteceu o golo, pelo que foi fácil ver que o David Luiz estava em fora de jogo. O pessoal que não percebe de bola pediu imediatamente explicações, o que era isso do fora de jogo. A Lurdes então, não atinava, passou a ver fora de jogo em todos os lances, e como eram os avançados do Benfica que jogavam para aquele lado, a malta fazia um escarcéu sempre que ela gritava fora de jogo.

Bem, vem a segunda parte, e mudam as equipas de campo, com o Braga a atacar para o lado onde nós estavamos. Foi o bom e o bonito. A Lurdes continuou a gritar que era fora de jogo, e o pessoal à volta, passou a aplaudi-la, os mesmos que na primeira parte a mandavam calar.

Eu ainda tentei explicar-lhe, mas como é que se explica que o fora-de-jogo é sempre a nosso favor?

FUTaventar

Se os relógios estiverem sincronizados, neste momento deverá estar a começar mais uma Liga de futebol.
O aventar arrancou nos últimos dias com uma cobertura mais próxima do que se for passando no campeonato nacional de futebol. Não vamos tornar o aventar um blog de futebol – vamos apenas procurar transmitir de forma absolutamente parcial e sempre facciosa o que cada um de nós pensa sobre o mundo da bola.
Antes de cada jornada procuraremos antecipar o que vai acontecer, para, logo de seguida vir ao ecrã comentar as ocorrências. O Porto, o Sporting e o Benfica já têm seguidores garantidos.
E o FUTaventar promete!

Na jornada de hoje, a primeira e por isso, simbólica Sporting e Benfica têm muito a perder, enquanto o Porto parte mais tranquilo.
A visita a Paços de Ferreira não tem, por tradição, um elevado grau de dificuldade e será natural que com maior ou menor dificuldade o Porto acabe por vencer o jogo.
Para os jogos dos Lisboetas com os madeirenses – um no continente (Benfica – Marítimo) e outro na Madeira (Nacional – Sporting) – as coisas serão muito diferentes. Nenhum dos grandes pode deixar de ganhar. O Sporting já está em crise e ainda nem começou a jogar a sério. Se acontecer um resultado negativo, pode estar em causa muito mais do que uma simples derrota.
Para o BENFICA, cada jogo vai significar uma batalha de vida ou de morte, tal a expectativa dos adeptos. Se ganhar o balão da euforia continua a encher. Se houver surpresa na luz podemos ver o optimismo cair a pique e aí o Benfica corre o risco ter mais uma época falhada.
Em termos de prognóstico, diria que Porto e Benfica vão ganhar por 2-0 e o Sporting vai perder por 2-1.
Siga a bola!

Análise aos Três Grandes: os treinadores (4)

Os treinadores dos três grandes são portugueses e profundamente conhecedores do nosso futebol.

Jesualdo Ferreira tem 63 anos (1946-05-24) e
treina desde sempre – começou em Rio Maior em 1981-82.

É um estudioso do futebol que só muito tarde, no Porto, conseguiu o reconhecimento que a sua qualidade já merecia há muito tempo. É profundamente metódico e apesar de ser benfiquista, consegue ser um treinador à porto com aquele ar de chateado que quase sempre transporta.
Jesualdo é a prova que, nos dias que correm, qualquer um se arrisca a ser campeão no Porto.
No Porto tem apostado num 4-3-3, sendo que em alguns momentos tem procurado moldar a equipa a um 4-4-2 que o torne mais sólido nos jogos europeus.

Não está tão condicionado pelos resultados como os seus adversários e isso, só por si, é uma das enormes vantagens que o Porto tem. É, à luz dos resultados, o melhor treinador aqui em análise.

O Paulo Bento vale pela forma como consegue lidar com um clube que se recusa a existir – não há dinheiro, não há vícios e não há jogadores. Mas, ele, convicto, continua para a quinta época à frente do Sporting. Como notas positivas os segundos lugares e a forma como organiza a equipa. Como notas menos positivas a cegueira conservadora à volta do 4-4-2 em losango e a recusa em ver que o Sporting tem que vender avançados… E para isso tem que os colocar a jogar – ninguém dá milhões por médios defensivos.
É o treinador certo no clube certo.

O Jorge Jesus é o treinador que os Benfiquistas queriam.

É adepto confesso do Belenenses, fez a formação enquanto jogador no Sporting e nos anos 90 começou por treinar o Amora e depois o Felgueiras, onde, vestido de preto, começou a aparecer aos olhos do grande público. São quase vinte anos de trabalho sempre ascendente, em termos de clubes, que culmina com a chegada ao Benfica.
Muito se diz e escreve sobre ele – que é fantástico na abordagem táctica dos jogos, que analisa os adversários como ninguém. Fala-se também das dificuldades oratórias, mas à beira do João Pinto (Broas) é um Doutor!
Parece que vai apostar num 4-4-2 em losango, com uma pressão alta muito forte e a pré-época parece mostrar que está no bom caminho.
O que falta saber é como vai reagir à adversidade – o que vai acontecer quando o benfica perder? Essa é uma vantagem do Jesualdo, que os resultados do Benfica não permitem ao Jesus.

A estabilidade do Porto pode ser o segredo do sucesso e por isso coloco o Jesualdo à frente do Jesus e muito atrás o Paulo Bento.

Super-Liga: uma selecção dos 3 grandes

O Aventar continua a analisar o plantel dos 3 Grandes do nosso futebol.
Desta vez a intenção é fazer duas equipas, com jogadores dos 3 clubes: uma equipa a jogar em 4-4-2 losango e uma outra a jogar em 4-3-3. A ideia é ver que equipa dará mais jogadores a estas duas selecções:

Na baliza da equipa 4-4-2 temos o Helton. Na direita o Maxi e à esquerda o Caneira. No meio teremos o Luisão e o Bruno Alves. O número seis será o Javi Garcia. Na direita entra o Ramirez, na esquerda o Rodriguez e na posição 10 o Aimar. Na frente o Cardozo e o Liedson.

Na equipa para o 4-3-3 teremos na baliza o Quim, na direita o Fucile e na esquerda o David Luiz. O Polga e o Rolando seriam os centrais. Na posição 6 colocaria o Raúl Meireles, na direita o Moutinho e na esquerda o Vukcevic. Os avançados seriam o Di Maria, o Hulk e o Saviola.

Será que teríamos um campeão com alguma destas equipas?
O BENFICA aparece com 10 jogadores.
O Porto com 7 craques e o Spoting com 5.
Também neste aspecto o Benfica parte mais forte.

O plantel dos 3 grandes: os Avançados (3)

Depois dos defesas e dos médios chega o momento de analisar o plantel dos três grandes na perspectiva dos que jogam mais à frente – os avançados.

Tal como escrevi no post anterior, o Porto tem jogado com um sistema 4-3-3, enquanto o Benfica e o Sporting jogam num 4-4-2, com os médios em losango.

Assim, teremos 3 posições para analisar no Porto e duas nas outras duas equipas.
O BENFICA tem um conjunto de avançados muito forte – o Cardozo e o Saviola parecem ser os titulares, mas o Weldon e o Keirrison prometem ser boas alternativas.
Devo, a bem da minha condição de sócio do Benfica, incluir nesta parte o Nuno Gomes e o Mantorras. Este último é uma espécie de bobo da corte que anima o povo quando o povo está triste. Eu sei que parece um exagero, mas não vejo outra utilidade ao Mantorras – como profissional de futebol não deveria ter lugar no plantel do Benfica. O Nuno Gomes… é um avançado que nenhum Benfiquista simpatiza muito. Parece que joga, mas não marca… Parece que é médio, mas é avançado. Os portistas têm um especial carinho por ele – como eu os entendo – só tive pena que não tivesse vindo com um Sokota para o Porto: teriam sido uma dupla temível.

Se o Benfica parece bem servido, o Sporting tem, mais uma vez neste sector, um plantel muito escasso. Tem o Liedson que nos últimos anos marcou sempre muitos golos (17, 11, 15, 15, 25, 15). Com ele deverá fazer dupla o Caicedo que parece ser um avançado muito poderoso. As alternativas são muito fraquinhas: o Djaló será uma eterna promessa, na linha do Postiga que nunca foi o que prometia. O Sporting neste sector, mais fraco que o Benfica.

O Porto apresenta na frente de ataque um jogador fantástico: o Hulk. Apesar das montagens do Aventar, a verdade é que ele ainda continua no Porto e promete ser o “caso” deste campeonato. É o jogador de faz a diferença e se conseguir ser mais regular poderá levar o Porto ao Penta – por outro lado ficamos também com a sensação de que são mais os falhanços que os acertos, caso contrário já teria havido milhões para o levar, ou não? Com ele fará tripla o Rodriguez e o Varela, sendo que o Mariano e o Falcão podem entrar nestas contas.
O Falcão é um adiado argentino cuja folha de serviço regista apenas o interesse do Benfica nele – nos tempos que correm, isso faz dele um jogador bom para o Porto.
Se o Rodriguez e o Hulk fizerem o que está ao seu alcance penso que o Porto terá boas condições de voltar a ser campeão.

Em síntese, na linha avançada iria atribuir um 4 ao Porto e ao Benfica, dando um 3 ao Sporting.
Na defesa tinhamos esta pontuação: o Porto com 13,5 pontos, o Benfica com 12,5 e o Sporting com 10,5.
No meio-campo o Benfica com 10 pontos, o Porto com 6 e Sporting com 7.

Feitas as contas:
– Porto: 23,5
– Benfica: 26,5
– Sporting: 20,5

Voltarei com um outro ângulo de análise – que jogadores queria de cada uma das três equipas… Para um plantel campeão.

O plantel dos 3 Grandes (2): os médios

Depois da análise aos que defendem, avanço para os do meio, os que não são nem carne, nem peixe. Aqui a análise complica porque as equipas jogam com esquemas diferentes e as posições são diferentes… mas aqui fica uma análise possível.
O Sporting e o Benfica jogam com 4 médios, em losango. O Porto joga com 3. Nos de Lisboa, 3 dos médios deverão também ser fortemente ofensivos. Um dos 3 do Porto também.
O antigo trinco, hoje o 6, do tipo box-to-box, pode ir do trauliteiro Petit ou Paulinho Santos ou Oceano… até ao Makekeke, por exemplo. O Porto apresenta o Fernando e a alternativa é desconhecida, sendo que o Meireles pode dar aí uma perninha. No Benfica há um internacional espanhol que quer mostrar serviço, mas ainda não convenceu – faltoso e perde muitas bolas. No Sporting teremos o Roca e em alternativa o Veloso. Não me parece que esteja aqui grande diferença entre as 3 equipas e ambas (as 3 eeheh) mal servidas. Nota 2 para todos. Se o Raúl Meireles se tornar um realmente box-to-box então, aí sim, teremos um grande jogador.
Os médios alas no esquema 4-3-3 terão que ser mais defensivos, enquanto no 4-4-2 poderão ser mais de cobertura ou não… Com o Paulo Bento os médias ala (posição 7 e 8 ) terão que ser posicionais – ele vai jogar com o Moutinho e o Veloso.

Com Jesus, o Di Maria e o Ramirez são muito extremos e pouco posicionais. Ou seja, o que parece ser uma táctica igual tem estratégias completamente diferentes.
Numa equipa que quer ganhar penso que faz mais sentido a opção de Jesus do que a do Paulo Bento. De igual modo penso que o Mountinho joga melhor no meio, a 10, do que nas linhas.
Nas alas as alternativas no Benfica serão escassas, mas não me parece que nos clubes rivais também possa haver mais opções.
Voltando ao Porto, depois do Fernando temos o Raúl Meireles e o Belluci. O Raúl transforma-se a cada dia que passa num enorme jogador e não tem igual no plantel dos 3 grandes.

O Belluci ou cresce…ou desaparece. É dos que encanta as bancadas e irrita o mister.
A posição 10, no Porto o Belluci, no Sporting o Matias e no Benfica o Aimar: creio que o Benfica leva vantagem porque tem o jogador mais experiente, mais adaptado e de maior qualidade.

As segundas linhas: no Sporting não existem. No Benfica temos o Carlos Martins. No Porto?
Assim, diria que na posição 6 temos nota 2 para todos. O Benfica é mais forte nas alas – nota 4 para as opções Di-Maria e Ramirez e nota 2 para o Sporting. Nota 4 para o Aimar e o Raúl Meireles e 3 para o Matias. No meio-campo o Benfica está mais forte do que a concorrência – 10 pontos. Porto com 6 e Sporting com 7.

Tretacampeão

Fugiu-lhe a tecla prá verdade:

TRETAcampeão

Em mais detalhe…

O campeão da TRETA ehehe

O campeão da TRETA ehehe

Até o JN.

Treta campeão... até o JN

O plantel dos 3 Grandes

Car@ leitor,
se me permite vou tomar a liberdade de dar uma de entendido na bola e procurar perceber o que pode acontecer no campeonato de futebol deste ano. Reconheço, claro, que uma das intenções do post é chatear o Dalby.
E o primeiro ângulo de análise será o dos jogadores, por posição, porque, em última análise, são eles que ganham os jogos.

Na baliza o Porto tem o Helton e o Beto. O Benfica o Quim, o Moreira e o Júlio César. O Sporting tem o Rui Patrício.
Creio que a primeira opção em cada um deles não deixa ninguém em grande vantagem, mas considero que o Rui é o menos competente dos 3 titulares (Helton e Quim). Em termos de segunda opção o Sporting está claramente mais fraco e por isso daria nota 3 ao Porto e ao Benfica. Nota 2 ao Sporting.

A defesa das três equipas tem 4 homens. Na ala direita o Porto deverá apresentar o Fucile, o Benfica o Maxi e o Sporting o Pedro ou o Abel.
Penso que o Fucile e o Maxi estão ao mesmo nível e claramente acima de qualquer uma das opções verdes – o Pedro Silva é de luas e o Abel é muito fraquinho: defende mal, não ataca e a bancada é o destino dos cruzamentos. A segunda opção do Porto – Miguel Lopes – é melhor que a do Benfica (inexistente porque falta ver quem se vai adaptar e como…). Nota 3,5 para o Porto, 3 para o Benfica e 2 para o Sporting.
Do lado esquerdo o Benfica apresenta uma novidade argentina, Shaffer, que defende mal e ataca bem – quem o conhece diz que é jogador. Não vi o Álvaro Pereira do Porto jogar. Pelo que li tem estado bem. A alternativa no Porto será o Fucile e no Benfica o David Luiz. No Sporting temos o Caneira e o Grimi. Diria que o Caneira não compromete e face ao desconhecimento que tenho das novidades da concorrência, daria um 3,5 ao Sporting e um 3 aos rivais.

No centro da defesa temos uma luta renhida:

– Porto: Bruno Alves e Rolando. Suplentes serão o Maicon e o Nuno Coelho.
– Sporting: Carriço e Polga. Tonel, Caneira e André Marques.
– Benfica: Luisão e David Luiz, Sidnei e Miguel Vitor.

O Bruno Alves, com os árbitro Portugueses tem uma capacidade acima de todos os outros. É mais rápido, mais agressivo e mais forte no jogo ofensivo. As alternativas no Porto parecem-me menos fortes do que os titulares. 8 golos foi o que conseguiram marcar o Bruno e o Rolando na época passada.
No Benfica, ficando Luisão, falta saber quem joga com ele: David Luiz ou Sidnei. O Miguel Vitor será a última escolha. Luisão marcou 2, David outros 2 e Sidnei 3. Claramente menos ofensivos quando comparados com o Bruno Alves. No Sporting, apenas o Tonel marcou um golo.
Em síntese, o Porto tem uma dupla inicial mais forte, mas menos banco que o Benfica. Uma vez mais, o Sporting fica atrás. 4 para o Porto, 3,5 para o Benfica e 3 para o Sporting.

O meio-campo e os avançados deixo para os dois posts seguintes. Até ao momento, temos o Porto com 13,5 pontos, o Benfica com 12,5 e o Sporting com 10,5.

Se for verdade que os campeonatos se ganham na defesa, o Porto parte em vantagem.