Em nome dos elefantes, os meus estimados votos de pioras

O rei Juan Carlos de Espanha foi submetido a uma intervenção cirúrgica, na última madrugada, em Madrid, depois de ter fracturado a anca numa queda durante uma expedição de caça no Botswana.

Os animais na quinta do fim do Mundo.

Desde o clímax do milenarismo, em 2000, que tem vindo a aumentar a ansiedade quanto a outro hipotético “fim do mundo”. Do cinema à publicidade, todos glorificam o momento final como se fosse possível vender souvenires do armagedão. Se repararem não há blockbuster recente que não introduza o tema do fim do mundo. Os espectadores acorrem para assistir de camarote ao take final. Afinal de contas, para os tradicionais voyeurs dos acidentes, aqueles que abrandam ou param para ver os destroços dos carros sinistrados, ou os que aguardam no sofá pela imagem do sangue que os cameramen sempre filmam, o paraíso é ver acontecer a desgraça final, em todo o seu esplendor.
Por outro lado, crescem as associações, campanhas, movimentos e manifestações a favor dos direitos dos animais. No mundo ocidental, o animal começa a tornar-se cada vez mais humano e as suas necessidades ultrapassam mesmo as dos indivíduos. Não se trata só do orçamento gasto em alimentação dos animais domésticos que, nos EUA, ultrapassa já a dotação destinada aos sem-abrigo, mas a própria humanização do bicho. O cão (ou o gato) já não é apenas o melhor amigo do homem, mas um novo-Homem.
Não sei se entre ambos os fenómenos existe uma relação directa, nem vou tentar encontrá-la à luz das teorias relacionais e por vezes conspirativo-esotéricas. Mas uma coisa parece-me coerente: existe aqui muita falta de auto-estima (colectiva e individual) e, sobretudo, falta de crença na humanidade. Uma sociedade que deposita nos seus animais toda a sua força anímica, que os diviniza e dirige para eles as suas esperanças, não deseja se não o fim da sua espécie. Conheço pessoas que vivem com dezenas de cães e gatos e são incapazes de se relacionarem socialmente.
Devo dizer que adoro animais e sempre que posso faço o necessário para os acolher e providenciar-lhes conforto. Mas não posso colocar à frente do meu semelhante as necessidades de um animal, se o fizesse estaria a negar o meu ser pensante, o meu lugar num complexo labirinto de vida que me trouxe até onde existo.
Talvez esta negação advenha e exista efectivamente e se espelhe numa sociedade cada vez mais dependente de seres vivos que não desiludam, que não falem nem pensem mas que sejam leais e devotados ao seu criador – estas qualidades são em geral as que os grandes activistas pró-animais alegam na sua luta. Para eles os animais são mais leais que o Homem.
Talvez tenham razão e que, um dia, eles nos governem e se  tornem nós, como no “Animal farm” de Orwel.
Essa seria, com certeza, a maior ironia de todas.

Hoje dá na Net: Libertação Animal


Libertação Animal, livro do filósofo e professor australiano Peter Singer. O seguimento natural dos filmes apresentados anteriormente nesta rubrica, Earthlings: Terráqueos e Food, inc..
«Libertação Animal» é considerada a Bíblia dos Vegetarianos. Neste livro, a que se seguiram muitos outros, Peter Singer desenvolve o conceito do Especismo, equivalente ao Racismo mas direccionado para as Espécies. Ou seja, a discriminação contra determinados seres por causa da sua espécie é intolerável. Assim, considera, a dieta vegetariana é a única aceitável e a única que não implica sofrimento para os animais.
Para os interessados, aconselho a leitura de dois textos, «Vegeterianismo Ético», publicados no Aventar por Maria Pinto Teixeira.
O livro completo de Peter Singer, Libertação Animal, Edição Portuguesa, pode ser lido aqui.

Hoje dá na Net: Food, inc.

Food, Inc. é um documentário que chegou a ser nomeado para os oscares em 2010 e que retrata a realidade americana da indústria da alimentação.

Desde a concentração num pequeno número de empresas da quase totalidade da produção alimentar, ao impacto das cadeias de fast-food, passando pela produção verdadeiramente industrializada do que comemos (seja animal ou vegetal) e não esquecendo os lobbies e as relações perigosas entre regulamentadores e empresas regulamentadas este documentário deixa-nos um cenário bastante sombrio dessa indústria.

“A indústria (da alimentação) não quer que saiba o que está a comer, porque se soubesse talvez não a quisesse comer.”

O que vale é que na europa é tudo diferente…. ou não?

Página do IMDB.Legendado em português


[Read more…]

Pornografia (2)

Sim, a pornografia é uma indecência.

Pornografia (1)

Sim, a pornografia é uma indecência.

Adenda:A imagem de Padilla a levantar-se com a mão a tapar o rosto completamente ensanguentado causou grande impressão entre todos os que assistiam e aos profissionais que participavam no espectáculo.”

Festival de Observação de Aves em Sagres

birdwatching

Quem gosta de observação de aves tem, este fim de semana, oportunidade de localizar, identificar e conhecer muitas das aves que atravessam os céus europeus nas suas migrações anuais. Nesta época do ano, Sagres é o ultimo ponto de descanso antes das aves migratórias da Europa voarem para sul. Durante a migração outonal pode-se observar  mais de 190 espécies nesta zona.

E claro que, entre estas, contam-se muitas preciosidades, como a Águia-imperial, o Abutre-preto, a Cegonha-preta, o Falcão-da-rainha, a Águia de Bonelli, a Pardela-de-barrete, o Falaropo-de-bico-fino, a tarambola-carambola, etc.

Para além de andar de olhos postos no ar, terá ainda

saídas de campo para iniciantes, passeios de barco, acções de monitorização com especialistas, palestras temáticas, cursos, jogos, tertúlias, actividades de educação ambiental

entre outras iniciativas. Leve uns binóculos, uma boa máquina fotográfica e dedique-se à caça sem fazer vítimas. Eu, pessoalmente, já lá testemunhei reuniões enormes de aves preparando-se para rumar a sul e, em grandes bandos, desaparecendo no horizonte. Inesquecível!

Reúnam com os vossos animais de estimação

O FMI (& filiais) andou hoje de manhã a telefonar para os partidos. Queriam uma reunião sem precisar “a composição dessa delegação”, “nem o tempo atribuído à reunião, nem mesmo a sua agenda detalhada”.

Bloco de Esquerda e PCP mandaram-nos passear. Outros terão muito a latir perante o dono. Por estas e por outras é que votar PS, PSD ou CDS vai dar ao mesmo. Mal por mal, agora até temos um partido que defende os verdadeiros animais irracionais.

Apoiar boas causas:

O PR After Work Norte vai procurar juntar os diferentes “Comunicadores” dispostos a participar num evento informal. Nada como aproveitar este momento especial para divulgar e apoiar três diferentes Instituições/Associações cujo trabalho merece todo o nosso apoio e que melhor local para o fazer do que este?

Já foi divulgada a primeira Associação, a “Animais de Rua“. Nos próximos dias serão divulgadas as restantes. Não se esqueçam de aparecer por lá.

Sobre Direitos animais…

-Tornou-se politicamente correcto, moda até, defender os direitos dos animais. Muitos, para não dizer toda a sociedade, protestam contra o abandono de animais domésticos, provavelmente até mesmo aqueles que o praticam, encontrando é claro, uma qualquer justificação para explicar o seu próprio caso. Algumas associações promovem acções mediáticas contra a utilização de peles na indústria de vestuário, touradas ou criação e abate para utilização na indústria farmacêutica ou cosmética. [Read more…]

The Cove

Antes de visitarem espaços como o Zoomarine (aqui fica a minha opinião) façam o favor de ver este documentário (Óscar 2010 documentários):

Crianças, venham ao Circo Cardinali – onde os animais são tratados como merecem

http://rd.videos.sapo.cv/play?file=http://rd.videos.sapo.cv/91o0eQzGZcZN0OHuzTAT/mov/1

Novo Acordo Ortográfico Europeu (versão Inglesa)

COMO SE FORA UM CONTO

The European Commission has just announced an agreement whereby English will be the official language of the European Union rather than German, which was the other possibility.

As part of the negotiations, the British Government conceded that English spelling had some room for improvement and has accepted a 5-year phase-in plan that would become known as “Euro-English”. [Read more…]

E assim a medicina veterinária pula e avança…

Não tenho cães, nem sou amigo ou associado de qualquer associação de defesa dos animais. Tenho é cerébro e consciência crítica. E, vá lá, aguma decência, apesar da minha tendência para o humor negro. Por isso, esta notícia do JN, a confirmar-se, não me merece mais comentários.

Aves de Portugal

Aves de Portugal — Ornitologia do território continental pretende constituir-se como uma referência incontornável na ornitologia portuguesa. Este trabalho, que é simultaneamente o mais abrangente e o mais exaustivo alguma vez feito sobre a avifauna de Portugal Continental, é o resultado de décadas de experiência de campo dos autores e de uma pesquisa dirigida de mais de 10 anos.

Quem são os criminosos afinal?

   
5 activistas da causa animal foram condenados a prisão efectiva por terem perturbado a santa paz de um laboratório onde se fazem experiências com animais. Entre outras coisas, fizeram telefonemas abusivos e enviaram embrulhos-bombas que, depois de abertos, afinal não tinham nada.
Grave, muito grave. Já a continuada tortura sobre animais indefesos, quando já existem muitas outras alternativas fiáveis, é perfeitamente natural e admissível.

Quem são os criminosos afinal?

Um buraco na rede

(adão cruz)

(Dedico este conto, verdadeiro, à amiga Andreia Dias, em homenagem ao seu trabalho e como libelo contra os caçadores) .

 Um buraco na rede

Acordei a meio da noite e não fechei mais os olhos. A insónia levou-me onde bem lhe apeteceu.Gemi ao estalar do coração de uma mãe, senti o amargo do choro convulso de um pai, reabsorvi a minha dolorosa resignação…um barco e as amarras que o prendem aos olhos esbugalhados do cais, amarras que se despedaçam, pois ninguém lhes sabe desfazer os nós.

A madrugada de hoje começa a clarear. Quem olha através da rede da janela sem vidros julga que vai nascer uma amena manhã de primavera, mas em breve ela parecerá vomitada do ventre de uma fogueira.

Passarinhos coloridos salpicam de gorgeios o silêncio morno do amanhecer. Um grande insecto marra nervosamente de encontro à rede, numa volúpia incontida de liberdade. Eu e aquele moscardo, à procura de um buraco na rede! De um salto, corri da cama até ao chuveiro improvisado que borrifava sobre mim os mais deliciosos minutos do dia. Enquanto a água escorria em fios esganados, eu ia antevendo o prazer de uma caçada matinal às rolas. Iria pedir a carabina ao libanês Senhor Heyle, o qual, àquela hora, ensonado, não se lembrava que não gostava de a emprestar. De qualquer forma, a mim nunca a recusaria, pois precisava de mim como médico. [Read more…]

Touradas

A análise e os conhecimentos que tenho sobre a independência da Catalunha, País Basco etc. permitem -me, quando muito, uma opinião, e não uma certeza sobre qual dos lados tem razão, e sobre o caminho a seguir. Isso, na realidade, é para quem lá vive, para quem sente de perto os problemas e para quem sabe verdadeiramente o que quer, e mesmo esses…muitas vezes contradizem-se. A quem está de fora, é difícil uma tomada de posição acertada. Mas todos temos direito à nossa forma de ver as coisas.
Quanto á opinião da Carla e do A. Pedro Correia de que a abolição das touradas na Catalunha não passa de uma manobra política para pôr de fora o último grande símbolo do Estado espanhol, não estou de acordo. Não quer dizer que não venha a jeito, mas tal maneira de interpretar só se torna redutora, ao fim e ao cabo,  de uma luta e de um movimento de resistência tenaz, que está acima de mera finalidade política, contra o sofrimento inútil e bárbaro de um ser vivo, para deleite de uma assistência sadomasoquista. É um movimento com 25000 assinaturas, emque se empenham directamente 180000 cidadãos, e em que Parlamento catalão decidiu, por 68 votos a favor, 55 contra e 9 abstenções, que as corridas estão fora da lei na região. Ou melhor, estarão a partir de 1º de janeiro de 2012. Abandonadas até por aficionados da velha guarda, as touradas sobrevivem à custa de subsídios do governo, o que não seria mau se as touradas fossem, como entende a nossa pianista da cultura, um caminho cultural.
A criminalização da tourada não foi, portanto, ao contrário do que muitos espalham, um golpe parlamentar, uma jogada política eleitoreira, uma manobra nacionalista visando distinguir a Catalunha do resto da Espanha, mas a última faena de uma dura luta popular, democrática, histórica, seguindo os trâmites exigidos pela ordem jurídica, após amplo debate canalizado institucionalmente desde novembro de 2008, à luz de depoimentos de cidadãos os mais diversos, etólogos, filósofos, toureiros e defensores dos direitos dos animais.

A Dam


Saindo para o jantar de família na noite de Natal de 1995, deparei com esta minha conhecida à porta do prédio. Estava um frio de morte e chovia a cântaros. Conhecia-a há perto de um ano, quando nasceu no rés do chão, em casa de uma vizinha. Pouco a pouco foi subindo as escadas da traseira e com alguma cerimónia entrava na cozinha e petiscava os biscoitos que lhe oferecia.

[Read more…]

Viva a Catalunha

Manet, O Toureiro Morto

A Catalunha continua em grande. Depois de ter vencido o Campeonato do Mundo de Futebol, ainda que sob a imprópria bandeira do estado monárquico espanhol, acaba de proibir a barbárie taurina, juntando-se assim às Canárias na interdição desse espectáculo degradante de glorificação da morte.

Respiram de alívio os pobres toureiros, que já não levarão cornadas nas arenas catalãs.

Picasso, A Morte do Toureiro

Espero que Portugal, historicamente já andamos atrás da Catalunha pelo menos desde 1640, siga o exemplo.

Entretanto uma boa notícia para o Bloco de Esquerda: é só mais este mandato e perde a Câmara de Salvaterra de Magos, um alívio, portanto.

A Porno Tv

Neste ano centenário da República laica, ando a tentar perceber o que me envergonha mais.

– Financiar a visita de um líder religioso ou financiar touradas onde, sem bolinha e sem vaselina, são espetados guilhos em animais.

RTP, a Porno TV?

Portugal Badalhoco i-mediático

Com razão e propriedade, queixam-se de que o autocarro de um clube desportivo (?) foi apedrejado. Triste! Lamentável!

Só é pena que nas televisões não haja nem tempo nem espaço para mostrar como ficou o comboio que transportou os “aficionados” lisboetas que foram ao Porto assistir a esse evento desportivo (?)

Há dúvidas?

O fenómeno da estupidez não é de agora nem é exclusivo de nenhum tropa fandanga; já ninguém se lembra de um tempo em que os adeptos portistas atiraram ferroviários fora do comboio, logo à saída de Campanhã. Tudo crimes sem castigo, para não destoar do Portugal modernaço e de fracos costumes.

Vamos salvar as baleias?

Petição para assinar, ajude a salvar as baleias! Sabe que as baleias não fazem mal a ninguem, nem afundam barcos, só lutam quando são feridas. Eu já estive a dois metros de uma baleia mãe com o seu filhote de duas toneladas a olharem para mim, passavam por baixo do barco e ficavam do outro lado, e voltavam para me observar, até que outras pessoas saíram do quentinho da cabine e se juntaram a mim. Então a mãe e o bébé afastaram-se uns metros e deram-nos uma lição extraordinária. A mãe baleia voltou-se de barriga para cima e deu de mamar ao bébé.

O único animal que é predador somos nós os humanos, fazemos mal porque sim!

O drama dos cães de Loures

http://vimeo.com/moogaloop.swf?clip_id=10638946&server=vimeo.com&show_title=1&show_byline=1&show_portrait=0&color=&fullscreen=1

Cães de Loures from Jose Cyrne on Vimeo.

Eram 80 animais que viviam num terreno ocupado ilegitimamente por uma pessoa que os criava com intuitos dúbios. Estavam alojados em cima de várias toneladas de ossadas de vaca (que era a única alimentação que lhes era fornecida) e de cães mortos. Nasciam, viviam, alimentavam-se, defecavam e urinavam em cima dos ossos que eram ao mesmo tempo a sua única fonte de alimentação. Neste cenário, só os mais fortes sobreviviam. Os que morriam eram também comidos pelos seus companheiros de cativeiro – fenómenos de canibalismo na espécie canina só acontecem em situações extremas como esta.
A Animais de Rua conseguiu colocar os cães no canil de Loures e encaminhar 15 cães (5 para cada um) para os canis municipais de Lisboa, Amadora e Vila Franca de Xira. A situação destes animais é ainda mais grave e urgente do que a dos animais que ficaram no canil de Loures, uma vez que não estão a ser alvo de qualquer divulgação, já que, inacreditavelmente, estes municípios não permitem a captura de imagens dos animais que albergam..
A associação Animais de Rua compromete-se a esterilizar todos os animais que forem retirados do canil de Loures.

Asnices à beira "Duero"

Os opinioneiros de serviço têm destas coisas. Quando nada existe para preencher a agenda própria de alçamento de suas excelsas personalidades, dedicam-se a temas para os quais não possuem a mais insignificante base de sustentação, seja ela histórica ou objecto da reflexão da economia, finanças ou de uma apressada leitura de um textozito de ciência política. Importa é falar de barato e sem tino.

Num amontoado de lugares comuns para comedor de tremoços e fã de cervejola ler antes do início da partida, o sr. Menezes decidiu-se agora e de forma desabrida, pelo iberismo. Esperar-se-ia o desvendar de um aturado estudo da situação nacional e a apresentação das claras e indesmentíveis vantagens de uma união ibérica que embora não seja corajosamente assumida pelo edil-escriba, é implícita no seu texto hoje publicado no oficialista Diário de Notícias. Ninguém quer perspectivar um futuro bastante hipotético, através da reedição de um salto das alturas de uma varanda de edifício público. A coragem não chega para tanto.

[Read more…]

Maria Pinto Teixeira, Mulher Activa do Ano


É uma das nossas aventadoras. Maria Pinto Teixeira, advogada do Porto, 29 anos, Presidente da Associação Animais de Rua, que se dedica à esterilização de cães e gatos vadios e abandonados. Está nomeada para o Prémio Mulher Activa do Ano. A cerimónia é logo à noite e é transmitida em directo pela SIC depois do Jornal da Noite.
Mais do que ajudar os animais abandonados, Maria Pinto Teixeira e a Animais de Rua atacam a raiz do problema: «[As outras] associações são fundamentais, mas não conseguem dar resposta ao número astronómico de animais que se multiplicam nas ruas. Nós quisemos ajudar, atacando o problema pela raiz. Quando cessa a reprodução, acabam-se as ninhadas sucessivas destinadas a sofrer e as lutas territoriais que lhes causam feridas.» Em poucos anos de vida, a Animais de Rua já esterilizou 3270 animais, evitando a procriação de mais de 550 mil cães e gatos.
Sobre as razões da nomeação para Mulher do Ano 2009, ver mais no site da Activa.

A orca que matou a treinadora


O vídeo está no YouTube e noutros sites. As imagens são impressionantes. Uma orca atacou a treinadora, Dawn Brancehau, num parque temático da Flórida. Só por si, o facto de ser notícia demonstra que estamos na presença de um caso muito raro, por isso a questão que me traz aqui é outra.
No meio da tragédia pessoal, o que me interessa neste «post» é levantar a questão da utilização dos animais para o divertimento do ser humano. E dentro desta área, podíamos abordar espectáculos mais bárbaros, como a tourada, o circo ou as corridas de cavalos, ou outros que à partida parecem menos violentos, como os «shows» com orcas ou golfinhos ou os passeios de póneis. Os próprios Jardins Zoológicos, que retiram animais do seu «habitat» natural e os confinam a uma prisão para sempre. Maior ou menor, o grau de sofrimento do animal nestes espectáculos é sempre considerável. O sofrimento, a ansiedade, o desconforto, o «stress».
Poderia recordar aqui o artigo 10.º da Declaração Universal dos Direitos dos Animais, que Portugal assinou – 1. Nenhum animal deve de ser explorado para divertimento do homem. 2. As exibições de animais e os espectáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal.»
Mas claro que todos sabemos isso. Sabemos mas, mesmo que concordemos, não praticamos. Acredito que não seja fácil explicar a uma criança as razões pelas quais não deve querer ir a um circo. Acredito, mas da minha parte, quando chegar a altura, é o que vou tentar fazer.

Dois tipos de mentalidade em confronto – ainda a propósito das touradas (Memória descritiva)

No Parlamento da Catalunha prossegue a discussão sobre a abolição das corridas de touros no território da comunidade catalã. Ontem as alegações e a intervenção de peritos nas diversas áreas envolvidas, foram quase todas no sentido da defesa da continuidade das touradas. Na sessão da manhã, depuseram, entre outros, Hervé Schiavetti, «maire» de Arles e presidente da União das Cidades Taurinas de França, e o filósofo Francis Wolff, professor da Sorbonne, e autor de uma “Filosofía de las corridas de toros”. Na sua intervenção, declarou que a corrida «já não é a festa nacional de Espanha, pois agora é património mundial».

De uma forma geral, as alegações basearam-se nas banalidades do costume, salientando-se no entanto, na intervenção de Schiavetti a chamada de atenção para a vertente económica do assunto: «Não se trata apenas de um elemento cultural, mas também de uma questão económica; hoje em dia criar touros e aquilo que a criação comporta, constitui um forma imprescindível da gestão do território». O que põe o dedo na ferida.

E lembrou que só em França a exploração que inclui a criação do touro, implica a manutenção de mais de 300 000 hectares de reservas húmidas. Um ganadeiro catalão voltou a chamar a atenção que se os deputados catalães aprovarem a lei, serão responsáveis pela extinção desta espécie animal. Vale tudo, não só os deslocados apelos aos princípios conservacionistas como até disparatadas comparações políticas, como a de um indivíduo de Tarragona, ligado ao negócio das touradas, que comparou a eventual abolição das touradas com a censura franquista. [Read more…]

A «tradição» das touradas (Memória descritiva)

No 2º volume dos « Cadernos de Lanzarote», José Saramago reproduz um artigo que publicou na revista Cambio 16. Transcrevo dois trechos:

«O touro entra na praça. Entra sempre, creio. Este veio em alegre correria, como se, vendo aberta uma porta para a luz, para o sol, acreditasse que o devolviam à liberdade. Animal tonto, ingénuo, ignorante também, inocência irremediável, não sabe que não sairá vivo deste anel infernal que aplaudirá, gritará, assobiará durante duas horas, sem descanso. O touro atravessa a correr a praça, olha os “tendidos” sem perceber o que acontece ali, volta para trás, interroga os ares, enfim arranca na direcção de um vulto que lhe acena com um capote, em dois segundos acha-se do outro lado, era uma ilusão, julgava investir contra algo sólido que merecia a sua força, e não era mais do que uma nuvem. Em verdade, que mundo vê o touro?» (…)

«O touro vai morrer. Dele se espera que tenha força suficiente, brandura, suavidade, para merecer o título de nobre. Que invista com lealdade, que obedeça ao jogo do matador, que renuncie à brutalidade, que saia da vida tão puro como nela entrou, tão puro como viveu, casto de espírito como o está de corpo, pois virgem irá morrer. Terei medo pelo toureiro quando ele se expuser sem defesa diante das armas da besta. Só mais tarde perceberei que o touro, a partir de um certo momento, embora continue vivo, já não existe, entrou num sonho que é só seu, entre a vida e a morte».

Quando José Saramago leu o texto a sua mulher, Pilar, disse – «Não podes compreender…” Tinha razão» diz o escritor»Não compreendo, não posso». É sempre o que os defensores das touradas, quando vêem que os seus «argumentos» não são aceites, dizem. Quem acha que as touradas são um espectáculo degradante e advoga a sua proibição imediata «não compreende». Porque, dão a entender, para compreender uma coisa tão poética, tão tradicional, é preciso ter uma sensibilidade especial. [Read more…]

Secção das Canavilhas decepadas


Manuel António Pina refere-se hoje à criação de uma Secção da Tauromaquia no Conselho Nacional de Cultura, decisão da Ministra da Cultura Gabriela Canavilhas ontem publicada em «Diário da República».
Já que, ao que parece, os actos mais bárbaros podem ser considerados actos de cultura, lembrei-me que também seria interessante criar no Conselho Nacional de Cultura uma Secção de Canavilhas decepadas. Cada um tem os seus passsatempos preferidos e ninguém tem nada a ver com isso.
Aqui fica, pois, o meu humilde contributo para uma futura Secção no Conselho Nacional de Cultura.

%d bloggers like this: