Presidência da República: debates

Screen Shot 2016-01-02 at 22.33.56

Depois do 1° dia de debates ficou claro o que eu já pensava. Há dois candidatos a PR com conteúdo, propósito, coerência e que merecem atenção: Henrique Neto e Marisa Matias.

O Henrique Neto é um homem sério, que conhece a vida e as suas dificuldades, mas que nunca cedeu perante elas para seguir o seu caminho. É um exemplo de determinação, como empresário, como cidadão e como homem de família. As suas intervenções políticas são sempre muito ponderadas, refletidas, muito maduras, responsáveis e cheias de pontos de reflexão e caminhos de solução, sem querer nunca apontar caminhos únicos. Como homem da realidade, não poderia ser de outra forma sendo empresário, sabe que não existem caminhos únicos mas tão somente opções – as quais têm vantagens e inconvenientes -, e o que devemos fazer é ser capazes de escolher aquelas que resolvem problemas no curto prazo e abrem horizontes mais largos no médio e longo prazo.
[Read more…]

Programas Eleitorais respondem à Crise Nacional?

Paulo Pereira

Debate “Programas eleitorais respondem à crise nacional?”, organizado pela Candidatura Presidencial Henrique Neto 2016. Decorreu no dia 2 de Julho e teve a participação de Luis Campos e Cunha, João Salgueiro e Eurico Brilhande Dias, além do próprio Henrique Neto.

Os partidos políticos têm muito poder: concentrou-se todo o poder político nos partidos

[Read more…]

Henrique Neto – A necessidade de mudar o Sistema pelo qual os eleitores escolhem os eleitos

Paulo Pereira

O que pensa Henrique Neto sobre o polémico Tratado Transatlântico

Paulo Pereira

Imagina um documento, desconhecido pela maioria da população da União Europeia e dos Estados Unidos, que substituía as leis nacionais e comunitárias de uma só vez. Imagina que esse documento era discutido atrás de portas fechadas, com as negociações entregues a burocratas não eleitos e representantes de empresas multinacionais. Imagina que esse documento quebrava à partida a legislação comunitária ao ser discutido em segredo. Imagina que o documento entrava em vigor e tu nem sabias de nada. Não precisas imaginar mais. Esse documento chama-se Tratado de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (sigla TTIP) e está em discussão há meses em Bruxelas e Washington. Imagina agora que o país em que ocorrem esses “investimentos” não aceita revogar as suas leis perante o investidor estrangeiro. Que não aceita destruir a legislação de proteção do ambiente, da legislação laboral… Vão para os tribunais, certo? Não. O TTIP cria o mecanismo de “Resolução de Litígios entre os Investidores eo Estado” (ISDS) , que, não sendo um tribunal, decidirá sempre que uma empresa processar um Estado por pôr em causa ganhos futuros. O ISDS mais não é que uma reunião de advogados das principais firmas privadas em que está proibido levar em conta questões de saúde pública, direitos humanos, protecção ambiental, direitos laborais e direitos sociais. Só o comércio e o investimento livre interessam. Dá às empresas o poder de estados, e podem exigir não só a alteração de leis em vigor como impedir a criação de novas leis por parte de organismos eleitos democraticamente como os parlamentos

Henrique Neto

De todos os que se apresentam, explicita ou implicitamente, a candidatos a PR, vejo no discurso de Henrique Neto uma profundidade de pensamento que não encontro nos outros.

henrique neto

Clicar para ler e ouvir

Henrique Neto não compreende como é que os dois últimos presidentes conseguiram conviver bem com a aposta nas PPP – «uma forma de parquear dívida pública» -, sem ter dirigido uma palavra aos portugueses. (…) Henrique Neto mantém o tom crítico em relação ao sistema político, e à forma como o país político parece prisioneiro de uma lógica de curto-prazo. [TSF]

A entrevista, que passou hoje na TSF, é muito mais do isto. Pena que o podcast não está disponível na totalidade.

Mesmo no PS nem todos apreciam um bom robalo

(…) Com o clima de corrupção generalizada existente, com os métodos usados na revisão dos preços, com os objectivos anunciados e com as prioridades conhecidas do Governo a serem a EDP, a PT a Mota-Engil, a Ongoing, Joaquim de Oliveira, a Martifer, a Sá Couto e quejandos, é fácil de ver para onde irão os milhares de milhões de euros de investimentos públicos previstos. (…)

Ou seja, a grande prioridade de José Sócrates não são os postos de trabalho, mas a ajuda às empresas do regime e o controlo dos meios de comunicação, para que os portugueses não se apercebam disso. (…)

Henrique Neto no Diário de Leiria, via Blasfémias