O que pensa Henrique Neto sobre o polémico Tratado Transatlântico

Paulo Pereira

Imagina um documento, desconhecido pela maioria da população da União Europeia e dos Estados Unidos, que substituía as leis nacionais e comunitárias de uma só vez. Imagina que esse documento era discutido atrás de portas fechadas, com as negociações entregues a burocratas não eleitos e representantes de empresas multinacionais. Imagina que esse documento quebrava à partida a legislação comunitária ao ser discutido em segredo. Imagina que o documento entrava em vigor e tu nem sabias de nada. Não precisas imaginar mais. Esse documento chama-se Tratado de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (sigla TTIP) e está em discussão há meses em Bruxelas e Washington. Imagina agora que o país em que ocorrem esses “investimentos” não aceita revogar as suas leis perante o investidor estrangeiro. Que não aceita destruir a legislação de proteção do ambiente, da legislação laboral… Vão para os tribunais, certo? Não. O TTIP cria o mecanismo de “Resolução de Litígios entre os Investidores eo Estado” (ISDS) , que, não sendo um tribunal, decidirá sempre que uma empresa processar um Estado por pôr em causa ganhos futuros. O ISDS mais não é que uma reunião de advogados das principais firmas privadas em que está proibido levar em conta questões de saúde pública, direitos humanos, protecção ambiental, direitos laborais e direitos sociais. Só o comércio e o investimento livre interessam. Dá às empresas o poder de estados, e podem exigir não só a alteração de leis em vigor como impedir a criação de novas leis por parte de organismos eleitos democraticamente como os parlamentos

Comments

  1. Edgar says:

    É ditadura terrorista do capital imposta por via administrativa, a fase final do capitalismo.


  2. Manifesto em divulgação:
    – TEM DE SER SEPARATISMO ‘PURO E DURO’!
    .
    .
    Existem ‘globalization-lovers’ (que fiquem na sua… desde que respeitem os Direitos dos outros… e vice-versa), e existem ‘globalization-lovers’ nazis (estes buscam pretextos para negar o Direito à Sobrevivência das Identidades Autóctones).
    -> obs: nazismo não é o ser ‘alto e louro’, bla bla bla,… mas sim… a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros.
    .
    Os ‘globalization-lovers’ nazis não são de confiança (um exemplo: veja-se aquilo que o ISIS tem feito), logo… o separatismo-50-50 nunca poderá ser a criação de meras reservas naturais, mas sim, separatismo puro e duro: ou seja, a criação de Estados de Identidades Autóctones dotados de eficientes exércitos para auto-defesa!…Leia-se: é necessário uma Coligação Defensiva (do tipo NATO) de Identidades Autóctones (europeias e não só), de autodefesa, face aos perigosos ‘globalization-lovers’ nazis.
    .
    Os PNR’s não falam do óbvio: sem um eficiente exército de autodefesa a ‘coisa’ não vai lá… isto é, as minorias não irão conseguir sobreviver a ISIS (e afins)!
    De facto, se não estiverem dotados de um eficiente exército de autodefesa, os nacionalistas (e afins) ficarão à mercê de muçulmanos já naturalizados (nota: estão com uma demografia imparável, eles tratam as mulheres como úteros ambulantes) tal como algumas minorias já ficaram à mercê do ISIS.
    .
    .
    .
    P.S.
    Todos diferentes, todos iguais!…
    -> Isto é: TODAS as identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta!…
    {nota: Inclusive as de ‘baixo rendimento demográfico’ (reprodutivo)!… Inclusive as economicamente pouco rentáveis!…}
    -> Uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum.
    -> Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.

  3. Rui Silva says:

    Neste pequena palestra podemos ver a diferença abissal entre 2 candidatos á presidência da República.
    Sampaio da Novoa leva 10 a zero de um individuo que julgo ter além da universidade da vida , apenas o 9º Ano.
    Dá para ver o nível da nossa intelectualidade.
    Não confundam, não estou a dizer que o nível de Henrique Neto é baixo. A dimensão de Sampaio da Novoa é que está a milhas do novel de Henrique Neto, na compreensão destes assuntos.
    Estou curioso com o resultado destes 2 candidatos nas próximas presidenciais.

    cumps

    Rui SIlva

Trackbacks


  1. […] O que pensa Henrique Neto sobre o polémico Tratado Transatlântico […]


  2. […] uma profundidade de pensamento que não encontro nos outros (cf. 1, 2, 3, […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.