Ideias, Interesses, Instituições

Os vistos gold, criados em 2012 para “captar investimento estrangeiro”, foram, desde então, um sorvedouro de corrupção, borlas fiscais e lavagem de dinheiro de bons rapazes vindos dos bons regimes russo, angolano ou turco.

Argumenta a direita que os mesmos capacitaram Portugal com mais 6,3 mil milhões de euros. Mas onde estão esses milhões? Ao que parece ninguém sabe, ninguém responde.

Ontem, BE e PCP propuseram acabar com este regime de borlas a uma elite específica que usa Portugal para lavar cifrões; todo o Parlamento chumbou a proposta. Curioso? Nem por isso.

Quando neo-liberais e proto-fascistas insistem em cortar subsídios a pobres, conseguem, por contrário, defender os subsídios dados a ricos e a muito ricos. Nunca esconderam para que servem e por que é que cá estão. Não será agora que o farão, com esta nova direita (que não é nova) radical e extremista.

A curiosidade fica por aqui, se atentarmos no facto de que BE e PCP são capazes de ser os únicos partidos com assento parlamentar que não recebem um cêntimo dos Mellos, das Sonaes ou das Motas Engis. Por isso, quando PS, PSD, IL, CH ou CDS te disserem que defendem os teus interesses, lembra-te disto.

E, assim, faz tudo muito mais sentido.

Esquerda Direita Volver 14 – Ucrânia: perspectivas de conflito e de paz

Este é o regresso da rubica “Esquerda Direita Volver” do PodAventar, com o assunto dominante: a invasão da Ucrânia pela Rússia, numa dupla perspectiva de conflito e de paz. Um debate desta feita sem moderação, com os aventadores António de Almeida, Fernando Moreira de Sá e José Mário Teixeira. Que conflito é este e como se pode sair dele?

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Esquerda Direita Volver 14 - Ucrânia: perspectivas de conflito e de paz
/

Um mais um ainda é igual a dois?

Mariana Mortágua mostra ligações do dono da Global Media a oligarca russo

O editorial mentiroso do DN (que pertence à Global Media), assinado por Joana Petiz, começa a fazer sentido.

Fotografia: Duarte Roriz

Fífia

Como toda a gente sabe, Vladimir Putin só passou a ser uma pessoa em quem não confiar, um déspota, um neo-fascista e persona non grata há três dias, depois de invadir a Ucrânia. Antes, eram só mares de rosas, Putin deveria ser um anjo caído, um deus na Terra, o artífice que consertava todos os males. Só assim se explica o contorcionismo a que os senhores do capital se sujeitam por causa… do capital.

Quando a Federação Russa enche a FIFA e a UEFA de rublos cambiados em euros, quando a Gazprom enche o esfíncter dos marmanjos dos sorrisos amarelos ou quando os oligarcas capachos do líder russo mexem cordelinhos junto das grandes instâncias mundiais (FIFA e UEFA, como dizia o que abusava das secretárias, estão todas lá dentro… o resto já sabem), prevendo-se a situação win-win para ambas as partes, não os vejo preocupados com o perigo que vem de Leste. Nós, pessoas “normais”, cidadãos comuns, há muito sabemos do que é feito Putin, há muito estamos avisados para o seu calculismo, há muito sabemos que quer construir, de novo, a Rússia imperial czarista, há muito sabemos da sua simpatia pelo nacionalismo, da sua antipatia pelos valores democráticos, do seu ódio ao Estado de Direito. Há muito sabemos que famílias políticas europeias são financiadas por Putin. Nós, pessoas comuns. E a FIFA? Não o sabia? Duvido. Duvido muito. Aliás, não duvido: tenho a certeza – a FIFA sempre o soube.

Agora, qual zeladora dos interesses do mundo pacifista, vem a FIFA informar, cinicamente, que a “selecção da Rússia vai continuar a jogar, mas com algumas restrições”. A sério? “Algumas restrições”? Coitados. Isto é o equivalente a um homem que matou a esposa à pancada, mas que vai poder continuar a bater com algumas restrições. Entre as restrições constam: não pode usar moca de pregos, armas de fogo estão estritamente proibidas, facões e outras lâminas só em legítima defesa. E por legítima defesa, entenda-se, quer dizer a FIFA: “na eventualidade da esposa se recusar a lavar a loiça”.

E estamos nisto. Nos jogos de sombras típicos destes eventos históricos, há sempre a megalomania que os donos disto tudo têm, de fingir que estão do lado certo da História. Não estão. E não enganam ninguém.

Fotografia: AFP/Getty