Laurinda Freitas: um depoimento

Neste pobre país é proibido ser bom trabalhador mas honesto, isto desde o escriturário ao administrador.

Trabalhei como 1ª escriturária durante 35 anos numa empresa do ramo automóvel, pertencente a um Grupo Económico deste País. Neste espaço de tempo exerci algumas funções onde fui muito bem sucedida, mas por inveja dos meus chefes e porque à empresa não interessava trabalhadores que não lhes mereciam confiança para exercerem manobras contabilísticas /  corrupção, nunca me deram a oportunidade de subir na carreira.

Nos últimos dez anos que trabalhei na empresa procuraram todos os meios possíveis para me desgastarem, para que eu tomasse a decisão de sair da empresa, pois fui marginalizada, realizavam-se reuniões com os trabalhadores dos sectores a que eu pertencia e eu era proibida de participar.

Excluída, todos os trabalhadores tinham formação de informática e eu não, eram colegas que me explicavam depois o mínimo necessário para eu trabalhar. Era a única trabalhadora que não tinha impressora, pois tinha de me deslocar a gabinetes de colegas, para retirar os documentos que punha a sair nas impressoras delas.

Humilhada, enquanto os restantes trabalhadores tinham um gabinete digno, o meu mais parecia uma entulhada de papeladas, com caixotes cheios de papéis acima da superfície e pastas de arquivo no chão.

Torturada, trabalhava num gabinete onde estava uma máquina de grandes dimensões que alimentava todo o sistema informático das empresas do Grupo de toda a Região Norte; essa máquina trabalhando normalmente já fazia um ruído incomodativo, como eu me queixava desse ruído resolveram pôr a máquina a fazer um ruído insuportável, a porta da máquina trepidava por causa do mesmo. Estive assim durante uma semana, nesses dias quando à noite ia dormir parecia-me ouvir esse ruído, só colocaram a máquina com o ruído normal, quando um dos meus filhos foi lá para ver a minha situação.

Resisti a todo o desgaste psicológico que os corruptos me aplicaram, mas em Dezembro de 2008 fui despedida, porque a lei de trabalho em vigor favorece os corruptos que só estavam interessados em trabalhadores do sistema.

Portugal jamais poderá prosperar enquanto as empresas agirem como aquela aonde trabalhei, pois preferem ter trabalhadores medíocres, mas que cooperem com a corrupção. Os bons trabalhadores, mas honestos que podem ajudar as empresas e o País a prosperar são tramados.

Comments

  1. Carlos Loures says:

    Isso a que a Laurinda esteve sujeita, chama-se «assédio moral no trabalho» e é passível de graves sanções (indemnização, inclusive), desde que a vítima apresente provas e testemunhas. Eu sei que os trabalhadores não têm sempre razão, mas sei também que há patrões, empresários, executivos, que utilizam esse método inquisitorial para pôr as pessoas na rua sem a respectiva compensação. São uns miseráveis, os que assim procedem. Mas continuam por aí.

  2. maria monteiro says:

    Não sei se era/é sindicalizada mas valorizo sempre o papel dos sindicatos na ajuda, defesa, acompanhamento de situações como a da Laurinda.
    Um trabalhador sozinho pouco vale, a solidariedade de alguns colegas ajuda a enfrentar o dia-a-dia mas o aconselhamento sindical orienta na resolução dos problemas.


  3. Acredito que tenha ido bater a todas as portas para ter apoio, por isso aqui, permita-me que mostre a minha total solidariedade e disponibilidade para ajudar, nomeadamente através do movimento sindical, do qual faço parte.
    Quanto ao resto, é aquilo que digo há muito tempo – Portugal tem poucos empresários e muitos patrões.
    JP

  4. Laurinda Freitas says:

    Durante os dez anos em que fui torturada, procurei todos os meios possíveis a pedir socorro, inclusive varias instituições, como por exemplo: Sindicato, Pro Dignitate-Fundação de Direitos Humanos, Sos Voz Amiga, etc., etc. Fiquei com muito má impressão de um advogado que me atendeu no sindicato, assim como da organização SOS voz amiga.
    Quando fui despedida consultei um bom advogado particular, mas surgiu o problema de testemunhas para pôr uma queixa crime. Tinha apenas um filho que podia ser testemunha da tortura do barulho, mas como familiar tinha pouco valor. Os corruptos arquitectam tudo de uma forma que se torna difícil apresentar queixas contra eles, porque se rodeiam de trabalhadores que colaboram com o sistema de corrupção, pois são muito bem pagos para isso. Portanto eu fui resistente, mas fiquei isolada, pois aqueles que tinham o meu carácter, foram convidados/empurrados para saírem da empresa.
    Não lhes pus um processo crime, mas a história não vai ficar assim, é necessário denunciar pessoas que me trataram desumanamente, pois sabendo que era uma pessoa honesta, completamente sózinha com muitas dificuldades económicas para criar dois filhos, trataram-me de uma forma tirânica.
    Sou apartidaria, mas a meu ver os dois maiores partidos que têm sido governo deviam ser extintos, porque as grandes empresas e esses dois partidos têm tudo minado, andam de mãos dadas, porque os políticos têm grandes proveitos com a corrupção que existe nas empresas.
    Os governantes fazem leis que prejudicam os trabalhadores, portanto dão-lhes pancada, criando-lhes pisaduras (problemas psicológicos e sociais) de seguida fazem leis que parecem ser muito amigos dos trabalhadores, dando-lhes subsídios, portanto uma pomadinha para tratar as pisaduras que eles próprios fizeram.
    Quando se deu o 25 de Abril nunca pensei que ia assistir a esta bandalheira política…

    • Luís Moreira says:

      Laurinda, o mundo é muito injusto. Não deixe que o seu caso lhe estrague o resto da vida. Se não pode levá-los a tribunal, esqueça…

    • Ruben de Andrade says:

      Isto que aconteceu a esta senhora é,infelizmente, o “exemplo de mediocridade pura” devido á corrupção e falta de Justiça neste nosso Portugal.E por ser mediocre,não serve de exemplo mas sim da “vergonha socio.-economica e politica” que este país atravessa.
      Mais se comprova que o 25 de Abril ,na Teoria,tinha bons principios de Democracia mas,na Pratica desde 74 até aos nossos dias,que “não tem havido
      Democracia nenhuma” mas,sim,Hipocrisia,falta de seriedade,enfim,um país como
      a senhora bem o disse que,no fundo,não é um país de direito,pois os ricos criminosos ficam impunes dos seus crimes e até aparecem na televisão como
      se fossem muito serios e até herois do Estado portugues.
      Mais se conclui q pos 25 de abril ,diversos politicos “bregas,sem categoria nem formação” nenhuma,de diferentes partidos politicos, ganharam protagonismo.
      “com seus discursos bonitos elaborados” mas não passam de serem “da treta” e
      essas “fracas figuras politicas” nao passam de “corruptos” q querem chegar “á Porca da Politica!” para se enriquecerem rapidamente,ou seja,”servirem-se” mas não Servirem uma Nação(como deveria ser esse o principio serio ,correcto dos politicos).
      Claro que sou pela Democracia competente,seria,honesta q zela pelos Interesses do Estado,nação,pessoas(ex.Gra -Bretanha;Noruega;etc) e nao este
      atraso de vida deste país de poilticos corruptos e sem seriedade.
      Antes do 25 de Abril,nalguns aspectos,os politicos eram mais” honrados e serios” do que estes “novos ricos,manhosos,corruptos sem formação nem competencia” como estes do Pos-25 de Abril.

      Metam os “Cravos da Revolução” nas suas p..(Up yours!)

      P.S.-Só para salientar que o termo “Porca da Politica, ja o nosso notavel Caricaturista Bordalo Pinheiro utilizava quando criticava e gozava com os politicos da” 1a Republica e sua bandalheira”. Agora esta-se a repetir,hoje em dia o mesmo,de certo modo, na sociedade e politica portuguesa .
      Os portugueses/cidadaos que sejam mais prespicazes, inteligentes para não serem enganados ao votarem nestes mesmos “que chulam a nação” mas votarem de modo a “mudarem” para melhor a cara desta “nossa triste e fraca politica”.

  5. Laurinda Freitas says:

    Luís Moreira, esquecer gente terrivelmente maldosa que me deixaram marcas físicas e psicológicas, jamais esquecerei, pois vou procurar formas de lhes fazer sentir o mal que me fizeram. Se eu esquecesse tudo era óptimo para eles, mas não lhes vou dar esse gosto…

    • maria 2009 says:

      Estou de acordo consigo, Laurinda não os esqueça e tente vingar-se como uma Senhora, isto é, deve jogar com as mesmas armas que eles “os sacanas”, atue também como se fosse sacana, só assim conseguirá quiçá ganhá-los…eu faço isso e agora já não me chateiam, mas nunca demonstrei que me sentia derrotada, nunca lhes dei essa satisfação ao invés contra atacava..(mas cumprindo as regras) porque só assim nos respeitam, constatam que temos personalidade que não somos moles, sem vontade própria. Leia sobre os Direitos do Trabalho, documente-se e denuncíe, anónimamente, falcatruas deles obtendo provas credíveis. Tenha cuidado não afirme sem provas, obtenha-as e envie-as para a Procudoria Geral da República..eu já fiz isso e identifiquei-me para depois me rir e continuo a rir deles e, deu resultado. Mas cada caso é um caso

  6. Joao Lopes says:

    Esta gente sem escruplos fazem isto, porque não existe justiça em Portugal…

  7. Ana Cecilia Pinho says:

    laurinda, acredito , pois o seu comentário trasparece sinceridade e infelismente o dinheiro faz mover muita coisa neste país.
    hoje em dia há mais pessoas que trabalham pelo dinheiro, e não pelo prazer de se sentirem realizadoas profissionalmente, querem trabalhadores que exerçam as suas funções e quanto mais fizerem mais querem mas perante os olhos da entidade patornal nada fazem, pois os que fazem são sempre aqueles que trabalham com a lingua e com gracha nas mãos…
    Este País tem muito que aprender…
    Força amiga estou contigo nessa, devemos fazer ouvir nossa voz.


  8. Por alguma razão eu e a esposa saímos de Portugal há 3 anos. Sem intenções de voltar.

    É que eu também já passei por isso. Não foi nada em comparação com o seu testemunho, mas deu para ver como são realmente os nossos pseudo-empresários.

    Portugal tem mesmo muito que aprender e mudar o que o inquina, que é a mentalidadezinha pequeno-burguesa que por aqui se instalou.

    Só para terem uma ideia, a minha esposa dava aulas de substituição 6h por semana e eu era formador a recibos verdes, quando calhava.
    Ela recebia 460€ por mês e eu 12.5€h

    Ela agora trabalha numa escola internacional em Amesterdão e eu sou Project Manager numa multinacional de IT.

    Portugal é bom é para férias. É uma pena, mas eu não tenho poder para mudar nada e só tenho uma vida para viver.

    Cumprimentos da terra das tulipas.

    • Luís Moreira says:

      É verdade, Rui. Conheço essa realidade, o meu filho esteve aí a estudar e a trabalhar, foram os melhores anos da vida dele. Agora está cá com as dificuldades de qualquer jovem que não tenha um pai socialista!

  9. Paulo says:

    Já vai acontecendo casos deste na Europa, não muitos mas aparecem. Pode ser até um bom trabalhador e basta o manager não gostar de um gajo para lhe dar os trabalhos que os nacionais não gostam e se um tipo não se vai embora, escrevem uma carta anonima e quando o contrato acaba não renovam. Portanto não é só aí , infelizmente.

  10. manuela says:

    Laurinda, não desespere aconteceu-me a mesma coisa a mim. Trabalhava numa grande empresa e porque o filhinho do papá nunca foi com a minha pessoa fez-me a vida negra. è um canalha, frustrado, mas como tem poder despediu-me, pagou-me mas o dinheiro não é tudo na vida de um ser humano. Quero refazer a minha vida profissional mas está dificil. Força Laurinda

  11. Raul Guedes says:

    Laurinda, neste País pessoas com o seu bom carácter, não interessam nas grandes empresas nem no governo. Portugal, tornou-se numa montanha de lixo, em que as pessoas mais competentes são excluídas, pelo motivo de serem superiores em todas as áreas, a escumalha de medíocres e corruptos, que gerem as grandes empresas, e Portugal. Parabéns pela sua coragem de vir aqui mostrar a miséria moral, a que alguns patrões chegaram. Desejo-lhe que continue com muita força para enfrentar todos os problemas da vida cruel, que este mundo sem valores humanos nos apresentam.

  12. Francisco says:

    Esta senhora mente como sempre mentiu durante todo o tempo em que esteve na empresa.Nunca quis modernizar-se tecnologicamente.Quando o quis era tarde.Dispara contra tudo e contra todos.Faz-me lembrar, com o devido respeito, o tolo que conduzia em contramão , mas os outros é que eram malucos…

  13. laurinda Freitas says:

    Sr. Francisco “nome fictício”, MENTIROSO, TOLO, MEDÍOCRE, E CORRUPTO, é você. Foram pessoas como você, que com as vossas manobras contabilísticas “corruptas” contribuíram para o abismo que Portugal se encontra economicamente.

    Vocês, traíram e retiraram da Presidência do Conselho da Administração, um Grande Senhor de carácter, grande empresário, pessoa justa e humana. O avô desse Senhor foi o fundador do Grupo a cerca de 80 anos. Vocês quando entraram no grupo eram uns simples trabalhadores. Essa conceituada família, deu-vos a oportunidade de serem accionistas, ganharam muito dinheiro, durante muitos anos à custa dessa família fundadora do grupo. Esse Senhor a que me refiro, foi por vocês expulso da Presidência do Conselho de Administração do Grupo, unicamente por ele ser, uma pessoa inteligente, honesta, justa, humana e contra os sistemas.

    MENTE, ao dizer que eu nunca quis aprender informática. Não sou mentirosa como você. Pelo motivo de eu ser uma pessoa, que não gosta da mentira, fui perseguida por vocês, porque para quem faz manobras contabilísticas, pessoa verdadeira é inconveniente.
    Embora não me sentisse uma pessoa vocacionada para a informática, no entanto, sempre me interessei por saber e bem, os programas informáticos para exercer as minhas funções profissionais. O MOTIVO que vou levou a excluírem-me de várias actualizações informáticas, foi unicamente para me IMPEDIREM DE SABER MAIS DO QUE AQUILO QUE VOS INTERESSAVA. Essa exclusão não vos adiantou, porque sozinha, consegui aprender esquemas de entrar em contas contabilísticas, e obter dados que reforçaram a minha ideia de que a perseguição tinha um nome “ INCONVENIENTE”.

    TOLA não, sou. Vocês gostariam de ser como eu. Se fossem como eu, não tinham necessidade de andarem a fazer manobras contabilísticas, para obterem bons lucros. Quanto ao disparar, nunca na minha vida disparei contra pessoas correctas, sempre procurei a harmonia entre as pessoas. Repito o que já numa altura vos disse, pois deixo a seguinte comparação: Jesus era Santo “Deus”, mas um dia quando viu uma enorme injustiça “os vendilhões a ocuparem-lhe o templo” revoltou-se, pegou num varapau e correu com todos. Eu não me comparo a Jesus, mas vocês foram de tal modo desumanos, que me faziam exaltar e ficar transtornada.

    No dia 23.02.2006, revoltada com tanta maldade que me faziam, disse o que tinha na alma, pois era perseguida por causa da corrupção. Levantaram-me um processo disciplinar, e estive em casa um mês sem vencimento. Podiam-me despedir, mas só não o fizeram, porque não sabiam os comprovativos que eu tinha em meu poder. Pois tinha-os, e muitos…

    Exerci funções em que demonstrei uma capacidade, que vocês medíocres, gostariam de ter. Senão vejamos:

    Satisfação de cliente. Eram entregues aos clientes, que faziam assistência das suas viaturas nas oficinas, um postal de inquérito, “satisfação do cliente”. Quando os clientes, respondiam, insatisfeitos, era eu que os contactava, procurando resolver os problemas apresentados, encaminhando e cooperando com os sectores a referentes às reclamações. Quando a reclamação se referia a situações em que nada já se podia fazer, como por exemplo: atendimento. Conversava com os clientes, e pedia-lhes desculpa. Esse meu trabalho era excelente. Os clientes que iniciavam o diálogo exaltados, mudavam o seu comportamento, e mudavam de ideias. Inicialmente diziam que iam mudar de marca, marca X, nunca mais, quando chegavam ao fim do dialogo estavam calmos e a elogiarem o meu trabalho.

    Fiz prospecção de vendas de camiões. Elaborei uma ficha aonde anotava vários dados dos contactos que fazia. Esse ficha, com todas as informações, como por exemplo: empresa, nome da pessoa a contactar, telefone, melhor hora, viatura que tinham em vista adquirir, etc., entregavas aos vendedores. Abria-lhes a porta para irem contactar os clientes, pois eles só iam lá, para apresentar a nossa gama de viaturas, e negociar. O meu trabalho representava seguramente as vendas de dois stands.
    Havia uma reunião semanalmente (às segundas-feiras) entre um gestor “medíocre” e os vendedores. Eu que fazia parte da equipa de vendas, e que tanto lucro lhes estava a dar, era proibida de participar na reunião.

    Recuperação de dívidas difíceis. Existiam muitas dívidas de clientes, que tinham feito reparações de viaturas nas oficinas, e não pagaram as respectivas facturas, pelo motivo de terem reclamado serviços e ninguém lhes ter resolvido a reclamação (nessa altura já me tinham retirado do serviço de satisfação de cliente).
    Um administrador que não pertencia ao sistema do grupo (era pessoa correcta), disse-me: Faça como entender que é o melhor, para fazer a recuperação das dívidas. Tal como já tinha feito aquando da prospecção de vendas, elaborei uma ficha, aonde anotava todas as situações. Algumas dívidas não eram de reclamações, mas por negligência de alguns sectores da empresa. Logo de inicio esse administrador, que estava a acompanhar o meu trabalho, mostrou-se muito satisfeito com os bons resultados que estava a obter. Esse administrador foi despedido, continuei a obter bons resultados, mas desvalorizados pelos seguintes responsáveis.
    Em pouco mais de um ano recuperai cerca de 300 mil euros de dívidas difíceis. Quando essa minha tarefa já estava a terminar, depois chegava fazer uma manutenção normal de controlo de créditos, contrataram um funcionário para fazer essa manutenção, e disseram-me que não tinham trabalho para mim. Fiquei quase dois meses sem ter trabalho, apresentava-me ao serviço e cumpria o horário. Foi muito difícil, estar esse tempo sem fazer nada, mas aguentei, porque precisava de trabalhar.

    Pagamento a fornecedores. Coloram-me a fazer pagamento a fornecedores, era uma função que não me agradava muito, mas que cumpri sempre com todo empenho e rigor. Em toda a minha vida profissional, a actividade que mais gostei de exercer, e que fui sempre muito bem sucedida foi de lidar com clientes. Comecei por fazer pagamento a fornecedores de uma empresa e a conciliar esses pagamentos, e algum tempo depois, fazia pagamentos de três empresas do grupo. Os pagamentos eram feitos através de cheques. Como muitas vezes era necessário consultar as cópias dos cheques, eu esforçava-me para que a cópia ficasse bem visível, com esse esforço, o meu dedo polegar da mão direita começou a entortar e a ter bastante dores ao escrever. Queixei-me do que estava acontecer à minha chefe, e a resposta foi: Se não poder fazer esse trabalho está sujeita a que lhe ponham uma vassoura nas mãos.

    Foi-me feita uma ameaça de morte indirectamente. No meio de uma conversa entre eu e a minha chefe, a cerca das pessoas não olharem a meios para obterem os fins, ela disse-me: Quando não se consegue resolver as coisas a bem, existem pessoas que são contratadas para resolverem definitivamente. Fiquei muito assustada, pensei ir à polícia, acabei por nada fazer, mas evitava sempre andar por ruas com pouco movimento.

    Esta gente maldosa, causou-me um terrível sofrimento. Este assunto está entregue numa instituição, se não quiserem indemnizarem-me a bem, forçam-me a tomar outras atitudes…

    ESTE “FRANCISCO” E TODOS OS FRANCISCOS, QUE ME PRESEGUIRAM NÃO PRESTAM COMO PESSOAS; NEM COMO PROFISSIONAIS, VÊM INSULTAREM-ME, PARA QUE EU ME ACOMODE. ESTÃO A FAZER O CONTRÁRIO, CADA VEZ MAIS FICO COM VONTADE DE VOS MOSTRAR, QUE BRINCARAM COM A MINHA POBREZA, MAS AGORA NÃO BRINCAM COM O MEU BOM CARÁCTER.

    .

  14. laurinda Freitas says:

    Correcção do 1º parágrafo.

    Sr. Francisco “nome fictício”, MENTIROSO, TOLO, MEDÍOCRE, E CORRUPTO. Foram pessoas como vocês, que com as vossas manobras contabilísticas “corruptas” contribuíram para o abismo em que Portugal se encontra economicamente.

  15. Pedro says:

    Infelizmente neste país há de tudo! Mas tb há empregados sem qualquer sentido de responsabilidade que visam apenas e somente o fim do mês o mais rapidamente possivel para sacarem mais uns euros. A verdade é que em portugal a produtividade é muito baixa, tão baixa quanto o salário minimo nacional. Mas tb é verdade que Portugal se colocou a jeito para receber tão pouco pois não há país na europa tão exposto a globalidade inocente como a que nós temos. Vejam as centenas de lojas chinesas que abriram e que estão literalmente a derreter a nossa industria. Eramos um país extremamente forte no calçado, no textil, nos móveis, na industria transformadora da pedra. Mas desde a nossa entrada na união europeia que tudo mudou eu acredito que para pior! em troca de dinheiro fácil expusemo-nos perigosamente para uma situação com a qual não tinhamos hipotese. Um país precisa de uma industria diversificada e nós tinhamos uma na vertente mais fisica é certo… MAs foi criada a ideia de profissões mais dignas e menos dignas, e isso afasta muita gente do trabalho na industria. Só a industria nos devolverá a dignidade não podemos viver do turismo da vontade dos outros nos visitar, pois ha sitios incriveis por esse mundo fora. PRecisamos de um futuro certo que nos garanta estabilidade e esse futuro é uma industria apoiada pelo estado, com um compromisso e uma mobilização dos operários. É também necessário uma lavagem cerebral à geração morangos com açucar. Antes que eles atirem com este país ao charco. Um país não vive só de professores, arquitectos, enfermeiros, advogados, médicos e informáticos. Para estes sobreviverem precisamos de 70% da população activa a trabalhar na industria. Mas infelizmente muita gente por vergonha prefere não trabalhar em determinados empregos por serem socialmente achincalhados.

    O pior de tudo é que estas atitudes de gente que nos governa sem qualquer visão ou estratégia governamental está-nos a levar a caminho da federação ibérica. Algo do tipo “espetar uma faca nas costas do nosso pai” É lamentável este forçar de acontecimento, esta bajulação que está a fazer o povo português querer essa federação. OS nossos antepassados perderam muitas vidas para defender a nossa suberania e devemos acima de tudo respeitar o nosso passado. Só teremos futuro conhecendo o nosso passado, respeitando-o, preparando o presente para um futuro mais promissor. Além do mais o nosso problema é um problema de atitude e não de capacidades. Eu defendia um decrescimo dos impostos, um aumento substancial no salário minimo nacional que por sua vez trataria de compensar a baixa nos impostos, uma taxação mais forte na importação de produtos tecnológicos que basicamente são eles que destroem a nossa balança comercial.

  16. jose silva says:

    a senhora tem razão. andamos a trabalhar tantos anos, para nada, levamos uma aposentação de miséria. as pessoas honestas e trabalhadoras já não existem.

  17. maria monteiro says:

    pessoas trabalhadoras e honestas continuam a existir querem é faze-las acreditar que já não existem, que é uma estupidez ser-se honesto, ser-se trabalhador. Devemos todos é deixar de vender a alma a deuses… Devemos recusar o conformismo, a resignação… ir à luta, enfrentar, denunciar todos os franciscos que se especializaram em abortar a vida de quem é honesto, de quem é trabalhador

  18. laurinda Freitas says:

    José Silva, existem sim, trabalhadores honestos, mas existem muitos desonestos como você, e os franciscos, que perseguem pessoas como eu, com competências profissionais, para que as empresas, possam obter bons resultados financeiros, sem recorrerem a corrupções. Vocês maus trabalhadores, cooperam com corrupções, utilizando todo o tipo de estratégias, para que as empresas dêem algum lucro, para poderem assim receberem escandalosos, bónus, como aqueles que eu descobri na contabilidade.
    Enquanto vocês se vangloriavam com uma vida magnífica, como por exemplo: Bons carros de serviço, apartamentos pagos pelo grupo, passar férias em estâncias de alto luxo, etc., eu e os meus filhos, faltava-nos muitas vezes o dinheiro, para fazermos uma alimentação correcta.
    Quando vos pedi para me darem uma pequenina percentagem das vendas de camiões que eram vendidos através da minha prospecção, foi-me negado, e humilhada com risos de desdém.
    Quando iniciei a recuperação de dívidas difíceis e os resultados, começaram a ser excelentes, foi-me prometido por um dos administradores, que iria ser recompensada por isso, a vossa resposta desumana, foi: Despediram esse administrador, não me deram nenhuma recompensa, e como já aqui comentei, no fim dessa minha tarefa com um resultado excepcional, disseram-me que não tinham trabalho para mim, e fiquei quase dois meses sem fazer nada.

    Menciono aqui algumas estratégias, que os corruptos de alguns grupos económicos utilizam: Valores elevadíssimos de facturação fictícia, tanto nas empresas do mesmo grupo, que tiram facturas falsas entre si, como em empresas externas, algumas delas que nunca existiram, foram feitas unicamente para lavagem de dinheiro, como casos de porteiros de prédios, que tiveram empresas falsas só para lavagem de dinheiro, e receberem umas boas gratificações por isso.
    Fazem-se vendas sem factura, e utilizam-se muitas outras manobras, para não se pagarem impostos, porque têm todo sistema político minado, pois são políticos e instituições que cooperam com as corrupções, como por exemplo: Fundadores de grandes partidos que interferem junto de instituições, governadoras civis de cidades, finanças, etc.

    A cerca de 3 anos um grupo de especialistas Finlandeses, fizeram um estudo sobre a corrupção nos Países da União Europeia, e a conclusão foi : Portugal, era o País mais corrupto da União Europeia, e se não fosse a corrupção, os Portugueses teriam uma boa condição de vida…

  19. ferreira da silva says:

    SRA DA LAURINDA DIGA A EMPRESA QUE A DESPEDIU CASO ELA AINDA EXISTE EU E SE CALHAR MAIS DEIXEM DE DAR A GANHAR DINHEIRO A ESSES CORRUPTOS E DAQUI MANDO O MEU APOIO LEVE ESSES SRS A TRIBUNAL COMO VOCE DIS TEM PROVAS SUFICIENTES QUEM NÂO DEVE NÂO TEME

  20. laurinda Freitas says:

    Sr. Ferreira da Silva: Agradeço as suas palavras.

    Quanto ao que me diz de levar a tribunal essas pessoas maldosas, no caso da empresa ainda existir, começo por lhe dizer: esse grupo económico, continua com a sua actividade, mas só com funcionários administrativos seleccionados, porque a principal valia – para esse tipo de patrões – é de lhes merecerem confiança, para exercerem as suas manobras contabilísticas.

    Tenho muitos comprovativos em papel em que podia condenar a empresa, (não os tenho em meu poder por uma questão de segurança). Só que, se accionasse qualquer processo com esses comprovativos, ia ser muito prejudicial, para os meus perseguidores, mas ia atingir centenas de trabalhadores, não administrativos, que não têm culpa dos patrões desumanos me terem tratado mal, e necessitam dos seus modestos vencimentos ao fim do mês, para sustentar as suas famílias.

    No ano passado consultei um bom advogado, no sentido de abrir um processo-crime contra esses tiranos, pelos tratos desumanos a que me submeteram. Para qualquer processo é necessário testemunhas, e como só tinha um dos meus filhos, para testemunhar uma das ocorrências de tortura de ruído, o advogado pediu-me pelo menos mais uma testemunha, o que se tornou difícil, porque essa patrões desumanos, antes de me agredirem com torturas, rodearam-se só de pessoal administrativo que lhes mereciam confiança para exercerem todo o tipo de crueldades e corrupções.

    Pelo motivo que acabo de descrever, e porque não tenho muita confiança na justiça portuguesa, pelo motivo de Portugal, existir uma justiça para os pobres e outra para os ricos. Os meus ex. patrões, minavam tudo (tinham a justiça dos ricos) corria o risco de não ganhar a causa.

    Perante a minha desistência de lhes pôr um processo-crime fiquei muitíssimo revoltada, SENTI UMA TERRÍVEL DÔR DA INJUSTIÇA, considero que não existi maior dor que a da injustiça. Não sou pessoa de me acomodar, comecei a pensar o que devia fazer a esses tiranos, pensei em fazer uma greve de fome com cartazes da empresa a denunciar o que me fizerem, pois essa ideia já tinha na cabeça algum tempo atrás.

    Decidi recorrer a uma instituição da qual aguardo uma saída satisfatória, caso contrário vou recorrer a outras, mesmo que tenham de ser internacionais, e nessa altura a greve de fome pode vir acontecer. Não me vou calar, enquanto não for indemnizada de uma forma justa pelo sofrimento a que pessoas desumanas me fizeram passar.

    Estou muitíssimo grata à Aventar, por me ter permitido neste espaço comentar o meu caso, porque serviu para denunciar a minha situação, e dar a conhecer a muitos portugueses a forma como eu, e outros trabalhadores competentes, são escravizados nas empresas aonde trabalham/trabalharam, só por não merecerem confiança aos patrões corruptos.


  21. Hola Laurinda Freitas

    Eso sucede en todas partes del mundo, en mi pais(Perú) sucede igual, injusticias y corrupción.

    Pero felizmente hay personas que nunca dan su brazo a torcer y siguen firmes y con la frente en alto y la dignidad limpia, personas como tú.

    Animo

  22. laurinda Freitas says:

    Esta é parte da resposta que dei a um dos meus perseguidores, que me tratou, por tola neste blogue.

    Vocês gostariam de ser como eu. Se fossem como eu, não tinham necessidade de andarem a fazer manobras contabilísticas, para obterem bons lucros. Quanto ao disparar, nunca na minha vida disparei contra pessoas correctas, sempre procurei a harmonia entre as pessoas. Repito o que já numa altura vos disse, pois deixo a seguinte comparação: Jesus era Santo “Deus”, mas um dia quando viu uma enorme injustiça “os vendilhões a ocuparem-lhe o templo” revoltou-se, pegou num varapau e correu com todos. Eu não me comparo a Jesus, mas vocês foram de tal modo desumanos, que me faziam exaltar e ficar transtornada.

    Exerci funções em que demonstrei uma capacidade, que vocês medíocres, gostariam de ter. Senão vejamos:

    Satisfação de cliente. Eram entregues aos clientes, que faziam assistência das suas viaturas nas oficinas, um postal de inquérito, “satisfação do cliente”. Quando os clientes, respondiam, insatisfeitos, era eu que os contactava, procurando resolver os problemas apresentados, encaminhando e cooperando com os sectores referentes às reclamações. Quando a reclamação se referia a situações em que nada já se podia fazer, como por exemplo: atendimento. Conversava com os clientes, e pedia-lhes desculpa. Esse meu trabalho era excelente. Os clientes que iniciavam o diálogo exaltados, mudavam o seu comportamento, e mudavam de ideias. Inicialmente diziam que iam mudar de marca, marca X, nunca mais, quando chegavam ao fim do diálogo estavam calmos e a elogiarem o meu trabalho.

    Fiz prospecção de vendas de camiões. Elaborei uma ficha aonde anotava vários dados dos contactos que fazia. Esse ficha, com todas as informações, como por exemplo: empresa, nome da pessoa a contactar, telefone, melhor hora, viatura que tinham em vista adquirir, etc., entregavas aos vendedores. Abria-lhes a porta para irem contactar os clientes, pois eles só iam lá, para apresentar a nossa gama de viaturas, e negociar. O meu trabalho representava seguramente as vendas de dois stands.
    Havia uma reunião semanalmente (às segundas-feiras) entre um gestor “medíocre” de Lisboa, e os vendedores. Eu que fazia parte da equipa de vendas, e que muito lucro lhes estava a dar, no entanto, era proibida de participar na reunião.

    Recuperação de dívidas difíceis. Existiam muitas dívidas de clientes, que tinham feito reparações de viaturas nas oficinas, e não pagaram as respectivas facturas, pelo motivo de terem reclamado parte de serviços mencionados nas facturas, e ninguém lhes ter resolvido a reclamação (nessa altura já me tinham retirado do serviço de satisfação de cliente).
    Um administrador que não pertencia ao sistema do grupo (pessoa correcta) era do Porto, disse-me: Faça como entender, procure a melhor para recuperar as dívidas. Tal como já tinha feito aquando da prospecção de vendas, elaborei uma ficha, aonde anotava todas as situações. Algumas dívidas não eram de reclamações, mas por negligência de alguns sectores da empresa. Logo de inicio esse administrador, que estava a acompanhar o meu trabalho, mostrou-se muito satisfeito com os bons resultados que estava a obter, e prometeu-me uma compensação. Esse administrador foi despedido, continuei a obter bons resultados, mas desvalorizados pelos seguintes responsáveis.
    Em pouco mais de um ano recuperai cerca de 300 mil euros de dívidas difíceis. Quando essa minha tarefa já estava a terminar, depois chegava fazer uma manutenção normal de controlo de créditos, contrataram um funcionário, para fazer essa manutenção, e disseram-me que não tinham mais trabalho para mim. Fiquei quase dois meses sem ter trabalho, apresentava-me ao serviço e cumpria o horário. Foi muito difícil, estar esse tempo sem fazer nada, mas aguentei, porque precisava de trabalhar.

    Pagamento a fornecedores. Coloram-me a fazer pagamento a fornecedores, era uma função que não me agradava muito, mas que cumpri sempre com todo empenho e rigor. Em toda a minha vida profissional, a actividade que mais gostei de exercer, e que fui sempre muito bem sucedida, foi de lidar com clientes. Comecei por fazer pagamento a fornecedores de uma empresa e a conciliar esses pagamentos, e algum tempo depois, fazia pagamentos de três empresas do grupo. Os pagamentos eram feitos através de cheques. Como muitas vezes era necessário consultar as cópias dos cheques, eu esforçava-me para que a cópia ficasse bem visível, com esse esforço, o meu dedo polegar da mão direita, começou a entortar e a ter bastantes dores ao escrever. Queixei-me do que estava acontecer à minha chefe, e a resposta foi: Se não poder fazer esse trabalho está sujeita a que lhe ponham uma vassoura nas mãos.

    Foi-me feita uma ameaça de morte indirectamente. No meio de uma conversa entre eu e a minha chefe, a cerca das pessoas não olharem a meios para obterem os fins, ela disse-me: Quando não se consegue resolver as coisas a bem, existem pessoas que são contratadas para resolverem definitivamente. Eu estava na situação de não querer sair da empresa. Fiquei muito assustada, pensei ir à polícia, acabei por nada fazer, mas evitava sempre andar por ruas com pouco movimento.

    Esta gente maldosa, causou-me um terrível sofrimento. Este assunto está entregue numa instituição, se não quiserem indemnizarem-me a bem, forçam-me a tomar outras atitudes. Não sou pessoa de desistir, tenho um plano traçado, e vai ser cumprido…


  23. Te diria que tengas cuidado con lo que escribes, parece que buscas venganza.

    eso no es bueno y mucho menos ventilarlo en un blog.

  24. laurinda Freitas says:

    Pessoa que se intitula por: Yda Mamami Alvarez;

    Eu não procuro vingança, a minha única intenção, é de mostrar ao País, o principal motivo de Portugal estar nesta péssima situação económica.
    Se as empresas fossem correctas com os seus trabalhadores, dando oportunidade àqueles que demonstram competências para ajudarem a obterem bons resultados financeiros, e se cumprissem com os seus deveres com o Estado, pagando correctamente os seus impostos, de certeza absoluta que Portugal seria um Pais próspero.

    À cerca de três anos um grupo de especialistas Finlandeses, fizeram um estudo sobre a corrupção nos países da União Europeia, e a conclusão, foi que Portugal, era o país mais corrupto, e se não fosse a corrupção TODOS PORTUGUESES TINHAM UMA BOA CONDIÇÃO DE VIDA.
    Isto dá-me uma enorme revolta, porque tive COMPETÊNCIA profissional para ter hoje uma boa condição económica, e só não tenho, porque fui injustiçada, perseguida, e torturada, por pessoas desumanas, que só se interessaram por terem trabalhadores que lhes merecessem confiança, para exercerem as suas manobras contabilísticas. Estas pessoas contribuíram para o caos económico em que Portugal se encontra.

    Não tenho qualquer receio dos comentários que aqui tenho feito, porque: Nunca mencionei a empresa aonde trabalhei, nem nomes das pessoas que cooperaram na minha tortura, não, sou nenhuma figura pública, pois ninguém sabe que é a Laurinda. Além disto, se tivesse de comprovar o que digo, estou muito bem documentada.

    A empresa que me tratou desumanamente, apenas me pagou a indemnização a que tinha legalmente direito, agora falta pagarem-me a indemnização de maus-tratos. Pois só quando a empresa me pagar essa indemnização de maus-tratos, é que me vou remeter ao silêncio, até isso acontecer, tudo pode vir a acontecer, até por exemplo: Uma greve de fome, com cartazes, e os órgãos da comunicação social a rodearem-me, transmitindo de uma forma mais expressiva os meus comentários.

    Não sou pessoa de retroceder, tudo o que digo que vou fazer, é para cumprir…

  25. Patricia Paredes says:

    Laurinda, Voce é uma pessoa com uma competência e com uma força admirável. Portugal precisa de muitas pessoas assim. Os medíocres e invejosos, não gostam de estarem rodeados com pessoas do seu excelente nível profissional. Isto além de não lhes interessarem pessoas que não lhes mereçam confiança para exercerem as corrupções.
    Não sei a sua idade, mas se estiver próximo da reforma, aconselho-a a não se reformar, porque ainda pode ajudar alguma empresa que a mereça ter como trabalhadora, a obter bons resultados financeiros.
    Parabéns pela sua força, e tal como diz continue a procurar obter os seus direitos

  26. joaquim marques says:

    Que posso dizer sobre o seu drama?
    Eu trabalhei numa empresa durante 45 anos e, embora não tenha sofrido o que a Laurinda diz ter passado, desde o primeiro dia até ao último, só tenho a apontar disparates e atitudes canalhas e de incompetência de todo o tamanho.
    Chegava a dizer que mais valia cometerem erros por serem malandros do que por estupidez.
    Exerci diversas funções sempre com toda a aplicação e os melhores resulatdos para a empresa.
    Acabei por ouvir dizer que o meu defeito era ser simples e saber de mais, era “intelectual”.
    O meu mérito nunca foi poso em dúvida e fiz poupar milhões de contos à empresa, algumas vezes já com cheques assinados por não saberem o que eu sabia.
    Adulto, entrei para a faculdade para fundamentar e reforçar as minhas funções.
    Entretanto, indivíduos com a antiga 4ª.classe foram promovidos e ultrapassaram-me largamente.
    Hoje, estou reformado mas tenho pesadelos em que me vejo no emprego inquieto por problemas relativos à minha actividade.
    Quando tenho folga deste tipo de sonhos, outros surgem por causa da guerra de Angola.

  27. joaquim marques says:

    Voltei para acabar o texto que foi cortado não sei porquê.
    No exercício das minhas funções visitei milhares de empresas e elaborei relatórios sobre os mais variados aspectos, e a impressão que colhi dessa experiência foi a pior.
    Poucas se aproximavam de padrões elevados de qualidade.
    Quando, agora, ouço ou leio sobre a competitividade e a produtividade, lembro-me da falta de organização que permitia avultados desperdícios de horas de trabalho sem que a empresa mostrasse a menor preocupação por isso.
    Porque do meu trabalho fazia parte a avaliação da relação empresa/trabalhador, posso afirmar com documentos, que muita gente foi vítima mortal da estupidez, da indiferença, da ignorância e maldade dos patrões.
    Peço desculpa pelo que pode parecer que minimizei o seu caso relatando o meu, mas só pretendi contribuir para que outros saibam que o mundo do trabalho é pior que o mundo da selva.
    Não me considero infeliz pelo que passei e pelo que assisti, mas lamento muito todos os trabalhadores por conta de empregadores que, além de incompetentes são autênticos malandros.
    Infelizmente para todos os trabalhadores, muitos comportam-se de modo, que chegam até, algumas vezes, a serem piores do que os maus patrões.
    Não acusem o trabalhador, o mal está nos cérebros dos empresários.

    Laurinda, lute contra a injustiça mas, cuidado, saiba quando deve parar e pare, e aí pare mesmo. porque senão além do prejuízo económico e psicológico que já tem, ainda correrá o risco de ser colhida por uma doença de difícil trato e, então, sentirá o mal e a frustração.
    Poupe-se e lute desportivamente para seu bem.


  28. David vencio a Goliat, pa’ lante Laurinda

  29. Catarina Fernandes says:

    Laurinda, você tem uma força admirável. Não desista. Estou a passar por algo muito semelhante. Eu que, tomo quase sempre o partido do patrão por assistir a muita malandrice e incompetência, vejo-me agora a ser massacrada e humilhada. Querem levar-me à exaustão para não me pagarem os direitos e me verem pelas costas. Sempre dei a minha camisola por aquilo, dei-lhes centenas de milhares a ganhar, dei-lhes horas, dias, semanas de trabalho grátis para ver recompensada a minha dedicação desta maneira. Sei que não sou a melhor do mundo, mas tenho plena e perfeita consciência que sou do mais competente que por aquele sector passou. A prova disso foram as dezenas de trabalhadores que por mim passaram e não ficaram por não aguentarem a pressão ou por não serem capazes. Não sei se terei a sua força, mas vou procurar lutar para que seja feita justiça. Se não me querem lá, que me mandem embora com dignidade. Sinto-me muito revoltada pelo que me estão a fazer, e o segredo, é não nos deixarmos dominar pela ira para não descermos ao nível deles, dos pseudo empresários que ainda vivem no tempo da justiça dos ricos. Desejo-lhe as maiores felicidades.

  30. laurinda Freitas says:

    Olá, Yda Mamani Alvarez;
    .
    Embora um pouco tardiamente, venho aqui responder ao seu simpático comentário. A passagem Bíblica a que se refere, “O Rei David, venceu Golias” dá para reflectir. A força da razão, acompanhada da força que Deus dá a quem vive em comunhão com ele, torna as pessoas invencíveis.

    Não foi uma pequenina pedra que David atirou a ao Gigante Golias que o matou, mas sim o poder que Deus lhe deu, pois quis mostrar ao mundo, que as pessoas insignificantes e humilhadas, serão exaltadas, e se tornaram grandes vencedoras.

    Respeito todas as crenças religiosas, e mesmo os ateus. Eu, sou Cristã, crente e temente a Deus, actualmente não frequento nenhuma Igreja, mas vivo em constante comunhão com Deus, pois Ele “DEUS” tem sido o meu grande amigo certo, nas horas mais insertas. Tenho tido muitas atribulações na vida, mas Deus, tem sido sempre, o meu refúgio, a minha força e alegria de viver…

  31. laurinda Freitas says:

    laurinda Freitas :Catarina, não respondi mais rápido, mas por razões que não dão para aqui explicar, achei conveniente, assim fazer.Faço votos que volte a entrar neste blogue, e que se sinta mais confortada com a sua situação profissional.Sei o que é sentir a dor da injustiça. Essas pessoas desumanas que nos fazem sofrer, não estão de bem com elas próprias, pois tenho a certeza, que vivem num conflito interior, portanto, não se podem sentir felizes, mas o grande problema, é de causarem tristezas aos outros…
    Não existiam empresas, se não existissem: patrões, trabalhadores e clientes, todos têm o mesmo valor, ou seja: Os patrões investem o seu dinheiro, os trabalhadores dão o seu trabalho para o sucesso da empresa, os clientes compram os seus produtos. Estes três elementos que fazem com que as empresas tenham vida laboral, deviam ser todos considerados. Sem trabalhadores não existiam empresas.
    Dou aqui um exemplo: O corpo humano tem todos órgãos necessários para viver, e uns necessitam dos outros, para que o corpo tenha uma vida saudável, porque quando um órgão fica debilitado, todo o corpo se recente disso. Na maior parte das empresas os seus dirigentes, não têm inteligência emocional, para gerirem pessoas. São os mais medíocres, e incompetentes, e invejosos, que procuram aniquilar os profissionais mais competentes, porque não gostam de terem a seu lado trabalhadores modestos, que os superam nas suas inteligências. São como as ervas daninhas, que rodeiam as ervas que dão fruto, e as atrofiam.A maior parte destes patrões sem escrúpulos, são os novos ricos. Também a maior parte de trabalhadores jovens, não gostam de ter a seu lado colegas com mais experiência profissional. Os trabalhadores mais antigos que ajudaram ao crescimento das empresas, e ao lucro dos patrões, são agora tratados com desamor pelos que os rodeiam…
    Lamentavelmente em Portugal, a maior parte dos grandes empresários, não têm ética nem moral. Este é o grande motivo da crise económica em estamos a viver em Portugal, e mesmo em muitos, Países no mundo.
    Obrigada pelas sua palavras, e não desanime, porque quanto maiores forem as lutas maiores são as vitórias.Desejo-lhe as maiores felicidades.

  32. Pedro Martins says:

    Laurinda, tenho lido os comentários que tem feito nos jornais, assim como os comentários que tem neste blogue. Considero-a uma pessoa com uma capacidade a cima da média. Tem uma competência, e determinação, extraordinária.

    Portugal precisava de ter muitas Laurindas no governo, e nas empresas, para o País desenvolver, mas esses lugares tanto no goveno como nas empresas, são dados a medíocres, tachistas e oportunistas.

    O presidente do Brasil, Lula da Silva, não tem licenciatura, no entanto, melhorou consideravelmente a situação economica e social do Pais.
    No estado, e nas empresas, não são as pessoas que os que têm os canudos, os mais competentes para desenvolver a situação das mesmas. Em Portugal existe muito provincionismo/egoismo, não são consideradas as competencias das pessoas que não tenham formação academica.

    Faz muito bem denunciar a sua situação, porque assim as pessoas, tomam conhecimento das injustiças, porque passam muitos trabalhadores.
    Se não conseguir que os seus perseguidores a indeminizem pelos maus tratos que lhe deram, recorra aos tribunais internacionais, pois podem demorar, mas funcionam.
    Desejo-lhe as maiores felicidades, e continue com essa grande FORÇA.

  33. Paulo Rijo says:

    Tropeçei neste blog sem querer, mas serviu que nem uma luva para expôr algo semelhante á administradora que o criou.
    Trabalhei numa empresa de segurança, treze anos, quando esta éra jovem, foi um sítio espectacular para se trabalhar, podia-se expôr ideias, trabalhava dias extras a pedido do supervisor, porque o mereçia, sentiamo-nos aparicados e deu-se muitos dias á empresa (amor á camisola).
    A partir de 2002 ampliou-se o ramo de transporte de valores, a empresa cresceu desmesuradamente, com os encargos familiares fui lógicamente para o ramo das ATM´s, só que acompanhado desse crescimento, veio a tal horda de pessoas que já foi focado aqui neste blog, egoistas, gente sem nivel, deitam abaixo tudo e todos e pior estão sempre na mó de cima, fui de tal maneira pressionado que arranjaram maneira de me pôr em cima um processo disciplinar, e lógicamente despedimento com justa causa, ( curiosamente em 12 meses foram 18 colegas dos mais antigos para a rua com o mesmo motivo). Hoje em dia trabalho em dois sitios, existem dias a trabalhar 16 horas e recebo menos de metade, como pode o governo tranparecer ás pessoas que a nossa população está a envelhecer, sabendo anteçipadamete que não dá para ter mais filhos, eu tenho um e tenho muita dificuldade em ter uma vida digna.
    Agora pergunto eu, que havemos de fazer para contrariar esta tendençia, vejo muitas pessoas de valor, com habilitações e vontade de vençer ser completamente cilindrada por estes “calhamaços” e pior se existir o tal Deus, podem crer que divorciou-se completamente da actividade de cuidar da dita harmonia que é muitas vezes apregoada nas escrituras.
    Hoje em dia fico escandalizado, individuos que tem o rendimento minimo, e depois estão tardes inteiras no café a beber cerveja, pagam 5 euros por mes pela casa, e tem Mercedes SLK, BMW serie 5 carrinha deste ano á porta, eu estou a ponderar desfazer-me do meu clio de 96, pois estou no gume da lâmina, tento levar uma vida honesta e reparo que roubam , inclusivé levaram a minha bicicleta e apanham-nos só com termo de residencia, permitindo que nos ameaçem na rua, é isto o País de brandos costumes.

    Alguma coisa está muito mal, se dissermos que merecia-mos receber mais, pois o trabalho que fazemos o justifica, temos a resposta pronta–se não estiveres contente podes ir embora estão três á porta para entrar–.


  34. eu abilio gadelha li o desabafo da senhora Laurinda Freitas Aventar e outros que a apoiam,sendo eu pessoa do amor e páz perante o meu próximo,o meu coração quase rebentava de chocante por as tristes palavras em sua referência dedicadas ao igoismo,em expecial na sua vida passada em referência à firma onde trabalhava não mensionada,e fêz bem.Eu concordo com a senhora Laurinda que uma grande percentagem de quem mal fáz não vive felíz porque o remorsso principia na cabeça,e estende-se até aos pés,desse modo nunca podem ter sussego e são infelizes por muito terem,esquessendo-se do bom trabalhador tanto na ptodução,como na honestidade.Inferno ao injusto,seja por quaquer motivo.O reino dos Céus ao justiceiros,a Geena aos injusticeiros.Não estou aqui a ofender ninguem,quem não quer ser lôbo,não veste sua pele,e está tudo dito

  35. laurinda Freitas says:

    Sr. Abilio Gadelha, agradeço-lhe as palavras que me dirigiu. Eu respeito todas as ideologias políticas, religiosas, e ateus. Acredito, que a nossa passagem neste mundo por mais longa que seja, tem a finalidade de escolhermos a nossa vida eterna. É preferível entrar no Paraíso pobre, espezinhado pelos egoístas deste mundo, do que entrar no inferno carregado de riquezas.

    Vou aqui deixar-lhe textualmente uma passagem bíblica, que está em Tiago 5 : 1 a 6: “ EIA, pois agora vós ricos, chorai e pranteai, por vossas misérias, que sobre vós hão de vir. As vossas riquezas estão apodrecidas, e as vossas vestes estão comidas de traça. O vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram; e a sua ferrugem dará testemunho contra vós, e comerá como o fogo a vossa carne. Entesourastes para os últimos dias. Eis que o jornal dos trabalhadores que ceifaram as vossas terras, e que por vós foi diminuído, clama; e os clamores dos que ceifaram entraram nos ouvidos do Senhor dos exércitos. Deliciosamente vivestes sobre a terra, e vos deleitastes; cevastes os vossos corações, como num dia de matança. Condenastes e matastes o justo; ele não vos resistiu.

    Neste mundo aonde impera a podridão, surgem pessoas utilizadas por uma força do mal para nos atormentar, mas também, surgem pessoas utilizadas por uma força do bem, para nos ajudar. Este blogue foi um caso muito especial para mim, pois considero que são pessoas do bem, porque facilitaram-me, expressar a minha história de vida profissional, e assim, deram-me uma enorme ajuda psicológica.

    Renovo os meus agradecimentos.

  36. Arménio says:

    Laurinda, li um seu depoimento no JN, gostaria de lhe comunicar que estou a formar um partido. Se quiser adicionar a pagina no facebook/google basta escrever: Minha Pátria Amada , cumprimentos, gostei do que escreveu.

  37. Abilio Silva says:

    Olá Laurinda , não sei porquê ! Mas cheira-me a um Grupo que conheço , o meu feeling vai para o Grupo JAPautomotive
    Renault , Nissan , BMW.
    Esta gente também funciona assim.
    Força.

  38. laurinda Freitas says:

    Olá Abílio Silva,

    A empresa que aqui refere não é a que me perseguiu e tratou desumanamente. A empresa aonde trabalhei, pertence a um Grupo Económico fundado em Moçambique a cerca de cem anos.
    Esse Grupo foi fundado por uma Conceituada Família (pessoas de bem). Ainda hoje existe um neto, pessoa de grande valor como empresário e humano, que embora seja contra os sistemas, também foi vítima da malvadez de accionistas do Grupo Económico que entraram nas últimas décadas, sem dinheiro (com uma mão atrás e outra à frente) e enriqueceram à custa de uma Conceituada Família.

    Actualmente as pessoas que lideram este Grupo Económico, não têm carácter, para essa gente sem escrúpulos, não lhes interessa ter colaboradores com competências profissionais para contribuir para o bem económico das empresas do grupo, o mais importante para eles é terem colaboradores que lhes mereçam confiança para exercerem as suas corrupções.

    Estes empresários perversos, são os principais culpados da crise económica em que vivemos. Eles têm poderosos políticos a cooperarem com as suas corrupções. Portugal está completamente minado. Nas grandes empresas, os trabalhadores só têm duas opções, ou dão graxa e cooperam com todo o tipo de corrupção, ou são escravizados e vão para a rua.
    Nos últimos anos da minha actividade, observei que colegas procuravam perante as chefias, deitar-me a baixo, pois tinham a certeza que recebiam louros por isso…

    Existem muitas Laurindas, que vivem no silêncio. A ganância pelo dinheiro de patrões depravados está a ser terrível. Em Portugal impera o desamor pelo próximo, acredito que isto é o princípio do fim….

    Obrigada pela Força que me desejou, pois não vou desistir até que os tiranos, que me torturam fisicamente e psicologicamente me indemnizem

  39. Julieta Santos says:

    Amiga Laurinda, o meu nome não lhe deve dizer nada, pois sou uma pessoa que lidou consigo a nível profissional, durante um longo tempo. Tratei consigo inicialmente assuntos ligados aos vossos clientes (empresa aonde trabalhou) a seguir tratei consigo assuntos em que eu estava na situação de vossa fornecedora, a Laurinda fazia os pagamentos aos vossos fornecedores.

    Considero que a Laurinda foi uma profissional com uma competência rara, pois tratava de todas as situções com um profissionalismo extraordinário. Sei que esteve sempre rodeada de medíocres, que tinham inveja de trabalhadoras com tãoelevado valor, isso além de ser uma pessoa inconveniente para os malabarismos dessa gente corrupta.

    Obrigada, pela forma como lidou comigo durante vários anos, se essa escumalha de pessoas que a tratarm muito mal não lhe deram valor, ainda existem muitas pessoas correctas que lhe estão gratas.

    Continue com a mesma força, porque neste País em que os mais correctos e humildes são espezinhados pelos poderosos, não nos devemos calar…

    Um abraço

  40. laurinda Freitas says:

    Amiga Julieta:

    Fiquei muito sensibilizada com o seu comentário. Depois de tanta injustiça pelos patrões aonde trabalhei, é muitíssimo gratificante o reconhecimento do meu valor profissional por pessoas imparciais.
    O seu nome não me é estranho, mas não me lembro da empresa aonde trabalhava, no entanto, o que me interessa são as suas virtuosas palavras…

    Os patrões sem escrúpulos que me atormentaram durante muitos anos, nunca reconheceram a minha competência profissional, por inveja e por não lhes merecer confiança para exercerem as suas corrupções.

    Tive todo o mérito para subir na carreira profissional, mas nunca passei de 1ª escriturária, por não pertencer ao sistema!… Trabalhei nessa empresa 35 anos (ramo automóvel), e pelo motivo das funções que exerci, desgastava a minha garganta (comunicar com clientes e mais tarde fornecedores) a defender os interesses da empresa. Sempre tive o sonho de um dia ter um automóvel, o que não veio acontecer por incapacidade económica.

    Vi hoje a notícia dos corruptos que tinham carros de luxo, pois esta notícia, deixou-me ainda mais revoltada. Na maior parte das grandes empresas de Portugal, só os corruptos têm direito a ter carro de serviço, e particulares carros de alto luxo…

    Não tenho palavras que possam revelar, o quanto o seu comentário me deu aconchego. Muitíssimo obrigada.

    Um abraço,

    Laurinda

  41. Manuel Almeida says:

    Só tenho pena de não avançar com “outros” e acabar de uma vez com a corrupção na tal empresa! Sugiro que se comece com um movimento para denunciar os patrões com actividades ilícitas que só visam prejudicar a sociedade, só assim as coisas vão mudar! Não há outra maneira! Tem que ser assim, ou não vai haver um futuro digno para todos nós. DENUNCIEM. FORÇA Laurinda, não os deixe levar vantagem eles que paguem pelo que lhe fizeram!!!

    • Laurinda Freitas says:

      A empresa de pessoas maldosas aonde trabalhei, praticaram todo o tipo de corrupção camuflada, porque tiveram as costas quentes de políticos poderosos.
      Coloquei-lhes uma acção judicial, referente à perseguição de que fui vitima, e o julgamento foi realizado no Tribunal de Trabalho do Porto nesta segunda-feira dia 05.11.2012. Espero a vir ser indemnizada pelos maus tratos de que fui vitima, caso posteriormenmente venham recorrer da sentença, adiando a indeminização me terão de dar, arrebentara uma bomba atómica que lhes vai sair muitíssimo cara…

  42. Manuel Almeida says:

    Correcção
    …”outros meios”…

  43. laurinda Freitas says:

    Manuel Almeida, agradeço-lhe as suas palavras, pois vêem dar-me ânimo e força para continuar o percorrer o caminho que determinei seguir. Ainda não tomei nenhuma atitude severa, porque em Novembro de 2009, aconteceu uma situação incrível que me pôs abismada, não posso aqui escrever esse assunto, porque essa gente sem escrúpulos, ficavam a saber tanto como eu.

    Não vou baixar os braços. Esses malvados, têm que pagar pelo mal que me fizerem, assim como aos meus filhos, pois os meus filhos tiveram depressões graves, motivadas pelos maus-tratos que esses corruptos me deram, e atrasaram a conclusão dos cursos.

    Qualquer empresa que tenha pessoas honestas e humanas a dirigi-la, provavelmente procuram acompanhar os seus bons trabalhadores nos problemas que lhes surgem. Os meus patrões fizeram o contrário, porque tinham inveja dos meus filhos estarem a frequentar cursos em faculdades de prestígio (Faculdade de Economia do Porto, e Faculdade de Arquitectura do Porto).
    Nesse Grupo Económico, têm na grande maioria dirigentes medíocres, a única coisa em que são bons é em exercer corrupções.

    Essa gentalha, vai ser convidada a indemnizar-me, porque caso não o façam, estou determinada, a ir para a rua apetrechada de cartazes com o nome da empresa a denunciar o que eles são, e a fazer uma greve de fome. Só não tomei esta atitude há mais tempo pelo facto dos meus filhos, estarem contra, e eu não os querer afectar mais psicologicamente. Um dos meus filhos, foi trabalhar para o estrangeiro, o outro está cá, mas já estou a mentalizá-lo para o que vou fazer.

    Renovo os meus agradecimentos, e desejo-lhe um feliz ano 2011.

  44. C,Silva says:

    Então caro Francisco, perdeste o pio, deixaste de difamar a Laurinda?
    Pertences à classe dos espertos -corruptos, invejosos, sem escrúpulos- que conduzem sempre na sua mão, a quem as Laurindas deste mundo incomodam como pedra no sapato. São pessoas como tu que servem como ferramente para IMPESTAR de maldade este mundo, usando, então, as novas tecnologias para funcionar como desculpa e tapar os malabarismos que por aí tem aparecido! CONDUZINDO SEMPRE NA TUA MÃO QUAL O CARGO QUE JÁ ATINGISTE, OU NÃO ATINGISTE, SIMPLESMENTE O DE CACIQUE?
    Também tenho conhecido,e infelizmente em serviços públicos, muita canalha da tua LAIA!

  45. laurinda Freitas says:

    O Francisco, e muitos Franciscos, que têm andado a saquear Portugal, e que colocaram o Portugueses humildes, honestos, e competentes na pobreza, um dia vão pagar bem caro pela sua depravada vida, porque não existe absolutamente nada que não tenha um fim.

    O Francisco, e os seus companheiros corruptos, que me trataram como escrava, procuraram argumentos para denegrir o meu profissionalismo, fazendo crer que eu era uma bacoca, que não percebia nada de informática, mas apesar de não quererem que eu aprendesse os programas relacionados com o sistema contabilístico, eu sozinha consegui entrar em contas aonde verifiquei a alta corrupção que faziam, e o motivo porque se queriam ver livres de mim.
    A informática é uma área para que nunca estive vocacionada, no entanto, não tinha problemas em aprender, e exercer qualquer função profissional como utilizadora.
    A informática aprende-se, mas a inteligência emocional, dificilmente se aprende, porque é um dom próprio que nasce com a pessoa.
    Fui muito bem sucedida em todas as funções ligadas à comunicação, o que causava uma terrível inveja aos medíocres, com vencimentos escandalosos, porque enquanto eu dava à empresa bom trabalho, com muito lucro, os incompetentes a única forma de dar dinheiro à empresa, era cooperar nas corrupções, e ajudarem atirar Portugal para o abismo económico.

    Embora pareça que me acomodei, os Franciscos, podem ter a certeza que isso não vai acontecer.


  46. Laurinda, aproveito para publicamente agradecer o seu testemunho, e o tê-lo disponibilizado para publicação no Aventar.
    Continuaremos abertos a todos os que queiram aqui denunciar situações deste género.

    • Laurinda Freitas says:

      Estou imensamente grata a Aventar por me terem dado a oportunidade de aqui expor a minha situação, que serviu de alento para atenuar a angústia em que vivi pelo motivo de ter sido vítima de maus tratos na empresa aonde trabalhei durante 35 anos.
      Fui uma funcionária bem sucedida nas funções que exerci, mas não merecia a confiança dos patrões para exercem os suas manobras corruptas.
      A crise ecónoma que estamos a viver em Portugal, deve-se aos corruptos que não só roubaram o País como desvalorizaram competências profissionais, que podiam contribuir para o bem das empresas e do País.

  47. Vitor Miguel says:

    D. Laurinda,
    O meu nome é Vitor Miguel e vim parar a este site através de um comentário seu que li hoje (2010-02-23) no JN. Tal como a maioria dos participantes deste forum também sou trabalhador por conta de outrem, li com alguma atenção toda a sua história e todos os seus comentários e fiquei com uma percepção algo simplista desta questão:
    – Pelo que expõe era claramente uma funcionária que já não se enquadrava na empresa a que pertencia, infoexcluida e em sub-rendimento, pelo que foi despedida e compensada pelo facto, este é o procedimento normal destas situações, qual é problema? É mais dinheiro?
    – A forma como escreve, os erros otográficos e a forma como expõe as suas ideias não transparece a competência e dedicação que se exige a uma funcionária com funções administrativas, a credibilidade não se apregoa – consquista-se.
    Ainda assim, acredito que não sejam tempos faceis para si e para os seus, pelo que lhe desejo as maiores felicidades nesta causa.

    • Artur says:

      Nestas coisas há quase sempre 3 versões: a versão da “vitima”, a versão do “carrasco” e a versão da verdade. Normalmente divergem muito umas das outras. Por exemplo muito raramente se encontra uma vitima de despedimento a reconhecer que de facto a culpa foi sua (não digo que seja este o caso, poi não conheço o caso em concreto) e a assumir a sua incompetência, problemas de adaptação ou falta de capacidades. O Ego não gosta muito de dar o braço a torcer.
      Também é muito raro um funcionário não seguir a politica do empregador, nomeadamente o pactuar com certas manobras contabilisticas. A ser verdade a história narrada, a D. Laurinda possui uma moralidade excepcional.Não digo que não seja verdade, o meu cepticismo militante é que põe de pé atrás.

  48. laurinda Freitas says:

    Pessoa que se intitula por Vítor Miguel (nome fictício). Você é um ou uma da corja corrupta que existe em Portugal, e que levou o nosso País ao caos económico.
    Você julga que com a sua conversa aldrabona, procurando denegrir o meu bom profissionalismo, que vai calar a minha voz, está completamente enganada, porque a sua atitude malvada, só me estimula a cada vez mais avivar e divulgar o tratamento desumano de que fui vítima.
    . Eu realmente não me enquadrava no sistema de corrupção que praticavam nas empresas do grupo económico.
    A minha produtividade, ficou bem patente quando fiz prospecção de vendas de camiões, e também na recuperação de dívidas difíceis, etc. Fui de tal forma BEM SUCEDIDA, que vos causou uma enorme inveja, porque vocês são uns medíocres, e incompetentes, o que fazem bem feito são as aldrabices contabilísticas para roubar o Governo/País/Portugueses.
    . Vocês por malvadez, puseram-me a fazer pagamento a fornecedores, tendo de passar cheques, emissões de cheques, e completar manualmente cartas para acompanhar os cheques. Perante um esforço contínuo de escrever manualmente o meu dedo polegar da mão direita, começou a entortar, e comecei a ter bastantes dores. Quando expus a minha situação à minha chefe e accionista da empresa, a resposta desumana foi: “se não puder fazer pagamento a fornecedores, está sujeita a que lhe ponham uma vassoura nas mãos”.
    . Vocês não queriam que eu aprendesse informática, para não me inteirar das vossas manobras corruptas, mas mesmo assim, sozinha consegui aprender muito mais informática do que pretendiam. Vi muitos dados concretos que descobri no sistema de contabilidade.
    Eu estava a ser um tremendo estorvo para vocês, porque além de fazer o pagamento aos fornecedores, conciliava esses pagamentos na contabilidade, e verificava que os valores mais elevados que eu conciliava, eram desconciliados.
    . Quanto aos meus erros, você está pior do que eu, pois escreveu “otográficos”, aprenda a escrever, porque a palavra correcta é: ORTOGRÁFICOS, e ainda mais, escreveu “consquista-se”, e a palavra correcta é: CONQUISTA-SE.
    Não sou uma letrada, mas tenho a certeza, que as palavras que saem da minha boca, têm muita força, e produzem bom efeito, portanto isso é escrever/falar bem, é um atributo que não se aprende nas escolas, porque é um dom próprio. As árvores conhecem-se pelos frutos, pois em todas as funções que exerci obtive bons resultados (frutos).
    . Para quem ler este meu testemunho, peço o favor de verem a máquina de enorme dimensões que está ao alto na foto, era alimentadora do sistema informático das empresas da região Norte, desse grupo económico. Essa máquina foi utilizada por essa gentalha sem escrúpulos, para me torturarem. Colocaram a máquina a fazer um ruído horrível, que até a porta trepidava. Senti-me completamente desamparada, porque os corruptos têm ligações com poderosos políticos, e se eu chamasse a inspecção de trabalho, ainda corria o risco de me porem um processo de difamação.
    Foi uma situação pavorosa. Esse ruído esteve durante uma semana, só quando um dos meus filhos lá foi verificar o que se passava, de imediato colocaram o ruído normal, dizendo-me que uma semana antes o técnico de informática o deixou assim por lapso. No entanto, eu implorei a chefes que não aguentava aquele ruído, obtendo como resposta que aquele ruído era para ficar assim!
    . O Sr. Vítor Miguel, e toda a malta dos meus perseguidores, se não me vierem a indemnizar por danos físicos e morais, podem ter a certeza que a minha situação, vai ser exposta publicamente.

    • Artur says:

      Pela agressividade que transborda das suas palavras parece-me que já deixou acumular muita raiva e ressentimento dentro de si. Isso não lhe traz nem saúde nem felicidade a si nem aos que a rodeiam, mesmo que tenha toda a razão do seu lado.
      Há uma escolha que terá que fazer: a saúde, o bem-estar e a paz ou continuar a esperar que lhe digam que tem razão.Há guerras que não vale a pena travar. O preço a pagar é mais elevado do que os beneficios de uma hipotética vitória.
      Todavia, há pessoas que tudo que tem na vida é a raiva derivada de alguma injustiça que lhe fizeram ou que pensam que lhes fizeram. Toda a personalidade fica refém dessa raiva e desse sentimento de injustiça. Extinguindo-se essa raiva ficam à deriva.

    • Abilio says:

      Pelo ultimo paragrafo desta sua resposta, concluo que o que quer é uma boa indeminização, o resto é cantiga.
      Como diria o outro: Carneiro amigo, andamos todos ao mesmo.
      Boa sorte nesta sua cruzada.
      Abilio A. M. Ferreira

      • Laurinda Freitas says:

        Não só quero uma boa indeminização, como pretendo que patrões sem ética nem moral aprendam a respeitar e a valorizar os bons trabalhadores…
        As empresas devem prosperar com posturas honestas, e não com corrupção para obterem lucros. Só com seriedade Portugal pode economicamente crescer…

  49. Vitor Miguel says:

    D. Laurinda,
    O meu nome é realmente Vitor Miguel e eu nunca a vi a si nem mais magra nem mais gorda, apenas decidi deixar a minha opinião neste forum. E para não perder mais tempo e nem entrar em infidáveis e inuteis respostas de respostas, apenas lhe queria dizer o seguinte:
    1- Acabou de perder pelo menos um apoiante da sua causa, eu. Pois quem não admite uma opinião ligeiramente diferente da sua, não merece apoio.
    2- Atendendo à agressividade e aos termos ofensivos como se me dirigiu, sem fazer a minima ideia de quem eu sou (que eu também não a conheço), fez-me pensar que talvez tenha aquilo que merece e que não se convença que o mundo inteiro se uniu para a tramar. Se vê os outros andarem todos em sentido contrário, se calhar é você que vai mal.
    3- E por último, você escreve que se farta.
    Cumprimentos.

  50. Alberto says:

    SENHORA DONA LAURINDA (letras grandes)

    1 – Numa festa de aniversário aonde estávamos cerca de 3 dezenas de pessoas, falou-se da actual situação do País, veio ao assunto o mundo de trabalho em que uma familiar falou no seu caso, tive um palpite que era a Senhora, e não me enganei.

    2 – Fui cliente da empresa aonde trabalhou, e com toda a franqueza, vou dizer o seguinte: Numa altura em que estava muito chateado, só continuei a ser cliente dessa empresa, devido a um contacto que a Senhora me fez, quando trabalhava nas antigas instalações de Anselmo Braancamp e contactava os clientes insatisfeitos. Além da sua simpatia, teve um empenho na solução do problema que lhe apresentei, que foi de um profissionalismo brilhante.

    3 – Tal como diz, os patrões corruptos não querem trabalhadores com competência, esse foi o motivo de terem corrido consigo. Se essa gente tivesse mais trabalhadores com a sua capacidade, provavelmente eu e mais pessoas, seriamos clientes deles.
    Lamento o que lhe fizeram, não desanime. Muita força.

  51. maria 2009 says:

    «O Mundo não está ameaçado pelas pessoas más e sim por aquelas que permitem a maldade»
    A. Einstein

  52. Laurinda Freitas says:

    A prisão do Director-Geral do FMI, Strauss-Kahn, demonstra como a justiça funciona nos Estados Unidos, e como funciona em Portugal, pois se este caso tivesse sido passado em Portugal, quem estava presa era a funcionária que o denunciou.
    Em Portugal os poderosos/capitalistas, podem fazer tudo que lhes apetecer, porque nada lhes acontece, e os humildes prejudicados, têm de estar muito caladinhos, porque são penalizados.

    Vou falar de uma situação que se passou comigo na empresa que me tratou desumanamente:
    Um dia pedi a um administrador da empresa para me atender, para lhe propor algumas funções que eu poderia vir a desenvolver na empresa, com proveito para ambas as partes.
    O administrador através da secretária, chamou-me ao gabinete. Ele tinha por habito ter a porta do gabinete aberta, mesmo quando atendia qualquer pessoa, mas para me atender fechou a porta. Atendeu-me com toda a simpatia, não me prometeu nada, mas disse que ia estudar a minha proposta de trabalho. Quando a conversa estava terminada, levantei-me dirigi-me para a porta de saída, ele começou com uma conversa muito estranha, que tinha muita pena de mim e que me ia ajudar, mas cada vez se colava mais a mim, segurou o meu braço, eu dei um puxão, e sem nada dizer saí pela porta fora. Ele por norma, quando se cruzava comigo nos corredores do edifício (escritório), dava um bom dia, ou boa tarde, a partir daí, inclinava a cabeça para o chão, e deixou de cumprimentar.
    Esse senhor era casado, e com a idade de ser avó.

  53. Laurinda Freitas says:

    Não só em Portugal se devia prevenir as doenças mentais no local de trabalho, como condenar severamente os patrões que tratam os funcionários desumanamente, só porque se querem ver livres deles pelo motivo de não lhes serem favoráveis aos sistemas de corrupção.

    Ainda hoje tenho sequelas psicológicas dos maus tratos de que fui vítima, feitos por pessoas sem ética nem moral na empresa aonde trabalhei 35 anos.

  54. Laurinda Freitas says:

    Senhor Ruben de Andrade, estou extremamente grata por tudo que expõe neste blogue acerca do estado a que chegou o nosso pobre Portugal, que originou eu ter sido tratada desumanamente por pessoas sem o minino de escrúpulos.

    Aquando o 25 de Abril, pensei que a situação dos trabalhadores mais desfavorecidos ia melhorar significativamente, mas aconteceu precisamente o contrário, porque os empresários e políticos corruptos de pouco a pouco tomaram conta de Portugal, e quem não pertencer à corja dos malfeitores de Portugal é tramado.

    Tinha todo profissionalismo para ajudar no bem económico da empresa aonde trabalhei 35 anos, e assim obter algum benefício de que muito necessitava. Acredito que se fosse antes do 25 de Abril eu teria a oportunidade de ter usufruído uma vida económica muito melhor.

    Os corruptos são os únicos culpados do caos económico a que Portugal chegou, conforme alguns analistas económicos internacionais têm dito, se acabasse a corrupção em Portugal todos Portugueses teriam uma condição de vida igual aos Finlandeses ou Dinamarqueses.

    Os últimos 10 anos da minha vida profissional, foram de um enorme tormento, porque fui agredida psicologicamente de todas as formas, até de uma forma discreta fui ameaçada de morte. Perante o que um administrador me disse no dia em se despediu de mim, no último dia de trabalho dele (ele também foi corrido).
    Deixo aqui textualmente o diálogo entre os dois, eu disse: “Sr. Engº …….. desejo-lhe muitas felicidades, apesar de ter sido muito mau para mim, mas devemos desejar o bem mesmo a quem nos faz mal”. Resposta desse administrador depois de uma pequena pausa: “se acha que fui mau o que diria se soubesse o que lhe queriam fazer”.
    Andei durante muito tempo na rua a olhar para todos os lados com medo de a qualquer momento ser atingida por uma bala perdida, também evitava sítios pouco movimentados.

    É impossível exprimir o estado psicológico, que vivi durante 10 anos. Não existe maior dor que a da alma…

  55. rocha says:

    bom Dia
    a maioria dos que dizem que os credores deste site são todos bandidos, eu estou pronto a investigação tem sido dois anos eu fui enganado por gênero. Tenho visitado um site de anúncios de empréstimo entre indivíduos sérios ao redor do mundo e eu ter conhecido um grande cavalheiro, nomeado Ms. Rocha Dassilva nacionalidade Português que ajuda a ninguém capita Portugal, França, Martinica, Guadalupe, Nova Caledônia, Honolulu, Polinésia e outros em empréstimos e que me deu um empréstimo de € 30.000? Na segunda-feira eu tenho que pagar mais de 15 anos com um muito baixo interesse de sua parte, ou 2% do meu período de empréstimo e lá na manhã seguinte, eu recebi o dinheiro sem protocolo. Precisa de crédito pessoal, os seus bancos se recusam a conceder-lhe um empréstimo, você é CDI e other’re falar com ele e você apertar satisfeito, mas tome cuidado para que você não gostaria de pagar os empréstimos. aqui é o seu e-mail: rochadassilva01@gmail.com

Trackbacks


  1. macys coupon august 2012

    Laurinda Freitas: um depoimento – Aventar


  2. target coupon codes

    Laurinda Freitas: um depoimento – Aventar

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.