FUTAventar – no leão está tudo levezinho…

O Trofense fartou-se de jogar, com mais tempo de posse de bola e mais remates, mas quem marca ganha. É a Taça da Liga!

O Sporting apanhou-se a ganhar e fez o que lhe competia, segurar a bola, controlar o jogo. Com Liedson há golos e isso faz esquecer tudo e a equipa já vai na sétima vitória consecutiva, é obra.

Para além dos resultados o Sporting já ganhou, com Carvalhal, dois jogadores: Adrien e Saleiro que, com Paulo Bento, era muito raro jogarem. Falta ao Sporting, um grande defesa, que estabilize os processos defensivos e acalme o jovem guarda-redes e melhor os níveis dos restantes defesas.

Se o campeonato dura muito ainda lá vamos…já conseguimos ver um tom azul muito desmaiado à nossa frente…

Entretanto sempre se pode esperar pelo Benfica

Futaventar – F.C.P #5:

E se o Trofense chegou que se fartou, o Estoril também deu excelente réplica mas o Porto carimbou, com um grande golo de Beluchi. O Porto chegou qb mas continua a não convencer. Já nem sei que diga. Foi taça da liga.

Uma coisa é certa, como se viu hoje, vale tudo contra o Porto, até ataques à pedrada

O Orçamento passa…

O CDS negoceia medidas concretas avulso, tira dali põe acolá, não aumenta despesa nem retira receita. Maiores apoios à agricultura, deixar cair o Pagamento Especial por Conta, maior exigência ao nível dos apoios sociais.

O PSD negoceia grandes linhas gerais. Controlar a Dívida e o Déficite. E uma e outra impõem congelar grandes obras públicas que não são prioritárias mas que Sócrates, teimosamente, quer levar por diante. A verdade é que chovem de todo o lado alertas sobre a nossa situação. As contas públicas estão em roda livre, as instituições internacionais já começaram a baixar o “raking” do país, o que quer dizer que a factura é mais pesada.

Com a Dívida Pública aos níveis actuais não há crescimento da riqueza, como vários estudos mostram  e de que Portugal é exemplo. Aumentar a dívida ainda mais é transferir para fora do país uma fatia muito significativa da riqueza nacional.

O BE e o PCP nem sequer vão a jogo, tal é diferença que os separa do governo.

Os sinais que Sócrates já cedeu no que é mais importante, já fazem parte do discurso de Portas e de Manuela F. Leite. Pode esconder-se a verdade durante algum tempo mas o momento da verdade chega sempre.

Trazer banhistas para a Caparica a partir de Madrid parece não constituir uma prioridade, até porque só funcionaria nos três meses de verão, nos outros nove meses teríamos os empresários virem a Lisboa de manhã e voltar à noite.

O que levará um político tão mal preparado como Sócrates a querer ser primeiro- ministro?

A resposta não está no Orçamento…

Imaginem o que não seria…

…se tivessem sido os Super Dragões e o atingido fosse o presidente do benfica:

O autocarro do F.C. Porto e o carro de Pinto da Costa foram apedrejados a cerca de dois quilómetros do Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril, disse à agência Lusa fonte do clube.

As viaturas circulavam com escolta policial mas foram atingidas por paralelepípedos arremessados de um viaduto, após as portagens da A5, por desconhecidos.

O carro do presidente do F.C. Porto foi o que sofreu mais danos, com várias amolgadelas e a quebra do vidro da frente.

Apontamentos a sépia (6)

(Ermal, Póvoa de Lanhoso)

América Latina

Nunca esqueço a frase de um amigo que dizia: «porque é que o teu continente é denominado América Latina se os romanos nunca andaram por ai?» Questão enganosa. Os romanos, eles próprios, nunca passaram pelo continente que foi descoberto, conquistado e colonizado pelos seus descendentes, todos os que falavam línguas românicas ocuparam a maior parte do Continente. A restante, por países de língua saxónica e até germânicas.

A questão pareceu-me importante e investiguei-a. Fiquei surpreendido com a minha pequena pesquisa histórica. Filho como sou de espanhóis, reparei que os primeiros habitantes não eram descendentes de romanos. Havia muitos mais grupos sociais. De momento, por falta de espaço e de tempo para detalhes, darei apenas pequenos apontamentos. O que hoje corresponde ao Uruguay, Paraguay, Bolívia e Argentina, durante a conquista formavam as províncias do Rio da Prata. Os outros eram governados pelo Vice-Reinado sediado em Lima, hoje Peru. Com a descoberta, os nativos do continente passaram a ter outros nomes. Os originais ficaram reduzidos a pouco número de habitantes. Apenas no México, os Reinos dos Aztecas, Mayas, Tolteclas, Miztecas, Zapotecas e Olmecas, tributários do Império Azteca governado, à chegada dos espanhóis, pelo Imperador Moctezuma, que foi traído, roubado e executado pelos avarentos invasores. A legislação, a justiça, a gestão das propriedades estavam sujeitas a leis escritas em papiros, com juiz, cortes de apelo e uma boa arquitectura inscrita no nome do proprietário, se fosse privada, ou no nome da comunidade do reino ou etnia, como entre os Amatenango, hoje camponeses do País Panamá. Todos os monumentos públicos eram propriedade do imperador. A arquitectura azteca era tão grande, imponente e melhor que a dos Egípcios; subsistem e são cuidadas, pirâmides e monumentos, pelos cidadãos dos Estados Unidos do México, sejam antigos nativos súbditos (hoje cidadãos mexicanos, de dupla nacionalidade), sejam por membros da própria etnia do antigo império ou reino. México, sem invasores, seria, actualmente, o Império e reinos antes designados. A invasão fez deles escravos, até à sua independência em 1821. [Read more…]

Poesia do Gharb Al-Andalus

Samia_Gamal_-_Belly_Dance_1

“Repeles-me!

porque deixas minh’alma abandonada?

se a tua ausência é uma longa noite

seja o nosso abraço d’amor a alvorada.” (1)

Poema escrito por Al-Mu’tamid

No ano de 1031 cai o Califado de Córdoba e o Al-Andalus divide-se em reinos independentes, que ficaram conhecidos pelo nome de Reinos de Taifas (do Árabe Muluk At-Tawaif, ou reinos fraccionados). O poder centralizado do Califado Omíada, cada vez mais dependente de uma máquina administrativa pesada e geradora de pesados impostos, aliado aos desejos de autonomia das inúmeras etnias que povoavam o Andalus, estão na origem deste fraccionamento do poder político.

No Sul do território hoje ocupado por Portugal, o Gharb Al-Andalus, ou Ocidente do Al-Andalus, constituem-se quatro reinos de taifas _ um grande reino na zona mais a Norte com capital em Batalyaws (Badajoz), um reino correspondendo à região do Baixo Alentejo com capital em Mârtula (Mértola) e dois reinos no actual Algarve, concretamente os reinos de Xilb (Silves) e Xantamarya Ibn Harun (Faro).

É neste período que floresce uma cultura Hispano-Árabe, sobretudo ao nível da poesia, resultado de uma identidade local criada pela fusão de elementos étnicos árabes, berberes, judeus, hispano-romanos e hispano-godos. No caso específico do Sul de Portugal essa poesia é hoje referida como Poesia Luso-Árabe e são inúmeros os autores que deixaram obra escrita. Dois desses autores ficariam conhecidos como os mais representativos desta cultura _ Al-Mu’tamid e Ibn ‘Amar. [Read more…]

Palavras para quê… é o sexo explicado com canetas

 sex-bics

Daqui

Prever os efeitos do sismo

O texto que aqui se apresenta pretende dar a conhecer o estudo realizado para a cidade de Lagos denominado “Risco Sísmico no Centro Histórico de Lagos”, elaborado na sequência da assinatura de um protocolo entre a Câmara Municipal de Lagos e o Instituto de Ciências da Terra e do Espaço, ao qual se associaram o Centro Europeu de Riscos Urbanos, o Instituto Superior de Engenharia de Lisboa e a Universidade de Lisboa.

A primeira fase do estudo, coordenado pelo professor Luís Mendes Victor, já se encontra publicada.

Tendo em conta que à data da sua realização, enquanto arquitecto da Câmara Municipal de Lagos, exercia funções na Autarquia como responsável pelo centro histórico da cidade de Lagos, coube-me acompanhar a sua elaboração e promover por diversas vezes a sua divulgação, não só em Lagos, como no âmbito de encontros de carácter nacional e internacional.

Este texto tem por objectivo divulgar o estudo através de uma linguagem acessível para o comum do cidadão, numa perspectiva pedagógica e de sensibilização para o problema, transmitindo a visão de um arquitecto sobre o mesmo, não tendo portanto um carácter de publicação científica.

[Read more…]

Centenário da República: a bandeira nacional

Este texto, com ligeiras diferenças, foi publicado em 5 de Outubro de 2009.

Às 9 da manhã de 5 de Outubro de 1910, a bandeira da República foi içada na varanda dos Paços do Concelho de Lisboa. José Relvas fez a proclamação do regime e a nova insígnia nacional, que andava em milhares de mãos, feita artesanalmente, muitas vezes com as cores ao contrário, lá subiu no mastro perante uma multidão que enchia o Largo do Pelourinho (ou do Município). Estas mudanças são sempre traumáticas para quem as sofre com elas não concordando. As duas principais cidades do País eram maioritariamente republicanas e esse factor foi decisivo.

Num país com 80% de analfabetos, as elites culturais eram também maioritariamente pelo fim da Monarquia. Mas, naturalmente, havia um número elevado de monárquicos mesmo entre os que contestavam a situação existente. Desde 1890, com a cedência perante o ultimato britânico, a instituição monárquica sofrera um rude golpe. Não sei onde foram os actuais monárquicos buscar a ideia de que a República foi implantada contra a vontade dos Portugueses.

Desde as comemorações camonianas de 1880, o ideal republicano vinha-se impondo entre grande parte da população – mas, além do ideal político subsidiário da Revolução Francesa de 1789,os dislates, na política e na vida pessoal, de D. Carlos foram uma das alavancas para o triunfo da República. [Read more…]

Curtos pensamentos avulsos (2)

A violação do segredo de Justiça já se institucionalizou, ao ponto de ter substituído o jornalismo de investigação.

Os accionistas agradecem.

Portugal para onde vai? Alguém sabe?

TUDO  O QUE CHEGA , CHEGA SEMPRE POR ALGUMA RAZÃO

Fernando Pessoa

Notícias – mesmo as ditas importantes – que por aí pululam não são alvo de muita atenção. No entanto, geralmente as coisas mudam de figura e a atenção sobe, quando publicações de prestígio mundial, tais como THE ECONOMIST e DER SPIEGEL, ligam importância ao tema.

Desta vez é DER SPIEGEL ONLINE que fala sobre Portugal (ver abaixo). Fala sobre uma situação ameaçadora que todos conhecemos. Contra à mesma já adverti em 2001 numa carta dirigida a um articulista no Expresso (18.08.01) que então perguntava:

“Portugal Para Onde Vai ? Alguém Sabe ?”

(ver abaixo).

Como já escrevi hoje aos meus amigos alemães, toda a União Europeia deve ter um interesse máximo em que os seus subsistemas menos desenvolvidos não tenham que “passar pelas armas”. Quem pensa de outra forma esquece que numa UE às avessas todos estamos na fila para o abismo, alguns mais à frente e outros mais atrás – incluindo parceiros grandes e (aparentemente) menos apertados como p.ex. a Alemanha. O dilema da UE, na forma introvertida e egocêntrica das pessoas, coloca-se entre o diabo e belzebú: se ajudamos a Portugal, Grécia, etc., é contra as regras e o euro perde valor – se não ajudamos o mundo pensa que a UE está nas lonas e acontece o mesmo. A alternativa estrategicamente correcta e eficaz que aumentaria a atracção da UE e do euro existe: chama-se New Deal!

Agora a saída do círculo vicioso depende de nós, tanto do suprasistema UE como do respectivo subsistema que por sua vez também pode consegui-lo sózinho – com a estratégia certa! [Read more…]

Haiti: Quando o caos se transforma em precariedade

Desordem, fome e dor são ingredientes diários de uma nação estraçalhada

O primeiro país latino-americano a proclamar a sua independência ainda no século XVIII, parece ainda pagar um preço muito caro por isso, ao longo de sua existência. A história do Haiti está repleta de sangue, desavenças, injustiças e totalitarismo.

O país que manteve estreitos laços com a Espanha e a França se viu à própria sorte após proclamar repetidas vezes a sua independência. Berço de vodu e de piratas franceses, a ilha conhecida como Espanhola, da qual o Haiti ocupa um terço – sendo os outros dois ocupados pela República Dominicana – assistiu a sucessivos mandatários subirem e descerem do poder, na maioria das vezes, da pior maneira possível.

Se procurarmos entender um pouco da história do Haiti, vamos concluir que o país parece mesmo estar repleto de energias nefastas, ao viver em constante caos social e econômico. Após a entrada e saída de diversos chefes de estado, incapazes de elevar o Haiti ao status de nação, senão somente às guerras sociais, as Nações Unidas (ONU) resolve intervir, com a intenção de restabelecer a ordem.

A Missão de Paz das Nações Unidas para a estabilização no Haiti foi criada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas em 30 de abril de 2004, através da resolução 1542, que visa restaurar a ordem no Haiti. A “nova ordem” se deu após um período de insurgência e a deposição do presidente Jean-Bertrand Aristide, que substituiu os regimes sangrentos de Baby Doc e Papa Doc, mas foi incapaz de manter o país estável. [Read more…]