Serviço Público no Aventar

Serviço Público é, num blogue, informar as pessoas sobre assuntos que lhes facilitem a vida, assuntos úteis que preparam melhores decisões, que dão uma visão das coisas e do mundo, mais realistas e mais verdadeiras.

Felizmente que essa preocupação foi das primeiras que nos levou a esta aventura. Por isso convidamos pessoas que sabíamos ter coisas boas escritas e que encontrariam aqui uma forma de lhes dar a única utilidade que têm. Serem lidas.

O Carlos Loures, que é um poço de conhecimento e de experiência vivida, com uma vida cheia de actividades em prol da sociedade, com perigo da própria vida e mal estar da sua família (esteve preso antes do 25 de Abril, por razões políticas) deu-me uma luta do catano antes de aceitar juntar-se aos Aventadores ( os meus amigos comuns diziam para eu desistir). Está aí! Como eu, há milhares de pessoas que leêm histórias e conhecem factos e nomes que de outra forma não conheceriam.

Não vou referir aqui mais aventadores com textos de grande nível, até porque seria uma tarefa inglória e injusta, há sempre alguem que fica esquecido.

Mas tudo isto, tem como objectivo dar o meu humilde testemunho da nobreza de um grande homem, com quem muitas vezes tenho tido desavenças ideológicas, que não conheço pessoalmente, mas que admiro muito. O Adão Cruz, tem hoje um texto de grande nobreza que poucos médicos teriam a coragem de dar à estampa, mas que não poucos já mo confirmaram em surdina.

Depois do tráfico de armamento e da droga o mais rentável negócio é o da saúde! Como é que a saúde das pessoas se transforma no terceiro negócio mais rentável? Porque é que este negócio não é liderado pelos Estados? Como se erradicam doenças que não dão lucro, porque são poucos os doentes ou porque são pobres ?

No principio da minha vida profissional estive no Gabinete de Estudos Económicos de um banco, onde analisava empresas e risco  de crédito, entre as quais empresas ligadas aos medicamentos. Ora, nos relatórios, era frequente os resultados bons ou maus serem justificados porque, por exemplo, o inverno tinha sido pouco rigoroso e não tinha havido nem gripes nem pneumonias!

Só falta cantar umas missas para o pessoal estar todos os dias entre a vida e a morte  não vá a rentabilidade baixar…

No Ministério da Saúde, eu e mais alguem demo-mos ao trabalho de comparar as várias marcas comerciais de um determinado “principio activo”. Esse meu amigo tomava o medicamento mais caro que custava se bem me lembro , na altura, 14 contos e o mais barato, com a mesma dosagem, custava entre cinco e seis contos!

Adivinhem lá qual é que se vendia?

Comments

  1. Adão Cruz says:

    Demasiada bondade e simpatia da tua parte. Um abraço

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.