Pode ser um grande orçamento…

Ninguém gosta do Orçamento, não responde às questões essenciais, levanta muitas dúvidas quanto à credibilidade, as empresas internacionais de notação financeira dizem que sabe a pouco, querem que o governo saia rapidamente, para onde entrou, empurrado pelas mesmas que agora o querem de lá para fora

E, no entanto, pode ser um grande orçamento!

Os banqueiros, perante o aumento de impostos para os seus chorudos vencimentos e prémios ameaçam ir-se embora. Há melhor notícia para o país ? Não há! Por mais voltas que se der, esta medida, se colocar fora do país os banqueiros nacionais é a maior contribuição para termos um país decente.

O Déficite e a Dívida são de tal monta e a contribuição deste orçamento para o seu controlo, é tão pequenina, que o mais certo é não haver ninguem que nos empreste dinheiro. Encontram melhor maneira para não se gastar mais dinheiro mal gasto?

As Parcerias Público- Privadas são de tal forma prejudiciais para o Estado que a sua continuação, será sériamente colocada em dúvida e a sua legalidade comprometida, como o próprio Tribunal de Contas tem vindo a anunciar.

O congelamento dos salários é tão injusto que, de uma vez, abrirá os olhos a quem acredita nas mentiras que Sócrates e o seu governo têm aventado todos estes anos a fio.

Os megainvestimentos estão seriamente comprometidos por falta de dinheiro e pela incapacidade de o pedir emprestado, pelo que melhor notícia não pode haver.

E, após, estas misérias todas, até pode ser que o próprio Sócrates perceba que não faz nem deixa fazer…

Mudar? Claro que sim e já!

A partir de agora e tendo presente que o livro já foi apresentado pelo autor em Lisboa e Porto, o Aventar vai começar, paulatinamente, a esmiuçar (palavra na moda) o livro de Pedro Passos Coelho, “Mudar”. O primeiro post foi de Luís Moreira.

Não se espere um resumo da obra mas antes uma análise crítica da mesma.

Mudar??? É poesia para os meus ouvidos!

O sugestivo título “Pensar Portugal” (páginas 19 a 27) apresenta-nos um breve resumo histórico assente, em meu entender, num ponto fundamental e que não resisto a sublinhar com uma citação:

“Assim sendo, o problema crónico foi o de construirmos uma nação muito polarizada num Estado demasiado centralizado, primeiro com a Monarquia e depois com as formas de governo da República, transferindo do Paço monárquico para o Terreiro do Paço republicano, o essencial da natureza centralista do poder político em Portugal. Esse é, julgo eu, um dos grandes problemas do nosso país”.

Eu nem queria acreditar. A enorme lucidez deste escrito de Pedro Passos Coelho – apenas divirjo num ponto: não é “um dos grandes problemas do nosso país”, é mesmo o problema – demonstra a razão que assiste a todos aqueles que, como eu, defendem uma profunda e urgente reforma administrativa conducente à Regionalização.

Ora, quem afirma algo como aquilo que se pode ler na citação em causa, só pode defender a Regionalização. Aqui não pode nem deve existir um “mas”. Temos de ser consequentes: a asfixia centralizadora em que vivemos é a causa primeira da nossa pobreza e do nosso atraso crónico em relação aos outros países europeus. Quando o Pedro Passos Coelho, qual médico, detecta a doença que atinge o paciente, só lhe pode prescrever os fármacos adequados a debelar, de vez, a maleita. Um Estado demasiado centralizado obriga a uma descentralização real e não meras aspirinas (mudança de ministérios para a parvónia, transferência de competências confusas e difusas para as autarquias locais sem o competente envelope financeiro, etc, etc, etc.) ou seja, obriga a uma Regionalização.

Sem medo nas palavras e nas acções a realizar. Em suma, cumprir o título da obra: MUDAR!

Um desenho senhor procurador, eu faço-lhe

Diz Pinto Monteiro:

«Os DIAP [Departamentos de Investigação e Acção Penal] têm muito poucos meios técnicos para questões dessas. Aliás, questões dessas são dificílimas em todo o Mundo. Vai ser muito difícil descobrir quem é que pôs isso»

Refere-se o Procurador Geral da República a umas escutas telefónicas do Apito Dourado que apareceram no Youtube.

Permita-me uma modesta contribuição, que a malta tem de ajudar nas dificuldades técnicas. É assim:

1. O DIAP (o que ficar com o processo que entretanto andam entretidos a tentar descobrir qual será) solicita à empresa Youtube o endereço IP e a hora minuto e segundo da colocação do vídeo. Não sei como é que fazem isso, mas suponho que deve ser através de uma carta.

2. Na posse desse elemento identificam a empresa que forneceu o serviço ao prevaricador. É fácil: basta pôr o número no Google (espero que saibam o que é o Google), e lá está a identificação completa. Mais um clique e até têm o nome e morada do responsável pela empresa.

3. De acordo com a legislação em vigor obrigam a dita empresa a fornecer a identificação do seu cliente, que a essa hora, minuto e segundo, tinha o tal de IP.

Meios técnicos necessários: máquina de escrever, papel timbrado e envelopes de correio. Não sugiro a utilização de mailes, porque era preciso explicar o que são, e agora não tenho tempo.

Espero ter ajudado.

A photographia e a fotografia

 Câmeras fotográficas antigas

As fotografias, hoje, até falam!

Fotografar tornou-se uma modalidade acessível a qualquer um e é possível editar, eliminar, imprimir, retocar, enviar fotos de qualquer sítio para o outro lado do mundo, tudo num ápice. E, quando alguma coisa corre mal, existe o Photoshop e uma legião de aparentados que fazem o mesmo serviço: salvar uma fotografia cujo destino seria o caixote do lixo. Há algum tempo, um fotógrafo profissional veio recolher imagens de alguns dos meus trabalhos e fiquei espantado com a quantidade de tecnologia necessária para meia-dúzia de “chapas”.

Mas nem sempre foi assim. Antes da photographia, a câmara escura permitiu pela primeira vez projectar uma imagem real sobre uma superfície, ainda que invertida. Era o princípio da pinhole, mas estava-se ainda muito longe da fotografia, sendo a câmara escura utilizada, principalmente, por pintores:

Feche todas as portas e janelas de maneira que não haja luz entrando na câmara, excepto pelo orifício. No lado oposto segure um pedaço de papel, mexendo-o para frente e para trás até que a cena apareça totalmente nítida. Assim é possível desenhar todos os detalhes, sombras, formas, movimentos, e perspectiva com mais precisão.

Daniel Barbaro, sec. XVI.

A partir da invenção da fotografia, em inícios do séc. XIX, a evolução dos aparelhos fotográficos jamais parou de surpreender. Continuar a ler “A photographia e a fotografia”

Mais coisas giras em ano de Centenário


1ª O Supremo Tribunal Administrativo é uma loja maçónica criada, instalada, dirigida e presidida por maçons – como, aliás, o Supremo Tribunal de Justiça é uma loja maçónica, criada e instalada por maçons, em aplicação do disposto no Ritual do Grau 27, e sendo o seu primeiro presidente — B… — e seguintes igualmente maçons.
2ª E sabe-se como ensina o maçon C… — ex-Grão Mestre do Grande Oriente Lusitano, Soberano Grande Inspector Geral e presidente do Supremo Tribunal Maçónico — «onde está um Maçon está a Maçonaria» (António Arnaut, Introdução à Maçonaria, Coimbra Editora, p. 86).

10ª Além disso, enquanto loja maçónica que é, o Supremo Tribunal Administrativo sempre tem procurado seguir o ensino do grande maçon António de Oliveira Salazar, a saber: «criminosos arvoraram-se em juízes e condenaram pessoas de bem» (Discursos, vol. V, p. 52); «o que muitas vezes resulta em Portugal do funcionamento das instituições legais — o castigo dos justos» (vol. II, p. 357); «se os tribunais não fazem boa averiguação dos factos e recta aplicação da lei, temos (…) “a mentira da justiça” (vol. 1, p. 28); «os povos, como os indivíduos precisam ser tratados com justiça» (111:108); e «a sociedade tem de inspirar-se nas suas decisões pelo princípio da justiça devida a cada um (vol. IV, p. 108).

Querem ler o documentozinho na íntegra? Ora venham AQUI !

J. D. Salinger, 1919-2010

Para horror meu, os actores, quando presentes, sempre me convenceram de que quase tudo o que até agora tenho escrito sobre eles é falso. E é falso porque escrevo sobre eles com amor inalterável (mesmo neste momento, enquanto escrevo, também isto se torna falso), mas com talento variável, e este talento variável não define com eloquência e correcção os verdadeiros actores, antes se perde toscamente neste amor que nunca se poderá satisfazer com o talento e, por isso, pensa que a maneira mais adequada de proteger os actores é impedir que este talento se exerça.

J. D. Salinger, Seymour, Uma introdução, trad. Salvato Telles de Menezes

Jerome David Salinger morreu. E agora o que se faz, quando morre um escritor de quem gostamos? Lê-se, ou relê-se, conforme as leituras de cada um. Tenho sorte, ainda me faltam uns livros, e os prazeres convenientemente adiados são os que mais gozo dão na hora em que se concretizam.

Ó Belmiro, vai a votos Azevedo

Um empresário reformado mandou umas postas de pescada sobre alguns políticos portugueses. O empresário, também conhecido por super-homem choné, perdão, sonae, fez-se à vida de uma forma um pouco atribulada, aquela que leva um comentador do Público e perguntar:

E… que diria a viúva do Pinto de Magalhães?

pergunta que também gostava de ver respondida.

Não tenho grande apreço pela maior parte dos políticos que o homem maltrata. Mas uma coisa sei: foram eleitos. Foram a votos.

O resto, e o apoio que vai recebendo, é aquele velho populismo de chamar os bois pelos nomes, que muito boa gente confunde com clarividência, e neste caso não passa do destempero a que se permitem os que pensam que dinheiro é poder. Já foi, em parte ainda é, mas se o Belmiro fosse a votos íamos ver como era. E era capaz de ter um resultado azedo.

O grande terramoto de 1755

O sismo que conhecemos como o Terramoto de 1755, é por muitos considerado como o maior sismo de que há notícia histórica. Lisboa, por ser a mais importante cidade atingida, deu-lhe o nome, mas o abalo foi sentido com violência também no Algarve, no Sul de Espanha e em Marrocos. Sem causar prejuízos, sentiu-se em toda a Europa, nos Açores e na Madeira. Para Norte de Lisboa, a intensidade foi sendo menor, embora registando-se danos em Alenquer, Torres Vedras e Óbidos.

Em Lisboa, no dia um de Novembro, um sábado, o tempo estava quente para a época, atribuindo-se essa circunstância a uma antecipação do Verão de São Martinho. A temperatura andava na ordem do 14 graus centígrados. Em 31 de Outubro a maré atrasara-se mais de duas horas. A hora a que o sismo teve início é objecto de alguma controvérsia, podendo ser calculado entre as 9,30 e as 9,45. Continuar a ler “O grande terramoto de 1755”

É a pressão familiar, estúpidos

O Público descobriu ontem uma evidência estatística com décadas: o sexo feminino anda a alcançar melhores resultados escolares que o masculino. Desde a década de 80 que o número de raparigas inscritas na Universidade de referência em Portugal é superior em quase todos os cursos. As explicações também são fantásticas: basicamente parece que o ensino é mais virado para elas, os professores não se preocupam com as diferenças, e mais meia-dúzia de idiotices pegadas, dignas de quem nunca meteu os pés numa escola, e faz pseudo-ciência através de uns inquéritos e similares.

A razão, meus senhores e senhoras, é muito simples, e nada simpática: o tratamento familiar dado à menina não é o mesmo que é dado ao menino. A menina é mais reprimida, mais pressionada, não a deixam sair de casa tantas vezes, e sabe que prosseguir estudos é hoje o equivalente ao matrimónio para se pirar de casa.

É a mentalidade arcaica que funciona como alavanca de algo que nada tem de especial: qual é o problema de termos gerações onde o saber é maioritariamente feminino, se durante séculos a inversa foi verdadeira?

Greves, Orçamento, Ano Judicial e afins

A Ministra da saúde, veio apelar ao bom senso dos enfermeiros. Que tal o Governo começar a dar o exemplo desde logo no Orçamento e naquilo a que chama de “défice reduzido”? Isto para além dos custos futuros para as novas gerações.

E por falar em bom senso, e, pelos vistos em falta de comunicação, a Marinha disparou contra embarcação da Polícia Marítima. Aquilo em alto mar deve ser uma seca, por isso o pessoal tem que se entreter com qualquer coisa. Podiam era ter um pouco mais de cuidado.

O Governo dos Açores teima em querer comprar Magalhães. Façam como o Ministro das Finanças, e usem um da concorrência… Até mesmo a nova engenhoca da Aple, que, pelos vistos, é um iPhone em ponto grande. Deve ser uma questão de hormonas ou fermento (dizemos nós que queremos é vender muitos Magalhães…)

Em cada sessão de abertura do ano judicial, é cada vez mais patente o desacerto da nossa Justiça. Aconselho a leitura, sem frases truncadas ou retiradas do contexto, do discurso integral de A. Marinho e Pinto para se perceber porque é que há gente que insiste em descredibilizá-lo.

Por fim, e apesar do que dizem os nutricionistas, e por via das dúvidas, dou de conselho aos amigos continuarem a comer presunto.

Centenário da República: o 28 de Janeiro de 1908

Vou hoje lembrar o dia 28 de Janeiro de 1908, um marco na caminhada para a proclamação da República. Porque o Partido Republicano não fora criado com o objectivo de ser mais um partido a participar nas disputas parlamentares. O objectivo dos republicanos era, desde o início, a tomada do poder, o derrube da Monarquia, a proclamação da República.

Sabendo-se isto, é evidente que o comportamento dos partidos monárquicos e do próprio rei, não foram os mais adequados. Pelo contrário – com displicência de quem nada teme, foram, dia a dia, caso a caso, escândalo a escândalo, fornecendo achas para a fogueira em que a Monarquia se iria consumir.

Os partidos do Poder estavam fragilizados. Em 1901, João Franco, seguido por 25 deputados, saíra do Partido Regenerador, criando o Partido Regenerador Liberal. No Partido Progressista dera-se também uma cisão: em 1905, José Maria Alpoim, visconde da Ribeira Brava, com mais seis deputados, saiu e criou a Dissidência Progressista. Verificando o rei D. Carlos que a rotatividade entre os partidos Progressista e Regenerador não correspondia às exigências da governação, estabeleceu em 1907 uma ditadura administrativa com João Franco à cabeça.

Neste quadro em que os partidos se digladiavam, enfraquecidos internamente, e a própria Casa Real se desacreditava com a questão dos adiantamentos, com o despesismo ostensivo de D. Carlos e com uma crónica de escândalos que o monarca alimentava, o Partido Republicano movia-se com facilidade, explorando os erros cometidos pelos adversários. E gozava de um amplo apoio popular, pois o povo vivia mal, como sempre vivera, só que agora, mercê da propaganda republicana, tomava consciência da sua miséria. Brito Camacho, dizia sobre João Franco, “havemos de obrigá-lo a transigências que rebaixam ou às violências que comprometem”. Continuar a ler “Centenário da República: o 28 de Janeiro de 1908”

Orçamento de Estado 2010 #3:

Hoje o i faz uma bela pergunta: “Alguém gosta deste orçamento?”. Já sabemos que a Função Pública não gosta, tal como não vão gostar os doentes e os pobres. Desconfio que Belmiro de Azevedo, além de não gostar de cavaco, também não. Pelo menos a Moody’s dá o benefício da dúvida, o que já não é mau. Quem também não gosta é Pedro Passos Coelho (afirmou-o ontem na apresentação do seu livro, no Porto). Já Manuela e Portas certamente gostam, caso contrário não teriam alinhado.

Numa análise fria: Estamos tramados!

TGV – uma anedota

Graves erros ? Não, que ideia ! Leiam este pela pena do Engº Pompeu Santos.

“…o troço Poceirão- Caia integrado na linha Lisboa – Madrid…como esta linha vai ser em bitola europeia, e do lado de Espanha as mercadorias vão continuar a circular apenas em bitola Ibérica, a RAVE é forçada a construir, ao lado da linha de alta velocidade, entre Caia e Évora, uma linha em bitola Ibérica só para mercadorias, gastando mais 250 milhões de euros.”

Em vez de uma linha vão construir duas e reparem, como a seguir a Espanha todos os países têm bitola europeia, quer dizer que as nossas mercadorias não passam de Espanha. Passar, passam, mas têm que mudar para equipamento de transporte com bitola europeia, o que é magnifico e deve acelerar imenso a chegada das mercadorias e tornar o seu transporte muito mais barato!

A gente diverte-se imenso!

O banqueiro brincalhão, a dívida, os direitos

O défice afinal era outro, donde a obsessão com ele estar a encher as notícias. Os funcionários públicos vão perder poder de compra, os não públicos é já a seguir, um banqueiro preocupado porque as mordomias dos banqueiros vão timidamente pagar imposto, coitados dos banqueiros, é o discurso que vai ocupando a comunicação, que nestas coisas é muito social, à sua maneira.

Mas também há direitos, ou não há, para começar o direito ao trabalho, sem recibos verdes, com contratos, com regras, e esta petição. Peticionar é o pouco que sobra quando só se olha para um lado do défice, se esquece o que gastamos com os banqueiros

A banca teve “um comportamento espectacular nesta crise

também disse Ricardo Salgado sem se rir, Ricardo Salgado: vá viver com o salário mínimo um mês, apenas um, que todos temos direito ao riso, e eu quero rir à sua custa, olho por olho, gargalhada por gargalhada.

Um Poeta Sem Juízo e Um Presidente Ditador

.
BELMIRO DE AZEVEDO SEM PAPAS NA LÍNGUA
.
Numa entrevista à revista Visão, a sair hoje, quinta-feira, Belmiro de Azevedo ataca tudo e todos. Para ele, o poeta Alegre deveria ter juízo, coisa que se sabe que não tem, e o Presidente Cavaco é um ditador, coisa que alguns saberão melhor que outros.
Depois, é a descascar por aí fora. A ler.

.