J. D. Salinger, 1919-2010

Para horror meu, os actores, quando presentes, sempre me convenceram de que quase tudo o que até agora tenho escrito sobre eles é falso. E é falso porque escrevo sobre eles com amor inalterável (mesmo neste momento, enquanto escrevo, também isto se torna falso), mas com talento variável, e este talento variável não define com eloquência e correcção os verdadeiros actores, antes se perde toscamente neste amor que nunca se poderá satisfazer com o talento e, por isso, pensa que a maneira mais adequada de proteger os actores é impedir que este talento se exerça.

J. D. Salinger, Seymour, Uma introdução, trad. Salvato Telles de Menezes

Jerome David Salinger morreu. E agora o que se faz, quando morre um escritor de quem gostamos? Lê-se, ou relê-se, conforme as leituras de cada um. Tenho sorte, ainda me faltam uns livros, e os prazeres convenientemente adiados são os que mais gozo dão na hora em que se concretizam.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Mais uma referência da nossa juventude que se vai…

Trackbacks


  1. […] This post was mentioned on Twitter by Blogue Aventar, joao cardoso. joao cardoso said: J. D. Salinger, 1919-2010: Para horror meu, os actores, quando presentes, sempre me convenceram de que quase tudo … http://bit.ly/9CUMaZ […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.