O Mapa Azul Marinho

digitalizar0001

No seguimento daquel’outro que ligava Angola e Moçambique, já temos um novo Mapa imperial, desta vez facilmente denominável de Mapa Azul Marinho. O problema estará na disponibilidade que outras potências, em primeiro lugar a Espanha, demonstrarão quanto à aceitação deste delírio de grandeza. Num país onde a compra de dois, repito, dois submarinos – normalmente deveriam ser uns seis ou oito – é pasto fértil para as vacas sagradas da politiqueirice caseira, não deixa de ser uma bastante original “anexação”. Há uns cento e poucos anos, vibrava-se sempre que uma nova unidade – ver imagem acima – era incorporada na Armada. Hoje os tempos são outros.

Vamos a ver se não temos um Ultimatum dentro de algum tempo. O pior é que desta vez não terá a ver com uma vaga reivindicação de um espaço jamais ocupado. Aquele mar – encerrando um maná de riquezas futuras – já foi nosso e poderia voltar a sê-lo, se estivessemos entregues a outra gente. O problema é exactamente colocado assim: SE.

Essa é que é essa.

Comments

  1. Amadeu says:

    Haaaa SE o tempo voltasse para trás …

    http://youtu.be/LOtAfLvhSZo

    • Nuno Castelo-Branco says:

      Mas não volta. Não podemos corrigir os erros que temos cometido. Como dizia o Senhor que deu o nome ao cruzador da imagem , é necessário …”seguir em frente!”

  2. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Ai o mar é mesmo tentador – já há muits sinais de ocupação mas de vagarinho para a alta não se assustar e perceber demia e depressa demias – e entretanto vão dando “bombons” para os distaídos – o mar porruguês é grande demais para país tão “pequeno” ??????????????? perguntem `alemanha

    • Nuno Castelo-Branco says:

      Precisamente, era isso mesmo o que queria dizer. Começam com a “mutualização da dívida”, coisa que irreversivelmente levará à mutualização do património. Enfim, o “mar português” passará a pertencer à UE, ou melhor, a quem nela mais pode e manda. Que tal?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.