Os estivadores de Leixões

já nos avisaram para nem pensar em nos sindicalizarmos, pois não renovam o contrato

Artigo no Dinheiro Vivo

Comments

  1. João Paz says:

    Repressão miserável!

  2. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Não acredito no que estou a viver – ler – oluvir
    Digam-me que não estou boa da cabeça

  3. Maquiavel says:

    Espero ansiosamente o comentário sagaz de José Magalhães, a desmistificar todas estas intrujices de supostos trabalhadores precários do Porto de Leixões…


  4. Espera aí… Quem?!? O José Magalhães!!! 😆 😆 A esta hora está a entregar uma lista, a esta peça, na qual ele é o primeiro voluntário para ser um futuro estivador com as novas regras que serão aprovadas pela Secretaria Geral (tcp Assembleia da República)… Claro que depois da devida formação profissional!!!
    Tudo isto porque, segundo as minhas fontes, o pessoal dos RH da empresa onde José trabalha vão fazer greve sem fim à vista, e assim ele considerou que agora é a altura ideal para ir para UM BOM EMPREGO… E abandonar o trabalho actual!

    Pelo que não será de esperar que o Sr. José Magalhães (futuro e orgulhoso Estivador de Portugal) venha desmitificar coisa alguma…
    😉


  5. E agora quanto aos ESCRAVOS de LEIXÕES… É o exemplo clássico do que se faz por este país, europa, mundo fora…
    Todos temos medo de perder o pouco que temos e como tal não fazemos nada…
    Porque no fim haverão sempre outros ESCRAVOS dispostos a TRABALHAR por 650€, ou até menos, ao invés dos 725€… E eu conheço um (J.M. 😉 )!!!

  6. fernando says:

    além do sr. josé magalhães, o sr. américo silva, presidente da mesa da assembleia do sindicato estivadores de leixões, deveria também responder, quantos são os trabalhadores com contrato diário que figuram na lista da ETP ou sindicato.

    eu respondo, entre 300 e 400. é verdade. mas diz que não há precariedade.

    outra curiosidade, para que se fique sabendo, é que os efectivos são só 90 trabalhadores, todos eles ganham isenção de horário de trabalho, o que acresce ao vencimento base mais 25 %, além de feriados, sábados e eventuais domingos.

    pelos “bons serviços”, chegam a receber gratificações de 3.000 euros e não se pense que são anuais.

    receberam, na altura, 7.500 contos, sim contos, não euros. passados mais uns 5 ou 6 anos receberam igual quantia, em vez de receberem tickets por cargas nocivas, etc.

    só agora contrataram 28 trabalhadores com vencimento bruto de 650 euros.

    trabalhos pesados, quem os faz é quem ganha uma bagatela, apesar da isenção de horário, muitas vezes nem lá estão no local de trabalho.

    é este leixões o porto modelo, que não existe conflito laboral, pudera, mas os que “vergam a mola” por tuta e meia, esses não estão assim tão felizes e quando puderem, os conflitos vão surgir.

    • manuel says:

      Já estão a surgir, com o novo Sindicato de Estivadores a nível Nacional, e já representado em todos os Portos, continente e ilhas

Trackbacks


  1. […] de uma Lei cada vez menos Fundamental e antevê-se um mundo privatizado em que, por exemplo, os estivadores tenham medo de fazer greve. Já não faltará muito para que Portugal seja um paraíso semelhante à Coreia do Norte, graças […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.