Burlões competentes

Durante um tempo dirigi um gabinete de imprensa em Lisboa. Um dia o contínuo, o meu fiel e saudoso Alfredo Rodrigues que transitou da France Press para de novo trabalhar comigo, veio dizer que na sala me esperava um antigo aluno do Colégio de Nun´Álvares (CNA). Fui à sala,  curiosa de saber quem seria e deparei-me com um sujeito  vestido de cinzento, todo ele cinzento, que de todo eu não conhecia. Apresentou-se-me como sendo o Durão e mostrou-se  admirado por eu não me lembrar dele. Como havia eu de me lembrar de todos, pensei, se nesse tempo as raparigas andavam pelas 200 e os rapazes para mais de 600? Desculpei-me com a minha falta de memória para  não ser rude. Mas o tal Durão não parou de desfiar memórias, falou do Jenga, do Ti Ilídio, do Dr Raúl, do Dr Quitério, de outros mais, com uma minúcia tal que eu voltei anos atrás.  Não havia que saber, o homem tinha andado mesmo no CNA. E isso era-me simpático.

Aguardei, paciente, que ele fechasse a torneira às memórias e me dissesse a que devia eu a honra da visita. Lá acabou por me dizer o motivo, olhos nos olhos, em voz calma, quase dorida: tinha estado preso uns anos por ter caído na tentação de ser falso médico, aquela paixão pela Medicina que não o largava, acabava de ser solto e, visse eu bem a pulhice de país em que vivíamos (era no consulado de Marcelo Casteano, com Salazar ainda vivo mas inválido) pois o tinham mandado para a rua sem um centavo no bolso. Ora, adiantou, precisava de um dinheiro para ter onde dormir e ir à procura de trabalho. Embora não acreditasse nos amanhãs que cantam propagandeados pelas hostes do Barreirinhas Cunhal, eu sonhava com um um país justo, decente, menos pobre. De imediato senti que devia ajudar aquele homem. Havia um amigo meu que se dedicava à recuperação de doentes no Hospital Júlio de Matos através do teatro, e que vivia num apartamento enorme da baixa. Fui ao meu gabinete telefonar-lhe e expor-lhe o caso e o meu amigo prontificou-se a ajudar o Durão: que lho mandasse, dava-lhe quarto e comida e ajudava-o a encontrar trabalho. Regressei à sala, dei a boa nova ao meu antigo colega do CNA, dei-lhe dinheiro para o táxi e mais algum para aguentar as primeiras semanas. O Durão foi-se embora a cantar graças e aleluias. E eu regressei ao trabalho por mais um bocado. Depois, foi a rotina habitual:  abanquei com o meu grupo na Brasileira para a bica, as novidades, a má língua e a paródia, fui jantar à Rina, no Bairro Alto, com outro grupo, com quem a conversa dava até tarde, e entrei em casa pouco antes da  meia noite. Tinha acabado de me deitar quando o meu amigo telefonou a perguntar o que era era feito do homem que devíamos ajudar, pois não tinha aparecido. Ficámos ambos preocupados.  Pouco depois telefona-me o Durão, lui même, nestes termos: preciso imediatamente de cinco mil escudos e tens de mos dar, custe o que custar, ou mos vens entregar já ou vou aí e rebento com a tua porta. Aquela do custe o que custar sacudiu-me de alto a baixo, porque eu nunca dou para esse peditório. Pensei, de repente, que me tinha enganado e respondi friamente: então vem cá à minha porta que tens a polícia à espera. Desligou abruptamente. Na manhã seguinte, telefonei ao director da prisão donde o Durão tinha saído e contei-lhe a história. Fiquei a saber que o Durão tinha sido libertado dois anos antes, que não era nada o falso médico porque esse ainda lá estava, que de facto tinha sido aluno do CNA e que, pelos vistos, estava quase a regressar à cadeia. Descontraído, quis saber com quanto é que eu “tinha entrado”, e rimo-nos os dois. Dali a pouco tempo soube pelos jornais que o Durão estava preso de novo.
Acho que o Durão foi um burlão competente. Preparou uma história com cabeça, tronco e membros, por saber que eu era de boa fé. O erro que cometeu, certamente por falta de informação, foi julgar-me medrosa e  de bom feitio. De passagem quero dizer que tipos destes não mancham a honra do CNA nem da cidade de Tomar. Não há grande geração que não dê santo ou ladrão, é como água a correr sobre o oleado de instituições velhas. Não molha.
Posto isto, considero competente Artur Baptista da Silva porque, pensando de quem nos (des)governa o que a maioria do povo pensa, desejando as soluções que todos desejam, percebeu que, para fazer passar a sua mensagem, num país que cultiva até ao vício isso dos títulos, a ponto de haver quem compre diplomas e fabrique licenciaturas a martelo, tinha de apresentar um curriculum deslumbrante e abeirar-se dos jornalistas de boa fé. Não vale a pena os maçaricos apontarem o dedo acusador, porque ninguém quer saber de maçaricos sem boa fé que fazem os maiores fretes todos os dias.
Burlões competentes são os que fazem o trabalho de casa. Que é coisa que muitos governantes mal amanhados não fazem quando vigarizam o povo que, de boa fé, os elegeu.   

 

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.