Bitola Mínima

Tivemos um ministro durante as duas legislaturas de Sócrates (com a excepção dos 3-4 meses de Campos e Cunha) que conseguiu a proeza de não ser responsável de nada de mau que se fez. E não foi pouco. Mesmo no caso da peregrina nacionalização do BPN acha que procedeu lindamente. Mesmo quando dizia que não ia custar nada aos cidadãos. Talvez Campos e Cunha tivesse a honorabilidade que falta a Teixeira dos Santos e por isso tivesse saído tão rapidamente.

Teixeira dos Santos prestou-se a tudo. Até a ser tratado como alguém portador de doença contagiosa no fim do Governo de Sócrates. Usado e descartado. Como um vulgar capacho. Se pensarmos bem foi exactamente o papel de capacho que ele exerceu durante 6 anos. E sabemos agora que nem é responsável pela maior parte das decisões que eram tomadas no ministério. Isso era deixado a secretários de estado, administradores de empresas públicas e directores gerais. 

Teixeira de cada vez que fala mais se enterra. Mais se percebe como ele era irrelevante na máquina socratina. Era apenas alguém convidado a representar um papel subalterno. Não é por acaso que no fim do “reinado” de Sócrates o país tinha as finanças no estado calamitoso que sabemos. Obrigado, Teixeira dos Santos. Como ministro passou a ser a bitola mínima de competência e integridade. Depois de si é quase impossível encontrar um ministro das finanças que consiga ser pior.

Groink

Comments

  1. nightwishpt says:

    “Depois de si é quase impossível encontrar um ministro das finanças que consiga ser pior. ”

    Tendo em conta o estado das contas públicas actuais, e sabendo quem eram os seus (a sua) secretários(a) de estado, não é muito difícil encontrar muito pior.

  2. António Duarte says:

    “Depois de si é quase impossível encontrar um ministro das finanças que consiga ser pior.”

    Não é nada difícil. Basta olhar para os sucessivos falhanços do senhor que se lhe seguiu. O que é difícil é perceber, entre as causas do fracasso, até onde vão a incompetência pura, o acrítico servilismo às troikas que o governo serve e o frio calculismo de provocar e aproveitar a crise para impor as políticas que não houve coragem de anunciar antes das eleições.

    Outra coisa que também é fácil de ver é que para os sectários deste governo ao fim de dois anos a desgovernar o país a culpa ainda continua a ser dos antecessores.

    • Joaquim Carlos Santos says:

      «Desde o dia em que se percebeu que os contratos de swap “comprados” durante a gestão socialista podiam causar perdas medonhas para o Estado que a imprensa apostou numa estratégia de ocultação do problema. Marionetas diligentes como são, rapidamente ensaiaram uma série de estratégias para afastar dos responsáveis a atenção pública. A 1.ª técnica foi a de contestar a forma como o governo resolveu o assunto – Terminar contratos através da negociação antes que as perdas aumentassem e pagando os valores devidos. Começou uma tímida campanha questionando a opção. E porque é que o Governo tinha pago alguma coisa? A mesma abordagem de quem contrai dívida e questiona depois a razão de a pagar. Porque é que não tinham simplesmente dito que não pagavam? Fácil de dizer, difícil de fazer. Os tribunais não vivem no mundo de faz de conta da esquerda ignorante. Esses fazem valer os contratos e penalizam a parte que não cumpre.» Groink


      • claro, os SWAPS Também são culpa do Sócrates. A dívida aumentou estes dois últimos anos por causa dos SWAPS do Sócrates.
        LOL
        E a quebra sem precedentes da produtividade e as falências em cadeia por causa da austeridade sem freios, nem medida, nem objectivos, também são culpa do Sócrates.
        O Sócrates é o melhor amigo deste governo. Uma espécie de punching-ball para o que der e vier.
        O Sócrates também tem culpa de o ex-ministro das Finanças ter falhado todos os objectivos por ele próprio fixados durante dois anos.
        O Sócrates tem culpa de termos uma ministra da agricultura e pescas que se esqueceu de que sem barcos não se pesca, sem reforma agrária profunda e apoios sérios à competitividade não passaremos nunca duma agricultura de subsistência que nos faz importar 50% do que comemos desde Afonso Henriques.
        O Sócrates tem culpa de se ter suprimido o Ministério do quarto sector económico e empregador do país, cujo nem sequer 05% do PIB nos custava por ano : A CULTURA.
        Cultura que nos custava 150 milhões por ano, ou seja o orçamento de qualquer cidade média europeia.

        etc.

        Enfim, nós somos todos uns ingratos que não sabemos reconhecer os “meritórios” esforços da pandilha de fincanceiros BPN que nos governa. E, claro, isso também é culpa do Sócrates.

        BARDAMERDA, senhores esforçados da causa pública angolana-BPN.

        • Joaquim Carlos Santos says:

          «Eu sei que dói, eu sei que custa ouvir , mas a verdade é que há boas notícias em Portugal. O desemprego voltou a cair pelo segundo mês consecutivo. O índice de produção industrial está a crescer. O índice de confiança dos consumidores também está a subir e, em consequência, a sangria no comércio a retalho está a estancar. Portugal foi o país da OCDE onde a produtividade mais subiu. O consumo de combustíveis aumentou pela primeira vez em dois anos. As poupanças dos portugueses continuam a aumentar e o vício do crédito continua a descer: o endividamento das famílias portuguesas baixou 9 mil milhões desde 2011. E, acima de tudo, o défice externo já foi destruído. Pela primeira vez desde pelo menos 1995, atingimos um excedente comercial positivo devido à queda das importações de bens de consumo e devido à explosão das exportações. O excedente positivo deve ser de 4,5% do PIB no final deste ano e de 6,4% no próximo ano. Repare-se que tivemos um défice externo médio de -8,3% do PIB entre 1999 e 2011 (a mãe de todos os males). O ajuste, portanto, está a ser notável. Entre 2011 e 2013, Portugal foi o terceiro país da Europa a ganhar quota no comércio internacional. Depois de crescerem 4,7% este ano e 5,5% no próximo ano, as exportações representarão 43% do PIB no final de 2014. Em 2009, representavam apenas 28%. Já estamos salvos? Não. Mas é bom que se perceba que Portugal não sairá da cepa torta enquanto não alcançar um equilíbrio sólido na balança de pagamentos. Nós não temos dimensão para mantermos uma economia baseada no consumo interno de importações alavancadas por crédito externo.» HR

        • Joaquim Carlos Santos says:

          «Parece que há um caminho para se continuar a cair como se não houvesse fundo. O caminho Socrático de que as dívidas não são para pagar como a Grécia seguiu. O caminho dos colaboracionistas com Sócrates que nunca levantaram a voz para impedir que se mascarasse o déficite com mil e um truques, mesmo quando Ferreira Leite e tantos outros alertavam para a espiral impagável da dívida. O não pagamos a dívida nem emagrecemos o Estado até ser tarde de mais. Votar maciçamente no Bloco de Esquerda. Eleger tipos que não tiram cursos, falam do que não sabem e vomitam veneno contra tudo o que mexe; eleger inspetoras cubanas que interrogam os sérios. Parece que, quando nós melhoramos e a Grécia continua a cair, a teoria de só não pioramos porque batemos num imaginário fundo, fica sem base de sustentação… sem fundo, digamos. O que Portugal conseguiu é pouco para a devastação que já ocorreu e a que ocorrerá durante 2014. Mas é muito para a pesada herança Socrática.» MBd’O


  3. dois anos depois e com a dívida pública no dobro do nível em que a encontraram… tudo continua a ser culpa do Sócrates.
    O Sócrates vai acabar por ser um novo D. Sebastião.
    é que esta gente, à força de dizer tudo e seja o que for e mais alguma coisa sobre o homem, ainda vai acabar por conseguir transforma-lo em herói nacional por efeito de repulsa.

    TOLOS !

    • Joaquim Carlos Santos says:

      «Mas se nessa altura já era óbvio quem tinha feito as asneiras, essa revelação andava estranhamente arredada dos media. Não parecia interessar a ninguém a origem do problema. Perdiam-se em discutir porque é que se tinha demorado “tanto tempo” a resolver o problema.E foi aí que a questão da informação passada ao governo quando entrou em funções saltou para ribalta. Em vez de se preocuparem com a questão de fundo, a tal que valia 3 mil milhões de perdas provocadas por alguém, andavam de volta de declarações da ministra chamando-a de mentirosa a cada parágrafo. Se a informação que foi passada era irrelevante parecia não importar a ninguém. Interessava era chafurdar na porcaria e arrastar a ministra e outros responsáveis pelo ministério para uma luta suja com características de acusação estalinista. O expoente máximo desta técnica ocorreu numa comissão de inquérito com Ana Drago e um palerma do PCP a questionar a ministra na forma clássica como decorriam os julgamentos fantoche da URSS nos anos 30.Chegou finalmente o caso do secretário de Estado. Imagine-se que o homem tinha andado a tentar vender este tipo de produtos ao Estado português. Coisa estranha para quem trabalhava num banco e recebia o seu salário (e provavelmente bónus) para proteger os interesses do banco.» Groink

  4. Fernanda says:

    “Depois de si é quase impossível encontrar um ministro das finanças que consiga ser pior. ”

    O “quase” é lixado!

    • Joaquim Carlos Santos says:

      «Os pundits saltaram à praça pedindo períodos de nojo para estes “indesejáveis”. Até personagens do PSD defendiam o mérito dos “académicos” para estes lugares. Seguramente académicos como Teixeira dos Santos que por falta de experiência prática ou pela simples falta de tomates deixava as decisões nas mãos de subalternos. É esse o valor acrescentado dos académicos. É sempre bom ter alguns a “decorar” o executivo. Dão credibilidade e ficam tão agradecidos pelo reconhecimento que nem se lembram de ter espinha dorsal. E eis que no meio de tudo isto se descobre que entre os interlocutores do lado do Governo estava um senhor que é nem mais nem menos que um assessor de Seguro. E que ainda por cima via com interesse a compra destes produtos para “dar uma maquilhadela” nos valores do deficit. Pelos vistos, para a imprensa, o dolo está do lado de quem vende e nunca do lado de quem compra com o objectivo de maquilhar as contas. E estavam todos interessados. Os assessores achavam a opção “interessante”. Teixeira dos Santos “viu com interesse” e toda uma cadeia de irresponsáveis determinados em esconder do Eurostat e do povo português o verdadeiro estado das contas públicas achava perfeitamente bem que se comprasse a “capa de invisibilidade do deficit” (muito Harry Potter…)» Groink


  5. Pois, pois, tudo é culpa do Teixeira dos Santos, por chegarmos à situação a que chegamos. Mesmo com o Sr.presidente da republica a dizer durante 4 anos que o governo Socrático, e em paticular o Teixeira dos Santos era um homem competente e uma pessoa séria.
    Deixem-se de atirar areia para os olhos dos portugueses, pois aqueles que os têm bem abertos sabem perfeitamente que PS ou PSD são a mesma cambada de corruptos e gatunos, estão entalados no pântano até ao pescoço. Só estão interessados nos seus interesses, no dos partidos e naqueles que lhes darão muito dinheiro a ganhar, quando se retirarem da politica. Já agora diga-me quem é que governou a Madeira nestes ultimos trinta anos e a levou à falência?
    Outra pergunta, quando o governo socrático e em partiucular o Teixeira dos Santos, numa de contenção de gastos disse que a o dinheiro para a Madeira seria reduzido pois aquilo era um poço sem fundo, o que é que fizeram os partidos da oposição. a começar pelo PSD?
    Enfin, outra quando foi nomeado pelo Socrates para ministro das finanças o Campos e Cunha, e este disse que os portugueses teriam que apertar o cinto, o que é que fizeram e disseram os partidos da oposição a começar pelo PSD?
    E lembra-se do que disse a Manuela Ferreira Leite quanto às medidas de austeridade tomadas pelos Socráticos nunca antes tomadas por nenhum partido,seja de esquerda ou direita, pois ela disse para que se suspende-se a democracia por 6 meses, coisa que este governo praticamente já fez por 2 anos.
    Sabe isto é como diz o Paulo Morais a corrupção nasce na assembleia da republica com o conluio de todos, se tivessemos uma democracia e uma justiça à sério a maior parte destes individuos deveria estar atrás das grades.
    Por isso ganhe vergonha na cara e deixe de tratar os portugueses como se fossem atrasados mentais.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.