Trapacices financeiras em offshore

Paraíso Fiscal

No labirinto da trapacice financeira, todos os dias são um rebuliço. Lê-se hoje nos jornais cá do Rectângulo, que o todo-poderoso Ricardo Salgado e o seu protégé Amílcar Morais Pires, homem de currículo que se impõe, poderão ter recebido pagamentos, na ordem dos milhões de euros, directamente do BES Angola. Sim, esse mesmo, o tal que “perdeu rasto” a 5,7 mil milhões de euros.

Ao que tudo indica, os dois terão recebido 27,3 milhões de euros, através de duas empresas, a Savoices e a Allanite, empresas essas que constam na lista de clientes da Akoya, a empresa de gestão de fortunas no epicentro do caso Monte Branco. A quantia terá sido transferida pelo BES Angola para contas bancárias na Suíça. Trapacice financeira que é trapacice financeira tem que ter offshores pelo meio.

A confirmarem-se estas notícias, poderá alargar-se aqui o leque de opções para as autoridades que tentam investigar estas coisas. O que muito provavelmente acabará em absolutamente nada. Ou em prescrição. Mas a Maria Luís sossega-nos: a situação deste emaranhado de empresas do universo Espírito Santo não é motivo para alarme. Diz a ministra que “Temos acompanhado a situação há largos meses para nos asseguramos que não há questões de estabilidade financeira que tenham consequências para as contas públicas“. Parece que já estou a ver uma comissão parlamentar de inquérito com Ricardo Salgado a comer uma sandocha e a contar as suas memórias. O BPN também não ia custar um cêntimo aos contribuintes…

Comments


  1. Diz Passos Coelho: -> “O desgoverno não tem nada com isso! Não senhor. Não se mete nas questões do foro privado do banco.”
    O que queria dizer era: -> Façam lá os “negócios” que quiserem e se isso der para o troto cá estou eu, o restante “desgoverno” e os Portugueses!!!


    • Repare que os media só anunciaram esse suposto acto de coragem do Passos quando já era certa a queda de Ricardo Salgado dentro do grupo. De resto o BES continua a dar cartas no aparelho de Estado, que o diga Miguel Frasquilho, alto quadro do BES e deputado do PSD que recentemente foi nomeado pelo pm para comandar o AICEP.

Trackbacks


  1. […] foram às compras no BES. Terá sido com aqueles  trocos que vieram de Luanda? […]


  2. […] perigosos, que como sabemos inclui apenas pessoas de esquerda e eventualmente do TC. Banqueiros criminosos o país até aguenta, agora de professores e de gente de esquerda nem o Espírito Santo nos […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.