Memórias de um Tempo Passado

Há dias recordei-me desta canção dos Corações de Atum, de quem o grande Manuel João Vieira é vocalista, e de imediato fiquei com vontade de escrever alguma coisa sobre o desaparecimento dos urinóis.

Verdade que nunca entrei num desses locais. Verdade que tresandavam e eu detestava passar por perto, mas muitos deles eram obras-primas da arquitectura urbana. Infra-estruturas úteis a quem as frequentava e que, como tão bem canta MJV, livravam postes e árvores de muitas micções dos aflitos-de-última-hora.

Haveria realmente necessidade de substituir tão belos e emblemáticos locais pelas assépticas casinhas com lavagem automática que funcionam à força de moeda, pois claro? Penso que não. Bastaria uma manutenção do local e alguns cuidados na sua higiene e manter-se-ia algo que contribuiria para a limpeza das ruas (hoje quem não tem moedinha e está longe de um centro comercial, bem volta a marcar território em torno de árvores e postes) e para o deleite de turistas.

Durante muito tempo evitei entrar nesses casinhotos desinfectados porque, por um lado, sou contra pagar para fazer o que a natureza me ordena que faça (para isso, pago e vou a um café de onde trago alguma coisita no bucho) e, por outro lado tinha pavor desses sítios tão fechados e correctamente desinfectados. Muito francamente, ainda hoje só entro para ir com alguma das minhas filhas à casa-de-banho e deixo sempre a porta aberta, tamanho é o receio que tenho de levar um banho desinfectante enquanto lá estou dentro.

É verdade, é possível ter-se saudades daquilo que nunca se usou, mas sempre se apreciou, sabendo que, se algum dia precisássemos, lá estaria para nos acolher de portas abertas.

 

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.