Já que se discute saúde e lucro

-Prefiro uma cínica indústria que inova movida pelo lucro ao imobilismo socialista que representa a estagnação. Ou dito de outra forma, trabalhar para aquecer ou para desenvolver a sociedade, colocaria mais um cobertor na cama e desligava o despertador. Se me levanto cedo e trabalho duro não é para desenvolver a sociedade, para a qual me estou nas tintas. É para viver confortavelmente, pagar as minhas contas e adquirir o que pretendo, necessário ou supérfluo. Como posso criticar a industria farmacêutica? Isto não inviabiliza de forma alguma práticas de responsabilidade social.

Quanto vale a vida de um canalha?

blackshirts3

Por exemplo, admitamos que um ano vida de uma pessoa normal vale 1 QALY, e que uma pessoa com hepatite C vê a qualidade de vida reduzida em 50%, ou seja, 0.5 QALYs. Se o tratamento para a hepatite C permitir recuperar esses 0.5 QALYs durante 30 anos, então o valor desse tratamento será de 0.5 vezes 30, 15 QALYs.

Mais uma vez tenho de agradecer ao Mário Amorim Lopes o imenso favor de demonstrar que o neoliberalismo mata, e  muito. Não tanto como os fascismos, dizem, porque não mata a eito e com milícias, assassina com folhas de cálculo e uma religião a que chamam economia. Como os mortos ficam mortos na mesma, e a lógica ditatorial (é óbvio que um regime neoliberal é insustentável em democracia) não varia tanto como isso, lá vai cumprindo o seu papel sucessório, arquitectado pelos hayekes e pelas randes deste mundo.

Quanto à pergunta: eu acho que a vida do Mário Amorim Lopes não tem preço. Mais que não seja, perder um idiota tão útil seria um desperdício.

Portugal – caos, memória e esperança

livro_portugal_caos_memória_e_esperança
Marco Faria

Será a crise da justiça um problema real, ou uma conclusão precipitada, instintiva e “sobremediatizada”?
Poderá o presidencialismo fortalecer a III República? Portugal é um país desigual?
A globalização é um monstro?
O que fazer à União Europeia institucionalmente aprisionada pelo eixo Berlim-Frankfurt?
E se Winston Churchill tivesse estado na Portela do Homem?
Qual o lugar da ética numa época de desesperança?
De um ponto de vista racional, o propósito deste ensaio é levar o leitor a pensar.
Num plano emocional, que os portugueses não deixem de amar a sua pátria e de acreditar em si próprios.

Fidelizados até 2016

Há dias ia eu no metro, sentada ao lado de uma desconhecida de aspecto simpático. A certa altura ela atendeu o telemóvel, respondeu que era a própria, disse uns quantos sins e nãos, e rematou com um imperioso “não posso, estou fidelizada até 2016”.

Uma afirmação extraordinária, pareceu-me. O grau de certeza no futuro que implica aquele “estou fidelizada até 2016”! Os outros, os da concorrência com a qual ela não está fidelizada, telefonam-lhe, acenam-lhe com promoções, descontos, regalias, um autêntico canto das sereias das telecomunicações, e ela, amarrada ao leme do contrato que a obrigaria a pagar as mensalidades todas até 2016, não ouve, não vê, prefere nem saber. Quando muito, indica-lhes o mês em que o contrato vencerá para que lhe liguem por essa altura com as suas melhores ofertas.

Ela provavelmente não saberá, nem ela nem ninguém, se em 2016 terá trabalho, se viverá na mesma casa, se manterá a mesma relação amorosa ou o mesmo celibato, se terá saúde, se será mais gorda ou mais magra, se será feliz, mas sabe que terá a mesma operadora de telemóvel. Já é qualquer coisa. [Read more…]

O ABC da dívida

A armadilha da dívida esmiuçada como deve ser. Uma análise muito completa que aborda inclusivamente a exploração do daquele sentimento de culpa muito católico com reminiscências no pecado original. Mais um excelente exercício de serviço público do canal ARTE.

Com Bernard Maris, um dos economistas aterrados, assassinado na sede do Charlie Hebdo.

Soluções BCE

Não aceita títulos de dívida grega como colateral. Autoriza empréstimos de emergência à banca grega até 60 mil milhões de euros.

A polémica com as urgências

urgencias_hospital
Pedro Parracho

Vamos então abordar o caso das urgências e a discussão que tem existido sobre os problemas ocorridos.
É prática corrente, responsabilizar o ministro. Esta situação é recorrente, porque é mais fácil para os partidos da oposição responsabilizar sempre o governo, em qualquer época, leiam-se os títulos dos jornais nos invernos de 2007 a 2011, é assim pelo facto de se considerar o ministro “patrão” dos hospitais. Por isso o caminho da discussão é sempre o mesmo: se algo não funciona é porque “faltam meios”.

Nunca é porque houve falhas de gestão, mau trabalho dos funcionários, falta de empenho ou simples incompetência. Aparentemente o ministro até tem de saber se as escalas de férias e folgas dos médicos estão bem feitas, e se estiverem mal feitas, apenas lhe cabe… contratar mais médicos.
É importante que os utentes se sintam como accionistas do SNS e que exijam profissionalismo e empenho nos profissionais de saúde, sempre que presenciarmos exemplos de má gestão, má prática, falta de bom senso, falta de empenho ou incompetência, devemos denunciar os mesmos, de forma, às mesmas não ocorrerem no futuro.

Dedinho maroto!

 

f

Vamos lá desopilar um pouco, que isto são muitas notícias revoltantes e negativas.

Então não é que um estudo cujos resultados foram divulgados no dia 4 deste mês na publicação Biology Letters indica que, afinal, o tamanho conta? Em concreto, o tamanho dos dedos.

Pois é, esses dedinhos dizem muito mais das vossas tendências sexuais do que se pensava… Segundo os estudiosos, a diferença de tamanhos entre o dedo anelar e o dedo indicador pode apontar a nossa tendência para sermos fiéis ou infiéis. E não, não falo de religiões (aqui é aquela parte em que vos pisco o olho com ar matreiro). Falo de sexo puro e duro, mesmo.

Resumindo, tudo indica que quem tem o dedo anelar maior do que o dedo indicador tem maior tendência para a promiscuidade. E quanto maior for a diferença de tamanhos, maior é probabilidade de estarmos perante um traidor à santa instituição do matrimónio ou da vida conjugal. E agora permitam-me um aparte: ainda bem que os jihadistas não perdem tempo a ler as obras destes ímpios, caso contrário, decepariam (no mínimo) todas as mulheres cujos dedinhos fossem suspeitos. Já se se tratasse dos homens, certamente não teria mal.

Agora, perante este estudo, e tendo analisado cuidadosamente as minhas mãos, noto que numa mão tenho o anelar mais pequeno do que o indicador, mas na outra acontece o contrário. Esta descoberta deixou-me preocupada e apreensiva. O que quererá isto dizer da minha fidelidade? Tenho maior tendência para ser fiel ou infiel? Sou ou não de confiança? Ai, credo, tantas questões em torno de dois dedos!

E, já agora, como raio é que ocorrem este temas para estudo a estes académicos? Não é por nada, mas a pensar em temas destes, devem ser uns tipos bem divertidos, bons para dois dedos de conversa. Ou mais… (olha eu a piscar-vos o olho outra vez).

 

Emprenhadorismo

conamae
Aguardemos por um congresso internacional, lusófono, do Conamãe.

E por outros cursos. Empreendedorismo para bebés, empreendedorismo na adolescência, empreendedorismo em férias, empreendedorismo para casais, empreendedorismo para solteiros, para viúvas, para órfãos, para sem-abrigo, para intelectuais, para virgens, para capricórnios, para meninos-que-fazem-xixi-na-cama, para a puta que os pariu.

Assim nos emprenham, e não é apenas pelos ouvidos.

Para este governo onde a vida tem preço…

felizmente que mais um doente com hepatite C vai receber medicamento. É preciso implorar para se viver neste país.

Momento RAP

De acordo com o primeiro-ministro, as ideias do Syriza são “um conto de crianças”. É possível, não digo que não. Mas as ideias de Passos Coelho são, como sabemos, um filme para adultos. E o traseiro que o protagoniza, infelizmente, é o nosso. Ricardo Araújo Pereira