Squealers

Vassalos

Montados nos seus unicórnios cor-de-rosa e financiados pelos interesses que sustentam o regime através dos vários meios que usam para disseminar propaganda orientada para a promoção do liberalismo selvagem e da extrema-direita disfarçada de conservadorismo responsável, onde governos desonestos como o actual vão recrutando mercenários como forma de pagar os serviços prestados na área da “corda” e da manipulação de fóruns da TSF, os ideólogos do regime congratularam-se pela decisão do social-democrata que exerce funções de Provedor do Telespectador da RTP e que saiu em defesa do fundamentalismo jornalístico de José Rodrigues dos Santos e da sua anedótica cobertura das eleições gregas, tão conveniente para com os interesses do seu próprio partido e das pessoas que o colocaram lá. [Read more…]

Confessaram os fatos em Ponta Delgada

Sim. Confessaram os fatos. Em Ponta Delgada. Em 2012, havia exceto. Em 2015, há exceção. Contudo, os fatos mantêm-se. Tudo como dantes. Siga.

fatos

Testa de ferro…

Um cidadão português apresenta amanhã candidatura ao lugar de Chairman da empresa multinacional FIFA, entidade sediada em Zurique, operando sob as leis do direito suíço, detentora dos direitos de organização e imagem da indústria futebol. O local escolhido será o mítico estádio de Wembley, verdadeira catedral na velha albion, pátria do desporto-rei. Um acto simbólico que será correspondido e explorado à exaustão pela imprensa portuguesa, com a dita de referência rivalizando com a cor de rosa, para entusiasmar os parolos do costume em Portugal e também os amigos do Santiago Barnabéu, mais discretos, que desagradados com Blatter, esperam ganhar influência nos bastidores colocando alguém da sua confiança no organismo. Não será fácil e desejo sinceramente que o Real Madrid não consiga levar por diante os seus propósitos de hegemonia do futebol europeu e mundial, com a estratégia de colocar muchachos em lugares chave.

Milícia Cristã

Sim, eles existem. O Estado Islâmico que se cuide!

Sagres, só o promontório

Para quê perder tanto tempo e indignação com aquela água chilra holandesa que dá pelo nome de Sagres? Coitados dos homens, eles têm lá cerveja bem melhor e aquilo é a mijoca que fazem para os portugueses. E como patrocinam o Benfica, devem ter acreditado naquela treta dos 6 milhões, o que faria da sua publicidade merdosa um bom negócio. Marimbem-se nesta cena. E saia uma Super Bock! Ou uma Budweiser.

Nas urgências – uma história sem ficção

Era um dia frio, caía uma chuva miudinha, era véspera de Carnaval e estávamos nas urgências de um hospital público português.

Ao início da tarde, a sala estava cheia, uma mulher dormia, ocupando três cadeiras. A seu lado, deixara um saco de viagem e um par de sapatos de salto alto. O lugar-comum que nos diz que o tempo pára na sala de espera do hospital era confirmado pelo relógio na parede, detido nas 8h21 de um dia já talvez longínquo.

Uma vez passada a triagem, e tendo recebido a pulseira colorida que lhe dita quanto tempo pode dar-se ao luxo de esperar sem que isso lhe perigue a vida, o doente desaparece para dentro da sala de urgências e passamos a só saber dele através do serviço de informações. Ao longo das horas, as informações, sempre telegráficas, confirmam que o tempo é outro. “Ainda não foi visto pelo médico”. “Vai fazer análises”. “Está à espera dos resultados das análises”. “Vai fazer uma ecografia”. “Está à espera que o médico veja a ecografia”. “Está à espera de reavaliação.” Cada um destes breves boletins informativos pode ser intercalado por períodos de uma, duas, três horas.

Na véspera de Carnaval, uma anomalia ditou um boletim informativo intercalar: “Estamos sem sistema”. E sem sistema, significa que tudo pára. Os serviços de informação não sabem informar, os médicos não conseguem ver os resultados de análises e exames. O tempo fica suspenso. [Read more…]

As propostas de António Costa

-São cada uma melhor que a anterior. Enquanto existir dinheiro é gastar à tripa forra. No final, quando o incumprimento estiver iminente, quem vier atrás que feche a porta, os socialistas passam à oposição vociferando contra o governo, U.E. e todos os que apresentarem a factura do costumeiro desvario socialista…

Santana, o ser e o nada

santana lopesNum golpe de génio, Santana Lopes enunciou ontem uma verdadeira novidade teórica que fará tremer os fundamentos do pensamento político e, digo mesmo, filosófico. Segundo ele, a prova de boa governação e a permanente relegitimação do governo, emerge do número de grandes manifestações que não se fazem. Quer dizer: não havendo manifestações, o povo está com o governo. É feliz. Estivesse do outro lado da mesa qualquer cândido cidadão que não o sabido do Vitorino, não deixaria de lhe perguntar se o governo, quando há grandes manifestações, se deveria demitir. Mas parece que, no seu tempo, ambos faltaram às aulas de lógica.

Paga, Zé

A bronca da falência do Europarque – lá voam mais de 30 milhões dos nossos impostos – é uma espécie de tragicomédia que representa, metaforicamente, a aliança entre os maus governantes e piores empresários que têm conduzido os destinos do país – com o assentimento e/ou cumplicidade de muita gente, diga-se em abono da verdade. Que se dispõe a continuar, segundo se nota pelas últimas sondagens.
A propósito: masoquismo é uma tendência ou prática parafílica, pela qual uma pessoa busca prazer ao sentir – com um pensamento, uma situação ou um acto – dor ou imaginar que a sente. Por isso, para muitos, o que estamos viver não é uma crise, é uma verdadeira orgia. E, pelos vistos, não falta quem queira continuar.

A funda

david e golias
Não faltam, nestas e noutras páginas, referências comparando o confronto entre a Grécia e o directório comandado pelo governo alemão ao mito de David e Golias, usado como atraente metáfora. Acontece que a lenda do Livro de Samuel passa-se depois de a conversa ter acabado. Já não havia negociações. Era o momento. Por isso, o jovem David não perdeu tempo e partiu, com sucesso, para a calhoada. Quer dizer, se nos agrada a imagem, fiquemos cientes de que ainda não chegamos a esse ponto. Mas não faltará muito. A ver se o nosso David consegue.

O duo

Terças-feiras na SICN. As noites impagáveis em que dois putativos candidatos à presidência da República concorrem em poses de estadistas, olhos postos no infinito, queixo levantado, discurso tentando parecer sábio e profundo (ma non tropo, senão a malta muda de canal), análise de alcance planetário. ar de quem sabe algo que todos nós ignoramos. Santana e Vitorino, os candidatos que querem ser candidatos no lugar dos candidatos. O futuro augura-se auspicioso.

Enganado por banqueiro burlão

um drama com Ricardo Salgado.