Os donos disto tudo

donos-disto-tudoMiguel Szymanski

Em 2001 Ricardo Espírito Santo Salgado queixava-se à administração do grupo editorial, onde eu trabalhava como redactor, que os meus artigos o retratavam “como se fosse um gatuno”. Deixou a ameaça de retirar a publicidade de todas as publicações do grupo. A administração optou por fechar a revista Fortunas & Negócios, que publicava os artigos, e salvar os contratos de publicidade no diário e no semanário. Em 2011 recebi uma carta manuscrita e um telefonema com ameaças veladas de Jardim Gonçalves, porque o teria retratado “como um vigarista”. Isto, para não falar em entrevistas e conversas sinistras com outros presidentes de bancos – um deles hoje CEO dum banco internacional em Londres. Ou de aldrabões da cepa BPN ou BPP. Durante um ano e meio trabalhei na CMVM, “under cover” para entender melhor o jogo, e vi como os “polícias da bolsa” se curvavam diariamente perante os banqueiros e outros grandes do jogo da bolsa de valores. Convém não esquecer que no tabuleiro internacional dos “too big to fail” os Oliveira e Costa, Jardim Gonçalves ou Espírito Santo são peões.
De vez em quando são sacrificados, sobretudo quando o país em que operam se afunda por responsabilidade directa de banqueiros demasiado gananciosos e de vistas demasiado curtas.
Entretanto a imprensa em Portugal é cada vez mais uma ficção. Os jornalistas ousam cada vez menos. E os donos disto tudo, agora concentrados em Frankfurt, cada vez menos temem e cada vez mais podem.

Comments

  1. tancredo says:

    Portugal e a sua liberdade de imprensa, em todo o seu esplendor.
    .
    Mas como é possível? Pela mesma razão de que a água não é vista pelo peixe.

    Muito obrigado Sr. Miguel pelo seu testemunho.

    • tancredo says:

      Só que o peixe não tem consciência, parar de nadar para pensar não é sua condição. Mas o homem pode e deve parar para fazê-lo, porque Alguém o dotou dessa faculdade e portanto, no mínimo para ser grato, é sua obrigação agir em conformidade. Prescindir dela, alienar essa virtude, é desistir de viver.
      .

  2. JgMenos says:

    Após a grande depressão os bancos (de depósitos) dos USA ficaram umas dezenas de anos proibidos de negociar títulos em bolsa ou de participar em sociedades que o fizessem.
    Alguém fala disso?

  3. Joam Roiz says:

    Dos donos disto tudo está tudo dito. Espoliados de todo o mundo, uni-vos.


  4. Desculpe pode traduzir o estrangeirismo?! É que eu não percebi.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.