Portugal não é a Grécia

Mas António Costa & Cª rapidamente encurtam distância…

Comments

  1. Nightwish says:

    Como se os problemas económicos tivessem alguma coisa a ver com este governo.
    Vai estudar, António.


    • Nem com a III República, já vêm no mínimo do sec. XIX. Este governo agrava…

      • Nascimento says:

        Não te preocupes António que o outro governo que tu gostas vais ” desagravar”. Não é António? Pois claro. Até te vai dar a ti a todos os totós 35% de devoluções de IRS e OUTRAS COUSAS!!
        !Não te preocupes que o tio MARCELO vai-te conseguir isso no prazo de um anito, no máximo!
        A “normalidade” vai chegar , e depois, tu e os merdosos que só sabem ladrar nos cafés- mas que adoram a merda de atoleiro normalizado em que vegetam- depois dizia eu, já podem dormir descansados que os extremistas de esquerda já “não mandam” no retângulo em que tipos como tu vegetam.

    • Nightwish says:

      Acho que não, mas não sei que chegue.

      Mas se acha que a quase totalidade do problemas actuais não têm a ver com a moeda única que não é moeda única gostava de saber em que modelo económico se baseia.
      Se acha que é com austeridade depois da grande depressão e da grande recessão, idem.


      • Penso que não é difícil perceber qual o pensamento económico, social e político que me influencia, mas penso pela própria cabeça. (Libertarianismo)

        • Nightwish says:

          Está bem, mas ainda não disse nada sobre como sair da semi-bancarrota em recessão em que as condições nos encontramos. Não é com a queixinhas de um dos principais ganhadores da crise que lá vai.

          • Nightwish says:

            Porra, que isto não é português. Reformulo:

            Está bem, mas ainda não disse nada sobre como sair da semi-bancarrota em recessão em que as condições nos enfiaram a título perpétuo.
            Não é com certeza dando importância a queixinhas de um dos principais ganhadores da crise que lá vai.


          • Acredito que para sair da crise não seria preciso fazer grande coisa, aliás, talvez nem fosse preciso fazer nada e permitir que os cidadãos o fizessem.
            Não confundir capitalismo com plutocracia ou oligarquias que funcionam em cartel, não confundir iniciativa privada com titularidade privada de monopólios…

          • Nightwish says:

            Portanto, não tem modelo nenhum, é só por fé. Disso já tivemos muito nos últimos 6 anos.

  2. eu avento says:

    És pouco reaccionário, és …


  3. António, já uma vez lhe pedi e como vem a propósito, peço-lhe novamente: qual o país que reúne as condições politicas que estão de acordo com o seu ideal de sociedade?

    • Nightwish says:

      Ou onde as ideias económicas tenham dado nalguma coisa.para os cidadãos.


    • Caro Adelino, penso já uma vez ter respondido, mas como não tenho certeza absoluta, aqui vai:
      Se várias pessoas podem ter a sua utopia, porque não os libertários? Porque será que quando advogo o direito ao livre consumo de drogas e alcool me consideram esquerdista? Mas se falo em desregulação económica, Estado mínimo ou descida de impostos já sou um radical de direita?
      Perfeição, modelo a seguir, não encontro em parte alguma. Mas existem países com melhor ambiente que outros (e não me estou a referir à qualidade da atmosfera), alguns Estados dos USA, Canadá, Austrália, UK, Irlanda, são melhores que a Europa continental. Depois há outros com maior liberdade económica, mas pecam nas vicissitudes políticas.

      • Nightwish says:

        E os cidadãos pobres desses países merecem o que têm porque não são empreendedores, certo?
        Mas ó António, o que defende não é desregulação, é o laissez faire do século XIX com todas as suas consequências que nunca estudou e que são tão bem retratadas por Dickens.

        • Rui Silva says:

          Dickens retratou nas suas obras , a luta desesperada de pessoas que estavam moribundas fugindo desesperadamente do Feudalismo . O nascimento do Capitalismo (e do laissez-faire) permitiu a sobrevivência destas pessoas que estavam condenadas a serem autênticos escravos nas mãos dos senhores feudais.
          O Capitalismo e o laissez-feire permitiu como nunca tinha acontecido, que qualquer cidadão pudesse tomar iniciativa individual e se conseguisse libertar do espartilho social, até então conhecido.
          Pela primeira vez, e por causa do maldito Capitalismo e laissez-faire , houve a chamada mobilidade social.
          O Capitalismo permitiu que os mais empreendedores ( e não uma casta como era até então) tomarem o seu destino nas próprias mãos e serem recompensadas por isso. Este sistema por arrastamento, produziu a sociedade mais rica e o melhor “bem estar” até então conhecidos. Basta ver o crescimento populacional do planeta que se verificou.
          Dickens escreveu obras literários retratando o esforço e as dificuldades dessas pessoa. Não sei se seria defensor do feudalismo, ou se não se apercebeu daquilo que estava em causa.

          cumps

          Rui Silva

          • Nightwish says:

            As fábricas eram, portanto, no campo.
            Essa do laissez faire ter permitido a mobilidade social no século XIX só se for para rir.


  4. O A. de Almeida para ter razão não se importaria nada que todo um povo, o seu, fosse severamente penalizado e do alto do seu altar aplaudir e dizer; eu tinha razão eu avisei!
    O que ele defende é um sistema tipo castas e pode aflorar o discurso como quiser que comigo não cola. Eu conheço alguns A. de Almeida, saíram muitos dos buracos e de debaixo das pedras nestes últimos quatro anos e meio e não vão descansar enquanto não atingiram os seus fins. Vale tudo para essa gente.


  5. António, obrigado pela resposta. Libertário é termo muito “elástico”. Tendo em conta opiniões anteriores concluo com algumas reservas que seja um utópico do chá.


  6. António, para que não lhe fique dúvidas creia que notei o “libertarianismo”


  7. Depois de muito ler sobre libertarianismo, Ayn Rand, Sarah Palin e outros e respectivos links e afinal uma simples busca na wiki e o seu ídolo lá está no Tea Party, que diz o António tanto detestar.
    Ou não estaremos a falar da mesma pessoa?
    https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Rand_Paul


    • Há por aí uma grande confusão. Sou a favor dos direitos das minorias, como por exemplo os homossexuais. Sou a favor da liberalização (não me basta a despenalização) do consumo de drogas (com liberalização o conceito de tráfico deixaria de existir). Sou a favor da Eutanásia e suicídio medicamente assistido. Chega para me afastar de Palin? Ou quer mais?
      Ok convergimos na questão das armas, resgate de Bancos e Obamacare. Mas também partilho as opiniões do BE em Portugal sobre a questão levantada esta semana das subvenções? E daí? Às vezes existem convergências pontuais entre posições distantes e também divergências pontuais com alguns que nos estão próximos.
      Rand Paul é o candidato que apoio às eleições americanas, mas não é meu ídolo. Não tenho ídolos… Mas aprecio o sen. Ron Paul, pai do candidato e antigo candidato à nomeação pelo partido Republicano.
      Sempre fui próximo do Partido Republicano, mas nunca simpatizei com a tralha evangélica que o parasita desde George H. Bush. Mas apoiei Obama em 2008. Verdade que simpatizaria com qualquer um que derrotasse H. Clinton. Existe no entanto uma possibilidade de apoiar Clinton em 2016, apenas se, a alternativa for D. Trump. Seria mau de mais. Até lá tenho esperança que seja derrotada nas primárias Dems, ou na eleição.
      Para terminar que a resposta já vai longa, nunca me inspiraria em políticos, mesmo que os apoie. Um político será sempre alguém de quem desconfiarei, por princípio…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.