Vítor Gaspar aponta o dedo a Vítor Gaspar

vg

Durante os dois anos em que foi ministro das Finanças, Vítor Gaspar foi extremamente competente no que toca a enormes aumentos de impostos. Porém, no capítulo do défice, à semelhança dos seus antecessores e da matematicamente genial e infalível Maria Luís Albuquerque, o ex-ministro de Passos e Portas falhou redondamente.

Exportado para o FMI, onde assenta que nem uma luva, Vítor Gaspar regressa agora para explicar o seu fracasso à frente da gestão das contas públicas portuguesas. Num artigo, cuja autoria partilha com dois colegas do Fundo Mercenário Internacional, Gaspar revela a causa por trás de fiascos como aqueles que protagonizou: a culpa é dos políticos. Políticos como Gaspar, Teixeira dos Santos ou Maria Luís Albuquerque que, segundo o director do FMI, não cumprem os planos que traçam e violam sistematicamente as regras orçamentais.

O estudo refere que as derrapagens no cumprimento das metas do défice oscilam entre 1,5% no primeiro ano e os 2% no terceiro de cada mandato governamental. Isto apesar dos planos iniciais que, aparentemente, vão ao encontro da exigências impostas por Bruxelas. Resta saber o que terão Gaspar e sus muchachos a dizer sobre a maquiavélica Geringonça, que, segundo projecções recentes, fechou o ano de 2016 com um défice na casa dos 2,2%, a léguas da fasquia psicológica dos 3% e bem abaixo dos 2,5% impostos por Bruxelas. Era só o que nos faltava, o raio dos estalinistas a cumprir os planos traçados e as regras orçamentais.

Foto: Bruno Simão/Jornal de Negócios

Trackbacks


  1. […] belo sorriso do nosso saudoso antigo ministro. Esteja ele onde estiver, absorto em exceis ou a disparar chumbo grosso no próprio pé, estou certo que estará a sorrir e a pensar: “Queixastes-vos de mim, gastadores? Então […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.