Na Virgínia, um rapaz de 13 anos não pode comprar uma cerveja mas pode, legalmente, comprar uma arma

Em Junho de 2016, pouco depois de dois tiroteios em escolas públicas e do massacre em Orlando, a CNN acompanhou um rapaz de 13 anos numa sessão de compras. Foi-lhe vedado o acesso a tabaco, bebidas, bilhetes de raspadinha e pornografia. Mas pôde, legalmente, comprar uma arma de fogo.

Eis o país da fachada vitoriana, que mete um apito a cada ass, fuck e shit dito na TV, indo ao detalhe de meterem uma chapa à frente da boca do apresentador (porém, deixando som suficiente para se perceber o que é que foi dito), mas onde se podem comprar armas de fogo livremente. Gente louca, bem representada pelo maluco do Trump, que preconiza armar os professores como solução contra os tiroteios nas escolas.

Comments

  1. ZE LOPES says:

    É normal! Se lhe permitissem que bebesse cerveja ainda se poderia embebedar e desatar a chamar trump a alguém, perturbando gravemente a paz social! Ou chegar embriagado à escola e, sabe-se lá, apalpar algum ou alguma colega! Seria horrível!

    • ZE LOPES says:

      E imaginem que ficava viciado em raspadinha, pondo e causa a sustentabilidade da família e até arriscando a deformar o indicador e o polegar? Doença essa que se poderia ainda agravar com o acesso a pornografia!

      Uma sociedade responsável não pode permitir uma coisa dessas!O indicador é indispensável para uma boa pontaria!

  2. Fernando says:

    Um rapaz do país que cria guerras de forma a justificar o trilionário negócio do armamento…
    Foi Trump que criou o complexo militar industrial?

    Trump é o sintoma, não é a doença…
    Acreditar que basta tirar o fantoche Trump da Casa Branca resolve o problema é pueril…

    Fox News:

    https://youtu.be/exvydWdLc-8

    “Tornar a Coreia do Norte num campo radioactivo”
    “Terraplanar a Coreia do Norte”
    “Destruir Coreia do Norte”
    “Eliminar Coreia do Norte”
    “Aniquilar Coreia do Norte”

    Independentemente da opinião que cada um possa ter sobre o regime Norte Coreano o que esta gente defende é genocídio de milhões, quase de certeza não só de Norte Coreanos como de Sul Coreanos, Japoneses e outros.

    Esta é a insanidade que os excepcionalismos nacionalistas provocam.
    Trump, Bush, Obama, Clinton, todos eles sofrem deste mal…

    • j. manuel cordeiro says:

      Está a chutar para canto. Por essa ordem de ideias, podíamos ir até aos bifes e aos franceses, entre outros, que colonizaram aquilo. Vamos focar-nos no momento presente e no que pode agora ser feito. E dar armas aos professores seguramente que não é a solução. E, no entanto, foi que Trump colocou na mesa.

      Fox News? O canal declaradamente apoiante do Trump. Certo… Não passa de uma caixa de ressonância do que o presidente diz.

      • Fernando says:

        Fox News, CNN, MSNBC, New York Times, Washington Post, são todos a caixa de ressonância do Ministério da Agressão também conhecido por Pentágono e toda a indústria de armamento…

        Chutar para o lado, não foi isso que Obama e os “Democratas” fizeram durante 8 anos em relação à venda e posse de armas?
        Talvez se não tivessem tão preocupados em agradar os tipos da Goldman Sachs tinham feito alguma coisa que preste, e muitas vidas teriam sido poupadas…

        • j. manuel cordeiro says:

          E depois de Trump virá outro do qual se dirá “e os anteriores, veja-se lá o que eles fizeram”. É a desculpa mais velha para nada mudar.

          Mas por acaso, até está errado. O “Democrata” Bill Clinton até foi do que mais fez quanto ao controlo de armas, ao proibir a venda de semi-automáticas. Fizeram-lhe a folha à conta de um charuto. Já agora, para usar a minha cota de whataboutism, o Clinton veio para a rua por causa da mentirinha que disse. E o Trump, quando é que vem para a rua pela mesma razão?

          • Fernando says:

            Se está a partir do princípio que estou contra que as pessoas se manifestem e exijam mudanças substanciais, está muito errado.

            Aprecio bastante a destruição que Trump está a provocar no partido Republicano, isto vai obrigar muitos “Democratas”, como Clinton e Obama, a assumirem-se (finalmente!) como a nova direita.

            Há diferença entre viver obcecado com a personagem Trump e ser contra o que ele faz (o mandam fazer) de concreto enquanto POTUS.

            Esta obsessão é contraproducente, porquê? Porque em vez em vez de combater as políticas nefastas da governação Trump apenas alimenta o circo montado por Trump, os media (não só a Fox News) e todos os interesses que querem que tudo fique na mesma, e sim, pode incluir Clinton e Obama nesse grupo.

  3. Bento Caeiro says:

    Não me parece que estejam a fazer uma análise racional da questão. Porque para que esta possa ser feita, é preciso compreender o tipo de pensamento norte-americano.
    Estamos a falar, no geral, da protecção que é devida ao cidadão, a qual amplamente espalhada por esse mundo fora é complementada nos EUA pela forma muito particular de ver as coisas.
    No caso da recusa dos vendedores, ao acesso àqueles produtos, estamos no domínio do dever de protecção de outro indivíduo, que é imposto pelo estado – nesta área, cada vez estamos mais bem servidos: açúcar, álcool, gorduras… No caso da arma, é o direito de protecção a si próprio pelo uso e porte de arma, já que outro não a poderá garantir – nem o vendedor, nem o estado.
    Por absurdo que nos pareça, a lógica que lhe está subjacente é a mesma. Como neste caso já não poderá ser defendido pela negação do vendedor – porque, ao fazê-lo, deixaria o cidadão indefeso – e não tem um guarda-costas que exerça esta função, então o Estado permite-lhe, por omissão: por não poder estar sempre presente, que o faça por si próprio.
    Aliás, segundo este pressuposto, se o estado impedir que o indivíduo se arme para se defender este, sendo alvejado, tem todo o direito de processar o estado.
    Caramba: quando os outros não nos podem proteger, temos de o fazer nós próprios – neste caso, comprando uma arma. Tem lógica, não acham?

    • j. manuel cordeiro says:

      Um rapaz de 13 anos tem os pais para o defender. Além disso, a segunda emenda é sobre o direito à própria defesa, mas armas tais como as semi-automáticas são mais para ataque do que para defesa.

      • Bento Caeiro says:

        Manuel, mesmo desviando-me um pouco do meu raciocínio, obviamente que um rapaz de 13, ou com outra idade qualquer, não terá em todas as circunstâncias os pais para o defender. E, isto, eu não tenho qualquer dúvida.

        • j. manuel cordeiro says:

          Reflectindo, vejo que tem razão. Por exemplo, um rapaz de 3 anos não pode contar com os pais para o defenderem. Naturalmente, de-se-lhe uma arma para ele se poder defender. Ou disparar contra outros, mas isso não há problema, pois os outros também terão armas para se defenderem. Acho que é isto…

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.