Registem, caramba!

Foto AFP

Registem que Rui Pinto fez “um trabalho extraordinariamente importante para a defesa do interesse público”.

A Doyen “é um dos actores mais duvidosos do futebol de topo europeu e obteve lucros exorbitantes ao longo de muitos anos, investindo em jogadores e clubes. Muitos dos fundos da empresa foram canalizados através de paraísos fiscais.” e sabe-se que tem por detrás uma organização mafiosa cazaque dos irmãos Arif envolvida em todo o tipo de negócios escuros.

Ronaldo, condenado por evasão fiscal com base em dados da Football-Leaks, pagou 19 milhões de euros e foi condenado a dois anos de prisão – mas em liberdade condicional, porque foram bonzinhos.

Já o pequeno Rui Pinto é que é o grande criminoso, digno de indignação e que só merece prisão! Pelo menos em Portugal.

P.S.- “Claro que há procuradores e juízes que levam o seu trabalho a sério. Mas esta máfia do futebol está em todo o lado. Querem passar a mensagem de que ninguém se deve meter com eles.”- Rui Pinto, aqui.

Comments

  1. estevesayres says:

    Este é um dos casos que os “amantes” dos clubes e não só, não gostam de abordar. Mas, o que sabemos é que a verdade passou e continua a passar ao lado da “comunicação social”, já não me vou referir à “justiça” porque essa não existe. E quando existe é sempre contra os pobres!!! Com as lei existente,(aprovado pelos ditos democratas deste país) nem se quer tem dinheiro para pagar a um advogado, quanto mais as custas do tribunal. E fico por aqui, porque posso ser multado ou preso!!

  2. miguel barradas says:

    Não sei se é grande criminoso ou pequeno criminoso, o facto é que ler e divulgar correspondencia alheia é crime (e ainda bem que é) Quanto ás alegações que o tipo foi muito importante para a futebolleaks dizem voces que foi, eu não sei qual o papel dele. O Ronaldo foi condenado e muito bem porque é um vigarista, já o menino Rui Pinto que roubou, leu e divulgou correspondencia que não lhe pertencia é um santinho, mais ainda, no vosso entender é um herói. A protecão da correspondencia e a sua inviolabilidade é de tal forma importante que nem sequer vem apenas no CP ou CV mas sim na constituição. Estou-me cagando para a Doyen e outros que ele tenha prejudicado.É um criminoso, se grande ou pequeno pelos vistos fica á vossa consideração.

    • Ana Moreno says:

      Mesquinhez e ignorância da espécie humana.
      Cada vez me parece mais que se sobrepõe em muito ao que tem de elevado.

      • Rui Naldinho says:

        Ana, estive até agora a tentar resistir entrar neste “debate”. Sei que falar de certos assuntos de justiça, mas que envolvam futebol, nas redes sociais, é muito pior do que falar de política, ou mesmo de costumes. Portugal é um país no qual a justiça de há muito, muito mesmo, age em conformidade com a “tribo dominante”, que num determinado momento ascende de forma maioritária, na nomenclatura do regime. Seja em que órgão de soberania for, e sejam eles, simpatizantes de clubes, de partidos, os pró ou contra a tauromaquia, pró ou contra o aborto, etc, etc.
        Em Portugal a palavra isenção vale muito pouco. Digo isto com tristeza, mas é verdade. De Juizes a políticos, ninguém consegue pensar de forma diferente da “populaça”, que não a formatação trazida de casa ou da rua, desde a sua infância. Seja na mesa do café, na bancada do estádio, ou no sofá, sentados com uma cerveja na mão a ver um jogo de futebol. Nessa matéria somos de facto tribais. E daqui não saímos.
        O problema não se chama Rui Pinto, nem o facto do hacker ir vasculhar a vida privada ou coletiva de pessoas ou instituições. Até porque se assim fosse, Rui Pinto, através do football leaks denunciou os negócios e os contratos da Doyen e o Sporting, além de outros clubes, envolvendo jogadores e treinadores, já lá vão quatro anos, e não vi tanta preocupação em o prender, nessa altura. Para além destes casos, nem sequer foi o facto de ele ter ajudado a denunciar as fugas fiscais de jogadores como Ronaldo e outros, que motivou esta fúria justicialista em torno da sua pessoa. Isso é tudo areia para os olhos.
        Toda a gente já percebeu, mesmo os aficionados de alguns clubes visados nos e-mails de Rui Pinto, não são é capaz de o reconhecer, que o problema foi ele ter mexido com o SL Benfica, e com o facto da PJ, num “permanente conluio entre partes”, fingir-se distraída, desvalorizando indícios de más práticas dos dirigentes encarnados. Ou seja, Rui Pinto denunciou a promiscuidade entre um clube de futebol, o maior diga-se, e a Polícia Judiciária Portuguesa. “E isso em Portugal é intolerável!”.
        Tudo aquilo que se diga ou escreva fora deste quadro, não passa de uma montanha de hipocrisia, com argumentos de vão de escada, tentando criar o mito, da defesa da vida privada. Como se um clube de futebol e os dirigentes desportivos enquanto tais, tivessem uma vida privada? E foi isso que ele denunciou. Porque se é verdade que Rui Pinto se portou de forma pouco ética e legal, como todos os denunciantes, diga-se em abono da verdade, a prenderem-no, então investiguem também os crimes que ele denunciou. Já agora, sempre perceberíamos se tudo aquilo faz sentido. Mas como toda a gente também já percebeu, isso está fora de questão, não fossem os visados chamarem-se SL Benfica e Polícia Judiciária.
        “O problema foi o hacker ter-se tornado numa espécie de voyeur maldito, e ter estragado tudo!”.
        Filho da ****, dirão alguns. Não me admira nada, essa reação coletiva, não estivéssemos nós em Portugal.

        • Ana Moreno says:

          Ainda bem que entrou, Rui, opiniões isentas e sensatas sempre dão alento. Acho que tem toda a razão.
          É o próprio Rui Pinto que o diz: “Tenho quase a certeza que não vou ter um julgamento justo em Portugal”, disse Pinto em Fevereiro, numa entrevista com a ARD e Spiegel. “Claro que há procuradores e juízes que levam o seu trabalho a sério. Mas esta máfia do futebol está em todo o lado. Querem enviar a mensagem de que ninguém se deve meter com eles.”
          Entretanto, o Benfica já requereu ao Ministério Público (MP) informações adicionais sobre a prova produzida na investigação e vai processar Ana Gomes.
          Para esta mafia clubista, era melhor não se ter sabido de nada; e como se saberia se não fosse Rui Pinto e outros do Football-Leaks?
          Princípio: Que aconteçam as maiores trafulhices, tudo bem. Mas que sejam mantidas debaixo dos panos. É vergonhoso, mas é a realidade. Uma realidade que dá náuseas.

        • Nuno M. P. Abreu says:

          Saúda-se a honestidade ao confessar que somos todos tribais. Como Noah Harari, em “Sapiens”, afirma foi a tribalização que permitiu a civilização. Todavia aquilo que nos faz mais humanos é a tentativa de fugir a essa dependência. E o amigo não o fez. O que revela é tribalismo primário contra um clube. O processo de investigação data de há muito. Porque razão Rui Pinto fugiu para a Hungria? Há quanto tempo? Quais os crimes de que está indiciado?
          “Na base do mandado do alegado pirata informático Rui Pinto estão acessos aos sistemas informáticos do Sporting e do fundo de investimento Doyen Sports e posterior divulgação de documentos confidenciais, como contratos de futebolistas do clube lisboeta e do então treinador Jorge Jesus, além de outros contratos celebrados entre a Doyen e vários clubes de futebol”. Porque diabo se não procura a objectividade em vez de se propagar o ódio?

          • Ana Moreno says:

            Qual ódio, qual carapuça. O clube é igual ao litro. E as perguntas são simplesmente irrelevantes.

    • Paulo Marques says:

      Já se fosse para ler processos em segredo de justiça já o Barradas estava bem com isso, presumo.

  3. Nuno M. P. Abreu says:

    Continuo sem compreender como se pode justificar um crime, cometido com a intenção de com ele enriquece! Como pode ser descriminalizado um crime só porque através dele outros criminosos foram eventualmente descobertos? Se alguém faz um assalto e de entre as vitimas se encontram também criminosos, deixa de ser um assalto? Qual a formação ético-social de quem pensa assim, ao procurar satisfazer ódios pessoais em vez de cultivar princípios que constituem os pilares de uma civilzaçao.

    • Ana Moreno says:

      E as revelações de Edward Snowden, também são criminosas? É que o advogado de Rui Pires é o mesmo de Snowden e considera evidente que Rui Pires é um Whistleblower e que, por conseguinte, está sujeito a uma protecção especial.
      Estas reacções só mostram o ninho de vespas em que teve a coragem de meter a mão.

      • Nuno M. P. Abreu says:

        O pior cego é o que não per ver. Com diz António Damásio, em “O Erro de Descartes, é impossível fazer crer a alguém numa coisa que o seu cérebro devido a uma formatação prévia, liminarmente rejeita. É o que ele chama de marcadores somáticos. Temos uma Constituição. Temos um ordenamento jurídico em vigor. Rui Pinto alegadamente praticou actos que se podem subsumir na previsão de uma norma penal. Deve ser sujeito a um tribunal que decida se sim ou não isso aconteceu. O código de Hamurabi onde imperava lei de talião “olho por olho dente por dente” vigorou nos primórdios da civilização, há cerca de 4.000 mil anos. Hoje é crime matar mesmo que seja matar um criminoso. Qualquer branqueamento de atitudes desse tipo é fomentar o ódio por mais que a consciência que quem o faz diga o contrário.

      • Nuno M. P. Abreu says:

        “Para que não restem dúvidas. Rui Pinto quer ser visto pela sociedade como um informador do bem. Mas, independentemente do que está a denunciar e da importância da denúncia, é importante não perdermos o foco do que é certo e errado. Invadir a casa de alguém, roubar informações e lucrar financeiramente com essa ação, é errado. É o que todos (quase) ensinamos aos nossos filhos.A verdade é que no nosso país não faltam criminosos a viver em liberdade. Riem-se da nossa justiça e de todos nós: os parvos.”
        Manuel Molinos – Director adjunto do JN

        • Ana Moreno says:

          Também é muito errada e imensamente mais gigantesca toda a corrupção, fuga ao fisco e outras ilegalidades que Rui Pinto denunciou e ninguém está preocupado com elas. É a coisa mais desproporcionada que já se viu. Hipocrisia.

          • Nuno M. P. Abreu says:

            António Damásio tem razão. Os marcadores somáticos provocam curto-circuitos nos neurónios, impedindo conclusões que colidem com os nossos interesses mais profundos. Os Zé dos Telhados, por mais simpatia que possam provocar em gente pouca estruturada eticamente, foram e devem ser condenados sob pena de voltarmos às civilizações cavernículas!

    • Paulo Marques says:

      Pode ter sido a intenção, mas não foi o que aconteceu – a menos que se ache que os advogados têm por hábito mentir.
      Espero vê-lo tão insurgido quanto ao suborno de poderes do estado.

  4. Caco says:

    pois reparem, que diferença faz isto aqui:
    https://de.wikipedia.org/wiki/Steuers%C3%BCnder-CD
    Mas claro para os doentes do futebol o que é que interessa o tema corrupção.

  5. Ana Moreno says:

    A cegueira e ignorância perante a injustiça do sistema por um lado e a ânsia justiceira por outro. Ai a espécie humana.

  6. Nuno M. P. Abreu says:

    Richard Dawkins explica bem, em “O Gene Egoísta”, a espécie humana e ao ler o que leio em certos post´s que se limitam à redundância em volta do umbigo quero crer que lhe serviram de protótipos.
    Sou amigo do actual advogado de Rui Pinto. Ainda há meses me defendeu gratuitamente em tribunal. Pelo conhecimento da seriedade que tenho dele nem ele subscreveria alguns dos post`s aqui colocados.

    • Ana Moreno says:

      Pois sim! Gira história. O advogado de Rui Pinto considera-o um whistleblower e é só isso que está em causa.
      Já vi que possui um vasto conhecimento literário Nuno Abreu, só lhe faz bem. Mas para o caso, é irrelevante.

      • Nuno M. P. Abreu says:

        A função de um advogado é, obviamente, defender o seu cliente, E no desempenho da sua função não deve mentir, mas pode omitir. Naturalmente que Francisco Teixeira da Mota na defesa doe Rui Pinto, tenta juntar o máximo de elementos para que o tribunal lhe conceda o estatuto de denunciante. ( existe no vocabulário português uma palavra para whistleblower!)
        Mas isso prova alguma coisa? Vamos supor, e estou apenas no campo da discussão académica, que o Sporting, como muitos alegam, foi seriamente prejudicado pela divulgação que foi feita do contrato que outorgou com Jesus. Parece factual que dessa divulgação não surgiu qualquer prova sobre o cometimento de um ilícito por parte das partes. O acesso aos documentos foi feita de forma abusivamente ilegal. O que levou Rui Pinto a divulga-los? Como se pode pretender atribuir o estatuto de denunciante a quem praticou este acto ilícito? Que bem jurídico tentou proteger ao fazê-lo? E se do acto criminoso, como parece certo, resultaram graves prejuízos financeiros para o Sporting? Não terá Rui Pinto de ser responsabilizado?
        Um pouco de senso retórico eleva o nível intelectual do Aventar e torna-o bem mais produtivo. São os meus votos.

  7. Ana Moreno says:

    Nuno Abreu, aqui no Aventar, os autores escrevem com base em fontes credíveis e bem fundamentadas. O Spiegel, que conhecerá como revista prestigiada e de longa tradição, escreve sobre Rui Pinto: “Com base nos dados, foram publicados mais de 800 artigos com revelações em toda a Europa que conduziram a numerosos processos preliminares e veredictos criminais.” A França trabalha com Rui Pinto, “os investigadores franceses ofereceram-lhe um programa de protecção de testemunhas e quiseram utilizar os seus dados para iniciar novas acções penais nas áreas do branqueamento de capitais, evasão fiscal, corrupção e peculato.”http://www.spiegel.de/sport/fussball/football-leaks-whistleblower-rui-pinto-soll-nach-portugal-ausgeliefert-werden-a-1256382.html
    Portanto, interessa e MUITO o serviço público que Rui Pinto fez. Se o Nuno considera que não interessa desvendar essas milionárias ilegalidades, pois está no seu direito, escusamos de continuar a conversa. Eu não considero e preocupa-me bem mais que ninguém as descubra, se não for por estes meios.

  8. Nuno M. P. Abreu says:

    Sinceramente vou terminar este diálogo não porque o não considere produtivo e minimamnete cordial, mas apenas porque me parece terem sido esgotados os argumentos a arregimentar.
    Não ponho em causa as fontes sobre que assentam os artigos do Aventar. Entrei nele há pouco tempo .Li alguns textos e gostei da forma um pouco mais profunda que me pareceu encontrar em relação a outros espaços “online”.
    A revista alemã Der Spiegel, que conheço bem porque trabalhei mais de 20 anos numa empresa alemã, é, sem dúvida, uma publicação prestigiada. Mas isso não invalidade que eventualmente não concorde com opiniões emitidas pelos seus jornalistas. Ainda no final do ano, por exemplo, o Expresso noticiava que um jornalista daquela revista foi demitido porque falsificava artigos há vários anos.
    Mas nada disto tem interesse para o caso. A questão que está aqui em causa é apenas uma. Vivemos num estado de direito, regido por normas promulgadas por personalidades que o povo elegeu. A violação das normas penais acarreta uma consequente sanção. Existem normas que estabelecem direitos e deveres para os cidadãos. A própria policia esta sujeita a normas de procedimento. Ninguém pode ser objecto de escutas sem um mandato judicial. Ninguém pode ver a sua casa vasculhada, o seu computador analisado, sem um mandato judicial. Então, de repente, passa-se por cima de tudo e desculpabiliza-se alguém só porque ele arranjou indícios para punir de quem se não gosta? Haverá algum estado de direito que resista a isso? Existe em vários países a delação premiada e consequentemente o criminoso que delata pode ver-lhe reduzida a sua pena. Mas é sempre condenado.De modo algum, numa civilização ocidental, em pleno século vinte, pode alguém aceitar que um criminoso que penalizou por ganância inocentes e em simultâneo culpados, possa ser transformado em herói.
    Ou a Ana é da opinião que uma norma deve deixar de ser aplicada, apesar de se terem verificado os pressupostos nela previstos , só porque um cidadão, mil ou um milhão pensa que sim? Será que se devem transformar as decisões judiciais em referendos?
    Acreditando em Damásio não acredito que a convenci. De qualquer forma, na minha idade, a única coisa que rentabiliza o meu viver é dar conta do que a vida me ensinou.
    A quem aproveitar, aproveitou. A mim deu-me sempre proveito. Durmo bem com a minha consciência.
    Bom trabalho!

    • Ana Moreno says:

      Tem razão, os argumentos estão na mesa, as convicções de cada lado não se alteraram. Como já respondi noutro post, Luxleaks, Panama Papers, Paradise Papers, FootballLeaks, tudo veio a público através de wistleblowers. Negócios tributários sórdidos de grandes corporações, empresas de caixas de correio ilegais e evasão fiscal em larga escala; de nada se saberia se não fossem eles, com prejuízos milionários para todos nós. Exactamente por reconhecer o seu papel fundamental, a UE acabou de aprovar legislação que protege os Whistleblowers. Acha preferível nada disso vir a público? Eu convictamente não e estou bem acompanhada nesta convicção.
      Até à proxima!


  9. Apesar de esta não ser ” a minha praia” de interesses mas somente por questão de princípios, concordo plenamente com Nuno M. P. Abreu .
    Bem hajam no entanto todos os que aqui estão discutindo esta questão democraticamente na base da boa fé, é salutar desde que não entre a futeboliquice acrescida .

    • Ana Moreno says:

      🙂 Viva os whistleblowers, que põem a nu a podridão deste sistema injusto em que vivemos; são gente de coragem e sacrificam uma vida normal em favor da denúcia de gigantescas ilegalidades; Sem Assange, Manning, Snowden, Rui Pires e os outros, dos quais só conhecemos os pseudóminos mas que revelaram algumas das maiores trafulhices dos vampiros que sobrevoam esta aparente realidade, andaríamos todos ainda mais cegos do que andamos.

      • Nuno M. P. Abreu says:

        Só três perguntas, sem argumentos, que prometi não elencar.
        1. “vampiros que sobrevoam esta aparente realidade” quer dizer o quê?
        2. Vampiros que sobrevoam uma realidade APARENTE são perigosos?
        3 Ou a falácia é a arma dos tolos sem argumentos?

        • Ana Moreno says:

          Como trabalhou longo tempo numa empresa alemã, Nuno, deixo-lhe aqui um vídeo que mostra alguns ataques de vampiros nesta área do futebol: https://recherche.sportschau.de/footballleaks/videos_audios/Football-Leaks-Von-Gier-Luegen-und-geheimen-Deals,footballleaks180.html

          Depois, terá ouvido falar dos Panama Papers, Paradise Papers, negócios Cum-Cum, certo? Refere-se tudo a vampiros. E esta realidade é aparente porque nos fazem crer que os políticos têm na mão o poder para servirem os cidadãos; e também que os maus são castigados.
          Era bom, era. Boa noite.

          • Nuno M. P. Abreu says:

            Detesto assumir o papel paternalista. Mas, por vezes, quando um diálogo resvala para a incoerência e um fala em alhos e outro responde em bugalhos, parece não surgir outro caminho.
            Acaso eu desconheço que na sociedade em que vivemos existe, corrupção nepotismo e desprezo pelas mulheres e pelos mais pobres?
            Mas que tem isso a ver com o incumprimento da lei?
            Há dias, o meu neto pediu-me para lhe aconselhar um livro sobre o qual teria de fazer um trabalho. Felizmente o único património verdadeiramente valioso que possuo é um acervo considerável de livros que coleccionodesde os 15 anos quando me ofereceram os Irmãos Karamazov. Pensei um pouco e como coincidiu com o dia da mulher indiquei-lhe o Bel Ami, de Guy de Maupassant.
            Pedi-lhe para atentar em três aspectos: o que pensa o autor dos decisores políticos; o que pensa sobre a corrupção mediada por aqueles: o que que pensa dos direitos das mulheres.
            Depois de ler o livro anotou:
            – O autor diz que os políticos são medíocres,que têm o espírito entre dois entrolhos, o dinheiro e o poder
            – Que a comunicação social é corrupta porque o director de um jornal através da propaganda que faz de membros do governo recebe informação privilegiada com que faz negócios muito vantajosos. Compra um palácio e obras de arte.
            – E que as mulher devem ser totalmente livres para praticar os seus actos, para dar os seus passos, para decidir das suas saídas. Devem exigir que o homem veja nelas uma igual e não uma inferior, uma esposa obediente e submissa.
            Exactamente . fCorrecta a tua síntese. Mas agora, repara. Isso foi escrito há cento e trinta e cinco anos. Não achas que esses são os mesmos problemas existentes na sociedade de hoje? Não achas que o homo sapiens sapiens que nos orgulhamos de ser não passa afinal de um homo stultus?
            – O que quer dizer stultus, avô?
            Exactamente isso : estulto, estúpido, idiota,ignorante.
            Boa avô Vai ser o titulo do meu trabalho.
            PS. Mas que quem infringe a lei para evitarmos a estultícia tem de ser punido”

  10. Caco says:

    Tenho cá uma impressão de que o criminoso passa a ser o que descobre crime! Quem foi que disse que o crime não compensa?

  11. Ana Moreno says:

    Olá Nuno, o seu neto tem sorte em ter um avô que o acompanha e faz pensar com profundidade.
    Quanto ao assunto em causa, é escusado; como diria uma amiga, discrepamos.
    Whistlebowers fazem serviço público e merecem que isso seja tomado em consideração no julgamento dos seus actos. A partir do momento em que são conhecidos, a sua vida inteira já deixa de ser livre. Esperemos que não aconteça nada ao Rui Pinto.
    E deixemos o assunto por aqui; cada cabeça sua sentença.

  12. Nuno M. P. Abreu says:

    Muito obrigado, mas a sorte é minha.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.