Porrada

Foi o que levou o deputado Silva, Porfírio de sua graça, em duplicado. Mas esta é ineficaz perante uma gelatinosa espinal medula política.

Todos os dias

Neste dia internacional da mulher (e sempre!), uma saudação solidária a todas as mulheres e homens conscientes de que só juntos em igualdade de oportunidades e direitos a plenitude é possível. Bem hajam todos os que, nessa consciência, ainda que nunca tenham sentido na pele a discriminação, actuam no dia-a-dia sabendo que ela é um facto sociológico real.

Da desigualdade, há manifestações óbvias e brutais (como a violência doméstica), outras frias e objectivas (como as diferenças salariais ou as percentagens em posições de poder), e muitas outras subtis e costumeiras (como a carga dos trabalhos domésticos). Outras ainda são imperceptíveis, como o “recato” e “encanto” que se espera de uma mulher, preconceitos enraizados que não são questionados e que são constantemente alimentados em publicidades e filmes. Os mesmos que, do outro lado da medalha, impõem aos homens estereótipos absurdos, como “um homem não chora”.

E sabendo que o caminho é longo, avancemos alegremente de mãos dadas e alerta.

(quem não goste do chavão, faça a sua sugestão :-))

O interesse público primeiro

Uma boa notícia vinda do Tribunal da União Europeia: A Agência de Segurança Alimentar é obrigada a dar acesso a estudos sobre a toxicidade do glifosato.

Arrogantemente, a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) tinha recusado o acesso a estudos científicos sobre a toxicidade do glifosato – argumentando que a sua disponibilização poderia prejudicar os interesses comerciais e financeiros das empresas Monsanto (entretanto Bayer) e Cheminova, elas próprias autoras dos estudos.

Foi com base nesses estudos e contra a opinião do Centro Internacional para a Investigação do Cancro (IARC, na sigla em inglês) da Organização Mundial da Saúde – o qual, em 2015, tinha classificado o glifosato como “provavelmente cancerígeno” – que a EFSA concluiu que o glifosato não apresentava riscos cancerígenos, o que por sua vez levou, em Novembro de 2017, à aprovação pela UE do contestado herbicida até 2022.

Quatro eurodeputados dos Verdes decidiram recorrer ao Tribunal Europeu para exigir o acesso aos estudos, nomeadamente aos capítulos sobre “Materiais, condições e métodos experimentais” e “Resultados e análise”.

Na sentença agora emitida (sujeita a recurso no prazo de dois meses), o Tribunal deu razão aos eurodeputados, considerando que o público tem direito a conhecer os detalhes da pesquisa e que o interesse público está acima do interesse empresarial.

Seria preciso explicar isto a muita gente.

Agora repitam todos comigo: toda a imprensa é controlada pela esquerda

Como já aqui tive oportunidade de denunciar, a imprensa portuguesa não passa de uma cambada de comunistas. E, se dúvidas restassem, aqui fica a prova irrefutável do domínio absoluto da esquerda no comentário político nacional. É o marxismo cultural, estúpidos!

Dia Internacional da Mulher (das que vão sobrevivendo, vá lá)

VD

Cartoon via TVI24

Há dois dias, em Vieira do Minho, mais uma mulher foi assassinada pelo marido, elevando para 12 o número de vítimas mortais relacionadas com casos de violência doméstica em 2019.

No mesmo dia, uma mulher de 47 foi encontrada morta, no Seixal, e a cabeça de uma outra encontrada no interior de um contentor do lixo, em Leça da Palmeira.

Ainda bem que temos o juiz Neto de Moura, e todos os outros Netos de Moura que assinam e redigem acórdãos com o juiz Neto de Moura (alguns deles mulheres), para zelar por todos nós e por uma sociedade onde cada um sabe qual é o seu lugar. Estivesse a mulher no seu, a cozinha, e estaria tudo na paz do Senhor. Mas elas querem direitos, igualdade salarial e de oportunidades, entre outras coisas, tipo respeito, e depois dá nisto. Deus tenha compaixão delas, que muito provavelmente eram todas umas grandessíssimas adúlteras.