The Ana Rita Cavaco meltdown show


Ana Rita Cavaco não é uma ilustre desconhecida, muito menos uma bastonária imparcial ou com um percurso à prova de bala. Aliás, para quem fala “do alto da burra” contra quem passa à frente da fila das vacinas, seria interessante perceber se o ajuste directo de 72 mil euros, celebrado em Março de 2020 com o seu amigo pessoal Tiago Sousa Dias, para mais uma assessoria jurídica à Ordem dos Enfermeiros – que são inúmeras, quase todas com os grandes escritórios deste país, como o do seu companheiro de partido e dos bons velhos tempos do passismo, José Pedro Aguiar Branco – teve fila de concorrentes ou se pautou pelo habitual critério que assiste aos ajustes directos à moda do bloco central, algures entre a amizade pessoal e a camaradagem partidária.

Em bom rigor, importa sublinhar que Tiago Sousa Dias milita hoje no Chega, em cuja convenção, marcada pelo total desrespeito pelas mais elementares regras e restrições de combate à pandemia (o que não admira, considerando a concentração de negacionistas por metro quadrado), Ana Rita Cavaco deu o ar da sua graça, para “dar um beijo de amiga” a André Ventura. Sobre esse atentado contra a saúde pública, que levou mesmo à intervenção da GNR na reunião magna da extrema-direita portuguesa, é que não se ouviu uma palavra de indignação da bastonária. Nem um pio contra aquele festim de desrespeito pelo esforço dos profissionais de saúde que representa. Amigos, amigos, comportamento negligente que coloca a saúde pública em risco à parte.

 


É, portanto, esta a senhora que agora anda a explodir em ódio pelas redes sociais, como se ainda estivesse na JSD a abanar bandeiras para as eleições autárquicas de Almada. A presidente da câmara de Portimão é a “gorda fura filas”, Daniel Oliveira, e “outros como ele”, é “esterco” e, no caso do jornalista, ainda houve espaço para uma menção absolutamente repugnante e digna do pior dos estercos, visando o seu pai, já falecido. Custa-me a perceber como é que alguém capaz desta postura tão rude, tão grosseira, tão sem educação, exerce funções de bastonária da Ordem dos Enfermeiros, representando milhares de profissionais decentes. Mas depois cai-me a ficha, e recordo-me que estamos em Portugal, onde, em princípio, vale tudo. Via-a mais rápido como bastonária dos concorrentes do Big Brother, ou dos tasqueiros que batem na mulher quando o seu clube perde, mas os enfermeiros inscritos na Ordem lá saberão quem melhor os serve. Uma coisa é certa: o PSD que se cuide que poderá perder mais um activo para o CH. A postura populista e o nível de grunhice a que assistimos nos últimos dias assentará lá que nem uma luva.

Comments

  1. Albano de Campos says:

    Caro João Mendes, obviamente subscrevo na íntegra as suas palavras.
    Como é possível manter-se num cargo destes uma carroceira/arruaceira , fabricante de fake news, proto-fascista, vendida e aldrabona ?
    Os enfermeiros têm k se unir o quanto antes pa expulsar esta pilha-galinhas e acabar c/ este “Cavaco Horror Show” !
    Estão à espera do quê para lhe acabar c/ a mama e o show-off desta desclassificada ??
    Esta pindérica/boca-de-incêndio, não serve nem a Ordem, nem os enfermeiros, serve-se deles em proveito próprio, usando o lugar como catapulta pra futuros projectos políticos !!
    Caso não o façam já, assistiremos a 1″speed-meltdown” da Ordem , como o João referiu.
    Cumprimentos

    • JgMenos says:

      Ai que indignado!!!

      E tem uma opinião muito assertiva, seguramente fundamentada e naturalmente livremente expressa.
      «carroceira/arruaceira , fabricante de fake news, proto-fascista, vendida e aldrabona».

      Trata-se seguramente de um grunho de esquerda e, consequentemente, as suas grunhices têm o estatuto de opinião, os seus vómitos são controlo democrático, e a sua desonestidade será seguramente acção revolucionária popular.

      • POIS! says:

        Pois, palavras para quê? Pelo Menos, o autor de tão subtil e elegante comentário:

        Trata-se seguramente de um grunho da direita salazaresca e venturosa, consequentemente, as suas grunhices têm o estatuto de opinião, os seus vómitos são os valores da Nação, e a sua desonestidade será seguramente a soberana vontade dos portugueses de bem.

      • RUI SANTOS says:

        Perfeito exemplo do reflexo condicionado de Pavlov; não precisa mais doque ler “proto-fascista” para começar a salivar e abanar o rabo.

        • JgMenos says:

          …e o bracinho, esqueces-te do bracinho no ar e da mão aberta?
          Estás a fraquejar.

          • POIS! says:

            Pois é!

            Mas guarde o bracinho levantado para o próximo jantar da Venturosa Legião. Quando a malta do boxe acabar de dar cabo dos jornalistas já pode estar á vontade.

            Se por acaso tiver ainda lá no armário a farda da Mocidade e a boina das Milícias, bem como a espingarda de pau, também pode levar. A venturosa malta fica sempre tão comovida…

      • José Peralta says:

        Ó “menos”

        Sobre a “cavaca”, tudo o que tu digas, é em pura m…perda !

        ” A antiga bastonária da Ordem dos Enfermeiros Maria Augusta Sousa afirma ter vergonha das posições assumidas publicamente pela atual bastonária, Ana Rita Cavaco, que tem dirigido ofensas a várias personalidades.

        Em declarações à TSF, Maria Augusta Sousa pede a intervenção do conselho jurisdicional da Ordem dos Enfermeiros, perante as posições públicas da atual bastonária, que considera lesivas da própria Ordem e de todos os enfermeiros portugueses.

      • Albano de Campos says:

        Grunho de esquerda ??
        Sr. JgMenos, eu não frequentei ,nem a mesma pocilga escolar k vc, nem fui seu vizinho no bairro de barracas,por isso,menos, mto menos !
        A única coisa q sou, é democrata, é esse o meu estatuto.
        Pelo q li ,da palha do seu discurso asinino, sobre a minha opinião e a minha pessoa, percebi q vc não é democrata, não tem capacidade, não tem categoria, não tem rigor nem elevação pa discutir política. Como estatuto seu…
        Em democracia, tds temos (de vez em quando) o direito a ser estúpidos. Acontece q vc usa, abusa, alarve e constantemente dessa prerrogativa.
        Portanto, foi a 1a e última vez q lhe respondi, dada a sua incapacidade pa debater, sem ser recorrendo ao insulto rasca e gratuito.
        Não gostou,coma só as batatas !!

      • abaixoapadralhada says:

        Repugnante Sa Lazarento Menor

        Mesmo que a tal Cavaca, ainda não tivesse dito e feito o que disse e fez, bastaria a tua defesa de dama, para que nós levantássemos a bandeira de alerta para tal personagem.

        Muito obrigado pela confirmação

  2. Filipe Bastos says:

    Eis um caso clássico de ‘nenhum dos lados presta’, não será?

    O tom de Ana Rita Cavaco a gabar-se do canudo e do penacho é realmente ordinário, e parece digno de alguém que já andou em tachos e trafulhices pulhíticas. Um escarro.

    Por outro lado, a autarca de Portimão agiu realmente como uma gorda fura-filas, e o Daniel Oliveira é realmente – e tenha ou não canudo – um chuleco bitaiteiro que, a não ser esterco, também não cheira a rosas. Logo, nenhuma grande mentira.

    Tenho a leve impressão, aliás, que se a postura ‘populista e grunha’ da Cavaco se destinasse ao Ventura e não a uma autarca xuxa e ao berloquista Oliveira, a opinião do João Mendes seria outra.

    Talvez aí a postura da Cavaco já fosse ‘assertiva’, de mulher como deve ser, sem papas na língua. Vai uma aposta?

    • Paulo Marques says:

      Não, não era, porque ela é uma pessoa com cargo monopolista garantido pelo estado, e, portanto, representante deste. E não o faz por acaso, como também por acaso não recebeu fundos sabe-se lá de onde pela porta do cavalo para uma greve, que, de resto, seria perfeitamente justa, as tardia, e que não devia ser uma classe profissional de cada vez.
      Continue a aceitar a lama que cada vez come mais. Não cala, porque já não faz diferença sem espectro comunista, mas come-a na mesma. E, no fundo, até gosta.

    • Filipe Bastos says:

      Está confuso, Paulo: se aqui alguém come lama, não serei eu. Quem branqueia, activamente ou por omissão, máfias políticas e futeboleiras? Quem defende o Partido Sucateiro? Quem louva chulos e chulecos só por serem da sua cor ou simpatia?

      Se tem um espelho sabe a resposta. E não está só, muitos aqui o fazem. Como o seu compincha POIS, que vem com lérias de presunção de inocência e ‘Estado de Direito’ – sobre pulhíticos – numa choldra destas. E os outros é que comem lama?

      Note que não defendo a Cavaco; mas também não tenho palas. E repito: se ela tivesse dito isto sobre o Ventura, ninguém aqui a criticava. Até lhe batiam palmas.

      • POIS! says:

        Pois é!

        Cá o “compincha” está ansiosamente á espera que V. Exa. seja duplamente coerente: que apresente a queixa do crime de que acusou o Dr. Costa e que funde, finalmente, as FP27 Ponto Qualquercoisa que irão salvar este país metendo medo aos “pulhíticos”. Fazendo assim jus ao estatuto de terroristazinho portátil que já todos lhe reconhecem.

        E não se desculpe com a lentidão e inação da justiça. Até porque V. Exa. dela beneficia amplamente. Pode ter a certeza que, se a justiça funcionasse como V. Exa. diz querer, já teria certamente engolido algumas das afirmações que por aí foi fazendo e por alguns dos epítetos com que disfarça a falta de conteúdo do que escreve e da fraude intelectual disfarçada que é a bastocracia semirepresentativa semidireta que num di de amanhãs a cantar há-de chegar, sem outra ação de V. Exa. que seja apontar os “chulecos” a abater (para aí três quartos da população).

        V. Exa. queixa-se mas tem muita sorte. Não vamos mais longe: existisse aqui uma “ditadura light”, como classificou a de Salazar, e não tivesse acontecido aquilo que nada mudou, o tal 25/4 como gosta de classificar, e V. Exa. não escreveria muito mais de metade do que escreve. Tem sorte.

        Sim, porque eu já lhe perguntei por que razão apelou de “Paulo Peidoso” um sujeito que já se defendeu nos tribunais e foi ilibado, bem como da mistura no mesmo saco de Ferro Rodrigues, que nunca sequer foi acusado. Tem mais provas que o comum dos mortais? Participou V. Exa. nalguma orgia e eles estavam lá? Tem fotos, cartas com propostas explícitas de tais pessoas? Então divulgue que a gente dá-lhe os parabéns e até lhe paga um copo.

        E sim, defendo o Estado de Direito e a presunção de inocência PARA TODOS. V. Exa. incluído. Porquê? V. Exa. não defende? Como iria ser a “justiça” lá na Bastocracia semirepresentativa semidireta? Seria administrada por um Bastribunal que faria leis á medida dos “chulecos” a condenar?

        Eu não digo que entre V. Exa. e o compadre Adolfo & Amigalhaços existem surpreendentes semelhanças?

        • POIS! says:

          Pois, e já agora…

          É só o que a escreve sobre os “canudos” que é “ordinário” e o horroriza?

          Sr. Bastos V exa. já está completamente apanhado pela energumenice das redes.

          Faço-lhe notar apenas uma simples frase: “cumprimentos ao teu Pai”. V. Exa. gostaria de receber tal cumprimento se o seu paizinho estivesse defunto? Lamernto, mas, neste caso, tenho mesmo de apelar a que se ponha no lugar do “chuleco”.

          Sim, o pai de Daniel Oliveira, uma dos maiores poetas dos séculos XX-XXI (para V. Exa. um dos mais retintos chulecos vendedores de papel com letras dos séculos XX-XXI) faleceu em 2013.

          • POIS! says:

            Obviamente refiro-me ao que a Bastoqualqercoisa dos enfermeiros escreveu.

      • Filipe Bastos says:

        Pois informo-o, POIS, que não frequento redes sociais. Não tenho, jamais tive conta Facebook, Twitter ou outra.

        De vez em quando leio lá alguma coisa, mas entro e saio como quem vai à casa-de-banho duma bomba de gasolina particularmente suja e mal frequentada.

        Não, POIS, esta ‘energumenice’ é toda minha. Adquiri-a em algumas décadas desta choldra chula e corrupta a que uns brincalhões chamam democracia e Estado de Direito.

        Sei, asseguro-lhe, que não consigo acordar carneiros que não querem ser acordados; sobretudo os mais velhos que dormem agarrados à almofada do sacrossanto 25/4, e que desenterram a múmia do Salazar a cada crítica ou constatação da bandalheira xuxo-abrileira.

        Sei também que entre os que defendem o ‘bom nome’ da escumalha pulhítica, incluindo os repugnantes Peidosos e Farfalhas, há carneiros e há otários: os otários até podem ser bem intencionados. Espero que seja o seu caso.

        Seja como for, já lhe expliquei que defendo uma democracia mais directa por ser mais justa, mas também por exclusão de partes: se não for isso, o quê? Como meter na ordem esta canalha? Como controlá-la? Certamente não com carneiros abrileiros e otários politicamente correctos.

        • RUI SANTOS says:

          Mais um comentário tipo caudilho ToysRUs.

        • POIS! says:

          Pois tá bem!

          Mais uma vez a desviar a conversa, mas a coisa, deste lado, não pega!

          Não seja desonesto Sr. Bastos!

          “Peidosos” e “Farfalhas”? Está a ver como V. Exa é, Sr. Bastos? O que é que estes dois indivíduos têm em comum? Um era um tipo ligado à marginalidade que acabou condenado, por várias vezes, em vários tribunais . Com o outro, se é quem eu penso, não se passou o mesmo.

          Eu não defendi o “bom nome” de ninguém. Defendi sim que, para mim é repugnante, repito REPUGNANTE, que alguém possa estar inocente e tenha de continuar a ser vítima de “self-made energúmenos” que repetem acusações sem provas.

          Porque se as tem, apresente-as! Diga lá em que se baseia para acusar as referidas pessoas. E de que é que as acusa. Um tipo que apela a que se “meta medo” aos “pulhíticos”, fazendo jus ao seu estatuto de terroristazinho portátil, não se pode ficar assim pelas meias-palavras.

          E esses epítetos que V. Exa. reproduz e repete como uma espécie de desarranjo permanente também não ajudam. Lembre-se que o apelido de V. Exa, que deve ter herdado dos seus progenitores, dá para inúmeros trocadilhos. Alguns de gosto bem duvidoso.

          O senhor não conhece ninguém que tenha sido acusado sem provas? E que os boatos acusatórios persistam por anos e anos a fio? Ou que foi vítima de imputações completamente inventadas? Eu conheci e conheço. E não, não é ninguém famoso. Fosse eu vítima de acusações desse tipo e não descansaria enquanto não confrontasse o “self-made energúmeno” que as produziu ou repetiu.

          Depreendo também que V. Exa. é a favor de medidas penais perpétuas. Um tipo pode ter errado uma vez, ter-se arrependido ou mudado de vida, mas continuará condenado por uma basta horda de jusbasticeiros para toda a vida.

        • POIS! says:

          Eu respondi a este comentário mas, não sei porquê, a resposta não saiu. Se depois saírem dois a culpa não é minha.

          Começava mais ou menos assim:

          Pois sim, Sr. Bastos.

          Outra vez a desviar a conversa?

          Não seja desonesto! ( e guarde essa do “otário” para si, que eu não sou seu filho).

          “Peidoso” e “Farfalha”? O que é que um tem a ver com o outro? Que eu saiba, o segundo, um tipo dos meios “marginais” açorianos foi condenado várias vezes, por vários tribunais. O outro, se é quem eu penso, acho que não. E não consta que se conhecessem.

          Eu não defendi aqui o “bom nome” de ninguém. Acho é repugnante, repito REPUGNANTE, que alguém que possa estar inocente tenha de gramar com, e de se defender de, repetidas e bastas acusações, sem provas, provindas de e repetidas por “self-made energúmenos”.

          Se V. Exa. tem provas, apresente-as. Tão simples como isso. Esteve V. Exa. em alguma orgia? E estava lá algum dos que acusa? Estavam lá menores? Tem fotos ou outras provas? Então apresente-as!

          Sim, porque um tipo que apela ppblicamente a que se “meta medo” aos “pulhíticos”, fazendo jus ao seu assumido estatuto de terroristazinho portátil, tem de ser um pouco mais coerentezito.

          Quanto aos epítetos e “trocadilhos” que usa com os nomes e que, qual soltura permanente, enfeitam os seus comentários, só lhe digo que o seu, se é verdadeiro, e que deve ser herança dos seus progenitores, também se presta a bastas piadolas. Algumas de mau gosto.

          V. Exa. nunca conheceu ninguém que tivesse sido acusado, e mesmo condenado, injustamente? E que não consegue limpar o seu nome porque continua a ser vítima de imputações repetidas, e muitas vezes inventadas, por “self-made energúmenos”? E que tem família e amigos que acabam por ser vítimas colaterais?

          Pois eu conheço, Sr. Bastos. Não, não é ninguém famoso. O que eu lhe digo é que, se tal acontecesse comigo, não descansaria enquanto não confrontasse o “self-made energúmeno” responsável por isso e todos os que o repetissem.

          E, finalmente, sou obrigado a depreender que V. Exa. defende medias penais da carater perpétuo. Quem prevaricou, está ostracizado para todo o sempre, independentemente da gravidade do que fez e de ter mudado de vida. Aliás, não vale a pena mesmo mudar de vida. Será bastamente perseguido por toda a Eternidade pelos jusbasticeiros de serviço.

        • Filipe Bastos says:

          Pois isso é o Akismet, o filtro de spam favorito dos blogs em WordPress, um sistema que já foi aceitável mas está cada vez mais complicado, intrincado e tramposo.

          Há com certeza acusações injustas (um bom filme de 2012: The Hunt), outras justas, outras que nunca se saberá ao certo. E há as que nem existem, mas deviam existir. Certo é que num país corrupto com estas leis, os tribunais pouco provam; em pulhíticos menos ainda.

          Como o sistema está inclinado para eles, quando um é condenado – aleluia! – é 99.9% certo que é culpado; mas o normal é acabar ilibado ou arquivado. E isso prova zero. O Peidoso, por exemplo, nem chegou a julgamento. Dizia Catalina Pestana: “estou rigorosamente convicta que não é inocente”. Mas isso nem importa agora.

          Implicou com o Peidoso e o Farfalha; já reparou que digo Bosta, Chulares, Múmia Cavaca, etc. Há uma razão para isso. Um dia destes conto-lhe.

          P.S. Na resposta anterior enganei-me: disse “entre os que defendem o ‘bom nome’ da escumalha pulhítica, há carneiros e há otários”. Queria dizer piaçabas e otários. Mantenho a esperança que o POIS seja otário.

          • POIS! says:

            Pois então fique V. Exa. com o piaçaba!

            Já que tanto insiste!

          • POIS! says:

            Pois tá bem!

            Faço notar, antes do mais, que o tal “Farfalha” V. Exa. trata pelo nome por que era conhecido, uma alcunha insignificante. O outro já não. Também desapareceu misteriosamente a sua insinuação sobre o Ferro Rodrigues.

            Andou por aqui um tal Pedro Vaz, que entretanto deve ter sido internado, que alargava bastante a lista. Praticamente tudo o que era político que não lhe agradava lá estava, assim estilo QAnon. Tudo se resumia a “pedófilos chantageados pelo SIS”.

            Sim, para V. Exa., há inocentes, injustamente acusados por energúmenos, mas só nos filmes. Se o seus conhecimentos sobre leis, economia ou sexo se resumirem às mesmas fontes estamos conversados.

            Então V. Exa. lá na futura Bastocracia Semirepresentativa Semidireta e Tal acabava com a presunção de inocência?

            E bastava alguém dizer que “está convicta/o que o Sr. Qualquercoisa é culpado” para ser bastamente condenado?

            Quem julgaria? Haveria tribunais ou era na praça pública, assim ao estilo grego no tempo de Sócrates?

            O acusado podia defender-se ou só confessar, nem que fosse depois de “esticado”, estilo Santa Inquisição?

            Qual o regime de execução? Fogueira? Forca? Guilhotina?

      • Paulo Marques says:

        Eu disse lama, não disse merda. E explico, porque é natural que só eu perceba as minhas próprias referências e metáforas.
        Lama é o que temos quanto temos cada um com a sua verdade a chamar nomes e a aldrabar por cada votinho, e quanto mais os eleitos se debatem desta maneira, mais os cidadãos se fincam no seu grupo de verdade e a sociedade deixa de o ser. O Filipe gosta, porque sonha que no fim surge um salvador, ou um grupo de, limpinhos como a água, mas a história conta que é ao contrário; não sei ninguém limpo, e quem ganha é quem absorve a lama como força.
        Se defendo o PS é porque muitas acusações são injustas, hipócritas ou nem sequer batem certo com os ideais do autor das mesmas, e são fait divers de como deve ser gerido o país e a sociedade. Quantas vezes falou o Filipe na falta de meios de investigação e quantas defendeu o uso indiscriminado da força física em quem não gosta (e se faz bem ou mal em não gostar não interessa)? Agilização de processos e investigações vezes considerar toda a gente culpada?
        Sobra alguém, incluindo o Filipe, quando se começar a cortar cabeças por impuridades e colaboracionismo-light, ou, no fim, aceitamos todos um gajo que fale bem e ponha ordem nisto (para voltar ao mesmo)?
        Sim, é mau que se saiba de tantos casos de meter ao bolso, mas pior era não saber e achar que estava tudo bem, e, regra geral, não são grandes perdas face à alternativa. E muitas vezes o mais relevante era discutir porque é que são essas as alternativas, e não fazer de conta que “só em Portugal”, “só o PS”, “quero ser pobrezinho, mas (fazer de conta que sou) honrado”.

    • abaixoapadralhada says:

      Bastos

      Tu não tens culpa

      Continuam a debater contigo, como se tu não fosses um facho reles e provocador,

      Mas de vez em quando descuidas-te e sais da tábuas, como nesta a seguir

      “Tenho a leve impressão, aliás, que se a postura ‘populista e grunha’ da Cavaco se destinasse ao Ventura e não a uma autarca xuxa e ao berloquista Oliveira, a opinião do João Mendes seria outra.”

      O que é preciso, é que te piquem

      • Filipe Bastos says:

        Obrigado, porbaixodapadralhada.

        Mas explique-me isto: se sou facho, porque chamo chuleco ao Ventura, chulão a Mussolini e ditador saloio a Salazar?

        Talvez eu seja nazi: Hitler, um pintor frustrado e neurótico armado em Fuhrer. Não, parece que não.

        Comuna? Cem anos de ditadores e carneiros a arruinar um ideal. Parece que também não. Socialista? Mais perto, mas com reservas. Libertário? Idem.

        Então e se… espere lá… eu não for porra nenhuma? E se, em vez de ser carneiro, tão-só pense pela minha cabeça?

        Alguma vez experimentou, porbaixodapadralhada?

        • abaixoapadralhada says:

          A mim não me enganas.
          Tens muita leria mas não passas disso.
          E havemos de chegar a essa conclusão.

  3. joão lopes says:

    Acontece,que no máximo,apenas 10% dos enfermeiros votam para a Ordem.A maioria não quer saber,vai para a piscina(por isso tem 2 e 3 trabalhos ao mesmo tempo),armam-se em Doutores,são arrogantes com utentes,e não tem pejo em fazer greves cirúrgicas,estimuladas pela Cavaca.Os enfermeiros são os principais responsáveis(até por não votarem),pela vergonha que estão a passar.

  4. Rui Naldinho says:

    Fosse Ana Rita Cavaco uma personalidade vinda da esquerda, e já todos os “comentadeiros nacionais” tinham escrito qualquer coisa sobre o assunto. Até os presidentes das outras Ordens profissionais ligados à saúde diriam alguma coisa sobre a forma descabida como esta personalidade se manifesta.
    No meio disto tudo, quem fica mal visto são os enfermeiros. Imagino o riso trocista dos representantes dos médicos e farmacêuticos, sobre a representante da classe dos enfermeiros. No mínimo:
    – Peixeira!
    É neste contexto que se percebe a “olho nu”, como a nossa Comunicação Social e os seus escribas são na sua maioria de direita. Um mutismo ensurdecedor.
    Já aqui escrevi e repito. Com o passar dos anos, percepcionando um longo jejum de Poder, a direita vai paulatinamente aumentando a sua agressividade, o insulto gratuito, tentando a todo o custo arredar do poder quem lá está legitimamente pelo voto popular. Agora querem um governo de salvação nacional. Uma espécie de golpe de estado palaciano, provocado por Marcelo.
    Durante a primeira fase da pandemia, as coisas apesar de tudo correram bem ao governo. Isto apesar da direita ter sempre memorizado esse desiderato. Aliás, nessa altura até queriam mais economia, por acharem que não podíamos fechar tudo.
    Agora rasgam as vestes, e grunhem o contrário.
    Já aqui escrevi, já lá vão muitos meses, essa mesma direita desejava fervorosamente uma catástrofe com muitos mortos.
    Olhando agora para o seu discurso, se alguém tinha dúvidas, que se desengane.
    Pode ser que a coisa, tarde e a más horas, se emende. Também pode ser que apesar da enorme crise, o país saia disto melhor do que se augura.
    Se assim for, desejo-o, pode ser que se fod**!

    • joão lopes says:

      Daí,o truque “marxismo cultural”,para impedir,seja quem for,incluindo alguns do PSD,CDS,de abrirem o bico,sem serem logo ofendidos.De qualquer forma,estas tropas digitais e comentadeiras,estão ligadas directamente a Passos Coelho,o que pode ser péssimo,num futuro próximo,para o próprio,porque será sempre ele,e não os anónimos,que dará a cara,no caso de candidatura ao PSD,e nessa altura vai receber,talvez injustamente,uma enorme carrada de ÓDIO.

  5. JgMenos says:

    ‘Da oportunidade da grunhice’

    Esta é uma questão de grande actualidade e deve ser ponderada com toda a racionalidade.
    Desalojar os grunhos esquerdalhos da sua zona de conforto onde insultam toda a gente sem cuidar de fundamento, mas porque sim, é opinião e deve ser livre.

    Pois bem é opinião de que o DO é um esterco e é livremente expressa.

    • POIS! says:

      Pois pondere! Racionalmente é que, para V. Exa., pode ser complicado.

      Depois de ter arrojadamente saído do armário, pode ser finalmente a a sua oportunidade!

      Mas só uma dúvida: qual era o papel daqueles dois marinheiros espadaúdos que o acompanhavam?

    • RUI SANTOS says:

      O grunho direitista a cuspir contra o vento

    • Paulo Marques says:

      Compra um espelho, hipócrita. Quem insulta toda a gente são as pessoas de bem.

  6. Abstencionista says:

    Desde que o Publico e a RTP, entre outros, (orgãos de comunicção de “referência”), publicaram caricaturas do Ventura embrulhado em esterco, para não dizer outra coisa, os insultos decorados com fezes tornaram-se comuns.

    Digamos assim: os orgãos de comunicação social de referência puseram o esterco na ventoínha.

    Mesmo assim, a Ana Rita Cavaco não deve, como bastonária, descer ao nível do Público e da RTP, mas a verdade é que acerta em cheio quando considera os fura filas das vacinas como esterco.

    Quanto ao DO não o considero propriamente um monte de esterco, considero-o mais um chico esperto que vive bem como divulgador do politicamente correto aplicado na defesa do regime corrupto e nepotista em que vivemos.

    • joão lopes says:

      e de repente,chegam dois apoiantes do Passos Coelho,e como diz Dave Grohl,”a invasão do Capitolio,foi a cena mais louca que vi em toda a vida”. Os acima declarados Cheganos,vão invadir o quê?Só se for Alcochete,outra vez.Pobre clube…

      • Abstencionista says:

        Ó João …
        … não aprecio o teu tom racista na resposta ao meu comentário.

        Já pareces o Ventura!

        Para tua informação digo-te que não foram os chiganos que invadiram Alcochete.
        (Deves estar a confundir com aquela invasão de uma escola em que uma professora levou um enxerto de porrada).

        • joão lopes says:

          É burro.Pois claro que não foram os Cheganos que invadiram o Sporting.Deves estar a confundir com aquele caçador do norte(repara,não falei em cores de pele),que matou um pescador porque o confundiu com um javali.O pescador era branco,o caçador fugiu…mas talvez fosse branco,preto,castanho,amarelo…ou pálido como o Trampas.

          • Abstencionista says:

            Vá lá Joãozinho, tap, tap, tap…(palmadinhas na parte mais baixa das costas).

            Tens razão, prontus, sou mesmo burro pois não percebi a fina ironia da tua narrativa do pescador, da truta, do preto, do trampas e da fuga e da confusão do javali e coisas e tais.

            tap, tap, tap, (palmadinhas no cachaço) toma um cházinho e vai ver o canal panda para não chateares os adultos.

        • abaixoapadralhada says:

          Abstencionista

          Deverias abster-te de comentar assuntos de adultos.
          Mas parece que está por dentro de quem mandou fazer a invasão de Alcochete.
          Abstente de comentar e cresce

          • Abstencionista says:

            Olha o mata frades!!! …. “encore bien que je te trouve”.

            Então?
            Já recebeste o sms do 2424 a informar quando vai aí a Rilhafores?
            Sabes que como servente do Costa tens o privilégio de levar a vacina no traseiro?
            No entanto põe-te a pau pois podes ter o azar da enfermeira ser “fan” da ARCavaco e, ao olhar para o teu cú, achá-lo parecido com a cara do DO e vacinar-te como quem mata um porco.

            Cumps

          • abaixoapadralhada says:

            Abstencionista

            “Já recebeste o sms do 2424 a informar quando vai aí a Rilhafores?
            Sabes que como servente do Costa tens o privilégio de levar a vacina no traseiro?
            No entanto põe-te a pau pois podes ter o azar da enfermeira ser “fan” da ARCavaco e, ao olhar para o teu cú, achá-lo parecido com a cara do DO e vacinar-te como quem mata um porco.”

            Sempre resposta ao mais alto nível !

            Abstente e cresce

    • Paulo Marques says:

      Se o coisinho e os seus acólitos insistem em atirar merda para todo o lado, como bons macacos que são, deviam ser representados como?
      Mas tá enganado, corria-vos mal era se começassem a falar do programa de destruição de serviços do estado.


  7. Bom CIRCO para continuar a entreter manada de boçais… Não se esqueçam de agradecer ao Presidente por vos estar a salvar a vidinha.

    • POIS! says:

      Pois é!

      O ciirco estava bom, mas faltava o palhaço. Felizmente V. Exa não desiludiu e fez um número ruidosamente aplaudido pela manada de leões, tigres, elefantes e zebras que rodeavam a arena.

      Infelizmente, devido ao confinamento, não havia outra assistência. mas V. Exa. não deve ter notado a diferença.

      • joão lopes says:

        voza:é obra,já aqui estão 3 cheganos,contando contigo.Ou seja,trabalhar é bom para o preto,certo? e uma chicotada,porque eu é que mando….fazer. É um bocado como a cavaca,que deu 37 mil euros à SIC,para colocar uma personagem Enfermeira numa telenovela.

    • iceberg da Islandia says:

      “manada de boçais”

      Não sabes mesmo dizer mais nada, clone do Menos


      • Vai pastar boçal… Não é presico dizer mais nada!

        • POIS! says:

          Pois não é “presico” não senhor!

          Bem o avisaram do teor da aguardente! Agora já não há nada a fazer! V. Exa. tá tão grosso que nem vê as patas da mesa, quanto mais o teclado!

        • abaixoapadralhada says:

          Voz a -30 dB

          ” Não é presico”

          Escreve-se em português : Não é preciso

          Volta para a escola primaria, analfabeto


          • Vai-te FODER… aprendi esta na escola!

          • abaixoapadralhada says:

            Voz a -30dB

            “Vai-te FODER… aprendi esta na escola!”

            Estas a melhorar. Pelo menos não escreves FUDER.

            Chegas-te a fazer o exame da 3ª classe com aproveitamento ?

    • Paulo Marques says:

      Está a salvar a vida dos médicos, já que acredita nos constrangimentos institucionais. Sempre é mais que os chalupas a dar-nos cabo do escasso recurso.

  8. Filipe Bastos says:

    “Quanto ao DO não o considero propriamente um monte de esterco, considero-o mais um chico esperto que vive bem como divulgador do politicamente correto aplicado na defesa do regime corrupto e nepotista em que vivemos.”

    Coisa rara: alguém isento! Tinha de ser abstencionista.

    A descrição acima do chuleco Daniel Oliveira é spot on.

    Acrescento, antes que venha a torrente de ‘facho!’ e ‘nazi!’ da usual carneirada esquerdalha mais sensível, que a Cavaco e o Ventura são trampa, se não do mesmo saco, do saco ao lado. A Cavaco até já mamou na pulhítica; o Ventura quer mamar mais.

    Meus caros, nada bate ser-se ISENTO. É paz de espírito. Não nos curvamos a nada. Não devemos nada a ninguém.

    • POIS! says:

      Pois sim, pois sim!

      V. Exa. é, realmente, muito “isento”. Resta saber de quê.

      • Abstencionista says:

        Pois, “encore bien que je te trouve”.

        Diz-me lá uma coisinha: para seres vacinado mostraste o cartão ou bastou a tatuagem da mãozinha que tens no ombro?

        Bjs

        • POIS! says:

          Pois a resposta é simples:

          Sou completamente avesso a tatuagens. E a gajos armados em astrólogos que adivinham o que os outros são nas borras de vinho tinto.

          Além do mais, não respondi a V. Exa. Tenho-me abstido disso por razões de higiene.

          E não, não fui vacinado. Contra o COVID já que contra energúmenos estou vacinado há séculos.

    • Paulo Marques says:

      Ser isento não é ser pelo caos, é ter cultura política, económica, social, etc e aplicá-la. E nisso o DO dá tareia a quase todos os paineleiros, e obriga-me a reconsiderar várias vezes. Mas é preciso pegar num livro e reconhecer que não somos o primeiro iluminado a pensar alguma coisa, não dá para o Bastos, que acha que não é influenciado por ninguém.
      Leia, faz-lhe bem. Até pode ser em podcast ou pelo youtube hoje dia, desde que com cuidado.

  9. luis barreiro says:

    Mais um ataque ad feminem. Por muito mais vejo ataques a homens como o cagalhão ventura e não vejo a hipocrisia aqui, só porque é mulher?

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.