Porque os dirigentes já cá não estarão….

 

Ultimamente tem havido vários casos em que os tribunais puxaram as orelhas aos governos e parlamentos para que levem a sério a crise climática e tomem medidas à altura. O acórdão  do Tribunal Constitucional alemão é um importante exemplo, tendo decidido que a protecção do clima é um direito fundamental – e que as medidas preconizadas na Lei do Clima aprovada pelo parlamento alemão foram consideradas insuficientes.
O “Tribunal na cidade de Karlsruhe disse, em comunicado, ser necessário “aliviar o peso” que se antevê para a população na próxima década, uma vez que a falta de regulação agora implicará “reduções com cada vez mais urgência e a curto prazo” no futuro.“

Ou seja, a continuação dos abusos que praticamos contra o Planeta vão exigir das gerações futuras uma austeridade desproporcionada – já não falando em worst case scenarios. Quem continua a ignorar isto – por exemplo, os liberais – assume-se como enorme egoísta.

No passado dia 2 de Setembro, houve mais uma decisão judicial importante, a que os governos da UE deveriam finalmente dar ouvidos:

o Tribunal de Justiça da União Europeia decidiu que o obsoleto Tratado da Carta da Energia (TCE) não é aplicável entre os estados-membros da EU e, como tal, as empresas e investidores europeus do sector da energia não o podem utilizar para processar os governos da UE pela perda de receitas que atribuem a medidas políticas em prol do Clima, usando o ISDS (tribunais arbitrais privados).

Isso é o que está a acontecer, por exemplo, no caso das gigantes energéticas RWE e Uniper contra o governo holandês pela decisão do governo holandês, de Dezembro de 2019, de proibir até 2030 a produção de energia a partir do carvão.

Mais de um milhão de cidadãos e mais de 400 organizações da sociedade civil exigem que os estados europeus abandonem o TCE, uma arma das multinacionais para bloquear a transição energética.

O governo português é um dos que não quer sair, remetendo para uma modernização nada-morta.

Comments

  1. Elvimonte says:

    Camarada “cassete” Ana Moreno,

    Lamento que a sua atenção não recaia sobre as dioxinas, altamente cancerígenas, geradas nas reacções de combustão e pela poluição que estas acarretam em termos dos vários óxidos de azoto e outros compostos maléficos para a vida.

    Lamento que não discorra sobre as decrescentes contagens de espermatozóides que se começaram a verificar há décadas e que ameaçam a continuidade da espécie humana.

    Lamento que se cale perante sementes geneticamente modificadas cuja viabilidade se restringe a uma colheita e que obrigam os agricultores a terem que comprar novas sementes todos os anos.

    Lamento que não tenha consciência que todos os recursos destinados à investigação na área da energia deviam ser canalizados para a fusão nuclear, a única forma de produção limpa, barata e que não apresenta problemas de segurança, nomeadamente no abastecimento, como as chamadas renováveis apresentam.

    Lamento que não tenha visto o documentário “Planet of the Humans” do seu ex-camarada Michael Moore, agora caído em desgraça porque pensou por si próprio e não recitou a cartilha.

    Lamento que não encontre paralelo entre a imaginária “emergência climática” e a grande crise do estrume de cavalo de 1894:
    “This became known as the ‘Great Horse Manure Crisis of 1894’. The terrible situation was debated in 1898 at the world’s first international urban planning conference in New York, but no solution could be found. It seemed urban civilization was doomed.”
    Nessa conferência previa-se – e o Prof. Karamba ainda não era vivo – que dentro de pouco tempo as grandes cidades ficariam submersas por camadas de estrume diárias com 2 metros de altura.

    Lamento ter que dar razão a José Saramago quando dizia: “Antes gostávamos de dizer que a direita era estúpida, mas hoje em dia não conheço nada mais estúpido que a esquerda.”

    (comentário meu originalmente neste blogue)

    PS – Lamento, camarada “cassete” Ana Moreno, a sua lamentável ignorância, constantemente afirmada, que ultrapassa todos os limites da paciência humana.
    Pegue nas séries de valores médios mensais de temperatura global e na série de valores médios mensais de concentração atmosférica de CO2 e prove que é a variação do CO2 que origina a variação da temperatura. Está tudo à sua disposição. Seja a primeira pessoa a prová-lo, já que até agora ainda ninguém o fez. Fico à espera até à eternidade e até lá reservo-me o direito de lhe chamar embusteira, aldrabona, mentirosa e ignorante.

    • Filipe Bastos says:

      a grande crise do estrume de cavalo de 1894

      Esse caso representa, para os que costumam repeti-lo, um exemplo de falsas crises anunciadas e de como a tecnologia nos safa sempre.

      Só que não é comparável: umas bostas na rua contra tempestades, cheias e incêndios dantescos, ou a subida dos mares. O controlo humano sobre o problema era também outro, assim como, a crer nas actuais previsões, a sua reversibilidade.

      E, crucialmente, a solução desse problema – a era dos carros e do motor de combustão – trouxe com ela outros problemas. Não sabemos que problemas trarão futuras soluções.

      De resto, qual o seu ponto? Podemos continuar a queimar carvão e petróleo à grande? O nuclear tudo resolve? Devemos continuar a adorar o culto capitalista do ‘crescimento infinito’?


    • “Lamento que não encontre paralelo entre a imaginária “emergência climática” e a grande crise do estrume de cavalo de 1894:
      “This became known as the ‘Great Horse Manure Crisis of 1894’. The terrible situation was debated in 1898 at the world’s first international urban planning conference in New York, but no solution could be found. It seemed urban civilization was doomed.”

      Foi pena a tal crise do estrume não se ter concretizado.
      Até seria uma interessante saber o que aconteceria a uma cidade com quase 4 milhões de habitantes em 1894, dependente de transportes por cavalo, se uns poucos anos depois a sorte não tivesse trazido um tal de Henry Ford com a sua receita de produção de automóveis baratos.

    • POIS! says:

      Pois cá está! O comparsa cartucho volta ao ataque!

      Fica finalmente à vista o que eu sempre disse: que Elvimonte é um verdadeiro especialista em matéria de esterco.

      Ou não fosse ele o supremo representante da vetusta família dos Eivimonts D’Ordure, que ostentam os títulos nobiliárquicos de “Seigneurs de Les Poubelles” e “Barons du Fumier”.

      Perseguidos em França durante séculos, estabeleceram-se por cá durante a portentosa época salazaresca, onde encontraram um ambiente propício às suas atividades, tendo-se imediatamente instalado nas margens do Trincão.

    • Paulo Marques says:

      Origina o início, sim, falta o grande resto. Tem mais a Pensilvânia para acrescentar aos fenómenos de uma vez por século. Coincidências.

  2. luis barreiro says:

    Sinto pesar ao ver esta anamoreno e outros esquerdalhos fazerem o jogo dos ddt deste mundo, os ricardos salgados deste mundo e nunca aprendem. hum energia a custo 1000 megaw 40,00€ e esta energia limpa a 450.00€ o megaw coitadas das crianças.

    • Tuga says:

      “Sinto pesar ao ver esta anamoreno e outros esquerdalhos fazerem o jogo dos ddt deste mundo, os ricardos salgados deste mundo”

      Brilhante raciocínio. Quase tão brilhante como o do Sr Elvibostas

      Obrigado aos dois. Ajudam amostrar aos mais destraídos quem está por detrás do negacionismo climático.
      Falta só o estimado JgMenos, mas esse é Salazarista mas não é burro

    • Paulo Marques says:

      Só falta acrescentar a isso o custo do teatro de segurança e do armamento para manter o baixo preço, aonde pode depois acrescentar as perdas pelo desenho urbanístico à volta do carro (a começar no espaço para estacionamento) e os efeitos na productividade. Pode ver também a influência no impulsionamento do plástico,que cada vez mais acaba abandonado por todo o lado graças à quantidade produzida.
      Ou, mais directo, equacionar o custo das duas enchentes na Madeira, do incêndio em Pedrogão, e por aí fora.
      Quando lhe dizem que é barato demais, desconfie. Ou fique-se por verificar os custos directos desta década, para ao menos acertar na ordem de grandeza.

  3. Tito Adriano says:

    Ana Moreno,
    Concordo consigo e subscrevo este seu Post.
    Quanto ao resto, como, por exemplo, a crítica do “camarada” Elvimonte, deite-a às urtigas.
    Quanto à posição do governo português, não surpreende. Quer deste, quer de anteriores. A postura foi sempre de subserviência.
    Cordialidade,
    Tito Adriano

    • Elvimonte says:

      “Pegue nas séries de valores médios mensais de temperatura global e na série de valores médios mensais de concentração atmosférica de CO2 e prove que é a variação do CO2 que origina a variação da temperatura. Está tudo à sua disposição. Seja a primeira pessoa a prová-lo, já que até agora ainda ninguém o fez. Fico à espera até à eternidade e até lá reservo-me o direito de lhe chamar embusteira, aldrabona, mentirosa e ignorante.”


      • Já o fizeram muitos cientistas que sabem mais que e senhora Elvimonte, ou será que como direitolas que se honra de ser, e com a “força” de carácter típica na tugalândia (nem depois de morrer muda) duvida de tudo o que seja ciência? Se outros já o fizeram e que sabem mais do eu, porque razão vou inventar outra vez a roda?

  4. Elvimonte says:

    Por muito que me esforce os eco-nazis só compreendem simplificações grosseiras: se está calor é do “aquecimento
    global” e se está frio e há cheias é das “alterações climáticas”. E assim têm sempre razão com justificações que são carroça para todo o burro.

    E como têm um sistema de crenças que não podem ver perturbado porque ficam doidos, nem sequer concebem que a sua ideologia assenta em duas mentiras e um truque.

    Mentira 1 – os registos no gelo comprovam que é a temperatura que precede a variação do CO2; a correlação entre ambos existe, mas é a temperatura que precede a variação do CO2 (a causa precede sempre o efeito e é fácil de explicar porquê e comprovar com os dados actuais que temos);

    Mentira 2 – os períodos quentes romano e da idade média e o período designado por pequena idade do gelo, só para citar os mais próximos, comprovam que as alterações climáticas são uma constante e não uma excepção;

    O truque – consiste em colocar a origem do referencial no final da pequena idade do gelo (~1850) que coincide com o
    período mais frio dos últimos 8000 anos, com o início da revolução industrial e com o início do actual período quente em que ainda nos encontramos.

    Dois gráficos que levam os eco-nazis a descabelarem-se, à demência e ao insulto:

    prntscr.com/12dlhbr – anomalia de temperatura medida por satélite (RSS e UAH) 1993-2016 em função da concentração
    de CO2

    prntscr.com/wg63ma – gráfico de temperaturas do período inter-glacial do Holoceno.

    Impossível explicar aos eco-nazis que foi durante o período quente da Idade Média que os vikings colonizaram a
    Gronelândia e que Gronelândia, tal como em inglês Greenland, significa “terra verde”. Nem mesmo quando se lhes mostram pesquisas recentes que afirmam:

    “A conclusão a que chegaram Christ e seus colegas, entre eles o geocientista Paul Bierman, é que o gelo da Gronelândia derreteu inteiramente durante os recentes períodos quentes da história da Terra …”

    (comentário meu originalmente publicado neste blogue)

    Tal como na epidemia, também nas alterações climáticas, nas tempestades e nas inundações há personagens, entre eles jornalistas, que nos tentam impingir estórias de meter medo ao susto que a realidade se encarrega de desmentir. O vídeo tem 3 minutos, gera umas boas gargalhadas até nos estúdios, e demonstra a fábrica de mentiras das narrativas main stream:
    https://newtube.app/user/Raw_Bacon/NsZgU6Z

    PS – Lamento, camarada “cassete” Ana Moreno, a sua lamentável ignorância, constantemente afirmada, que ultrapassa
    todos os limites da paciência humana.
    Pegue nas séries de valores médios mensais de temperatura global e na série de valores médios mensais de concentração atmosférica de CO2 e prove que é a variação do CO2 que origina a variação da temperatura. Está tudo à sua disposição. Seja a primeira pessoa a prová-lo, já que até agora ainda ninguém o fez. Fico à espera até à eternidade e até lá reservo-me o direito de lhe chamar embusteira, aldrabona, mentirosa e ignorante.

    • Paulo Marques says:

      Homem, não era cavalo, era pasta para cavalo. E veja bem a dose, que já deve ter mudado outra vez.

    • Tuga says:

      Carissimo Sr Elvibostas

      Ainda bem que os seus posts são cada vez mais compridos e desinteressantes, levam as pessoas a cada vez perderem menos tempo com as suas cassetes.
      O sr Elvibostas é cada vez melhor a inventar nomes pomposos que aplica a quem não concorda com as sua doutrinas, bem subsidiadas pelos a que não interessam mudanças no comportamento das pessoas quanto ao clima. Agora são os eco-nazis.
      Isto vindo da extrema direita até se percebe perfeitamente

      Passe bem sr Elvibostas

      • POIS! says:

        Corrijo:

        O comparsa cartucho Elvimonte não usa cassetes.

        Usa cartuchos stereo8, daqueles que nunca desligam. Tipo “vira do disco e toca o mesmo”.

  5. Elvimonte says:

    “Como ia dizendo”, os eco-nazi-comentadores do Aventar são sempre levados a descabelarem-se, à demência e ao insulto quando se lhes mostra estes dois gráficos:

    prntscr.com/12dlhbr – anomalia de temperatura medida por satélite (RSS e UAH) 1993-2016 em função da concentração
    de CO2

    prntscr.com/wg63ma – gráfico de temperaturas do período inter-glacial do Holoceno.

    Como bónus para o clima reinante de paroxismo, aqui ficam algumas das previsões eco-nazi-apocalípticas dos últimos 60 anos, onde a camarada “cassete” Ana Moreno deve pretender figurar como vidente, talvez sob o pseudónimo de Prof. Karana Moreno:

    1967: Dire Famine Forecast By 1975
    1969: Everyone Will Disappear In a Cloud Of Blue Steam By 1989
    1970: Ice Age By 2000
    1970: America Subject to Water Rationing By 1974 and Food Rationing By 1980
    1971: New Ice Age Coming By 2020 or 2030
    1972: New Ice Age By 2070
    1974: Space Satellites Show New Ice Age Coming Fast
    1974: Another Ice Age?
    1974: Ozone Depletion a ‘Great Peril to Life (data and graph)
    1976: Scientific Consensus Planet Cooling, Famines imminent
    1980: Acid Rain Kills Life In Lakes (additional link)
    1978: No End in Sight to 30-Year Cooling Trend (additional link)
    1988: Regional Droughts (that never happened) in 1990s
    1988: Temperatures in DC Will Hit Record Highs
    1988: Maldive Islands will Be Underwater by 2018 (they’re not)
    1989: Rising Sea Levels will Obliterate Nations if Nothing Done by 2000
    1989: New York City’s West Side Highway Underwater by 2019 (it’s not)
    2000: Children Won’t Know what Snow Is
    2002: Famine In 10 Years If We Don’t Give Up Eating Fish, Meat, and Dairy
    2004: Britain will Be Siberia by 2024
    2008: Arctic will Be Ice Free by 2018
    2008: Climate Genius Al Gore Predicts Ice-Free Arctic by 2013
    2009: Climate Genius Prince Charles Says we Have 96 Months to Save World
    2009: UK Prime Minister Says 50 Days to ‘Save The Planet From Catastrophe’
    2009: Climate Genius Al Gore Moves 2013 Prediction of Ice-Free Arctic to 2014
    2013: Arctic Ice-Free by 2015 (additional link)
    2021: (Prof. Karana Moreno, p.f. insira aqui a sua previsão)

    • Tuga says:

      “os eco-nazi-comentadores do Aventar ”

      Mais um Exmo Sr democrata, inspirado no “Monte de Toucinho da Porcalhota”

      O sr Elvibostas tem muita imaginação e tem cassetes chatas e compridas

    • Paulo Marques says:

      Sim, à 5ª vai pegar. Continue que vai lá.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.