Matar a democracia gota a gota

Vale de Cambra, o meu concelho, é talvez um dos poucos que não cedeu a concessão da sua água a privados. Em 2013 esse risco ainda se colocou face a pressão de uma empresa que por acaso – mas só por acaso – tinha contratado um familiar do autarca social-democrata, uma manobra as quais se juntaram outras como como pressões ameaçadoras ou tentativa de compra de voto.
Ainda assim, Vale de Cambra resistiu e até a data parece ser consensual entre todos os partidos que este cenário é para ser mantido.
Mas como sabemos tal não acontece em muitos outros concelhos. Depois da privatização, os munícipes de Trofa, Santo Tirso, Vila do Conde, Cascais, Carregal do Sal entre outros, viram os preços deste bem disparar em modo bitcoin.

Eu sei existem alguns portugueses muito sensíveizinhos, coitados. Mas perante certas coisas eu não hesito nos nomes e adjectivos, e este negócio não pode ser classificado de outra forma: um roubo descarado. [Read more…]

A magnânima arte de saber sair

Quando, em 2004, o FC Porto venceu a Liga dos Campeões, com José Mourinho, uma imagem ficou marcada na minha cabeça para sempre. Com 8 anos na altura, não sei se a minha primeira memória dos factos remonta ao dia da final, ou a uma visualização posterior na Internet. Mas, o que interessa é, então, essa imagem: o festejo praticamente inexistente de Mourinho, acabado de vencer a mais prestigiada competição de clubes do mundo.

Marcou-me essa imagem pelo pouco sentido que, aparentemente, teria. Como é que alguém que atinge o topo, na sua área, não esboça qualquer tipo de reacção? Não salta, não grita, não esperneia? Levantar estas questões era ver-me nelas, pois a minha reacção, naquele contexto, seria algo desse género.

[Read more…]