Ucrânia e a extrema direita

Nada como um banho de realidade: alguma malta não se cala com a pretensa força da extrema direita na Ucrânia. Eu sei que basta um facho, eu sei. Mas vamos lá olhar para as coisas como elas são:


🇫🇷 34% (2017)
🇮🇹 17% (2018)
🇪🇸 15% (2019)
🇧🇪 12% 2019)
🇳🇱 11% (2021)
🇩🇪 10% (2021)
👉🇺🇦 2% (2019)

Ah, e em Portugal? O triplo da Ucrânia: 7,18% para o Chega.

Comments

  1. Paulo Marques says:

    Portanto, se não fosse o Coisinho, nem havia extrema direita no país, nem estava representada no parlamento. Não há quem seja a da violência e discriminação que não se intitule de fascista, seja aqui, na Espanha, na Ucrânia ou em qualquer outro sítio. São umas maçãs podres que são lavadas sabe-se lá como.
    (Ó Menos, votavas em quem, mesmo?)
    E por isso é que é preciso suspender todos os partidos com qualquer referência a socialismo no nome, para que desça.

    Não é preciso pensar como uma criança que o mundo é simples para defender que a invasão, se não é crime, não há grande diferença. Pelo contrário, a racionalidade é a única coisa que pode impedir que se continue a repetir, pelo menos se nos interessar mais do que a europeus.

  2. Rui Naldinho says:

    A extrema direita na Ucrânia é tão pequena, mas tão pequena mesmo, que devolveram o Mário Machado a Portugal, por já não terem espaço para ele.
    Ouvi dizer que aquilo não passava de um T1, minúsculo, com vista para o Mar de Azov, ali para os lados de Mariupol.

    “Balha-nos Santingrácia! “

  3. Fernando Moreira de Sá says:

    Nascimento, filho, foste de cona.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.