Guerra na Ucrânia: Agora que a sociedade civil despertou…

….vamos então falar daqueles partidos que andaram a ser financiados pelo Putin. Sim, caro leitor/a, talvez não saiba mas o Vladimir andou (e anda?) a patrocinar muitos políticos, partidos e até comentadores que pululam pela Europa (e sim, Portugal não está isento).

Da Frente Nacional de Le Pen em França, ao Jobbik na Hungría, passando pela Aurora Dorada na Grécia, o VoX em Espanha além de  partidos na República Checa, Eslováquia e outros países bálticos. Depois temos Salvini em Itália ou Viktor Orbán na Hungria. O curioso é que todos eles pertencentes a partidos de extrema direita, parceiros do português Chega. Sim, o Chega está aqui metido até ao pescoço mesmo andando a berrar a favor da Ucrânia a ver se você, caro leitor/a, se esquece do que andaram a tecer loas a Putin e, alegadamente, a ser financiados por este. Aliás, estão boa parte deles na fotografia de entrada neste artigo – com o sorridente Ventura atrás. Diz-me com quem andas…

Por isso, caro leitor/a quando voltar a ir às urnas não se esqueça de quem este do lado errado da história, de quem pactuou com Putin. E sim, não tenho qualquer reserva mental, da mesma forma que não me calo com a posição do PCP (ou do Podemos aqui em Espanha) também não deixo passar o serviço que a extrema direita presta ao Putin.

E já agora, aqui fica a lista da vergonha na votação desta tarde onde o PCP e o Podemos não se envergonham de conviver alegremente com deputados destes partidos de extrema direita financiados por Putin. Para que ninguém se esqueça e para que nas próximas eleições europeias não se perca tempo a eleger deputados desta tropa.

 

Major-General Raul Cunha, sobre o conflito na Ucrânia

A fé (ou as fezes) que nos guia

Em 1991 caía a União Soviética.

Formada em 1922, depois da revolução soviética de 1917, teve o mérito inicial de depor os cazaristas que usurpavam ao povo o que era do povo. Depois disso, mais imperialismo, fome, terror e morte. Durante os anos em que esteve edificada, e ao contrário do seu propósito inicial, a URSS mais não foi do que um Estado imperialista, comandado por um psicopata tirano que governou como governam todos os psicopatas tiranos: a bel-prazer e tirando, para si e para os seus, os maiores dividendos, mantendo o povo de barriga colada às costas. Foi assim com Estaline, foi assim com Hitler e Mussolini, foi assim com Franco e Salazar, é assim com Putin e Castros, é assim com Maduro e Xi, é assim com Órban e foi assim com Netanyahu, é assim com a maioria dos presidentes norte-americanos, que vão provando a decadência do “sonho americano”.

Depois do preâmbulo, voltemos a 1991, aquando da queda da URSS. Cai a URSS, ficam a Federação Russa e um punhado de países, agora independentes. Ora, depois de assinados os acordos que dissolviam a União Soviética e dada a independência aos países do antigo Bloco de Leste, várias questões se levantaram. Uma delas a das armas nucleares. Como é sabido, os vários países que compunham a URSS ficaram, depois de 1991, detentoras de ‘n’ armas nucleares. Mas não por muito tempo. Em 1994, Boris Ieltsin e Leonid Kuchma, presidentes da Rússia e da Ucrânia, respectivamente, firmavam o Memorando de Budapeste. Este Memorando aprovou o envio de cerca de mil e seiscentas armas nucleares remanescentes da URSS, por parte da Ucrânia, à Rússia. [Read more…]

PCP: O algodão não engana…

Andas a exagerar Sá, sempre a bater injustamente no PCP até porque eles afinal defendem…..upssss

Orbán, Salazar, Putin e Hitler entram num bar

Salazar, figura maior do autoritarismo e da corrupção política deste país, mostrou os seus valores em plena Segunda Guerra Mundial, ora fazendo negócio com os Aliados, ora fazendo negócios com os Nazis, ora deixando-se fotografar com a foto do amado Duce na secretária, ora castigando Aristides Sousa Mendes por salvar judeus a mais, num acto de profundo e devoto Cristianismo.

Já Viktor Orbán, o Salazar de Budapeste, parece seguir as pisadas do fascista português. Diz-se ao lado das democracias ocidentais, apesar de repudiar o seu modo de vida, presta vassalagem ao Adolfo de São Petersburgo, agora estrategicamente suspensa, enquanto aguarda o desfecho da guerra, e não está disponível para auxiliar o esforço de guerra ucraniano, ou sequer de permitir a passagem, pelo seu território, de armamento fornecido por Estados-membros à Ucrânia.

O argumento do regime húngaro é não querer arriscar um ataque ao país, caso Putin se aperceba da passagem de tais armas. Argumento nobre para quem integra a UE, que se quer solidária, e a NATO, uma aliança militar que, em caso de invasão russa, será a única a vir em seu socorro, agora que os amigos do Kremlin estão na outra trincheira. A menos que Orbán seja o Facho de Tróia. Sim, o Facho. Ia agora insultar os cavalos porquê?

Da vergonha alheia…

A sério? A sério? Foda-se….

Alguém que os avise, carago…

“A Geórgia e a Moldávia junta-se à Ucrânia no desejo de adesão à UE e o Presidente da Roménia Klaus Iohannis já solicitou que a UE aceite a Ucrânia, a Moldávia e a Geórgia com urgência na UE. À Roménia junta-se a Polónia e a França a defender que, para além da Ucrânia, a Moldávia e a Geórgia possam avançar com processo de adesão com urgência”.

Estes gajos do Leste que querem pertencer à UE e à Nato… é alguém lhes explicar…. Talvez o Bloco ou o PCP, sei lá…

Neutralidades imbecis

“Para muitos (Ucranianos) hoje não é um dia bom. Para muitos (Ucranianos) hoje pode ser o seu último dia”.
Volodymyr Zelensky, 2022.03.01

Este não é um conflito “normal”. Este não é um conflito “tradicional”. Este não é um conflito onde a razão se perde em labirintos de factos. Este não é um conflito onde a ideologia ou as construções doutrinárias rebuscadas podem determinar o nosso lado. Há um agressor e há um agredido. Há um ditador sanguinário e psicopata e um Povo inteiro que sofre, que resiste, que morre. Há um País (pelo menos o seu governo) que injustificadamente (não, não há qualquer justificação lógica ou plausível que sustente a invasão) entra num território estrangeiro, destrói e mata em crescendo e uma Nação que tenta sobreviver. Uma Nação que recusa a sua extinção. A extinção que outros decretaram.

[Read more…]

As descobertas da direita portuguesa ou mesmo mundial

Quando o mesmo homem, num país, desempenha, em anos seguidos e alternadamente, as funções de Presidente da República e de Primeiro-ministro, dificilmente poderíamos falar em democracia consolidada ou mesmo em democracia. Vladimir Putin nunca foi flor que se cheirasse, tal como os oligarcas e mafiosos que o rodeiam e que andam pelo mundo a comprar clubes de futebol e empresas e casas e iates. Putin é um escarro tóxico que aprendeu muito do que sabe no mundo soviético, para, hoje, ser chefe de um bloco capitalista e imperialista, porque o primeiro implica o segundo, a cavalo de uma globalização inevitável e cavalgada por gente muito pouco recomendável, sempre salvaguardada, no entanto, por quantos defendem a pureza de um capitalismo imaginariamente assente numa aparência de meritocracia.

A direita portuguesa ou mesmo mundial descobriu, com a invasão da Ucrânia, que o Putin era mesmo mau. De caminho, aproveitou para continuar a normalizar o Chega, indignando-se muito com a posição equívoca do PCP (que consegue condenar e relativizar, ao mesmo tempo, a invasão russa), como se o PCP não tivesse, há muitos anos, posições equívocas sobre algumas ditaduras, usando de uma linguagem tortuosa para fugir a comentários sobre excrescências como a antiga oligarquia angolana ou a ditadura norte-coreana. [Read more…]

O PCP: A culpa é do Aventar…

https://visao.sapo.pt/atualidade/mundo/guerra-na-ucrania/2022-03-01-o-pcp-age-como-se-nao-tivesse-caido-o-muro-de-berlim-nao-condenar-claramente-a-russia-vai-levar-a-dissidencias-mesmo-que-silenciosas/

E se criássemos uma nova Humanidade?

Pensamentos sobre A Evolução da Espécie

Há anos que tenho esta reflexão presa na mente. Fui aludindo a ela um pouco por todas as coisas que escrevi, em todas as plataformas. Estão lá, directa ou indirectamente, todas estas questões e mais algumas. E a propensão que sinto para a escrita vem desta sensação de que a Humanidade está doente e precisa que pensem sobre ela.

Sim, acredito que a cura é o pensamento. A cura para uma espécie de estagnação dos valores humanos. Ou talvez não seja uma estagnação e apenas uma normal fase, como tantas outras. No entanto, sinto que, nestas fases, somos chamados a pensar-nos. A pensar A Evolução da Espécie, procurando um caminho mais positivo naquilo que nos é comum a todos: o ser-se Humano.

[Read more…]

Rápido, abram o espaço aéreo europeu! Vem aí mais um oligarca russo! – O Equilíbrio do Terror #10

Alexander Abramov, co-fundador da Evraz, a maior empresa de produção de aço da Federação Russa, à qual preside e através da qual controla subsidiárias nos EUA e Reino Unido, aterrou hoje em Londres, no seu jacto privado. Apesar do espaço aéreo, fechado para inglês ver.

Este fiel vassalo de Putin é apenas um entre vários oligarcas que abandonaram o país em direcção aos espaços aéreos que o Ocidente fechou, mas que lá se vão abrindo pelo preço certo em euros. Uma vez aqui, rapidamente serão reciclados, eventualmente apresentados como heróicos dissidentes, para regressar ao fausto financiado por décadas de extorsão do povo russo, liberalmente branqueada pelas incansaveis lavandarias europeias. Para Marx, o capital não tinha pátria. Para o capitalismo, que se foda a pátria que o dinheiro é sempre limpo, mesmo que ensopado de sangue.

Sangue ucraniano nas mãos do banca ocidental (e de uns quantos “liberais”) – O Equilíbrio do Terror #9

Durante décadas, a banca europeia e americana financiou e guardou os milhões dos oligarcas de Putin, sabendo, perfeitamente, que esse dinheiro havia sido extorquido ao povo russo. Não quis saber, nunca quer, de liberdades, garantias, direitos humanos ou democracia. Queria ganhar dinheiro. Muito dinheiro. Sem olhar a meios. O sangue nunca a incomodou.

Fê-lo conscientemente, conhecendo a natureza autoritária do regime, e apesar das prisões arbitrárias, da violência contra minorias, da perseguição da comunidade LGBT, dos envenenamentos de opositores em solo europeu, da ocupação da Ossétia, da Abecásia e da Crimeia. Foi colaboracionista. Traiu o ideal liberal das democracias ocidentais.

Onde estavam estes revolucionários instantâneos, que agora até em manifestações aparecem? Os tais que não admitem que se mencionem os antecedentes desta guerra, mas que estão, desde o seu início, a usá-la única e exclusivamente para alavancar os seus partidos e interesses? Uma boa parte estava a ganhar dinheiro com estes e outros ditadores. Continua a fazê-lo. Seja em Moscovo, Pequim, Riade ou Caracas. Não são apenas hipócritas. São cúmplices destes assassinos. E, como a banca, têm sangue ucraniano nas mãos.

O Negociador de boné

A geração vinil não percebe este boné. A geração streaming sente-se representada. As pessoas normais apenas reparam que existe uma reunião que procura a paz.

Portugueses vítimas de segregação racial na fronteira ucraniana

Domingos e Mário são dois jovens portugueses, ambos a estudar Medicina na Ucrânia, e estão há três dias em frente ao portão da fronteira polaca, de passaporte português na mão, mas não os deixam passar. Não os querem sequer ouvir. E porquê? Porque Domingos Ngulond e Mário Biangnê são negros, apesar de nascidos e criados em Portugal. E porque as autoridades ucranianas têm instruções para só deixar passar brancos.

Este é apenas um de muitos relatos da segregação racial que está neste momento a acontecer na fronteira da Ucrânia com a Polónia, onde a cor da pele parece definir quem pode ou não passar. Não haveria aqui qualquer novidade, ou não fosse o governo polaco um dos bastiões da direita racista no seio da UE, mas são os soldados ucranianos a impedir a passagem de não-brancos na sua fronteira. Isto é inaceitável e diz-nos muito sobre quem manda na Ucrânia e, sobretudo, sobre a dualidade de critérios que norteia aqueles que controlam a narrativa e estão a usar a sofrimento dos ucranianos para servir agendas partidárias. Putin agradece.

Adenda: Quando escrevi os dois parágrafos acima, Mário e Domingos ainda estavam retidos na fronteira. Felizmente, já a conseguiram atravessar, graças à acção conjunta do ministério dos Negócios Estrangeiros português e da embaixada ucraniana em Lisboa. Tal não invalida a vergonha que é ver um país invadido por uma força opressora, envolvido neste tipo de práticas nada democráticas. Se não servir para outra coisa, que nos sirva pelo menos para pensar

Entretanto…..

….. Antônio Costa já escolheu o novo governo?