Gabriel Mithá Ribeiro e o racismo de Schrödinger

Ainda me lembro, até porque não foi assim há tanto tempo, quando Gabriel Mithá Ribeiro, durante 15 anos membro do PSD, lançou um livro de elogio à “nova direita europeia”, que na verdade é velha, bafienta e descendente da direita que nos deu a Segunda Guerra Mundial, o Holocausto e as ditaduras que, felizmente, acabaram todas derrotadas. A mesma direita que invadiu e matou (continua a matar) ucranianos, impunemente, todos os dias. É desta direita que falamos.

Para apresentar o seu “Um século de escombros”, que começa com dedicatória aos faróis ideológicos do agora deputado do Chega – Viktor Orbán, o Cavalo de Tróia de Putin na Europa e na NATO, Donald Trump e Jair Bolsonaro, entre outros extremistas que tem como referência – teve ao seu lado Maria Luís Albuquerque, então colega de partido que aceitou fazer a apresentação da obra de glorificação de neofascistas. À sua frente Passos Coelho, que também não faltou à chamada. Diz-me com quem andas…

Aliados naturais à parte, é interessante notar que Mithá Ribeiro, na sua estreia absoluta a “mamar” o dinheiro dos contribuintes no Parlamento, decidiu gozar com a cara do próprio Mithá Ribeiro, dando a entender, nos Passos Perdidos, que a sua não-eleição para vice-presidente da AR se deveu a questões raciais:

Eu não posso apagar a qualidade de ser negro.

Gabriel Mithá Ribeiro, Passos Perdidos

Para quem não se lembra, Mithá Ribeiro tem sido um dos mais vocais, entre a extrema-direita, a garantir que o racismo, em Portugal, não existe. Chegou mesmo a começar um texto, no Observador, da seguinte forma:

Caro leitor, se consegue lidar com as duas teses de sentidos opostos – o racismo existiu, o racismo deixou de existir – passou no primeiro teste de saúde mental.

Gabriel Mithá Ribeiro, Observador

Temos, portanto, um extremista acabadinho de reprovar no “teste de saúde mental”, que ainda há dias garantia que o racismo não existia, e que agora se escuda no racismo para justificar a sua não-eleição para vice da AR. Como se a sua não-eleição não tivesse resultado do mesmo motivo que levou à não eleição de Pacheco de Amorim, e que reside no facto de o Parlamento ser globalmente avesso aos herdeiros da ditadura fascista do Estado Novo. Para Mithá Ribeiro, o racismo é como o Gato de Schrödinger. Existe? Não existe? Ninguém sabe. Seja como for, fica desde já claro que haverá uma disputa acesa no interior do CH. Uma disputa para decidir qual o deputado da extrema-direita que fará as mais tristes figuras. Mithá pontuou mas não pode baixar a guarda. O misógino da Opus Dei, a feminista anti-feminista e a ambientalista que só aceitou um cargo de natureza técnica estão em grande forma. Para não falar no pequeno Putin, que nunca vacila. Vai ser um fartote.

Comments

  1. José Ferreira says:

    Hum, chamou-lhe racismo… eu chamaria boicote que ainda é mais grave, se é isso estar ao lado da cultura woke, iram gostar de ter estado no Júlio de Matos.

  2. Rui Naldinho says:

    Bem observado, João.
    Devagar devagarinho vamos constatando que aquele saco de gatos que foi e ainda é o PSD, albergava todo o tipo “celebridades”.
    O IL é a versão soft sense dessa socialite laranja. O Chega é a versão “Azov”, do PSD.
    De André Ventura a Mithá Ribeiro, temos modelos para todos os gostos. O homem descobriu nos últimos tempos que até era negro, antes de ter passado uma vida inteira assimilado pela cultura colonial. E eu a pensar que o/a crioulo/a era uma mistura afrodisíaca!
    “Porra, há gajos mesmo inteligentes. Só podiam estar no Chega”

  3. JgMenos says:

    Toda a imbecilidade à volta do Chega não oculta um facto essencial: é o único que se diz claramente anti-socialista.

    Esse é o contributo essencial à libertação do país dessa praga que mobiliza uma ampla cambada que vai de cretinos a corruptos.

    • POIS! says:

      Pois não me diga!

      O Quarto Pastorinho vai mesmo libertar o país da sua agremiação e, no final, até de si mesmo?

      Não admira que esteja a caminho da beatificação!

    • Paulo Marques says:

      E a choradeira que os “cretinos a corruptos” devolve-lhe o respeito é para quê?

  4. luis barreiro says:

    A Hungria apoiou e implementou as mais pesadas sanções de sempre aplicadas pela União europeia à Rússia.
    A Hungria votou favoravelmente a condenação da ONU à invasão da Ucrânia pela Rússia.
    Já em 2014 a Hungria tinha votado a favor da condenação da anexação da Crimeia.
    Mas o Orbán é que apoia, já os países que tu apoias e os partidos que o teu papá vota, são contra.

    • POIS! says:

      Pois mas…

      Ó barreiro! Vosselência tem…uma mama nas costas?

      Uma nádega no tornozelo?

      Está a mijar pela cova do braço???

      Vosselência está mesmo todo torcido, ó barreiro! Está com a espinha que nem um dó!

      Tenha cuidado! Qualquer dia ainda acorda com o cérebro no intestino! Ai já lá está? Bem me parecia!

  5. Joana Quelhas says:

    Este anacrónico comunista transmutado em democrata continua a suas homilias aqui no aventar.
    Triste figura !
    Continua a usar as velhas técnicas de meias verdades , mentiras e mistura de conceitos/factos/argumentos numa dialéctica que visa confundir a mente de quem o lê.
    O crença no dogma comunista é tão grande que não se dá conta que hoje em dia o mundo mudou. Antigamente nos seus tempos áureos, o comunismo podia enganar e dissuadir e manipular informações .
    Mas hoje o cenário mudou.
    A informação e o mercado livre de ideia está à distancia de um teclado de computador e de uma ligação à Internet.
    Estes comunistas disfarçados de democratas perderam esse grande poder de manipular informação , e ainda não perceberam.
    Continuam desesperadamente a “pregar” , mas os fieis estão a tornarem-se infiéis.
    Ainda não caíram na real , ainda não se deram conta que até do parlamento acabaram de levar um chuto que pôs uma data deles desempregados .
    Nas próximas legislativas a purga pelo voto livre continuará. Não vai haver “Polígrafo” e Leis de “Discurso de Ódio” que vos proteja.
    A única esquerda que irá restar será aquela que fizer os fretes aos capitalistas sedentos de proteção estatal para proteger os seus “Negócios”.

    Joana Quelhas

    • POIS! says:

      Pois é tão lindo, ó Quwellhasss!

      É um lindo argumento. E deveras excitante!

      Quando é que estreiam esta linda novela?

      Gosto especialmente desta parte:

      “A informação e o mercado livre de ideia está à distancia de um teclado de computador e de uma ligação à Internet”.

      Que imaginação! Que conclusão colossal! Que profundidade, meu deus! Mais profundo só o Canhão da Nazaré, e só na maré alta!

      Como acabará? A Maria Laraniinha vai casar ou opta pelo celibato?

      Ou, pelo contrário está-lhe destinado um futuro montenegro, onde haverá choro e rangel de dentes e tentará a sua salvação junto do Quarto Pastorinho?

    • Paulo Marques says:

      E porque é que o camarada se queixa de algo que não existe, por parte de quem não respeita nem quer respeitar, quer explicar, ou fica-se pelo insulto gratuito como argumento?

  6. Pedro says:

    O Gabriel Mitha Ribeiro, é dos maiores inteletuais deste seculo, ele tem toda a razão , o que existe é a rejeição do negro de direita, se for de esquerda é aceite negro de direita nem pensar, devido á cultura esquerdista vitimista, Veja exemplo , ha rua Amilcar Cabral um terrorista que mantou portugueses e milhares de guinneenses mas não há nenhuma rua Marcelino da Mata um homem que salvou imensos portugueses e é o militar mais condecorado da história de Portugal , ambos negros , para a esquerda só um tem valor o outro não. O Gabriel Mitha faz parte dos que não sao aceites.

    • José Ferreira says:

      Já se sabe que para a esquerda woke este pensamento é para abater…

    • POIS! says:

      Pois é!

      O MIthá será mesmo o maior intelectual deste século.

      Só há o problema de não ser póstumo. Mas ninguém é perfeito.

      Nestes meios da filosofia, um póstumo ganha logo outro valor. As pessoas ficam sempre desconfiadas quando veem um filósofo ir à casa de banho.

      Ora, há muito que este homem defende a tese que o racismo acabou. Até escreveu um livro sobre o tema e tudo.

      Infelizmente, diz ele que por ser preto, ninguém lhe liga.

    • Paulo Marques says:

      Então não; inventar a ideia de que o Uncle Tom moderno é o único discriminado é de uma enorme criatividade. Faria sucesso em qualquer espectáculo de comédia.
      Infelizmente, é mesmo a sério, a gozar com a nossa cara a contar com o orgulho da ignorância, e cá estamos.

    • Amora de Bruegas says:

      Bem observado!

  7. Amora de Bruegas says:

    “Diz-me o que escreves e com quem andas, dir-te-ei quem és de facto!” Discurso bafiento de quem é abortista, mas critica os socialistas alemães ou soviéticos por terem o mesmo pensamento!
    Ou há diferenças quanto ao respeito pelo Ser humano?

    • POIS! says:

      Pois citemos a Amora Falante:

      “Diz-me o que escreves e com quem andas, dir-te-ei quem és de facto!”

      Nem mais!

      Tantos anos de beatice sacrista e não deu por nada?

      Já lá vão 300 abusadores entre padrecos e beatecos à paisana!

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.