E é isto….

Jornal da tarde da rtp 1. O repórter passou o tempo todo da reportagem a dizer que não podia revelar o local onde estava por motivos de segurança. Nem a que distância estavam os combates…os colegas de Lisboa…acharam que deviam ser mais rigorosos….

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Já ouvimos falar de combates nessa localidade várias vezes. Não me parece ser nenhuma novidade.
    No corredor litoral de Odessa, Mykolaiv, kherson, Melitopol, Mariupol, tudo isto junto ao Mar Negro e ao seu sub produto, Mar de Azov, o que não faltam é combates e bombardeamentos hora a hora.

  2. balio says:

    Claro que deviam ser rigorosos. Se é para não dizerem onde estão, então mais vale fazerem as “reportagens” comodamente instalados num estúdio em Lisboa, munidos de efeitos especiais de som e imagem.

    • Rui Naldinho says:

      Acresce que os bombardeamentos parecem ter partido das Forças Ucranianas, como seria expectável, na tentativa de reconquistar a cidade, ocupada pelas forças russas, neste momento.
      Não é suposto os ucranianos tentarem reconquistar as cidades aos russos, ou na pior das hipóteses, atrasá-los, na tentativa de evitar que as forças inimigas ocupem toda a orla costeira do Mar Negro até à Roménia/Moldávia? Claro que é.
      Há aqui algum segredo? Acho que não.
      Uma coisa é conhecer as intenções, as estratégias
      e as táticas do inimigo no terreno, outra bem diferente é dar uma notícia decorrente da guerra:
      “Desenvolvem-se intensos combates na zona de Mykolaiv.”

      Mas onde se desenrolam os combates?
      No centro da cidade? A Leste? A Oeste? A Norte ou a Sul? Junto a que eixos de comunicação terrestre? Próximo do aeroporto? Na zona industrial?
      Isso sim, são informações que podem comprometer o sucesso de uma operação.
      O que não devem faltar nos céus da Ucrânia são drones e satélites no espaço, de ambos os lados, incluindo da OTAN, a dar informações online.
      Pelo andar da carruagem aquilo vai durar largos meses.
      E se os russos são o verdadeiro invasor da soberania da Ucrânia, que não hajam dúvidas, também se percebe hoje que os EUA, mais até do que a NATO, já estavam metidos nisto até ao tutano.
      Moral desta guerra:
      Quem sofre são os ucranianos que não pediram isto. Mas a guerra de facto é entre os EUA e a Rússia.
      Os resto são tretas.

      • balio says:

        também se percebe hoje que os EUA […] já estavam metidos nisto até ao tutano

        Claro. É hoje evidente que, já antes da invasão russa, o exército ucraniano estava muito bem equipado com mísseis suficientemente eficazes para parar essa invasão. E esse equipamento certamente que tinha sido antecipadamente fornecido pela mão amiga dos EUA.

        E também não é por acaso que, já antes da guerra, a Ucrânia estava a fazer (com a cumplicidade dos Estados ocidentais) tábua rasa dos acordos de Minsk, nomeadamente bombardeando constantemente os territórios das repúblicas separatistas de Donetsk e Lugansk. Se o fazia, é porque tinha as costas quentes.

  3. POIS! says:

    Próxima emissão:

    Jornalista repórter de guerra:

    “Estamos aqui não sei onde, a caminho de parte incerta, sobrevoados por mísseis disparados de algures por forças militares que não conseguimos apurar, e que estão a destruir alvos indeterminados em locais por referenciar”.

    “Pivot” de serviço:

    “Obrigado Manel Galgueiro, filho de José Galgueiro e de Maria dos Prazeres Galga, portador do CC 9666345172 IZ54, NIF 324567234, morador na Rua do Meio 24, Agualvada, Vila Nova do Sobreiro, mantém-te por aí na Rua Resink Esburakov em Kreakhov Grekavast de Cima, pois voltaremos depois do alerta noticioso sobre os preparativos do casamento de Bruno de Carvalho que irá decorrer em local que, por razões de segurança, não podemos divulgar”.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.