E se fosses fazer comparações ao c*ralho?

Entrevista na íntegra: https://youtu.be/fQBlLDywE3o

José Rodrigues dos Santos foi à rádio Observador comparar Auschwitz com os matadouros, onde se matam animais para consumo humano.

Para além de nunca se referir aos nazis como nazis, fazendo a vontade a Hitler e referindo-se aos nazis com o eufemismo de “nacional-socialistas”, o pivot do Telejornal da RTP decide fazer a comparação:

“Andamos sempre revoltados com o que os ‘nacional-socialistas’ fizeram na Alemanha, em Auschwitz, mas nunca nos revoltamos quando temos um matadouro a matar seres conscientes a cem metros de nossa casa (…)”.

Ou seja, para Rodrigues dos Santos, saciar a fome é, em última instância, comparável a pôr minorias étnicas, sexuais e religiosas em fornos de gás, com o intuito de eliminar os “impuros”. [Read more…]

Hank Schmidt in der Beek – Und Im Sommer Tu Ich Malen

Hank Schmidt in der Beek – o artista plástico alemão que vai até sítios com paisagens incríveis e pinta… o padrão das suas camisolas. As fotografias são do também alemão Fabian Schubert.

[Read more…]

Um uniforme do Ku-Klux-Klan

Foi o que pedi aos meus pais, quando, na adolescência, li, pela primeira vez, Os Maias.

Marco António Costa, o absurdo democrático do PSD

MAC

Depois de meses de campanha eleitoral na sombra, não fosse a sua presença tóxica aumentar ainda mais a sangria de votos e deputados à direita, Marco António Costa ressuscitou na noite eleitoral. Desde então, é vê-lo dar voz ao partido que o remeteu temporariamente para a penumbra, sempre com aquele seu ar de senador impoluto que não tem telhados de vidro.

Em entrevista à Rádio Renascença, o vice-presidente do PSD voltou à carga contra as negociações à esquerda, e por entre os chavões extremistas que têm marcado a propaganda pós-eleitoral da coligação, Marco António Costa afirmou que “o país está a viver um absurdo democrático”. E pela primeira vez, vejo-me perante a inevitabilidade de ter que concordar com o arquitecto da ruína da CM de Gaia. [Read more…]

Sobre a infinidade da estupidez humana

No further comments.