A Fenprof não aderiu?

A Função Pública hoje está a fazer greve

FRENTE COMUM, FESAP,…

CGTP e UGT – será que ainda vão demorar muito a convocar a GREVE de TODA a Função Pública para dia 17 de junho?

Plataforma de Professores está de volta

A FNE decidiu juntar-se às restantes organizações sindicais de Professores – não estamos em tempo de procurar as vírgulas que nos afastam, mas de encontrar pontes e ligações que nos permitam reagir ao que aí vem. Nuno Crato acaba de entregar à FENPROF a sua proposta para aplicar a mobilidade, ainda que com outro nome, aos Professores, isto é, Nuno Crato desmente-se e abre a porta aos despedimentos: de acordo com a proposta, dia 1 de Setembro um Professor sem horário, entra em Mobilidade e perde uma boa parte do seu salário e o despedimento fica a um ano e meio de distância.

Só temos um caminho – a unidade na reacção e, claro, na acção! Não precisamos de caminhar para a Unicidade e fazer de conta que estamos todos pelas mesmas razões. Mas, conscientes das diferenças, vamos trabalhar para juntar as Federações de Pais à luta pela Escola Pública e, fundamental, procurar envolver os Directores no processo.

Subscrevo, também por isso, a ideia do Paulo: devemos juntar FORÇA à nossa luta e por isso faz todo o sentido que a FRENTE COMUM (CGTP) se deixe de merdas e procure entendimentos com as estruturas da UGT – no dia 17 de Junho há TODAS as condições para que a GREVE seja de TODOS!

Já e agora!

TODOS!

Professores e a Greve de TODA a administração Pública

Na próxima 5ª feira vou fazer GREVE!

Relativamente aos motivos trazidos pelos Sindicatos para cima da mesa estou INTEGRALMENTE de acordo com todos: Aumento real dos salários; contagem integral do tempo de serviço prestado para efeitos de carreira; eliminação das quotas na avaliação de desempenho; pensões de aposentação justas.
E sobre estes vou apenas referir um, talvez o que menos se fala: Sócrates resolveu em 2005 congelar as carreiras de todos os funcionários públicos. Durante 28 meses o trabalho realizado “não existiu”, isto é, todos os funcionários ficaram sem 28 meses no tempo de progressão nas suas carreiras – não há qualquer motivo para manter este roubo.
Depois existe um mito em Portugal sobre o custo da Administração Pública, que, de facto, é das mais baratas da Europa na sua relação com o PIB. Escrevi aqui no Aventar que “No meio disto uma coisa inovadora, até do ponto de vista matemático, que é o “aumento zero”. Será que alguém me consegue explicar o que é um aumento zero?
A realidade dos números mostra que a Função Pública foi aumentada desde 2000 18,16%. Mas, a inflação foi nesse mesmo período de 28,8%. Isso mesmo: os funcionários públicos nos últimos dez anos perderam 10% dos seus vencimentos.”
O que todos sabemos é que o dinheiro dos salários dos funcionários públicos entra directamente na economia do país ao contrário do dinheiro entregue à banca e às multinacionais. E já nem falo dos quadros das Empresas Públicas que se governam à custa do povo que trabalha, onde estão, claro, incluídos os funcionários públicos.
Mas, e há sempre um mas, apetece-me perguntar: se os motivos são inquestionáveis o que leva os sindicatos a fazerem as coisas deste modo?
Porque é que a FRENTE COMUM convoca uma Greve antes de todos os sindicatos o terem discutido e decidido?
Como é que me dizem que o SPN tem que ir porque a FRENTE COMUM já disse que sim e depois venho a saber que a FENPROF ainda não tinha avançado porque o SPGL ainda não tinha decidido se avançaria…? Perguntas que ficam para resposta posterior, porque agora importa perceber o que estão os movimentos de professores a fazer… No próximo Post.

Aumentos na Função Pública, PS e Sindicatos

O movimento sindical português é dos menos poderosos da europa e ao contrário do que se diz na opinião publicada, Portugal tem dos mais baixos índices de conflito social, expressos, nomeadamente nos dias de greve, coisa quase impossível de acontecer nas empresas privadas.
A ditadura do dinheiro, o excesso de patrões e a falta de empresários, uma ditadura durante anos e um movimento sindical algo conservador justificam tal situação.
A negociação que tem havido entre o governo e os sindicatos da função pública tem sido pouco mais que anedótica. De um lado, os sindicatos dizem, com razão, que não podem ser sempre os mesmos a pagar a factura. Do outro, um infeliz secretário de estado, diz que é melhor estarem caladinhos porque no privado há gente sem emprego e por isso devem ficar bem satisfeitos com o que têm.
No meio disto uma coisa inovadora, até do ponto de vista matemático, que é o “aumento zero”. Será que alguém me consegue explicar o que é um aumento zero?
A realidade dos números mostra que a Função Pública foi aumentada desde 2000 18,16%. Mas, a inflação foi nesse mesmo período de 28,8%. Isso mesmo: os funcionários públicos nos últimos dez anos perderam 10% dos seus vencimentos.
Mas, com tal realidade, como é que a FRENTE COMUM, agora liderada pela Ana Avoila (candidata do PCP à C. M. do Barreiro) não consegue fazer valer a sua razão?

Se com Paulo Trindade (ex-deputado do PCP) nunca foi possível fazer valer a razão de quem trabalha, com Ana Avoila, só a sua presença é motivo de derrota. Não se trata de apresentar uma dimensão pessoal, porque no plano pessoal as pessoas merecem o máximo de respeito, mas antes de ver algo que não está bem: os líderes do movimento sindical na administração pública são maus!

Enquanto trabalhador da Administração Pública estou a perder há pelo menos 10 anos. Pergunto: as organizações que me representam vão ou não conseguir afirmar a nossa razão?
É que fazer greves de calendário, só porque sim… Creio que é um mau caminho!