Professores e a Greve de TODA a administração Pública

Na próxima 5ª feira vou fazer GREVE!

Relativamente aos motivos trazidos pelos Sindicatos para cima da mesa estou INTEGRALMENTE de acordo com todos: Aumento real dos salários; contagem integral do tempo de serviço prestado para efeitos de carreira; eliminação das quotas na avaliação de desempenho; pensões de aposentação justas.
E sobre estes vou apenas referir um, talvez o que menos se fala: Sócrates resolveu em 2005 congelar as carreiras de todos os funcionários públicos. Durante 28 meses o trabalho realizado “não existiu”, isto é, todos os funcionários ficaram sem 28 meses no tempo de progressão nas suas carreiras – não há qualquer motivo para manter este roubo.
Depois existe um mito em Portugal sobre o custo da Administração Pública, que, de facto, é das mais baratas da Europa na sua relação com o PIB. Escrevi aqui no Aventar que “No meio disto uma coisa inovadora, até do ponto de vista matemático, que é o “aumento zero”. Será que alguém me consegue explicar o que é um aumento zero?
A realidade dos números mostra que a Função Pública foi aumentada desde 2000 18,16%. Mas, a inflação foi nesse mesmo período de 28,8%. Isso mesmo: os funcionários públicos nos últimos dez anos perderam 10% dos seus vencimentos.”
O que todos sabemos é que o dinheiro dos salários dos funcionários públicos entra directamente na economia do país ao contrário do dinheiro entregue à banca e às multinacionais. E já nem falo dos quadros das Empresas Públicas que se governam à custa do povo que trabalha, onde estão, claro, incluídos os funcionários públicos.
Mas, e há sempre um mas, apetece-me perguntar: se os motivos são inquestionáveis o que leva os sindicatos a fazerem as coisas deste modo?
Porque é que a FRENTE COMUM convoca uma Greve antes de todos os sindicatos o terem discutido e decidido?
Como é que me dizem que o SPN tem que ir porque a FRENTE COMUM já disse que sim e depois venho a saber que a FENPROF ainda não tinha avançado porque o SPGL ainda não tinha decidido se avançaria…? Perguntas que ficam para resposta posterior, porque agora importa perceber o que estão os movimentos de professores a fazer… No próximo Post.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Os professores já estão satisfeitos, adeus solidariedade…


  2. Se calhar é por isso que os movimentos se colocam de fora…

  3. Rosário David says:

    Dia 8 de Janeiro é feito um acordo entre Ministério e sindicatos depois de longas horas de negociações. Todos ficaram satisfeitos (ministra e sindicatos), recordo o tão esperado fim dos professores titulares, as alterações ao sistema de avaliação, o abrir a possibilidade de progressão na carreira a todos os professores, confirmado pelo Mário Nogueira, etc. Segundo parece não houve até agora alterações significativas. Então porquê a greve neste momento? Será a greve anual para dizer que os sindicatos estão vivos? Planear uma greve para aumento de salários e todas as outras razões à volta desta (pensões mais altas, contagem integral do tempo para efeitos de carreira), neste momento de crise não será uma atitude pouco responsável perante a situação do País e especialmente em relação aos imensos e sempre crescentes desempregados, professores ou não? Não será agora altura de arregaçar as mangas e trabalhar para ver se no futuro ainda poderemos ter uma pensão digna?
    São só pontos para reflexão.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.