Casa dos Degredos

ppc

Que a miudagem da JSD de Santana queira fazer um concurso de misses, eu até compreendo. É preciso encher chouriços quando não há bandeiras para abanar. Que o líder da JSD de Marco de Canaveses deixe tudo para trás para se enfiar num reality show decadente e em decadência, que se resume a pouco mais que intriga, calhandrice e futilidade, num cenário onde a ordinarice e a vulgaridade parecem ser a regra, mesmo alegando algo tão absurdo como “Nada melhor que um reality show para mostrar às pessoas quem realmente eu sou“, também compreendo. Não é à toa que depois nos deparamos com discursos anedóticos e patéticos como este, que despertam sentimentos de pena e vergonha alheia, e que assistimos a tiros de bazuca no pé como aquele com que fomos brindados em Novembro passado. [Read more…]

25% de ilusão

adão cruz

Não te zangues porque ninguém se enamora de alguém com público carimbo na cara.

Quem de nós sente a liberdade ou a prisão de um devaneio com alguma elegância de formas tece as malhas de uma afeição.

Vinte e cinco por cento de ilusão neutraliza a depressão faz dormir que nem um justo e as coisas são o que são nem surpresa nem desdobramentos de personalidade nem pensamentos duplos nem amargos de lágrimas.

Como é bom conversar contigo ó ilusão assim calado e mudo vazio da minha posse e do meu abrigo.

Sempre nos perdemos naquele instante que começa a dominar mas é uma fraca ideia pensar ir longe e sem ir querer ter a sorte de voltar.

Deste mundo à real intimidade vai um passo inevitável cerimonioso sonhador penetrante mas sem tacto e sem cor.

Vinte e cinco por cento de ilusão impede de adormecer às três e acordar às cinco não desonra amigos e inimigos nem dá ares de inocência falsa.

Surpreende apenas o delírio escondendo o vivo interesse da inconsequência que é ensejo de todos nós.

Surpreendem as razões inquietas das pessoas equivocadas que gemem angústias no conspurcar dos seus intentos.

Vinte e cinco por cento de ilusão é sentimento que garante provas positivas.

Não acreditando nele acredito agora com nobre intenção voz clara e firme sem mostras de arrependimento sem buscas de coerência nem condições de entender porque o idiota é crer no poder do entendimento.

A conheci e nada pedi. Um poema

a mulher do meus sonhos

Entrei na sala de aulas. Era o meu dia de proferir uma lição. A lição da semana. Não olhei para sítio nenhum, conforme meu hábito, nem falei. Distraia-me. Distrair-se no começo da elocução, era um pecado. Um grave pecado. O meu dever era ensinar. Para ensinar, deve-se estar concentrado. Todos o sabiam e por isso não me falavam. Era sabido por todos que no meio da conferência, ia parar, calar e dizer, caramba, estava tão dentro dos meus pensamentos, que me esqueci de cumprimentar. Todos riam. Mas ninguém falava. Conhecido era que qualquer frase ia danar-me, perdia o fio da memória, esquecia a frase seguinte. A prova era dura. Era meu costume enviar as habituais seis páginas da temática que ia proferir, vários dias antes. Todos liam e sabiam do que eu ia tratar. Carregado de textos, enquanto falava, procurava citações em livros sinalizados por mim com pequenos colantes amarelos escritos com a ideia central para desenvolver ao longo de 45 minutos. Nenhum minuto mais, nenhum minuto menos. O título da aula era a minha hipótese, e os pequenos colantes que marcavam diversos sítios dos vários textos, as ideias substantivas para provar a central. Esses 45 minutos voavam como borboletas, com os meus olhos fixados em cada flor que ai estava. Olhava-as, mas não as vias. Bem sabiam as minhas borboletas que um pequeno sussurro delas, encurtava o meu pensamento e não ia saber como continuar. Cada dez minutos, contava uma anedota para aligeirar a lição e aliviar a forçada concentração a que as obrigava. Borboletas femininas, borboletas masculinas, de curta idade, à tarde e à noite, adultos que trabalhavam durante o dia e apareciam às 18.15 – a minha lição devia começar às 18, mas eu dava quinze minutos de tolerância, porque, em hora de ponta, as deslocações eram cumpridas e pesadas, porque um café para estarem acordados, porque um queque para entreter a fome. Porque a conversa de corredor era obrigatória. Porque milhares de motivos entretinham as minhas borboletas.

[Read more…]