O palavra é uma arma

cavaco fisga

E há quem as empilhe em livros, arrumadinhas em parágrafos, reluzentes de mesquinhez em todas as letras.

O escritor apressado que baniu um Prémio Nobel da Literatura

Rui Naldinho

Presidenciais: Cavaco, o genial feiticeiro

Escrever livros é coisa normal em políticos, mesmo “amadores”. Depois de abandonarem os cargos para os quais foram eleitos, após um período de nojo, alguns escrevem as suas memórias biográficas. Outros escrevem ensaios sobre o seu pensamento político e filosófico. Mas em ambos os casos há uma vida para contar, um conjunto de experiências ao serviço da comunidade para transmitir aos mais novos, um estudo para debater e criticar, algo que possamos considerar uma marca cultural do exercício do poder.

O que não é normal em democracia, é vermos um ex-presidente com um passado político no mínimo duvidoso, a escrever um livro que mais parece uma vingança pessoal ou um ajuste de contas com um ex-primeiro-ministro.

[Read more…]

O livro

cavaco

O livro de Cavaco Silva, além de não ter qualquer garantia de verdade dos seus conteúdos – dado o autor, muito pelo contrário – é um golpe na fiabilidade da própria instituição presidência da República. A própria proclamação de Cavaco segundo a qual este livro é “uma prestação de contas aos portugueses” é – pela incapacidade do autor admitir o risco de subjectividade, considerando o texto completamente “objectivo” – a primeira e mais óbvia prova do pechisbeque político-literário que nos é oferecido. Mas os efeitos situam-se a outro nível. Quem estará disposto, agora, a ser completamente franco nas conversas reservadas com o presidente? Não que uma tal incomunicação – chamemos-lhe assim – impeça mistificações futuras, já que quem escreve este tipo de memórias mente quando e no que quer – sem ter, sequer, no caso presente, o mérito da qualidade literária. Mas, pelo menos, não será fornecido combustível para putativos incendiários políticos. Dir-se-á que Cavaco não tem credibilidade para provocar grandes prejuízos com as suas inconfidências e a parcialidade da sua narrativa. Mas o mal está feito e haverá sempre quem vá espojar-se neste material.

O sistema semi-presidencialista português tem os seus inegáveis méritos. Mas nem ele resistirá a muitos mais Cavacos e respectivas cavacadas. E se Cavaco Silva quer mesmo prestar contas ao país, todos temos imensas perguntas a fazer-lhe que nada têm a ver com este desleal e sujo exercício de quadrilhice institucional.

Cavaco Silva que nunca desconfiou…

… de Oliveira e Costa, de Arlindo de Carvalho, de Dias Loureiro, das acções da SLN não cotada em bolsa, de Ricardo Salgado (até aconselhou), …

Última hora 

Cavaco vai publicar um livro. A Academia  Sueca  está atenta.

Aníbal e as 5ª feiras – Ensaio de compreensão 

Tratemos então de coisas sérias. Brinquei aqui com o futuro livro de Aníbal Cavaco Silva sem o ter lido. E, sejamos esperançosos, pode ali estar uma obra prima a caminho. O que me leva a pensar isto? As pequenas citações que dele ouvi nos telejornais. Aníbal, com a abissal profundidade do seu pensamento, perscruta o espírito daqueles com que partilhou o poder. Mas, objectareis vós, aquilo não é um rosário de banalidades mesquinhas e completamente desinteressantes? À primeira vista assim parece. Mas tentemos olhar mais longe. Que nos diz, Aníbal, em resumo? Que as reuniões com Mário Soares eram sonolentas. Que Sócrates se atrasava muito, falava muito, mas, a dado momento, despertou-lhe a suspeita de que nem sempre dizia era verdade. Passos Coelho, por sua vez, não sabia o que dizer, optava pelo silêncio inicial, mas respondia obedientemente ao que lhe era perguntado.  [Read more…]

Não precisas de agradecer, Passos. Ficaste mal na mesma

porta

Pedro Passos Coelho cedeu à pressão e já não vai apresentar a compilação de mexericos de José António Saraiva. Depois de ter dito “Não sou de voltar com a palavra atrás nem de dar o dito por não dito. Estarei a fazer a apresentação dessa obra”, o líder do PSD foi igual a si próprio e, tal como em tantas outras ocasiões, a palavra dada não foi palavra honrada. Nada que surpreenda, vindo de quem vem[Read more…]

A devassa da vida alheia

Rui Naldinho

José António Saraiva resolveu escrever um livro acerca das supostas confidências que teve como jornalista com diversos políticos. Sendo algo que roça o mau gosto, porque revela conversas privadas, as quais nunca se tornariam públicas por autorização dos visados, mostra as suas fragilidades comportamentais. Nalguns casos fala por interpostas pessoas que já não estão neste mundo dos vivos para avalizarem ou denunciarem o que ali estiver escrito. Reproduz conversas tidas em privado com pessoas que pela sua avançada idade não estarão em condições psíquicas de o contrariar, ou até defender-se, caso a revelação os ponha em cheque.

Passos Coelho vai estar presente na apresentação do livro. Sabe que o livro é polémico e ficará sempre associado ao que de mau gosto o livro trouxer, da intriga menor á mexeriquice sórdida, porque muitas das coisas que ali estão escritas serão logo desmentidas pelos próprios visados. Outras não podendo ser desmentidas de viva voz, serão objecto de repulsa de amigos e familiares, por exemplo, pelos pais e filhos de alguns dos visados.
Mas por que vai o líder do PSD à apresentação do livro? [Read more…]

Casa dos Degredos

ppc

Que a miudagem da JSD de Santana queira fazer um concurso de misses, eu até compreendo. É preciso encher chouriços quando não há bandeiras para abanar. Que o líder da JSD de Marco de Canaveses deixe tudo para trás para se enfiar num reality show decadente e em decadência, que se resume a pouco mais que intriga, calhandrice e futilidade, num cenário onde a ordinarice e a vulgaridade parecem ser a regra, mesmo alegando algo tão absurdo como “Nada melhor que um reality show para mostrar às pessoas quem realmente eu sou“, também compreendo. Não é à toa que depois nos deparamos com discursos anedóticos e patéticos como este, que despertam sentimentos de pena e vergonha alheia, e que assistimos a tiros de bazuca no pé como aquele com que fomos brindados em Novembro passado. [Read more…]

Este é o livro que derruba ditaduras

E em português. (via RiseUP): Da DITADURA à DEMOCRACIA Uma Estrutura Conceitual para a Libertação.

” Os Predadores ” políticos.

FB_IMG_1441843335421

Hoje estará disponível nas livrarias o livro intitulado ” Os Predadores ” da autoria do meu amigo e jornalista da revista Sábado, Vitor Matos. O livro aborda a temática do funciomento dos partidos políticos.

Tudo o que os políticos são capazes de fazer para conquistarem o poder e como, desta forma, os partidos políticos colocam em causa a Democracia. Um livro muito interessante que recomendo vivamente a sua leitura, ainda por cima, em tempo de uma campanha eleitoral.

Vladimir Putin meets José Sócrates

Editora russa publica livros sobre Putin assinados por autores que não os escreveram” [Expresso]

Convite:

O Pedro Correia é um dos melhores bloggers portugueses. O Pedro Correia é um bom amigo. O Pedro Correia vai lançar o seu novo livro, “Vogais e consoantes Politicamente Incorrectas do acordo ortográfico” no próximo dia 21 de Maio, pelas 18h30 na Bertrand Picoas Plaza (Lisboa). Fica aqui o convite a todos os leitores do Aventar:

 

CONVITE_vogais_Picoas

Fanboy

PSL

Laranjinha
Apple Fanboy. via

O Tesouro de Manuel António Pina

25 de abril sempre e, por estes dias, mais que nunca!

O ensino público não precisa de mais impostos

Só precisa que não se gaste nos juros que nunca iremos pagar, Ricardo Campelo Magalhães. Os que pagávamos chegavam perfeitamente[Read more…]

Blogues que só podem dar bons livros

Parabéns Livreira Anarquista.

É amanhã

Sábado, 29 Setembro 2012, às 15H na Rua do Ferraz 22 – Porto, pelo José Magalhães

O Bispo de Beja, de Homem-Pessoa

Em 1980 a &etc publicava um folheto poético, datado de 1910, “denunciando a vida sexual de um bispo com uma perspectiva exclusivamente qualitativa e, aí, conservadora, se não inquisitorial“.

Valeu a Armando Silva Carvalho

ter sido apreendido pelas polícias Judiciária e de Segurança Pública à ordem do Ministério Público, seguido de processo instaurado ao editor por crime de abuso de liberdade de imprensa (isto em 1982, seis anos volvidos sobre a liberdade instaurada a 25 de Abril)(…). 
Processo arquivado sem água-vai ao editor, regados a gasolina e sujeitos a Auto-da-Fé no pátio do Tribunal da Boa-Hora os exemplares “apreendidos”,

Não fui proprietário da preciosa edição, mas fotocopiada a de um amigo, aqui se oferece devidamente digitalizada, à prova de combustíveis.

O Bispo de Beja

Miséria a quanto obrigas

Reafirmando as dificuldades económicas que atravessa, Cavaco Silva decidiu fazer de um daqueles livros chatos onde se guardam os discursos que alguém lhe escreveu um campeão de vendas. Vai daí escreveu umas coisas num prefácio sobre o anterior primeiro-ministro. Estão bem um para o outro. Ainda não percebi porquê mas anda meio mundo muito excitado com o assunto.

Eu o livro não compro, mas se precisar de uma sopinha de urtigas, cá em casa arranja-se. Cada um dá o que pode e a mais não é obrigado.

Blogues do Ano 2011, um prémio extra

Durante o Concurso Blogues do Ano 2011 surgiu uma proposta da Bubok que só agora se concretiza, surpresa, porque a comunicação por vezes falha e andámos um bocado perdidos nas semanas anteriores.

Prémio final: o livro dos blogues do ano 2011, a partir de textos que cada um dos vencedores seleccionará, dentro do publicado em 2011. Desde já pedimos que nos contactem, o que facilitava o processo.
Uma colectânea que antes de sair já foi lida, com textos dos melhores blogues de 2011, e que teremos muito prazer em divulgar.

Copo de vinho

“Trabalhar um livro até à minúcia de uma palavra.

E depois um leitor engole tudo à pressa para saber «de que se trata».

Vale a pena requintar um vinho para se beber como o carrascão?”

(Vergílio Ferreira, Pensar)

Aquela janela

adão cruz

Abri a janela de par em par e o sol encheu a sala. Respirei fundo e o ar fresco daquela manhã inundou os pulmões. O sangue como que adormeceu na quietude do pensamento. O magnífico impressionismo de Monet desdobrado pelas amplas salas do Grand Palais deixara-me a alma cheia.

Sentei-me numa cadeira com os braços apoiados no parapeito da janela, a olhar o mundo e os tectos cinzentos da grande cidade que se estendiam para lá do fundo da rua. Devo ter semi-cerrado os olhos pois não dei pela veloz queda do seu corpo frente à minha janela, apenas o estrondo no solo me fez levantar.

Ela vivia no andar de cima, na Rue Mouffetard, e a sua janela era mesmo por cima da minha. Há uma semana atrás, quando tomávamos um esporádico café, segredara-me que a vida já nada lhe dizia.  Falámos de homossexualidade e homofobia, tema que não me interessava particularmente.  A ela parecia dizer-lhe muito, pois ia aos arames com a cara e o ar das pessoas do bar em frente á nossa porta, quando a viam com a mulher com quem vivia. E logo em Paris, ainda se fosse na sua aldeia transmontana! [Read more…]

A solidez de um livro, segundo Sobrinho Simões

Por SANTANA CASTILHO

No livro que acaba de lançar, Maria de Lurdes Rodrigues cita Max Weber para justificar a sua acção política, movida, diz ela, pela “ética das convicções”. Atentem, generosas leitoras e leitores, ao naco de prosa que a ex-ministra escolhe para caracterizar quem tem vocação para a política (no caso, ela própria):

“… Só quem está certo de não desanimar quando … o mundo se mostra demasiado estúpido ou demasiado abjecto para o que … tem a oferecer … tem vocação para a política …” (in “A Escola Pública Pode Fazer A Diferença”, p. 18)

Freud ensinou-nos que nenhuma palavra ou pensamento acontecem por acidente. Uma coisa são os erros comuns, outra, os actos falhados. É falhado o acto que leva Maria de Lurdes Rodrigues a citar, assim, Weber, para justificar a sua acção política. E fez tudo o que fez, confessou-nos no circo do lançamento, com grande alegria, qual pirómana que se baba de prazer ante as cinzas da escola pública que deixou.

Eis as entranhas de uma coisa que não é pessoa, que não tem alma, e que não aguenta mais que 18 páginas para dizer, de modo obsceno, o que pensa dos que esmagou com sofrimento.

O livro é híbrido e frio, como a autora. É um relatório factual e burocrático sobre as suas tenebrosas medidas de política educativa. A excepção a este registo está na introdução, um arremedo ensaísta de alguém que chegou a ministra sem nunca ter percebido o que é uma escola e para que serve um sistema de ensino. Permitam-me duas notas factuais a este propósito e a mero título ilustrativo: [Read more…]

a escola pública pode fazer toda a diferença

antiga ministra da educação socialista, escreve um livro liberal sobre educação

Educar é uma tarefa de titãs, nem simples nem fácil. Não é em vão que vários de nós procuremos saber o que é educar e a melhor maneira do fazer. Somos vários em Portugal que dedicamos o nosso tempo a, como digo eu, introduzir crianças dentro do pensamento social do grupo em que vive. Tinha já escrito em 1994 na nossa Revista Educação, Sociedade e Culturas, editada pelo nosso grupo de Antropólogos e Sociólogos da Educação da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto, publicado por Afrontamento, esta frase, que desenvolvi em trinta páginas, esta questão: o processo educativo: ensino ou aprendizagem? A dúvida existia na mina cabeça e nas ideias do grupo que trabalhava comigo, de Portugal, Espanha, França, Inglaterra, os Neerlandês ou Holandeses, dentro e fora da Ciência da Educação, como essas Antropologia e Sociologia da Educação, fundadas por vários de nós em Portugal. A diferença é simples: a Ciência da Educação, aprendida por mim em Edimburgo e Cambridge, Grã-Bretanha, acrescenta a metodologia da transferência de saberes, o contexto sócio histórico e psicanalítico às ideias e noções do saber.

Porque essa dúvida? Porque há várias formas de entender a realidade dentro da que vivemos. Sem entender essa realidade, nada sabemos. Não me refiro ao saber científico, esse saber provado com hipóteses, investigação e prova do que se afirma, ou conjunto de normas pedagógicas tendentes ao desenvolvimento geral do corpo e do espírito, mas sim ao saber comum usado dentro da nossa cultura. Acabei por entender

[Read more…]

Maria de Lurdes Rodrigues foi hoje a enterrar

O cadáver estava putrefacto há vários anos, mas mesmo assim continuava a ser profanado constantemente.
Hoje percebeu-se. Faltava um último exorcismo antes que pudesse finalmente descansar.
Paz à sua alma.

O livro da Ministra dos analfabetos

Fará no domingo um ano que comecei a escrever no Aventar, afoitando-me com uma enorme falta de jeito a  comentar um livro de Maria de Lurdes Rodrigues que acaba de ser lançado hoje.

Cada vez me dou pior com os livros, e desculpem a inexactidão: um livro de Miguel Real intitulado A Ministra onde se ficciona a vida e má obra da anterior Ministra, agora mais vocacionada para as relações luso-americanas, vulgo ganda tacho.

Desculpem lá outra vez: Miguel Real sempre disse que se tratava de uma obra de ficção, e estou baralhado porque a ex-ministra que iniciou o processo de privatização da escola pública agora em pleno progresso mega-agrupamental, acaba de lançar um romance a que chamou “A Escola Pública Pode Fazer a Diferença“. E fazia Maria de Lurdes e Valter Lemos, fazia antes de vocês terem chegado com a missão de a reduzirem a empresa privatizável, e até rentável, pague-se aos que nelas trabalham o que vocês deixam que os municípios paguem aos monitores das AEC, faça-se dela um armazém de miúdos com vagas funções estatísticas.

Quanto ao resto, como diz o Paulo Guinote:

Que Maria de Lurdes Rodrigues deixe um livro como testemunho da sua obra é bom, excelente mesmo. Porque se tornará muito mais fácil analisar o período que ainda estamos a viver e ter alguém que assume o que (des)fez.

ADÃO CRUZ Um gesto de silêncio

         III VOL.

Caros amigos

 Acaba de ser editado o meu sétimo livro, o quarto de pintura e o terceiro deste conjunto de três, com o mesmo formato mas com subtítulos e cores diferentes.

 O livro teve o apoio da Fundação Ilídio Pinho, da Sociedade Portuguesa de Cardiologia e da Ordem dos Médicos.

 Gostaria muito de o oferecer a todos os amigos, mas, como devem compreender, isso não é viável, pois são edições que ficam muito caras.

 Se, eventualmente, o quiserem adquirir para vós mesmos ou para oferecer, o que muito prazer me dá, podem pedi-lo a edicoes.engenho@gmail.com

 Como o livro não tem fins lucrativos, foi estabelecido o menor preço possível, de 30 euros.

 Um grande abraço do amigo

 Adão Cruz

Sinfonia da Morte – O livro sobre o regicídio!

Sinfonia da Morte, livro escrito pelo ex-aventador Carlos Loures é objecto de uma belíssima apreciação crítica de Sílvio Castro,  indutora de leituras várias e enriquecedoras do livro. Profundo conhecedor do escritor,  o crítico, liga os labirintos, mas sem nunca nos oferecer a saída.

Duas históricas que correm a par, entrelaçando-se, em planos distintos no mesmo tempo mas em espaços diferentes. Tendo como motivo central o regicídio de D. Carlos e do príncipe herdeiro, disseca os vários grupos em confronto naqueles tempos em que campeava o “revolucionário” capaz de matar com as mais sinistras figuras do submundo.

O Aventar já apresentou o livro publicando vários excertos .

A não perder!

PS: Sílvio Castro é um escritor e cadémico Brasileiro professor na Universidade de Pádua.

Uma Nova Revolução