O palavra é uma arma

cavaco fisga

E há quem as empilhe em livros, arrumadinhas em parágrafos, reluzentes de mesquinhez em todas as letras.

O escritor apressado que baniu um Prémio Nobel da Literatura

Rui Naldinho

Presidenciais: Cavaco, o genial feiticeiro

Escrever livros é coisa normal em políticos, mesmo “amadores”. Depois de abandonarem os cargos para os quais foram eleitos, após um período de nojo, alguns escrevem as suas memórias biográficas. Outros escrevem ensaios sobre o seu pensamento político e filosófico. Mas em ambos os casos há uma vida para contar, um conjunto de experiências ao serviço da comunidade para transmitir aos mais novos, um estudo para debater e criticar, algo que possamos considerar uma marca cultural do exercício do poder.

O que não é normal em democracia, é vermos um ex-presidente com um passado político no mínimo duvidoso, a escrever um livro que mais parece uma vingança pessoal ou um ajuste de contas com um ex-primeiro-ministro.

[Read more…]

O livro

cavaco

O livro de Cavaco Silva, além de não ter qualquer garantia de verdade dos seus conteúdos – dado o autor, muito pelo contrário – é um golpe na fiabilidade da própria instituição presidência da República. A própria proclamação de Cavaco segundo a qual este livro é “uma prestação de contas aos portugueses” é – pela incapacidade do autor admitir o risco de subjectividade, considerando o texto completamente “objectivo” – a primeira e mais óbvia prova do pechisbeque político-literário que nos é oferecido. Mas os efeitos situam-se a outro nível. Quem estará disposto, agora, a ser completamente franco nas conversas reservadas com o presidente? Não que uma tal incomunicação – chamemos-lhe assim – impeça mistificações futuras, já que quem escreve este tipo de memórias mente quando e no que quer – sem ter, sequer, no caso presente, o mérito da qualidade literária. Mas, pelo menos, não será fornecido combustível para putativos incendiários políticos. Dir-se-á que Cavaco não tem credibilidade para provocar grandes prejuízos com as suas inconfidências e a parcialidade da sua narrativa. Mas o mal está feito e haverá sempre quem vá espojar-se neste material.

O sistema semi-presidencialista português tem os seus inegáveis méritos. Mas nem ele resistirá a muitos mais Cavacos e respectivas cavacadas. E se Cavaco Silva quer mesmo prestar contas ao país, todos temos imensas perguntas a fazer-lhe que nada têm a ver com este desleal e sujo exercício de quadrilhice institucional.

Cavaco Silva que nunca desconfiou…

… de Oliveira e Costa, de Arlindo de Carvalho, de Dias Loureiro, das acções da SLN não cotada em bolsa, de Ricardo Salgado (até aconselhou), …

Última hora 

Cavaco vai publicar um livro. A Academia  Sueca  está atenta.

Aníbal e as 5ª feiras – Ensaio de compreensão 

Tratemos então de coisas sérias. Brinquei aqui com o futuro livro de Aníbal Cavaco Silva sem o ter lido. E, sejamos esperançosos, pode ali estar uma obra prima a caminho. O que me leva a pensar isto? As pequenas citações que dele ouvi nos telejornais. Aníbal, com a abissal profundidade do seu pensamento, perscruta o espírito daqueles com que partilhou o poder. Mas, objectareis vós, aquilo não é um rosário de banalidades mesquinhas e completamente desinteressantes? À primeira vista assim parece. Mas tentemos olhar mais longe. Que nos diz, Aníbal, em resumo? Que as reuniões com Mário Soares eram sonolentas. Que Sócrates se atrasava muito, falava muito, mas, a dado momento, despertou-lhe a suspeita de que nem sempre dizia era verdade. Passos Coelho, por sua vez, não sabia o que dizer, optava pelo silêncio inicial, mas respondia obedientemente ao que lhe era perguntado.  [Read more…]

Não precisas de agradecer, Passos. Ficaste mal na mesma

porta

Pedro Passos Coelho cedeu à pressão e já não vai apresentar a compilação de mexericos de José António Saraiva. Depois de ter dito “Não sou de voltar com a palavra atrás nem de dar o dito por não dito. Estarei a fazer a apresentação dessa obra”, o líder do PSD foi igual a si próprio e, tal como em tantas outras ocasiões, a palavra dada não foi palavra honrada. Nada que surpreenda, vindo de quem vem[Read more…]