Se é isto que a Igreja tem a dizer, então que esteja calada

O Cardeal-Patriarca de Lisboa, Policarpo, acha que as manifestações de rua são uma corrosão do sistema democrático.
Assim sendo, é contra as manifestações que se realizaram recentemente, do 15 de Setembro ao 13 de Outubro.
É pena que um alto representante da Igreja não saia a terreiro para defender os mais pobres. Uma instituição que, apesar de todos os crimes de que foi responsável ao longo dos séculos, tem no seu seio gente séria que diz o que tem a dizer no momento mais necessário, como o bispo D. Manuel Martins ou, mais recentemente, Januário Torgal Ferreira.
Não se pedia tanto a Policarpo. Mas ser contra as manifestações democráticas do povo português, no momento em que está a ser espezinhado, ultrapassa todos os limites.
Infelizmente, para Policarpo e para grande parte da Igreja Católica, Salazar já morreu há muitos anos. E o Cardeal Cerejeira também. Temos pena.

Um governo corrupto

Um governo que tem um Miguel Relvas é corrupto (e não quero saber do detalhe anedótico da licenciatura, o caso contado por Helena Roseta é muito mais grave e as mentiras na AR chegavam).

Um governo que não tocou numa PPP mas foi aos bolsos dos funcionários e pensionistas, é corrupto.

Um governo que privatiza o que dava lucro ao estado, e quando privatiza arranja logo uma investigação, é corrupto.

Um governo que capitaliza bancos sem contrapartidas, é corrupto.

Um governo que promove os despedimentos, criando um mercado selvagem de emprego, é corrupto.

Um governo que aumenta os “nichos” de negócios na saúde e na educação, é corrupto.

Um governo que despede professores mas enche o bandulho às escolas privadas, é corrupto.

Um governo que contrata tarefeiros através de empresas de exploração de recursos humanos, é corrupto.

Um governo que não toca nas leis que tornam impossível em Portugal combater a corrupção, é corrupto.

Podem dizer-me que isto não é corrupção, é ideologia – seja -,  é a ideologia da corrupção. Podem tentar o argumento de que foi legitimamente eleito – pois foi -, mas perdeu toda a legitimidade quando prometeu não fazer tudo o que fez num instante. Podem tentar calar um Bispo, caindo-lhe em cima com Torres e Cavalos: não calam os Peões. E ainda agora a procissão vai no adro. Esperem pelas vindimas.

Saudades de Cerejeira

Posso gostar mais ou menos ou nada das opiniões emitidas por clérigos e afins, mas não gostaria de viver numa sociedade em que estivessem proibidos de falar. Por outro lado, as generalizações são sempre injustas, é certo, mas a História da Igreja Católica contém demasiados episódios de ligações a poderes opressivos ou de práticas sinistras, com torturas físicas e psicológicas incluídas.

De braço dado com o Estado Novo, a Igreja portuguesa do século XX participou em várias indignidades, quanto mais não fosse por omissão. A mesma instituição que nunca perdeu tempo a criticar as ditaduras de esquerda incitava os fiéis a acatar mansamente a miséria e a opressão. [Read more…]