O mito do emprego

A ler, no “Ladrões de bicicletas“.

“Para quem se exalta com que o que se passa no emprego em Portugal, conviria olhar para o gráfico [seguinte]” João Ramos de Almeida

A “vaca voadora” entrou em órbita

Há revelações muito interessantes nos números sobre o emprego e o desemprego em Portugal recentemente divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística.

Segundo o documento, publicado ontem pelo INE, entre 2016 e 2017 – um ano apenas – a população desempregada diminuiu 19,2%.
A taxa de “homens desempregados que procuram emprego há 25 e mais meses”, diminuiu 32,9%.

Isto não é um sucesso. É um milagre.

Mobbing: a forma moderna de Tortura

Nuno Gomes Oliveira*

Longe vai o tempo da escravatura, do feudalismo ou da inquisição, quando a tortura era genericamente aceite como método de obter confissões ou punir delitos ou simples suspeitas.
É certo que a Inquisição persistiu até 1904 e que de 1540 a 1794 os tribunais portugueses mandaram queimar vivas 1.175 pessoas e impuseram castigos a 29.590.
Em Portugal o último condenado à morte pela Inquisição foi o padre jesuíta italiano Gabriel Malagrida, Missionário no Brasil e pregador em Lisboa, que foi queimado no Rossio de Lisboa no dia 21 de Setembro de 1761 (80 anos antes da abolição definitiva, em 31/03/1821, há menos de 200 anos.)
A Revolução Francesa (1789-1799) trouxe significativos avanços no tratamento da questão, impondo às autoridades o respeito pela integridade física dos detidos e proibindo a tortura.

[Read more…]

Números que passam despercebidos

Pois é, Jorge. A emissão de dívida de curto prazo com juros negativos recorde não foi merecedora de grandes manchetes, o que é de estranhar visto vivermos num país onde a imprensa, toda ela e sem excepção, se encontra ao serviço da máquina soviética da Geringonça. O mais certo é nem ter havido emissão de dívida nenhuma. Se houve, com certeza que terá sido a habitual catástrofe, com juros altíssimos e perigo de resgate ao virar da esquina.

Da mesma forma, passaram despercebidos os números revelados anteontem pelo Eurostat, esse barómetro comuna, que dão conta de um crescimento do emprego na ordem dos 2,4% no quatro trimestre face a igual período de 2015, mais do dobro da média europeia (1%) e da zona euro (1,1%). E passaram bem porque só podem ser um grande barrete. Qualquer pessoa de bom senso percebe que um país controlado por comunistas e bloquistas não cria emprego.

Cartoon via Unique Design

Send ‘em over!

medicos_enfermeiros_inglaterra
Mandem médicos, mandem enfermeiros, mandem professores. Aqui não se trabalha de borla ou a troco de pratos de lentilhas.

A nova classe média 

O próximo grande trabalho para colarinhos azuis é programar (em inglês).

Os “ensináveis” – convites para a precariedade no trabalho

herbalife

Ontem à noite quando fui abrir a minha caixa do correio, apareceu-me esta enorme pérola. As questões de linguística deixo-as obviamente para quem de direito, ou seja, para o meu estimado colega de bancada Francisco Miguel Valada. Decerto que o douto autor deste convite, de tão mestre que é na arte de ensinar a venda da banha da cobra, não se deverá importar de representar no papel de ensinado.

Ao ler este convite fiquei embasbacado. Fruto das mais recentes experiências que tive à procura de emprego, confesso-me cada vez mais assustado em relação ao mercado de trabalho.

[Read more…]

O fim (não) está próximo

tein

A Geringonça, qualquer pessoa de bem sabia, não chegaria a acordo para o primeiro orçamento de Estado. Não duraria um mês um ano. Nunca se entenderia para um segundo orçamento. A implosão era inevitável. O drama, a tragédia e o horror espreitavam ao virar da esquina.

Portugal, que até ia ser uma das 10 economias mais competitivas do mundo se seguisse o caminho traçado por Passos, não tinha outra alternativa que não fosse apostar nos baixos salários. Na reversão de direitos laborais. Porém, sem que ninguém o pudesse antecipar, os custos do trabalho subiram mas o desemprego desceu. E continua a descer. E o salário mínimo continuará a aumentar.  [Read more…]

O Infoproletariado

 

Bureau-Computing-Division

Trabalhadores num escritório de Washington em 1924

António Alves

Por motivos profissionais tenho-me deslocado, quase diariamente, ao edifício por cima da parte nova da Estação de Campanhã. O mesmo edifício onde se encontra o gigantesco callcenter da NOS. A minha curiosidade sociológica tem-me levado a observar, com alguma atenção, o “ambiente” do complexo.
É um edifício gigantesco, feio e frio. O callcenter ocupa uma área enorme. Deve andar pelos 80% de toda a área edificada. São salas e mais salas, centenas, com paredes de vidro, repletas de “postos de trabalho” uns ao lado dos outros em filas paralelas. Existem torniquetes, daqueles comuns em estações e estádios de futebol, em todas as portas e entradas. Incluindo nos acessos a bares e cantinas. Ainda não comprovei se as casas de banho também estão “protegidas” pelas omnipresentes máquinas controladoras. Os trabalhadores activam-nas com um cartão que trazem dependurado ao pescoço num cordão que ostenta o logótipo da NOS.

Não sei quantas pessoas lá trabalham. Mas devem ser muitas centenas, ou mesmo mais de um milhar, nos vários turnos que preenchem as 24 horas do dia. O ambiente é fabril. [Read more…]

Admirável mundo novo

_86655692_lyingincoffins

Na Coreia do Sul, de acordo com uma reportagem da BBC, algumas empresas propõem aos seus funcionários a simulação do seu próprio funeral. A ideia pretende ser, digamos assim, generosa: ajudar os empregados a gerir o stress provocado por uma sociedade altamente competitiva e com uma das maiores taxas de suicídio do mundo, de modo a reconciliá-los com a vida, torná-los mais equilibrados e… produtivos.

O enredo desta iniciativa assenta num ritual que tem tanto de macabro como de pueril: depois de confrontarem os voluntários com vídeos que realçam a forma positiva como certas pessoas reagem a problemas muito mais graves – pessoas com cancro terminal gozando a última réstia de vida, pessoas sem membros aprendendo a nadar… -, é-lhes pedido que redijam, perante um caixão aberto, uma carta de despedida para os seus entes queridos. Terminada a tarefa, entre soluços, prantos e outras pieguices, são convidados a entrar no féretro, que será encerrado durante 10 minutos, o suficiente para se confrontarem com o sentido da vida.

Afirma um dos adeptos do método, presidente de uma firma de – é isso mesmo – recursos humanos, que “a experiência de entrar num caixão é tão chocante que lhes pode provocar um reset às suas mentes, permitindo-lhes reconfigurar totalmente as suas atitudes”.

[Read more…]

Há menos 370 mil empregos em Junho de 2015 do que em Junho de 2011

nuno-serra-emprego

Temos regularmente direito a uma sopa de números sobre o desemprego. Está tudo a correr bem, diz o governo. O INE é confuso, diz o governo. Portugal recuperou, acrescenta o governo.

Nuno Serra fez um trabalho detalhado sobre o emprego e o desemprego, pesquisando os números oficiais e olhando para os detalhes. Separou o emprego efectivo, os estágios que escondem o desemprego (cujo número disparou para 156 mil) e o subemprego registado (que aumentou em 36 mil pessoas). [Louçã]

Engenharia política do desemprego, como já se tinha constatado. Um saco de propaganda. Por isso, faz muito mais sentido falar da taxa de emprego do que da taxa de desemprego. Até porque os desempregados ao deixam de se inscrever no IEFP quando acaba o subsídio mas não se evaporam. E atendendo aos números da emigração  (cerca de 450 mil desde 2011), estes números até devem ser conservadores.

Quer um curso com emprego garantido?

Basta conseguir uma das 200 vagas do CEAGP, pagar 5 mil euros em propinas e terminar o curso com média igual ou superior a 12. Em alternativa filie-se na JS, JSD ou JP da sua freguesia. Tem mais vagas e tende a ser ainda mais fácil.

Desemprego 2011-2015: propaganda ou factos?

A estratégia da coligação do governo consiste em procurar convencer as pessoas de que a austeridade funcionou e para tal precisam de apresentar alguma prova. Não podem usar os objectivos enunciados em 2011 e que justificaram toda a austeridade (baixar o défice para menos de 3% e controlar a dívida pública) porque esses objectivos falharam redondamente e não há como esconder esse facto.

Viram-se para isso para os números do desemprego, mais facilmente manipuláveis, se bem que os incompetentes da coligação o estejam a fazer de forma tão tosca que facilmente são desmascarados. Assim se percebe que Bruno Maçães tenha ficado abespinhado quando O WSJ não seguiu o enredo que a coligação tinha desenhado.

Agora saiu um tempo de antena com a mensagem oficial, cheia de números martelados. Parece que o plano consiste em repeti-los ad nauseam até que os portugueses os assimilem. No fundo, continuam a fazer o que fizeram ao longo de quatro anos.

Desmonta-se a seguir a propaganda do PSD/CDS quanto aos números do desemprego.

wrong “Em 2011, quando o PS deixou o Governo, herdámos um desemprego de 12,7%”
Factos: Em Junho 2011 o desemprego era de 12,1%

[Read more…]

Taxa de emprego 1988-2015

taxa emprego 1988-2015

Fonte (com adaptação minha). In Portugal, employed persons are individuals with a minimum required age who work during a certain time for a business. This page provides – Portugal Employed Persons – actual values, historical data, forecast, chart, statistics, economic calendar and news. Content for – Portugal Employed Persons – was last refreshed on Sunday, July 19, 2015.

Quando se fala de emprego em Portugal logo vem à baila a taxa de desemprego, o que é um contra-senso. Eu prefiro olhar para a taxa de emprego, que até está menos sujeita a redefinições cosméticas (todos os governos as têm feito como forma de camuflar o desemprego).
[Read more…]

A Primavera Passista

Compro

Como diria Diácono Remédios, “a notícia é uma boa notícia“. E é mesmo. Todo o emprego que alguém quiser criar neste país é sempre bem vindo, excepto nos casos em que se verificar tratar-se das subespécies “exploração” ou “pré-escravatura”. E logo a Concentrix (nunca ouvi falar) ,uma empresa que apesar de não confirmar, o Expresso sabe que tem a Apple entre os seus clientes. Fiquei tão entusiasmado com tudo isto que até coloquei ali em cima o logótipo Compro o Que é Nosso, que é um logo bonito e que me enche de esperança no amanhã em que valorizamos o que é nacional, apesar de não ter grande coisa a ver com esta situação específica. Abençoados os anos de eleições e as Primaveras do optimismo e da ilusão que antecedem Verões de porcos no espeto, concertos de música pimba à borla, canetas, isqueiros e réguas com fartura! Venham daí essas descidas de impostos e os programas para resgatar emigrantes da hecatombe socrática que o desgraçado do Passos herdou. Ah, o triunfo da austeridade em todo o seu esplendor!

[Read more…]

Admitem-se Deficientes com ausência de Braço ou Perna (m/f)

zen_spa_satori

“com capacidade de imitar monstros como zombies, psicopatas, fazer sons e feições assustadoras, etc…”

A criação de emprego segundo Paulo Portas

O político profissional Paulo Portas lembrou-se de perguntar quem tinha criado mais emprego, se o BE, se a Remax. Podia também ter perguntado quem foi o melhor marcador do último campeonato, se João Semedo ou se um jogador de futebol, mas não lhe apeteceu.

A mim apeteceu-me perguntar quanto emprego foi descriado pelo CDS ao lado do PSD, ou se quiserem por Paulo Portas e Passos Coelho. Descriado, destruído, arrasado, como queiram. Deu isto:

emprego portugal 2009 2013Dados INE, segundo a Pordata.

Podia ser pior? podia, mas estejam descansados que ele insiste.

 

Como baixar a taxa de desemprego

Só no ano passado emigraram 110 mil portugueses. Note-se: só no ano passado.

 

Enquanto a Europa definha, os dividendos aumentam

dans_le_metro_de_Paris_photo_Jacques_Demarthon_AFP
© Jacques Demarthon

Uma parte importante dos recursos públicos destinados aos cuidados em saúde, à educação, à criação e fruição cultural, enfim, ao desenvolvimento numa perspectiva larga e de longo termo, foram já subtraídos aos orçamentos dos Estados como consequência de decisões políticas que privilegiam outras prioridades – mesmo se anunciadas em nome de pacotes reformistas ou do «rigor orçamental». É certo que as Constituições ainda asseguram, mesmo se nessa letra pequena de lei que a actual classe de governantes tem relutância em ler, os princípios democráticos que servem uma ideia de sociedade em que a desigualdade extrema não cabe – mas também que as leis fundamentais perderam relevância no quadro das actuais políticas dos Governos, ligados entre si pelos contextos obscuros de uma economia global cujos primeiros grandes embates justamente sofremos por estes dias.

A desigualdade atinge em 2014 níveis jamais sonhados pelas gerações nascidas na Europa e na América depois das guerras do século XX. Por todas estas razões, é sempre bom ir tendo notícias do paradeiro da riqueza que ainda ontem servia a vida de muitos mais, designadamente sob a forma de direitos adquiridos por contrato social, mais do que hoje empenhado na qualidade da vida e na mobilidade social dos cidadãos. Em França, um índice recentemente publicado por uma empresa de gestão de activos chamada Henderson Global Investors (HGI) acaba de revelar o aumento exponencial dos dividendos pagos pelas grandes empresas aos seus accionistas. Incidindo no segundo trimestre do ano, o referido índice dos melhores retornos mundiais em dividendos emergiu no espaço mediático francês no exacto momento em que as ajudas públicas às empresas privadas (em nome da retoma económica e da criação de emprego) atingiram um patamar de investimento jamais conhecido.

[Read more…]

Casa roubada, trancas à porta

EUR

Esmiuçados os resultados das eleições europeias e constatado o crescimento exponencial dos partidos eurocépticos, vários líderes do pote burocrata europeu correram a alertar para o perigo que tal representa para o projecto europeu. Destacadas personalidades como Angela Merkel, Durão Barroso, Jeroen Djisselbloem, David Cameron ou François Hollande, vieram imediatamente a terreiro falar no problema do emprego e no seu compromisso para o combater. Não sei o que será mais idiota: se esta lógica de “casa roubada, trancas à porta“, se o simples facto de só se terem lembrado desse problema quando sentiram a sua posição ameaçada pelos radicais democraticamente eleitos.

[Read more…]

A verdadeira Troika da direita

O grupo de boys incompetentes que nos tem roubado nos últimos anos procura vender a ideia que a salvação está mesmo a chegar e que, ali ao virar da esquina, está a luz.Só não dizem que a luz ao fundo do túnel é ainda a luz da frente do comboio que nos vai trucidar

Podiam ser sinceros e apresentar a verdade toda. Confesso que, pessoalmente, teria o mesmo comportamento, mas pelo menos tinha a certeza que lutava contra alguém que tinha apenas ideias diferentes das minhas. Mas, não. Esta gente não se dá a esse respeito.

As verdadeiras intenções deles podem ser arrumadinhas em três pacotes: [Read more…]

A prova para ser professor

Ao que isto chegou – Nuno Crato pretende roubar dinheiro aos contratados e / ou desempregados para pagar aos carrascos que aceitem tal vergonha: 3 euritos por questão!

Confesso que não irei ficar surpreendido com o que vai acontecer, mas saberei tirar daí as devidas consequências, mas antes que tal aconteça, permita-me que insulte todos os PROFESSORES CHULOS que aceitam tal coisa!

A nossa dignidade não está à venda! A minha, pelo menos, não está!

Vão brincar com o …!

Dúvida

Se num ano diminuem os empregos e aumenta o número de  fortunas superiores a 22 milhões de euros, podemos concluir que a acumulação de riqueza é inversamente proporcional ao trabalho?

Números do emprego e fraude intelectual

Zan_Zig_performing_with_rabbit_and_roses,_magician_poster,_1899-2

Por qualquer razão tinha Pedro Romano em conta de alguém com alguma honestidade intelectual. Tinha. Escrever um relambório, para não lhe chamar vomitório, sobre uma anunciada descida do desemprego está ao nível do milagre económico de S. Pires de Lima.

No 3º trimestre de 2012 tínhamos, segundo as estimativas do INE, 4 656 300 empregados. Em 2013 e para o mesmo período são 4 505 600, menos 2,2%. Claro que entretanto a taxa de desemprego baixou porque a emigração cresceu, num país onde a economia tem sido meticulosamente destruída por devotos do deus mercado, uma religião que tem por prática a crucificação dos outros. Pior ainda: subiu o emprego em 9,4 % numa categoria que diz tudo: trabalhadores familiares não remunerados e noutra, subemprego de trabalhadores a tempo parcial cresceu 5,5%. Estamos no bom caminho, temos mais escravos e donas de casa. [Read more…]

Contratados

Aqui têm uma excelente questão!

Saiu a reserva de recrutamento 2

apesar de Nuno Crato continuar a dizer que está tudo colocado. Afinal havia outra verdade

Desemprego em Portugal

P1163

A fumaça do dia, que não tapa um recém-nascido quanto mais funcionários do Citibank, é a descida do desemprego. Isto resultaria numa chatice para a esquerda e numa vitória para a direita. Fui ver, seguindo esta ligação, e deparo-me com dois funcionários de dois bancos, dizendo um, aliás uma:

 a população activa registou um declínio mais acentuado

e o outro que

O emprego aumentou, assim como a população ativa,

Cheirou-me a esturro, nada como ir à fonte. O INE é bem claro, nas suas estimativas:

A população empregada diminuiu 3,9% em relação ao trimestre homólogo de 2012 (182,6 mil pessoas) e aumentou 1,6% em relação ao trimestre anterior (72,4 mil). (…)

A população desempregada aumentou 7,1% em relação ao trimestre homólogo de 2012 (59,1 mil pessoas) e diminuiu 7,0% em relação ao trimestre anterior (66,2 mil).

Deixemos de lado o problema da população activa e de quem tecnicamente a forma, da emigração dificilmente contabilizável num espaço europeu, etc. etc. que fazem da taxa de desemprego um número pouco interessante porque dificilmente comparável. Um bom indicador económico, utilizado de forma homóloga como é óbvio, seria um aumento da população empregada; diminuiu e muito. O resto é tão sanzonal como a propaganda de todos os governos todos os anos repetindo a mesma coisa, como se fossemos muito estúpidos ou desconhecêssemos que os turistas chegam a partir do Abril em Portugal. E este ano até são muitos, ainda bem, sem dúvida que darão mais trabalho durante umas semanas a muita gente, óptimo, esperem pelos dados do 3º trimestre, vai ser um autêntico festival propagandistico de Verão em pleno Outono governamental.

A Acta dos Professores (iii): os contratados

Quando escrevo contratados no título do post estou a pensar na questão do emprego e não na condição A ou B porque, em abono da verdade, o que fez mexer a classe foi o receio pelo emprego, foi o medo de ter ou não ter trabalho. E, por isso, qualquer análise, mais ou menos apaixonada deve ter como base esta questão – o emprego.

Pergunto: a acta assinada garante ou não o mesmo nível de emprego hoje existente na profissão?

Sim e talvez até aumente o número de contratados. Como?

Simples:

– a Direcção de Turma que o MEC tinha tirado da Componente Lectiva regressa à casa de partida (3 mil horários que continuam);

– há actividades até agora por regulamentar que passam directamente para a componente lectiva, o que significa mais horários;

– 6 mil docentes com a aposentação pedida não irão ter serviço a 1 de Setembro. São mais 3 mil horários;

– a componente lectiva fica como está, ou seja, não aumenta o nosso tempo de aulas. Falava-se em 3 horas a mais na componente lectiva. Se fossem 3h por cada um dos 100 mil professores no sistema…

– a redução por idade na componente lectiva não sofre qualquer alteração.

– a componente individual fica claramente definida, algo até agora mutável ao sabor de cada Director.

– um professor só será enviado para horário zero se não tiver mesmo qualquer hora na sua escola.

Podia ser mais e melhor?

Claro. Poderia até haver um ponto sobre o aquecimento global e a caça às baleias, mas num país ditatorialmente gerido pela TROIKA, num país onde mais ninguém se levanta para dizer não, o que se conseguiu é, pelo menos, positivo. E, em termos de emprego docente, é brutal!

E, mais uma vez, os Professores foram exemplares na forma como lutaram!

Tão óbvio

Que até me sinto  surpreendido por recorrer a Manuela Ferreira Leite, mas:

“O não despedimento na função pública não era um privilégio. O motivo para isso tinha a ver com a tarefa de interesse público, o que não tem nada a ver com o trabalhador do sector privado que está a defender o interesse do seu patrão. Os funcionários públicos deviam agir com independência e isenção, por isso não eram despedidos. Só assim se pode ter isenção do poder político”

Aliás, pensando na Educação, costumo dizer e escrever que as Escolas funcionam apesar do Ministério da Educação. Historicamente, as Escolas, nas suas mais diversas dimensões têm conseguido avaliar de forma eficaz o que cada Ministro vai vomitando. Momentos há, em que se aproveita alguma coisa, mas há também outras ocasiões em que simplesmente se ignora a ignorância do ignorante superior. E essa capacidade de defender a Escola Pública e os alunos só é possível porque somos independentes.

É uma questão tão cristalina que não se entende como é que há gente que vacila. Ou se calhar entende – é gente que quer ter uma administração pública dominada ao toque dos interesses partidários.

Concurso de Professores começa a 23

Está publicado o aviso de abertura do concurso de professores. Neste momento e antes de leituras mais atentas, ficam as datas mais importantes:

“A candidatura é feita em dois grupos cujo calendário é o seguinte:

1 — Primeiro grupo, letras A a K:  10h de 23.04 às 18h 03.05;

2 — Segundo grupo, letras L a Z —   10h de 26.04 às 18h 07.05;

Boa sorte!