Ortografia sem filtro

In Britain’s case, I’d suggest that we think of financial services as the industry in question. Such services are subject to both internal and external economies of scale, which tends to concentrate them in a handful of huge financial centers around the world, one of which is, of course, the City of London.

– Paul Krugman

When there are external economies of scale, a country that has large production in some industry will tend, other things equal, to have low costs of producing that good. This gives rise to an obvious circularity, since a country that can produce a good cheaply will also therefore tend to produce a lot of that good.

– Krugman & Obstfeld

***

Segundo o Público, o «imposto sobre o tabaco foi o ponto fraco das receitas fiscais», tendo sido a única cobrança a descer em 2017. Pelos vistos, aliás, o Governo contava com esta descida, mas de forma marginal, tendo a diferença ficado muito acima daquilo que se previra no OE, et pour cause, “oficialmente” (eis as aspas, na conhecida versão gráfica do gesto das orelhinhas de coelho).

O Governo tem vindo a contribuir, sistematicamente, desde 2012, para a acentuada descida da qualidade dos Orçamentos do Estado. Curiosamente, tal como a descida das receitas fiscais com o imposto sobre o tabaco, a descida geral na qualidade ortográfica estava prevista e deve-se também a um efeito único. Todavia, o Ministério das Finanças não previu esta descida e não sabe qual o efeito . Para prever e para saber, convém estudar. E querer saber. E o Governo está-se rigorosamente nas tintas.

Sim, nas tintas. Para isto: [Read more…]

As minhas reais preocupações sobre o fato

017AFR14D09J2303

© Alain Rossignol / Jorge Cunha (http://bit.ly/1Denk24)

That no good. Ugh.

Allen Ginsberg, America

***

Segundo Elisabete Jacinto, o “problema reside no fato de desconhecermos onde está esse limite“. Por seu turno, Ricardo Leal dos Santos considerou importante “o fato de tudo ter corrido sem qualquer tipo de percalço“. Efectivamente, já em Novembro de 2014, de acordo com a mesma fonte, o piloto Nico Hulkenberg revelara estar “muito contente pelo fato do calendário da Fórmula 1“. Há poucas horas, surgiu “o fato de na véspera“. Através deste pequeno périplo, isolámos um exemplo muito concreto de geração de estrangulamentos e de constrangimentos. Estrangulamentos e constrangimentos? Exactamente.

Igualmente respeitador daquele princípio extremamente conhecido (“Agora ‘facto’ é igual a fato (de roupa)”), Rui Caldeira, director do Observatório Oceânico da Madeiraescreve o seguinte:

Estes acontecimentos serviram também para despertar as minhas reais preocupações sobre o fato de que na condição de ilha no meio do Atlântico estarmos [sic] desprovidos de um sistema de monitorização permanente do oceano circundante.

Além das “preocupações sobre o fato”, poderíamos perguntar o porquê de ‘trajeto’, ‘boias’, ‘direção’ e até ‘efetuamos’, quando ‘Dezembro’, ‘afectam’ e ‘detectados‘ abriam boas (para não dizer óptimas) perspectivas.

oom

Admito que o «’orgulhosamente’ sós», escrito por Caldeira, isolando o orgulhosamente e deixando o sós à solta, me levou às aspas do Tarski. Não, não são do Tarski do Searle: são do Alfred.

Contudo, como o problema que hoje apreciamos “reside no fato“, terminemos com chave de ouro e debrucemo-nos sobre o assunto.

Da alfaiataria, meu caro Krugman: this is the West, sir…

http://bit.ly/XJ8GIo

Facts are stubborn things; and whatever may be our wishes, our inclinations, or the dictates of our passion, they cannot alter the state of facts and evidence

John Adams

Pergunta Paul Krugman: «de onde vêm os “factos”?».  As aspas são matéria muito interessante e sobre ela já se debruçaram, por exemplo, Frege, Tarski, Quine e Davidson. Neste caso, o objectivo de Krugman não é o de citar factos referidos algures por outrem, mas atribuir ao vocábulo exactamente o valor oposto, funcionando “factos” como antónimo de factos. Quanto à pergunta (de onde vêm os “factos”?), verificando os dados factuais (isto é, os factos sem aspas) e concluindo que a asserção (note-se, asserção e não acepção, muito menos *aceção, palavra insuportável, sendo evidente a função diacrítica da consoante não pronunciada, sim, claro, em português europeu) de que a despesa federal aumentou 37% durante a administração Obama não corresponde à realidade (ou seja, é “facto” e não facto), o professor de Princeton – e conhecido Nobel da Economia, a quem o actor Jon Stewart chamou “the rare gray-bearded urban laureate”, durante a recente polémica sobre a moeda de 1 bilião de dólares – infirma-a e demonstra que o aumento correspondeu, de facto (sinónimo de ‘efectivamente’, palavra extraordinária e bastante popular entre a jovem população urbana portuguesa de finais dos anos 80), a 12,7%, verificando aquilo que se passou  entre 2008 e 2012 (contas relativas aos respectivos quartos trimestres).

Assim, resta-me a dúvida: aqueles “factos” serão fatos? Claro, a dupla grafia no seu esplendor. A função das aspas no texto inglês de Krugman poderia ser assumida pela supressão da letra consonântica C numa versão portuguesa. Sim, fatos como “factos” e em vez de factos. Fatos na função de [Read more…]