Câmara do Porto discutiu projecto de Gaia para as Caves

Fotografia: UP

Imagem: World of Wine

Numa declaração feita hoje nas redes sociais, o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, afirmou que foi discutido em reunião do executivo municipal da cidade do Porto o projecto de 100 milhões de euros que a Câmara de Gaia se prepara para licenciar e que irá desfigurar a paisagem urbana do Centro Histórico e das Caves de Vinho do Porto, destruindo um valiosíssimo e intemporal património.

Segundo Rui Moreira “a Câmara do Porto não pode nem deve pronunciar-se”, sendo o assunto “da competência da Câmara de Gaia e, eventualmente, da Direcção Geral do Património Cultural”.

Recorde-se que o actual vereador do urbanismo da Câmara Municipal do Porto, o Arquitecto Rui Loza, afirmou numa conferência organizada precisamente pelo município gaiense, que a destruição das Caves de Vinho do Porto implicaria para a cidade do Porto a perda da classificação da Unesco.

Rui Moreira

rui_moreira_cm_porto

Miguel Teixeira

Faço uma avaliação positiva do mandato de Rui Moreira à frente da Câmara Municipal do Porto e, provavelmente, votaria nele se fosse eleitor naquele concelho. Dito isto, acho que ao “descartar” o apoio do PS , que participou lealmente na governação do município, ajudando Moreira a consolidar o poder e a criar uma imagem positiva do executivo nos últimos 4 anos, o atual Presidente da Câmara do Porto não esteve bem.
As palavras da Secretária Nacional do PS, ao referir “que se Rui Moreira vencer, será uma vitória do PS”, são quanto a mim, um argumento mesquinho usado por Moreira para rejeitar o apoio do PS. É óbvio que se um qualquer partido político, que não é um partido qualquer, sendo o partido que governa o país, abdica de apresentar candidato e decide apoiar uma candidatura independente, por reconhecer que essa candidatura é importante para a cidade, essa é uma atitude que revela humildade. [Read more…]

Câmara do Porto usa “sem abrigo” para promover o turismo

img_4286

A Câmara do Porto vai distribuir máquinas fotográficas descartáveis aos “sem abrigo” da cidade. O objectivo declarado pela autarquia é estimulá-los a participar numa espécie de concurso fotográfico, com fins turísticos, presumindo-se que o original hábito que estas pessoas têm de dormir ao relento seja garantia de excelentes instantâneos sobre a “pele” da cidade, para inglês ver e agente turístico lucrar.
[Read more…]

A Escola do Sócrates

Carlos Silva

2016-07-28_12h31_32

Aprendi, já há algum tempo, que na política há os sérios e os que precisam do marketing.

[Read more…]

Quer explorar uma piscina olímpica, e equipamentos anexos, pela módica quantia de 2300 euros mensais? Vá ao Porto.

piscina_porto_campanhaAntónio Alves

Num negócio muito pouco transparente, a Câmara do Porto cedeu os direitos de superfície sobre a Piscina de Campanhã, a título gratuito pelo período de 25 anos, ao FC Porto. Essa é condição essencial, a cedência dos direitos de superfície, para que o FC Porto pudesse ter aberto no passado dia 16 de Dezembro um concurso público urgente para a realização de obras de recuperação da infra-estrutura assumindo-se este clube desportivo como dono da obra. É também condição essencial para que o FC Porto possa candidatar-se a fundos do QREN para financiar os custos das citadas obras. [Read more…]

Privatização, à socapa, de equipamentos e funções públicas

PISCINA_DE_CAMPANHA_Porto

António Alves

Soubemos ontem, através de notícia no Site da Câmara Municipal do Porto [1], que esta pretende entregar ao FC Porto, pelo prazo de 25 anos, a gestão da Piscina Municipal de Campanhã num acto que consubstancia uma concessão directa destas instalações públicas a uma entidade privada. Não ponho obviamente em causa a capacidade do FC Porto para recuperar e gerir o equipamento. Tem-na para dar e vender. Mas o FC Porto é uma entidade privada que colocará legitimamente os seus interesses próprios sempre à frente dos interesses da cidade e dos munícipes.

A piscina de Campanhã, embora tenha problemas estruturais que devem ser resolvidos, continua perfeitamente funcional. Prova disso é que o FC Porto a utiliza regularmente para treinar os seus atletas. [Read more…]

As minhas reais preocupações sobre o fato

017AFR14D09J2303

© Alain Rossignol / Jorge Cunha (http://bit.ly/1Denk24)

That no good. Ugh.

Allen Ginsberg, America

***

Segundo Elisabete Jacinto, o “problema reside no fato de desconhecermos onde está esse limite“. Por seu turno, Ricardo Leal dos Santos considerou importante “o fato de tudo ter corrido sem qualquer tipo de percalço“. Efectivamente, já em Novembro de 2014, de acordo com a mesma fonte, o piloto Nico Hulkenberg revelara estar “muito contente pelo fato do calendário da Fórmula 1“. Há poucas horas, surgiu “o fato de na véspera“. Através deste pequeno périplo, isolámos um exemplo muito concreto de geração de estrangulamentos e de constrangimentos. Estrangulamentos e constrangimentos? Exactamente.

Igualmente respeitador daquele princípio extremamente conhecido (“Agora ‘facto’ é igual a fato (de roupa)”), Rui Caldeira, director do Observatório Oceânico da Madeiraescreve o seguinte:

Estes acontecimentos serviram também para despertar as minhas reais preocupações sobre o fato de que na condição de ilha no meio do Atlântico estarmos [sic] desprovidos de um sistema de monitorização permanente do oceano circundante.

Além das “preocupações sobre o fato”, poderíamos perguntar o porquê de ‘trajeto’, ‘boias’, ‘direção’ e até ‘efetuamos’, quando ‘Dezembro’, ‘afectam’ e ‘detectados‘ abriam boas (para não dizer óptimas) perspectivas.

oom

Admito que o «’orgulhosamente’ sós», escrito por Caldeira, isolando o orgulhosamente e deixando o sós à solta, me levou às aspas do Tarski. Não, não são do Tarski do Searle: são do Alfred.

Contudo, como o problema que hoje apreciamos “reside no fato“, terminemos com chave de ouro e debrucemo-nos sobre o assunto.

Contas à moda do Porto

A câmara paga, o presidente cala, La Féria assobia para o ar.

Feira do Livro do Porto: o regresso

feira_livro_2014

Organizada pela Câmara Municipal do Porto. O programa de actividades é variado.

Em ruínas

Na antiga fábrica de sabão em Lordelo do Ouro, que voltou a ser notícia esta semana, o meu avô esteve por duas vezes à beira da morte. Trabalhou lá muitos anos e sofreu um acidente que lhe provocou queimaduras graves. Do acidente mais grave na história da fábrica salvou-se por sorte, porque trabalhava por turnos e aquele não era o seu. Nesse dia, fomos (a minha mãe e eu) encontrá-lo a ajudar na limpeza dos destroços. Estava ferido, tinha sido atingido na cabeça por uma telha que voou com a explosão, e essa telha foi providencial, porque impediu que ele entrasse na fábrica para socorrer os colegas por quem já ninguém poderia fazer nada.

Não me lembro desse dia em que fomos à fábrica, a minha mãe conta-me a história com detalhes, mas nenhum me ilumina a memória, continuo a escutá-la como se tudo se tivesse passado com outra criança que não a que eu fui. As memórias que tenho da fábrica são posteriores, quando ainda estava em funcionamento mas o meu avô já não estava lá, mas ainda a via da janela do seu quarto. Eu era adolescente e ia vê-lo depois da escola, e ele estava à janela, sempre à janela, e acenava-me quando me via, e eu sabia que ele estava a olhar para a fábrica, que não conseguia deixar de olhá-la sempre. Dos últimos anos, quando a fábrica já estava fechada, pouco recordo, porque desde que o meu avô morreu eu não voltei a querer passear por aquelas ruas de Lordelo do Ouro, e quando passo é de carro e sem vontade de olhar para lado nenhum. [Read more…]

Nem tudo o Rio levou

Os funcionários da Câmara Municipal do Porto, na rua das Flores, limparam os riscos mas preservaram o graffiti de Hazul. Fotografia de Egídio Santos

Os funcionários da Câmara Municipal do Porto, na rua das Flores, limparam os riscos mas preservaram o graffiti de Hazul. Fotografia de Egídio Santos

Nuno Cardoso: Sei o que fizeste na década passada

sem nome
Porto, 31 de Dezembro de 1999. Milhares de pessoas, reunidas na avenida dos Aliados para o habitual espectáculo pirotécnico que marca a passagem de ano, começam a contagem decrescente. 10 – 9 – 8 – 7 – 6 – 5 – 4 – 3 – 2 – 1- Zero!
Nada. As pessoas olham para os relógios, olham umas para as outras e questionam-se. 1, 2, 3 minutos e nada. Silêncio total, a avenida completamente apagada. Minutos depois, começa a debandada. Naquele ano, não houve fogo no Porto.
A explicação oficial veio mais tarde. Uma avaria no sistema, mais concretamente no botão que accionaria o início do espectáculo, impedira a explosão do fogo-de-artifício. Num «golpe de asa», o Presidente da Câmara, Nuno Cardoso, vem a terreiro anunciar uma grande festarola para o Dia dos Reis, tradição que caira em desuso e que ele agora prometia ressuscitar.
Este episódio caricato é uma espécie de símbolo da passagem de Nuno Cardoso pela Presidência da Câmara Municipal do Porto. Numa frase, a incompetência e a falta de tacto – político e de qualquer tipo, aliadas a um populismo que teve o seu expoente máximo numa descarada colagem aos clubes da cidade e em particular ao FC Porto. Uma colagem que Pinto da Costa agradeceu, guardando Nuno Cardoso ciosamente no seu bolso e retirando-o de lá sempre que foi necessário.
Contextualizando: [Read more…]

Passe a palavra? Partilhe?

Passar a palavra? Partilhar? Com certeza, mas sem grande entusiasmo. Contudo, é importante dar-se a conhecer esta cacografia que actualmente se adopta em Portugal. Escreve-se *’direto’ e ‘Junho’ e tudo continua como dantes. Nem uma coisa, nem outra: a mistela do costume. Divulgado e partilhado está: siga.

Post scriptumNo JN já sou obrigado a escrever de acordo com o acordo ortográfico“. Rui Moreira foi obrigado a…?  A sério? Ah! Está bem. O Jornal de Notícias?

Projectando o presente, chegaremos a essa fase em que, teoricamente, passaríamos a financiar-nos no mercado, com uma dívida pública colossal, as famílias angustiadas, as empresas exangues e um país dividido. Não são boas as perspectivas.

(…)

Será o Governo, na sua actual configuração, capaz de conduzir o país nesta recta final até o pós-troika? Duvido.

Alberto Castro, Jornal de Notícias, 28 de Maio de 2013

Já mandaram um convite a Rui Rio…

…para um Worst Tour?

“Se quisermos ser empreendedores no Porto, tudo tem de passar pela Câmara. E qualquer documento traz uma nota de rodapé a dizer que não podemos dizer mal da Câmara.

Código da Estrada no Porto: os livros perdem prioridade

feiralivroportoEstá suspensa a realização da Feira do Livro do Porto, em 2013. A Câmara Municipal, ainda presidida por Rui Rio, tem dinheiro para “sustentar os 700 mil euros de prejuízo do Circuito da Boavista, houve dinheiro para sustentar a empresa de Filipe La Féria em igual montante durante a sua polémica passagem pelo Teatro Rivoli, num negócio que saiu caro à cidade, aos seus artistas e aos agentes culturais” (Porto24), mas não está disposta a investir no apoio a um evento profundamente enraizado na história da cidade.

Tal como na estrada, é tudo uma questão de prioridades: no Porto de Rui Rio, a cultura e produtos derivados, como os livros, têm de deixar passar os carros, especialmente se forem desportivos.

A imagem de cima mostra a Feira do Livro noutros tempos e foi encontrada em Do Porto e não só. A imagem que se segue corresponde ao projecto de Rui Rio para a Feira do Livro deste ano. [Read more…]

Revolução Branca: David contra Golias

movimento
Dá-me muito prazer que uma associação cívica como a «Revolução Branca» consiga fazer frente aos Partidos políticos, dando-lhes cabo dos planos e baralhando as contas que já estavam feitas. Não é para qualquer um!
Ainda assim, pergunto-me qual será o espírito da lei da limitação de mandatos. Não será o de impedir que um determinado autarca se eternize no poder num mesmo município, tecendo uma teia de compadrio e de corrupção que ao fim de vários mandatos se torna simplesmente inexpugnável?
Será que o mesmo autarca, passando para uma Câmara Municipal diferente, conseguirá transportar automaticamente essa mesma teia de interesses como se não tivesse mudado de poiso? Sinceramente, não me parece, mas confesso que não sei o que quis o Legislador com esta Lei.
E também acho que, no fim, os Partidos vão conseguir dar a volta e vão apresentar na mesma estes candidatos. Nem que seja com uma clarificadora lei que apareça nos próximos tempos na Assembleia da República. Já todos vimos que esta maioria é capaz disso e de muito mais. Mas aí é o povo que terá a última palavra…

Subscrevo!

feira do livro

O blogue “Clube de Leitores”, que obteve 37,19% dos votos no nosso concurso do ano passado, tendo vencido a sua categoria, referiu ontem o fim da Feira do Livro do Porto.

Dando conta duma notícia do JN, “De acordo com o que noticiou o diário, na origem do problema está a recusa da Câmara Municipal do Porto em renovar o protocolo de quatro anos que terminou o ano passado, através do qual a organização da feira recebia 75 mil euros, apoio logístico e isenções camarárias”.

Ficamos a saber que a CMP não tem 75 mil euros para subsidiar um dos maiores eventos culturais da cidade.

Questão de prioridades, dir-se-á, e as corridas da Boavista são melhor investimento… Já os imperadores romanos nos tinham ensinado o “panem et circenses” para manter o povo feliz e contente.

O blogue adianta ainda, segundo Miguel Freitas, da APEL, “A avançar a feira iria realizar-se em Junho, mas para isso, segundo cartas enviadas pela APEL aos associados, terão de ser os editores a assumir a verba que a Câmara de Rui Rio deixou de atribuir”. E o secretário-geral da associação de livreiros não acredita que os sócios estejam dispostos a suportar gastos adicionais “num período de crise em que vivemos“. Junte-se o facto de  “os resultados comerciais no Porto não serem relevantes para a maioria das editoras“.

Perante esta situação, também eu subscrevo a frase lapidar do blogue: “Não há muitas palavras para estes acontecimentos para além de uma enorme vergonha e uma série de insultos que me queimam cada vez a língua”.

Se votar Pizarro, Porto dá um prémio aos Governos PS


Em entrevista ao JN, o candidato do PS à Câmara Municipal do Porto, Manuel Pizarro, vem dizer que dar a vitória a Luiz Filipe Menezes nas próximas Eleições Autárquicas significa dar um prémio ao Governo do PSD.
Curiosa a forma como Manuel Pizarro faz a associaçãop descabida entre duas eleições completamente diferentes. Mas seguindo o seu raciocínio, então dar a vitória ao PS significa dar um prémio aos Governos de José Sócrates que dirigiram o país entre 2005 e 2011. Com uma piquena diferença, coisa de somenos: ao contrário do seu adversário, Manuel Pizarro participou desses Governos e, como Secretário de Estado da Saúde, foi um dos coveiros do Sistema Nacional de Saúde.
Durante a entrevista, o candidato do PS tem a distinta lata de apelar a uma convergência à Esquerda. Como se alguém com o seu currículo pudesse alguma vez na vida fazer a ponte entre o PS e os Partidos realmente de Esquerda.
Apesar de tudo, mais vale seguir o conselho de Pizarro. E não dar prémios a quem tem governado o país…

PSD/Porto, aproveitem esta deixa

Esta foto demonstra bem como os/alguns responsáveis da CMP pensam que se reabilita uma cidade.
Primeiro manda-se abaixo (como no Aleixo) e expulsam-se as pessoas (como no Mercado do Bom Sucesso), depois arranja-se uma PPP (como no Palácio de Cristal) para construir de novo.

Podem argumentar o que quiserem mas para mim a fontinha resume-se a isto:
1. O estado central e municipal demitiu-se das suas funções ao deixar uma escola abandonada durante 5 anos.
2. Um conjunto de pessoas resolveu utilizar esse espaço público abandonado para criar um projecto social.
3. A CMP achou que o melhor era tirá-los de lá e deixar tudo outra vez abandonado.

Depois ainda vem com tangas de que querem recuperar a cidade…

Como diz o Pedro Figueiredo “No fundo, temos sido em geral demasiado complacentes e tolerantes para com a CMP. É caso para dizer: CMP Filhos-da-Puta, Rui Rio Fascista / Não perdem por nova okupação! …”

PS: Este é o momento ideal para um certo PSD (vereadores, deputados municipais, …) que não se revê nestas posturas pidescas de Rui Rio se demarcar e começar a mostrar porque razão hão-de ter o voto dos portuenses nas próximas eleições.

Em luta pela Escola da Fontinha


A zona da Escola da Fontinha, situada paredes-meias com a rua de Santa Catarina, parecia estar a viver um Golpe de Estado. Eram 5 ou carrinhas do Corpo de Intervenção e dezenas de Polícias armados até aos dentes.
Os activistas da Fontinha, como se pode ver pelo pequeno filme que fiz, eram extremamente perigosos…

Oposição Medíocre na Câmara Municipal do Porto

O DR RUI RIO É QUE SABE

.
O dr Rio explicou-se e disse das suas razões e das da Câmara Municipal do Porto para vetar o nome do falecido Nobel Saramago para uma rua da cidade.
Após essa explicação ficamos a saber uma de duas coisas:
1 – A oposição, na Câmara, não conhece as leis da cidade nem as regras pelas quais ela se rege
2 – A oposição, na Câmara, conhece as leis da cidade e também as regras pelas quais ela se rege
Dessa forma, e no primeiro caso, pergunta-se o que é que andam a fazer por cá.
No segundo caso ficamos a saber o que por cá andam a fazer. Unicamente a usar de falsidades para colocar a opinião pública contra o executivo da edilidade, sem cuidar de fazer saber a verdade.
De uma forma ou de outra, é triste que fiquemos a saber que a oposição na Câmara Municipal do Porto, tem um nível tão baixo.

.