Poesia & etc. – Manuel da Fonseca

Esta série que hoje inicio tem um formato diferente das que anteriormente dediquei à poesia – neste espaço vão conviver poetas famosos, poetas populares, poetas menos conhecidos… Não será apenas gente já falecida – em alguns casos falarei de poetas vivos. E, de vez enquando, meterei um poema meu.. Para começar escolhi o Manuel da Fonseca, grande poeta e ficcionista.

Falei com Manuel da Fonseca por duas vezes. A primeira, faz hoje (precisamente) 50 anos, foi na noite de 2 de Janeiro de 1960. Como é posso referir com precisão, a data? Porque sei que foi no Inverno de 1960, no dia do aniversário do Mário Henrique Leiria (foi só ver em que dia tinha nascido – 2 de Janeiro de 1923).

Um grupo numeroso – o António José Forte, o Virgílio Martinho, o Saldanha da Gama, o Henrique Tavares e mais alguns de que não me recordo, fomos convidados para a festa de aniversário do Mário Henrique. Quando chegámos à Vivenda Maria Xavier, em Carcavelos, residência do Mário, uma das pessoas que já lá estavam, era o Manuel da Fonseca.

Na sala, brilhava a jóia do Mário Henrique, Fipsy, a linda alemãzinha, com quem acabara de casar e que no ano seguinte lhe passaria as palhetas, fugindo para o Brasil. O Mário foi atrás dela… mas essa é outra história. Fomos bebendo, comendo, conversando. O Manuel observava aquele grupo alienígena de surrealistas (uns autênticos, outros, noviços de pacotilha, como eu). Sorria e bebia lentamente, nunca se misturando na balbúrdia. Vinho tinto. Nós íamos consumindo brande, uísque, vodka (nome que o Mário deu mais tarde a um cão). Sentei-me ao pé dele. Fez-me muitas perguntas – o que fazia, o que tinha escrito…

Lá fui respondendo respeitosamente, pois o Manuel era um «ancião» de 49 anos (bem mais velho do que o meu pai, na altura) e, por outro lado, os seus livros tinham começado a ser muito comentados. Eu lera a «Seara de Vento», que me tinha encantado. Falámos sobre o romance e a propósito de uma observação que fiz, contou-me uma história. Ainda um dia hei-de contá-la aqui.

A festa acabou na praia. Estava uma noite bonita, gélida mas estrelada. Bebemos das garrafas com que o Mário nos aprovisionara à despedida. Andámos à estalada para aquecermos e, sobretudo, para nos divertirmos – o Virgílio a certa altura puxou de um punhal (a sério; ou parecia – talvez fosse uma faca de cortar papel) e abriu um círculo em seu redor. Depois, vendo o nosso susto, desatou a rir-se e deixou cair a «arma». Erro fatal, pois levou um arraial de porrada por nos ter assustado.

Adormecemos. Acordámos, raiava a manhã, enregelados e como a maré subira, alguns estavam a ficar encharcados. Fomos para casa de um amigo que fazia parte do grupo e que morava por ali perto. Não me ocorre o nome, lembro-me que era casado com uma enorme finlandesa. Dormimos mais umas horas, tomámos banho e vestimos roupas que ele nos emprestou. Coisas de gente jovem. Antes de condenar as tontices da juventude de hoje, num acto de contrição, lembro-me das da minha geração, a dos famosos anos 60.

A segunda vez, foi talvez no Verão de 1992. Não tenho pistas que me permitam fazer segundo brilharete. Foi uma reunião na editora que o administrador quis transformar numa coisa solene, formalismo que o Manuel sabotou puxando, por diversas vezes, num saco que pusera debaixo da mesa, uma garrafita envolta em papel pardo, de que bebia uns goles para combater o calor. Era vinho, branco, desta vez, pareceu-me. Antes do administrador chegar ainda tive tempo de lhe recordar o aniversário do Mário Henrique. Rimos a bom rir. Mas não o voltei a ver. Estava parado no trânsito, no viaduto Duarte Pacheco, quando ouvi na rádio a notícia da sua morte, em 11 de Março de 1993.
……………………………………………………………………..
Manuel da Fonseca, sendo considerado um dos pioneiros da poesia neo-realista, não deverá, a meu ver, ser considerada a sua obra poética (tal como a novelística) como um paradigma desse respeitável movimento. A sua poesia, embora pela temática, quase sempre ligada ao real quotidiano, se integre no cânone do neo-realismo, serve-se de uma linguagem de tal modo rica, próxima da de Federico García Lorca que era, como se sabe, gongórica, ornada de símbolos e metáforas. Manuel da Fonseca rompe assim com o despojamento formal que constituía uma das imagens de marca do movimento, aproximando-se mesmo do surrealismo.

Para um poeta com as asas de Manuel da Fonseca, que nada preocupado estava com a obediência ou seguimento de escolas ou de movimentos, é talvez redutor amarrá-lo ao carro de qualquer um deles. Digamos que era um grande escritor, um dos maiores do século vinte. Esqueçamos os rótulos.

Manuel da Fonseca nasceu em Santiago do Cacém em 1911 e faleceu em Lisboa em 1993. Fez parte do grupo do «Novo Cancioneiro». Na sua obra salienta-se «Rosa dos Ventos», uma colectânea de poemas, (1940), o livro de contos «Aldeia Nova»(1942), «Fogo e as Cinzas» (1953) e os romances «Cerromaior», «Seara de Vento» (1958), «Poemas Dispersos» (1958). Era presidente da Sociedade Portuguesa de Escritores quando esta instituição atribuiu o Grande Prémio da Novelística a Luandino Vieira pelo seu livro «Luuanda», facto que determinou o encerramento daquela associação de classe. De «Poemas Dispersos», escolhi o poema seguinte:

Solidão

Que venham todos os pobres da Terra
os ofendidos e humilhados
os torturados
os loucos:
meu abraço é cada vez mais largo
envolve-os a todos!

Ó minha vontade, ó meu desejo
— os pobres e os humilhados
todos
se quedaram de espanto!…

(A luz do Sol beija e fecunda
mas os místicos andaram pelos séculos
construindo noites
geladas solidões.)

Na voz de Adriano Correia de Oliveira, outro poema de Manuel da Fonseca – «Tejo que levas as águas» («Poemas para Adriano». 1972), com música do próprio Adriano:

Comments

  1. teresa says:

    Conheci Manuel da Fonseca em 1986. Algum cansaço físico e falta de audição eram como que anulados pela vivacidade e gosto em falar com os jovens na escola. Todos ficámos fascinados com o excelente contador de histórias que, até então, só conhecíamos dos livros.
    É também excelente este seu texto que em tempos postei:
    http://diasquevoam.blogspot.com/search?q=O+vagabundo+da+esplanada

  2. Luis Moreira says:

    É um dos poetas de que mais gosto.

  3. Carlos Loures says:

    É verdade, Teresa, o Manuel da Fonseca era um grande contador de histórias. Acusavam-no de gastar demasiado tempo a contá-las em vez de as escrever. A que me contou em casa do Mário Henrique é interessante e transformei-a, mas tarde, num case study. Hei-de contá-la. A do vagabundo na esplanada, é deliciosa. Obrigado, Teresa, pelo comentário e pela evocação.

  4. teresa says:

    Ficaremos então a aguardar com interesse o relato dessa história/estória:)

  5. Carlos Loures says:

    Contarei a história, Teresa, numa próxima crónica. Pequena, mas encerrando uma judiciosa lição.


  6. Bom trabalho, Carlos, como era de esperar.

  7. Carlos Loures says:

    O Manuel da Fonseca era um grande escritor. Não sei se reparaste na beleza acutilante da letra que ele escreveu para o Adriano. Consegue dizer coisas de uma grande violência sem ser panfletário, mantendo um registo poético.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.