O Sonho

 

 

 

adão cruz

 

O sonho

O sonho

acesso do silêncio ao dilatado vento da palavra o direito da sombra na luz de todas as cores.

O sonho

doce caminho dos lábios perfumados de alheias maçãs a voz que há-de voar quando se calarem as asas.

O sonho

canção intemporal que dá razão à loucura a sede de todas as fontes a água de toda a secura.

O sonho

vento leve e sensual tocado de algas e maresia adormecido o pensamento na doce cama da fantasia.

O sonho

uma flor a sorrir no outro lado do rio onde as quebras do silêncio dão voz ao melro vadio.

O sonho

os barcos que chegam tarde carregados de vinho amargo a esperança de todo o tempo sem outro tempo de esperar.

O sonho

mar derramado na areia fina beijando o corpo feito casa a paz da tarde adormecida sem corpo para morar.

O sonho

mão apertada ao escudo da liberdade ameaçada o sonho tempo perdido tempo de sonho e de nada.

O sonho

flor de orvalho colhida no seio efémero da madrugada o silêncio da canção perdida no beijo da noite atraiçoada.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.