Relvas Roça Rente Rancores Reles

Relvas é uma coisa tradicional na Política em Portugal: motor desmedido em contactos, cumplicidades, na grande soma e subtracção de favores e gratidões de que se faz o grande bloco central e homogéneo de interesses e poderes. Depreende-se do testemunho muito correcto e sereno de Helena Roseta, que Relvas, político frenético e activista, vive e prospera do tráfico de influências, da negociação política permanente com a sua crueza implacável feita de ganhos, perdas, contrapartidas, agrado a gregos e a troianos. Um homem assim, visceral aparelhista, não tem moral para falar na ‘exportação’ dolorosa dos nossos activos humanos, com a brutal ruptura de laços que ela envolve, com esse reconstruir de vidas portuguesas na distância da Pátria Amada, no natural esfriamento e estranhamento familiar, não como opção, mas como única saída. Mais lhe vale falar de futebol e ir pastorear gambozinos.

Comments


  1. Concordo! E também acho que o Relvas é “uma coisa”. 😉

  2. maria celeste ramos says:

    Os “relvas” são os predadores de gravata de seda natural e riso de escárnio – são “coiotes” do ecossistema humano do planeta que com eles e por causa deles “agoniza” no BIOS e nas mentes e no espírito – são malévolos – são a parte negra do “homem” – são assassinos legalizados – e mal “paridos” – são “semente do diabo” do “coitado” do Polanski – são odiosos – são o mais fiel espelho da parte de trás onde só há negritude – mas o espelho tem o outro lado e há quem seja o oposto embora não chegue para uma sociedade global que se revolta contra a destruição dos mais cristãos princípios da vida mesmo que sejam “ateus” – são “parentes” dos judeus ortodoxos de negro vestidos e caracolinhos loiros a cair cara abaixo – são abutres da vida humana


  3. parlavam palavras pobres para powers powders polvorinhos pelouravam

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.