Mega-Agrupamentos: MEC acaba de publicar uma nova lista

Que tem muitas novidades.

Só espero não ter aulas nesse dia

Não quero perder isto por nada deste mundo.

Avaliação de Professores: Nuno Crato, afinal é amigo

Este ano não são avaliados. Quem é amigo? Quem é?

A exigência da direita conservadora ao serviço da qualidade da Escola Pública.

Viva Nuno Crato! Viva!

(Agora já se podem rir!)

Eu, meretriz

Com a má vontade que me caracteriza, recusei-me a considerar como reformas estruturais as acções do actual governo, ao retirar poder de compra e direitos aos trabalhadores portugueses. Talvez, afinal, estivesse enganado e tudo isso fizesse, final, parte de um plano para nos colocar ao nível de outros países.

Acreditando numa sociedade assente na solidariedade, na redistribuição equilibrada da riqueza e num Estado suficientemente forte para não se deixar apropriar pela corrupção legalizada e suficientemente sensato para não entravar a iniciativa privada, confirmo, afinal, que tenho andado a pagar impostos e a ser espoliado de parte do meu salário para pagar dívidas de autarquias e parcerias público-privadas.

O governo, com a cumplicidade de todas as outras instituições – incluindo um partido que se finge zangado em público, mas que se presta a um coito ininterrupto em privado –, arremeda orgulho pela obra (des)feita, contando, ainda, com o apoio de uma certa Alemanha cujos caninos hitlerianos parecem renascer.

Não cairei na deselegância de insultar a mais antiga profissão do mundo, afirmando que essa gente é uma cambada de filhos da puta. Puta sou eu, obrigado a dar o corpo ao manifesto e a sustentar uma chusma de proxenetas que ainda têm o atrevimento de me dizer que ando a viver acima das possibilidades. E enquanto o lenocínio continua impune, ainda temos de ler inteligentes a confundir desespero com empreendedorismo ou outros que, num país crescentemente subdesenvolvido, têm o desplante de considerar que existe um investimento excessivo em Educação.

Políticos amadores

Queremos políticos amantes do nosso país. Políticos que sabem de cor a nossa fabulosa História. Políticos conscientes. Políticos que representam o povo. Políticos que defendem a nossa cultura e a valorizam mas não para dar nas vistas e por ocasiões como a Expo 98 e Guimarães – Capital Europeia da Cultura. Eliminam-se feriados históricos e religiosos por falta de respeito ao nosso passado. Temos políticos que se preocupam com Candidaturas a Património da Humanidade, mas a Cultura em Portugal está em «coma»… A lista é interminável.

O presidente da Câmara de Óbidos precisa de Cristiano Ronaldo para promover a sua cidade… Esperou por ele desesperadamente, o coitado! Como se Óbidos não fosse, só por si, motivo de orgulho e possuidora de uma beleza e história dignas de admiração. Quem acorre a Óbidos nestes dias de Estágio da Seleção vai com os olhos postos nos jogadores e mais ainda nos milhões de euros estacionados na cidade medieval linda de buganvílias, da pintora Josefa que viveu no século XVII ou do licor de ginja que se bebe pelo copinho de chocolate. Isto só para mencionar três dos aspetos que me levam a ir a Óbidos repetidas vezes. Mal estamos se o futebol é pretexto para a cultura… e esta vai a reboque.

Os políticos podem aprender uma coisa com estes futebolistas: o profissionalismo que lhes falta!!

Mas os nossos políticos têm culpa no cartório na manutenção desta mentalidade.

Não temos políticos que exercem por gosto e sem outro interesse que não servir. Temos políticos «amadores» no pior sentido.

Notas Soltas

A cinco mil quilómetros de distância, Portugal chega-me pela palavra escrita, pela televisão, pelos telefonemas e e-mails dos amigos. Tudo devoro com ansiedade e uma intensa preocupação.

Até ao dia 30 de Maio de 2012, vários me diziam que Passos Coelho é um “tipo sério”. Pela imagem, pela linguagem corporal, ele parecia-me sisudo, melancólico, com o olhar inteligente do pargo cozido. Como um jerico. A partir dessa data, seguindo o debate parlamentar sobre a convivência negada, e depois confirmada, entre Silva Carvalho, maneirinho e fino como Toni Soprano, e Miguel Relvas, físico e porte de açougeiro, ambos e dois tresandando a Loja, fiquei sem dúvidas acerca do Coelho que passou um cheque um branco de confiança a Relvas. A vantagem é irem os dois ao fundo ao mesmo tempo. Pena é se têm tempo de vender Portugal a retalho, e ao desbarato, RTP-1 incluida.

O coiso de Vancouver é um triste,coitado. Se não consegue a embaixada da UNESCO, o que porá Paris a rir, está feito ao bife com a universidade canadiana: não traz consigo uma estrelinha, ao menos uma, de brilho e justificação. É espantoso como a vaidade ou melhor, como a cagança provinciana, pode levar ao charco.

Quando se pede uma entrevista a uma pessoa é porque se considera importante o que ela tem para dizer. Portanto, é para deixar a pessoa falar. Não o entendeu assim José Rodrigues dos Santos, aquele que pisca o olho a despropósito, quando fez tudo para que Paulo Campos não falasse. Um festival de ignorância e mau jornalismo. O jornalista feito chico esperto. E eu a fazer minhas as palavras dum cartaz de rapaziada: O CHICO É ESPERTO MAS É MALCRIADO.

Já que estou com a mão na massa, pergunto porque é que os contribuintes têm de pagar a clamorosa má criação e ordinarice de Pedro Granger no concurso O ELO MAIS FRACO. Naquela casa náo há chefe,director, provedor?

Tudo somado, no que respeita a humor, salva-se o ESTADO DE GRAÇA, com sabor revisteiro e autêntico.

Agradeça a Paulo Campos

O meu caro leitor tem de ir a uma estação dos correios pagar as ex-scut? Agradeça a Paulo Campos

Teve de comprar Via Verde para transitar nas ex-scut sem ter de passar horas nos correios? Agradeça a Paulo Campos

Tem um restaurante raiano que perdeu clientes em flecha desde que se tem de pagar ex-scut nos correios? Agradeça a Paulo Campos.

Tinha uma loja de artesanato, uma produção de azeite, um negócio turistico que fechou por falta de turistas depois de se ter de pagar as ex-scut nos correios? Agradeça a Paulo Campos.

O Algarve perdeu milhões e afectou a sua imagem depois de obrigar turistas a pagar as ex-scut nos correios? Agradeça a Paulo Campos.

As ex-scut ficaram mais caras para o estado depois de renegociadas por ele do que antes disso? Agradeça a Paulo Campos.

Acha o pagamento das ex-scut nas formas hoje em vigor uma cromice? Agradeça a Paulo Campos.

Sente-se tão enganado como o Tribunal de Contas? Agradeça a Paulo Campos.

Acha que o estão a tomar por tolo quando lhe dizem que o peso das PPP no PIB é apenas de 0,22%? Agradeça a Paulo Campos. [Read more…]

Aliens Elogiam o Povo-Pá e o Governo Passos Coelho


Não percebo, o governador do banco central da Holanda, Klaas Knoto, veio dizer que o Governo Passos Coelho e a população de Portugal devem continuar a fazer esforços difíceis para superar a crise financeira; disse também que muitos ciclos viciosos estão a ser transformados em ciclos virtuosos; que Portugal deve insistir nos esforços para superar as dificuldades financeiras; declarou esperar que haja mais perseverança dos governantes e da população de Portugal para prosseguir estes esforços. Ora, não vi esta espécie de elogio enfático devidamente sublinhado no Público. Porquê?

Por sua vez, Philipp Rosler, ministro alemão da Economia e da Tecnologia, e vizekanzler, veio cá, ao Porto – Gaia, esta quarta-feira, para dizer que tinha orgulho no esforço que Portugal tem vindo a desenvolver através das reformas estruturais, agradecendo à sociedade portuguesa e prometendo ajudar no incremento das exportações portuguesas. Passo a citar: «Em primeiro lugar, nós temos orgulho no que Portugal conseguiu até agora com as medidas. Não são só medidas de austeridade, não se trata só de ter um orçamento público sólido, mas também se trata de reformas estruturais.» [Read more…]

Acordo Ortográfico: a bicha, a bica, as peúgas e o mais que se verá

Roubado ao João Roque Dias

A Guerra do Fogo

A Guerra do Fogo
de Jean-Jacques Annaud
França e Canadá, 1981
O filme retrata dois grupos de hominídeos durante o Paleolítico. O primeiro grupo, ao contrário do outro, desconhece o processo de fabrico do fogo e vê-o como algo de sobrenatural. Esses dois grupos vão entrar em contacto e a técnica do fabrico do fogo vai acabar por se disseminar.

Da série Filmes completos para o 7.º ano de História
Tema 1 do Programa: Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações
Unidade 1.1. – As sociedades recolectoras